O Festival de Berlim começa nesta quinta-feira (11) tendo o cinema produzido no Amazonas entre os destaques. Rodado em Manaus, “Antes o Tempo Não Acabava” será exibido dentro da Mostra Panorama, seção paralela à mostra da competição oficial dedicada a produções do mundo inteiro. O filme é dirigido pelo amazonense Sérgio Andrade em parceria com Fábio Balbo.

Esta é a primeira vez que um filme do Amazonas participa de um dos três tradicionais festivais de cinema da Europa (Berlim, Cannes e Veneza). O Cine Set esteve nas gravações do filme realizadas no fim de 2014 e Diego Bauer trouxe, em primeira mão, as novidades do projeto (clique aqui).

Sérgio Andrade começou a carreira de cineasta com o curta-metragem “Criminosos” sendo seguido de “Um Rio Entre Nós“, ambos vencedores de prêmios no Amazonas Film Festival. A trajetória nacional do diretor ganhou destaque com o curta “Cachoeira“, ganhador de dois troféus no Festival de Brasília. Com o longa “A Floresta de Jonathas“, Andrade viajou a 32 festivais de cinema ao redor do mundo.

Com o título inglês de “Time Was Endless“, o filme será exibido em seis sessões durante o Festival de Berlim a partir desta sexta-feira (12) até o dia 20 de fevereiro. “Antes o Tempo não Acabava” mostra a história de Anderson, um indígena que enfrenta os líderes da sua comunidade e as tradições de seu povo para ir morar sozinho no centro de Manaus.


Mais Brasil em Berlim

Presente no Festival de Berlim, o documentário “Curumim” possui uma história ligada com o Amazonas. Dirigido por Marcos Prado, o filme traz a história de Marco Archer, brasileiro condenado e executado na Indonésia por tráfico de drogas. A família dele era amazonense e lutou em Manaus para evitar o desfecho trágico. O último representante do país na Mostra Panorama será o novo longa de Anna Muylaert (“Que Horas Ela Volta?”),  “Mãe Só Há Uma”.


Coen e crise dos Refugiados são destaques

A organização do Festival de Cinema de Berlim de 2016 não escondeu que a edição deste ano tem uma questão vital em sua mostra competitiva: a crise dos refugiados.

Dezoito filmes disputam o Urso de Ouro, o grande prêmio da Berlinale. O filme de abertura será “Ave, César!”, de Joel e Ethan CoenTilda Swinton, Channing Tatum, George Clooney, Scarlett Johansson e Ralph Fiennes estão no elenco do filme, ambientado na era de ouro de Hollywood, e alguns deles são esperados no tapete vermelho.

A comédia que mostra os bastidores de uma produção nos anos 1950 terá um destaque isolado em um festival que, tradicionalmente, não abre muito espaço para os gêneros leves.

Dezenas de filmes nas diversas mostras da 66ª edição da Berlinale abordam os dramas das pessoas em fuga das guerras, opressão ou miséria.

A Alemanha vivencia na pele a crise dos refugiados do Oriente Médio, com a chegada em 2015 de mais de um milhão deles, o que provoca um grande debate na sociedade germânica.

O diretor do festival, Dieter Kosslick, defende uma concepção militante do evento ao recordar que “desde 1951, a Berlinale tem contribuído para promover a paz entre os povos e este ano não será exceção”.

“Temos que confrontar a realidade que nos cerca e não apenas sorrir no tapete vermelho”, completou Kosslick.

Na disputa pelo Ursos de Ouro e Prata, que serão anunciados em 20 de fevereiro, o documentário “Fuocoammare” (Fogo no mar) do italiano Gianfranco Rosi apresenta o drama dos refugiados visto a partir da ilha de Lampedusa.

O festival também organizará iniciativas especialmente destinadas a ajudar os refugiados, incluindo arrecadação de fundos, convites para exibições e estágios nos sets de filmagem.

Cartas de guerra“, do português Ivo Ferreira, fala da guerra em Angola, enquanto “Smrt u Sarajevu” “(Morte em Sarajevo”) é uma parábola política do bósnio Danis Tanovic.

Para aqueles dispostos a passar oito horas em uma sala de cinema, “Hele Sa Hiwagang Hapis” (“A Lullaby to the Sorrowful mystery”, título internacional) do filipino Lav Diaz narra a emancipação de seu país do império colonial espanhol no século XIX.

Soy Nero“, do iraniano Rafi Pitts, uma co-produção França, Alemanha e México, conta a história de um imigrante sem documentos mexicano que se alista no exército dos Estados Unidos para adquirir a cidadania americana.

Kosslick disse que o “tema principal este ano é o direito à felicidade, o direito a um alojamento, ao amor e a escolher sua vida”.

Também na mostra competitiva, o festival exibe o documentário “Zero Days”, de Alex Gibney, sobre a guerra cibernética dos Estados Unidos e de Israel contra as ambições nucleares do Irã.

Facebook Comments