Após o sucesso que “Obeso Mórbido” está tendo ao receber prêmios e participando de diversas mostras de cinema pelo Brasil, o diretor Diego Bauer já tem em mente seu próximo curta-metragem. Trata-se de “Enterrado no Quintal”, uma adaptação de um conto escrito pelo amazonense Diego Moraes e que deve ser lançado a partir do próximo ano em festivais e mostras de cinema do país.

Projeto da Artrupe Produções Artísticas, o filme já tem no elenco a atriz Isabela Catão, nome que, nos últimos meses, vem despontando no audiovisual manauara. Ela arrancou elogios como protagonista de “A Goteira”, de Bernardo Ale Abinader, sendo um dos destaques na Mostra Olhar do Norte deste ano por seu excelente trabalho carregado de sutilezas no papel principal.

Em “Enterrado no Quintal”, Catão será novamente a protagonista, desta vez vivendo uma mulher que jura vingança contra o seu pai, que está desaparecido e, no passado, agredia a filha e a esposa. Sobre Catão, Bauer diz que a escolheu por ser uma oportunidade de trabalhar com uma excelente atriz e ser um “privilégio porque a Isabela é um tipo de talento que não vai demorar para alçar voos maiores e mais condizentes com a capacidade dela”.

PRESENTE DE DIEGO MORAES

Para Diego, o que lhe chamou a atenção para “Enterrado no Quintal” foi o estilo de escrita de Diego Moraes. “Já é um filme quase pronto. Da maneira como está descrito em primeira pessoa, é bastante visual. Acho que tem uma coisa bem amazônica”. Dentre os temas que busca trabalhar, a principal é a violência contra a mulher e, para Isabela Catão, esta é uma das razões que a atraiu para o curta.

“Existem minúcias que podem ser captadas com muita potência, além de abordar assuntos como a violência doméstica e as consequências que esses atos irresponsáveis podem causar na vida das pessoas que sofrem direta e indiretamente com essas questões”, declarou a atriz.

As filmagens têm previsão para iniciar em setembro e Diego Bauer e Isabela Catão dizem estar bastante ansiosos para as gravações. “Enterrado no Quintal” irá apresentar novos desafios para o diretor amazonense começando pela questão de ser uma adaptação e não um roteiro original. Mesmo assim, Bauer sabe que isso é uma exceção e não regra dentro do audiovisual local. “Eu estou aprendendo a aceitar que se eu quiser fazer um filme, provavelmente vou ter que criá-lo. Dificilmente eu vou receber um presente, como esse do Diego Moraes de oferecer um material de altíssima qualidade para que eu passe o meu olhar de diretor”.

INFLUÊNCIA MINEIRA ENCONTRA O LÍRIO DO VALE

Todo o filme será rodado no bairro Lírio do Vale, na zona oeste de Manaus, local onde o diretor mora e em que pretendia contar uma história. O projeto se encaixou dentro do que estava procurando. Influenciado pelo trabalho do cineasta mineiro André Morais Oliveira, de obras como “Temporada”, “Ela Volta na Quinta” e “Quintal”, Bauer busca trazer para o seu curta “o bairro como contador de histórias” e uma “periferia mais verde”. Ele também acredita que as imagens do Lírio do Vale irão criar um contraste com o tom de suspense alcançado a partir de soluções sonoras.

“Enterrado no Quintal” será produzido com recursos próprios da Artrupe sem esperar financiamentos via edital. Ao realizar “Obeso Mórbido”, Diego conta que o filme só foi aprovado em edital de financiamento após as filmagens. Ele resolveu fazer o mesmo desta vez e acredita que as produções em Manaus devem começar a seguir este caminho. “Temos a consciência que precisamos nos mexer para produzir de forma barata e com qualidade, sem paternalismo, como é feito em outras partes do Brasil. As condições ideais não existem e a gente pensa em fazer na raça, de forma barata”, comenta Bauer.

A equipe de “Enterrado no Quintal” conta, até o momento, com Ítalo Almeida na assistência de direção, César Nogueira na direção de fotografia, Eduardo Resing na montagem e Francisco Ricardo como Diretor de Arte. O resto do elenco e da equipe ainda será definido.

‘Noite Escura da Alma’: terror amazonense com ares de parábola bíblica

Em um poema intitulado “A noite escura da alma”, o espanhol São João da Cruz descreve a jornada da alma, desde todas as dificuldades que enfrenta no mundo carnal até a união com Deus. Essa “noite escura” é a prova de fogo derradeira para o crescimento espiritual, como...

‘La Arrancada’: uma boa largada de Aldemar Matias em longas-metragens

Aldemar Matias é um dos principais expoentes do Amazonas no cinema de não-ficção hoje. Seu filmes têm em comum um olhar atento e curioso, mas que respeita a noção de distanciamento para extrair o que de melhor surge das histórias que pretende contar. É...

‘A Goteira’: show de Isabela Catão em filme de altos e baixos

Recentemente, Diego Bauer, integrante da Artrupe Produções e crítico do Cine Set, fez uma lista de cinco atores amazonenses que o cinema local deveria olhar com mais atenção. Isabela Catão estava entre eles e, se alguém por algum caso, torceu o nariz pela...

‘Vila Conde’: retrato simbólico do jogo de poder brasileiro

Por trás do discurso bonito e das aparências, "pessoas de bem" são capazes de fazer monstruosidades. É o que mostra o Brasil atual assim como "Vila Conde", novo curta-metragem de Rômulo Sousa. O jovem diretor local realiza o primeiro filme na ficção após o...

‘Zana: O Filho da Mata’: curta respeita público infantil em celebração ao universo amazônico

"Zana - O Filho da Mata" é o segundo curta-metragem de ficção da carreira de Augustto Gomes na direção. Selecionado para o Festival Olhar do Norte 2019, trata-se de uma produção capaz de acreditar na inteligência do público infantil e visualmente acima da...

‘A Terra Negra dos Kawa’: proposta intrigante perde força em filme lacunar

Formatos tradicionais, com aqueles três manjados atos bem fechados e personagens de personalidade e arcos dramáticos claramente demarcados, não são garantia de geração de identificação entre público e um filme. Quando os filmes partem para propostas menos...

‘BR-319: Bem-Vindo à Realidade’: a estupidez e a cara de pau são Pop

Obras como "BR-319: Bem-Vindo à Realidade" são um alento em meio ao debate político e social cada vez mais pobre no Brasil atualmente. O documentário dirigido por Gustavo Faleiros, selecionado para o Festival Olhar do Norte 2019, desperta atenção para as...

‘A Última no Tambor’: curta mostra como fazer suspense policial com qualidade

Você pode reclamar de qualquer coisa nos curtas de Ricardo Manjaro, menos que falta precisão técnica nos seus trabalhos. A Última no Tambor sua estreia como diretor, já mostra suas obsessões estéticas, algo que ficaria ainda mais perceptível nos seus...

‘Sons do Igarapé’: bonito curta entre o poético e o natural das relações amorosas

Os minutos iniciais de Sons do Igarapé já mostram a tônica do primeiro curta-metragem do ator Victor Kaleb: o zelo pelas imagens e enquadramentos. Isso é visível de ser observado, tanto no cuidado estético visual que é reforçado pela bela fotografia de...

‘Obeso Mórbido’: clima tenso marca interseções entre ficção e documentário

Frankie teardrop ressoa na profusão de imagens pixelizadas. A música lembra um rito ou suicídio – não por acaso, Suicide é o nome da banda que a executa. Já a baixa qualidade das telas – dos celulares, computadores – mostradas na tela – do cinema – lembram...