O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo: vários filmes de terror ao longo da história do cinema fizeram isso, e o gênero sempre foi uma ferramenta eficaz para discutir os tabus, preconceitos e o lado negro da sociedade. Mas como estamos em 2020 e esta produção se encaixa na corrente do chamado “pós-terror”, para muita gente, os filmes do gênero só ficaram inteligentes de uns poucos anos para cá – o que não é verdade, claro. Felizmente, em O Que Ficou para Trás, o medo e o comentário social estão em concordância um com o outro.

Na história, acompanhamos o casal Majur: Bol (vivido por Sope Dirisu) e Rial (vivida por Wunmi Mosaku) escaparam da pobreza e do horror do Sudão para a Inglaterra. A viagem num barco foi terrível, mas eles conseguiram, apenas para trazer consigo outro tipo de horror. Ao chegarem à Inglaterra, são mandados para um condomínio, onde terão que se submeter às leis de imigração inglesas. Não podem trabalhar nem deixar sua casa pelo período de tempo em que serão avaliados. O oficial da imigração, interpretado por Matt Smith, diz a eles: “Sejam dos bons”, ou seja, comportem-se e não criem confusão. A situação se complica quando ambos começam a presenciar estranhos fenômenos na casa e aparições fantasmagóricas que lhes ameaçam a vida. Com o tempo, percebem que foram eles quem, inadvertidamente, despertaram este terror.

De cara, Weekes (também um dos autores do roteiro) subverte certas convenções. Uma das maiores reclamações – e um clichê irritante, também – que se pode fazer sobre filmes de casa assombrada é a muitas vezes absurda inabilidade dos protagonistas de simplesmente caírem fora dos imóveis amaldiçoados. Weekes cria uma narrativa na qual não é possível questionar isso, ou seja, seus personagens são forçados a ficar e confrontar a fonte dos seus temores, e daí vêm algumas cenas realmente criativas e assustadoras. E o filme tem, sim, momentos assustadores…

HORROR FUNDAMENTADO NA HUMANIDADE BÁSICA

A história do longa é claramente alegórica, permitindo ao diretor abordar temas como racismo estrutural e abismo social, que são na verdade universais – O Que Ficou para Trás poderia ser ambientado no Brasil sem grandes mudanças no roteiro, por exemplo. É emblemática a forma como Bol deseja fazer parte da sua nova sociedade – a cena no bar com torcedores acompanhando um jogo de futebol representa isso. Já Rial é a primeira a perceber que o caminho para escapar do pesadelo ainda é longo, especialmente quando sofre racismo ao andar na rua – e curiosamente é um rapaz negro quem a manda “voltar pra África”. O feito do filme é realmente admirável, ao combinar essas duas vertentes narrativas – o terror e o aspecto social – sem que uma tire muito a força da outra.

É um filme de ritmo deliberado, sem pressa, e que se preocupa em construir sua atmosfera, acima de tudo – espectadores impacientes talvez tenham problemas com isso… De fato, o ritmo não é dos mais envolventes, nem a história consegue deixar de ser meio previsível, caso o espectador já tiver visto alguns filmes de terror na vida. Mas para quem investe nela, a experiência acaba sendo recompensadora. Não chega a ser um grande filme, mas a condução de Weekes é segura, o casal central de atores está ótimo – e parecem com gente real, o que torna a situação ainda mais forte – e, acima de tudo, é uma obra bastante humana, que fala sobre como os fantasmas mais assustadores, na maioria das vezes, são os que levamos dentro de nós, aonde vamos. O terror de O Que Ficou para Trás é um horror fundamentado numa humanidade básica, e na herança que, quer queiramos ou não, sempre nos acompanha, apesar de nossos esforços para deixá-la para trás e recomeçar.

‘Batman Eternamente’ e os retrocessos das escolhas da Warner

Em 1989, Batman de Tim Burton virou um sucesso arrebatador nas bilheterias e despertou uma onda de batmania pelo planeta. Três anos depois, em 1992, Burton lançou Batman: O Retorno e... boa parte do público o considerou um filme simplesmente estranho. Ele ainda foi...

‘Respect’: Aretha Franklin diluída em cinebiografia sem força

Aretha Franklin é um ícone da música mundial. Ao longo de seus mais de 50 anos de carreira, ganhou 18 Grammys e deu voz a uma das composições mais memoráveis do mundo gospel: “Amazing Grace”. Também interpretou clássicos como “Natural Woman”, “I Say a Little Prayer” e...

‘Coda – No Ritmo do Coração’: afeto e inclusão para conquistar o público

A repercussão de "Coda - No Ritmo do Coração" no Festival de Sundance deste ano, ganhando quatro prêmios (Melhor Direção, Melhor Elenco, Melhor Filme pelo júri e pelo público), já dava indícios de que o filme era uma boa produção para ficar atento. A propósito, esta...

‘Todos Estão Falando Sobre Jamie’: musical artificial não sai da zona de conforto

“Todos Estão Falando Sobre Jamie”, é um drama musical estrelado por Max Harwood e retrata o início de carreira de Jamie New, um jovem gay prestes a se formar na escola e que decide se tornar uma drag queen. Estreante nos cinemas, Jonathan Butterell dirigiu a peça...

‘Minamata’: filme denúncia protocolar segue linha do branco salvador

Um dos maiores ofícios do jornalismo e do fotojornalismo sério e comprometido é denunciar, gerar notícia e colocar holofotes em algo que está errado, comprometendo uma série de questões éticas, morais, sociais e humanitárias. Há grandes momentos da história recente em...

‘Hit the Road’: uma das maiores surpresas do cinema em 2021

Hilário e tocante, "Hit the Road" é uma das maiores surpresas do cinema de 2021. O longa, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano depois de estrear na Quinzena dos Realizadores em Cannes, adiciona uma boa dose de...

‘Batman: O Retorno’ e a vingança dos reprimidos sexuais

Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito. Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando...

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...