Como todo grande acontecimento no mundo hollywoodiano, o movimento #MeToo não demorou muito para se tornar uma fonte de inspiração para muitas produções no cinema. Seguindo essa proposta, a diretora e roteirista Kitty Green (‘Quem é JonBenet?’) apresenta ‘A Assistente’ com uma narrativa simples e direta, porém, completamente eficaz. 

O longa acompanha Jane (Julia Garner, de “Ozark“), uma aspirante a produtora que conseguiu um emprego como assistente de um poderoso executivo do entretenimento. À medida que os dias passam, Jane passa a perceber todos os abusos envolvendo seu ambiente de trabalho. 

Como protagonista e única personagem realmente bem desenvolvida pela trama, Jane acumula diversas funções no trabalho desde os primeiros minutos do longa. Entretanto, a sensação de incômodo e humilhação só tende a aumentar conforme novos detalhes sobre sua relação com o chefe são reveladas. 

Para retratar um chefe tão tóxico e problemático, Green utiliza uma estratégia a qual eu particularmente sou fã: não mostrar visualmente o personagem, mas sim deixar o público conhecer pequenos detalhes sobre ele. Afinal, os telefonemas furiosos do chefe e e-mails de desculpas de Jane são os únicos momentos de relacionamento direto entre os dois, sendo todo o resto mostrado a partir da ótica de uma assistente, a qual, assim como o espectador, tenta decifrar o quão vil pode ser seu superior.   

A grande combinação de Green e Garner 

Sem grandes personagens para contracenar, Jane cresce diante do público por meio da performance excelente de Garner. A atriz retrata perfeitamente o peso psicológico de sua posição e a suas incertezas ao recorrer ao setor de recursos humanos para falar sobre o comportamento de seu chefe. A cena, inclusive, é um dos grandes momentos do longa graças ao diálogo e boa dinâmica entre Garner e o colega interpretado por Matthew McFadyen com sua postura passivo-agressiva. 

Assim como em ‘Quem é JonBenet?’, Green explora ao máximo a direção de fotografia para criar uma certa melancolia em “A Assistente”. Neste caso, a principal estratégia é destacar o isolamento e solidão de Jane em relação aos seus colegas e ambiente de trabalho. Para completar, o tom melancólico é palpável nas cores predominantemente frias.   

Sem a presença de um final feliz, uma grande reviravolta ou expectativa de superação por Jane, ‘A Assistente’ conta um capítulo da vida de muitas mulheres, seja na indústria cinematográfica, seja em qualquer outro trabalho. A escolha por uma narrativa menos idealista pode até não agradar ao público totalmente, porém, não prejudica em nada tantas qualidades desta produção. 

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...

‘Sertânia’: cinema como luta e resistência às agruras do sertão

Que a idade não é impeditiva para grandes diretores seguirem fazendo trabalhos excelentes a cada ano não é novidade – Manoel de Oliveira e Martin Scorsese, talvez, sejam os casos mais exemplares nos anos 2010. Porém, aos 81 anos, Geraldo Sarno, figura fundamental para...

‘Black Box’: ficção científica lembra episódio esticado de série

Entender como funciona o nosso subconsciente parece ser um daqueles mistérios que nunca acabará, nem mesmo se um dia forem criadas máquinas que leiam o pensamento humano. A arte, de forma geral, tenta ofertar soluções que sanem a nossa curiosidade. No cinema, por...

‘O Reflexo do Lago’: documentário fica pela metade em muitos caminhos

Primeiro filme paraense a ser exibido no Festival de Berlim, “O Reflexo do Lago” tateia por diversos caminhos da Amazônia e do documentário ora acertando em cheio pela força das suas imagens ora tropeçando nas próprias pernas pelas pretensões colocadas para si. Nada...