Nova minissérie da HBO, “Chernobyl” traça todos os fatos que ocorreram após o desastre nuclear na região durante o regime da União Soviética. Apesar de ser um fato histórico conhecido publicamente, o enredo revela como o caso ficou cercado de ocultações e mentiras nos registros oficiais divulgados. É isso que torna a produção tão fascinante: revelar o verdadeiro custo que mentiras podem ter quando várias vidas estão em jogo.

Criada por Craig Mazin – conhecido por ter escrito filmes das séries “Se Beber, Não Case” ou “Todo Mundo Em Pânico” – “Chernobyl” embarca em uma profunda reconstrução dos acontecimentos que ocorreram na cidade de Pripyat após o acidente. Percebe-se de imediato que algo está errado em toda a situação quando você sente a completa ausência da sensação de urgência diante do caso. Esta só começa a surgir a partir do segundo episódio quando um cientista interpretado por Jared Harris (“Fringe”, “Lincoln”) revela a grandeza da catástrofe.

A série vai apresentando em cadeia as reações de causa e efeito na população contaminada, incluindo, até mesmo os animais domésticos e selvagens. Diante disso, “Chernobyl” não poupa o espectador dos momentos mais desesperadores possíveis. A cada minuto, um novo desafio e uma nova tragédia a ser evitada, não existe nada de feliz ou esperançoso na narrativa. Os personagens lidam o tempo todo com decisões importantes e com um custo alto em retorno.

Mesmo diante deste desastre, “Chernobyl” revela como a URSS concentrou maiores esforços na imagem externa do país do que na assistência às vítimas. Esta omissão do governo soviético contribui para os efeitos devastadores do acidente, sendo irônico perceber, no fim, como a tragédia foi um dos responsáveis pelo colapso do regime.

Por isso, a produção destaca o valor dos cientistas, fundamentais para resolver todo o problema e atenuar o sofrimento das vítimas. Diante de um Estado omisso e que omitir sua incompetência, os cientistas acabam sendo os indivíduos que irão a todo custo descobrir a verdade. A personagem Ulana Khomyuk (Emily Watson) simboliza todos estes profissionais envolvidos no caso.

VERDADE SEMPRE VEM À TONA

Diretor de episódios em séries como “Breaking Bad” e “The Walking Dead”, Johan Renck cria um estado de tensão latente na série mesmo quando os personagens estão em uma apatia profunda. Ele acerta em filmar a série com pouca luz artificial e deixar as belas paisagens urbanas e rurais de Pripyat revelarem o tamanho da tragédia. O som dos leitores de radiação também se torna um eficiente recurso dramático gerando tensão, pois quanto mais os indivíduos se aproximam dos restos do reator, mais rápido eles apitam.

Por outro lado, apesar de Craig Mazin, com perspicácia, perceber que são as mentiras do caso o elemento fundamental para o ocorrido, roteirista acaba entrando numa cilada ao tentar excessivamente apontar culpados e forçar situações fazendo juízos de valores e criando maniqueísmos. Na cena do julgamento do desastre onde o cientista Valery Legasov (Jared Harris) apresenta todas as mentiras que disse ao mundo ocidental e expõe o regime soviético, o texto assume um viés moralista.

Porém, durante a série, começa a ficar óbvio que o mais importante não é quem culpar pelas falhas, mas sim, revelar as mentiras da tragédia, como essas pessoas lidaram com as consequências do desastre, como isto afetou as suas vidas e quais procedimentos foram feitos para salvar a humanidade.

Como demonstra esta grande minissérie da HBO, os poderes governamentais, independente de qualquer viés ideológico, irão sempre priorizar seus interesses em detrimento da população, por mais impopular que suas decisões possam ser. “Chernobyl”, pelo menos, mostra que não importa quantas mentiras são contadas, uma hora, a verdade sempre vem à tona e ela custa muito caro.

Cultura da Adaptação em Séries de Televisão e no Cinema

Pâmela Eurídice e Rebeca Almeida recebem Maria Cecília, do Vírgulas Cardeais, para falar sobre a cultura da adaptação de livros para cinema e séries de televisão. https://www.youtube.com/watch?v=_WAPB8OMKBI&t=812s

‘3%’ – Terceira Temporada: série foca nas fragilidades da meritocracia

No ano em que seriados nacionais como “Bandidos na TV” e “Coisa Mais Linda” se tornaram produções populares na Netflix até esquecemos que, três anos atrás, a primeira original brasileira do streaming lutava para cair no gosto do público. A pioneira “3%” enfrentou...

‘Black Mirror’ – 5ª temporada: um quase retorno à forma

Desde que colocou um primeiro-ministro britânico de frente para um porco em uma situação nem um pouco agradável, Black Mirror cravou seu nome na cultura popular por trazer à tona histórias que jogavam seu olhar principalmente sobre as relações humanas e as influências...

‘Chernobyl’: omissão trágica sob a sombra da Guerra Fria

Nova minissérie da HBO, “Chernobyl” traça todos os fatos que ocorreram após o desastre nuclear na região durante o regime da União Soviética. Apesar de ser um fato histórico conhecido publicamente, o enredo revela como o caso ficou cercado de ocultações e mentiras nos...

‘Olhos Que Condenam’: horror do racismo em grande minissérie

Um dos filmes mais incômodos que assisti esse ano foi “Se a Rua Beale Falasse”. Lembro que, enquanto o assistia, pensava na importância do diretor Barry Jenkins para a produção cultural contemporânea.  Em “Olhos Que Condenam”, a inquietação despertada por Jenkins...

Cinco Séries Estrangeiras Inspiradas em Fatos Reais

O mundo da séries será o tema dos videocasts de Pâmela Eurídice e Rebeca Almeida todas as quartas-feiras aqui no canal do Cine Set no YouTube. Com a força de "Chernobyl", elas trazem cinco produções baseadas em fatos reais que você precisa descobrir....

‘Bandidos na TV’: podres poderes do nosso Amazonas Crime Story

A premissa tentadora - apresentador de televisão e político que matava por audiência – por si só bastava para despertar o interesse de qualquer pessoa, independente de onde fosse ambientada. “Bandidos na TV”, entretanto, se mostra uma grata surpresa ao questionar o...

‘Dilema’: novela ruim da Netflix candidata a ‘guilty pleasure’

“Dilema” é a nova produção de Mike Kelley para o catálogo da Netflix. O criador de “Revenge” carrega o mesmo tom novelesco e cheio de reviravoltas que prendia o público na trama de Emily Thorne. Desta vez, ele ainda conta com a atuação imponente da oscarizada Renée...

Game of Thrones 8×06: Review, Pontos Altos e Baixos

Pâmela Eurídice e Rebeca Almeida analisam o melhor e o pior do último episódio da última temporada de "Game of Thrones". https://www.youtube.com/watch?v=FdBVxIiRvgc

‘Game of Thrones’ Episódio 8×06: final agridoce nada; foi ruim mesmo

Parece até mentira, mas, “Game of Thrones” conseguiu atingir o ponto mais baixo de oito temporadas justo no último episódio. Não que tenha sido uma novidade, afinal de contas, desde a sétima temporada, somos testemunhas de uma trama acelerada sem o cuidadoso...