A 24 horas de La Mans é uma das corridas mais tradicionais do mundo automobilístico. Uma prova de velocidade, técnica e resistência que acontece todos os anos na França e onde, nos anos 1960, a Ford Motors Company fez história. É com este pano de fundo e na disputa entre as gigantes Ford e Ferrari que a cinebiografia dirigida por James Mangold (“Logan” e “Johnny & June”) vai narrar a história de duas figuras lendárias das corridas, Ken Miles e Carroll Shelby em uma jornada de montar um carro veloz, capaz de vencer a atual campeã italiana e finalizar a prova no lugar mais alto do pódio.

“Ford Vs Ferrari” é um espetáculo na arte de captar a essência das competições, capaz de envolver seu público pelas cenas de pura adrenalina e tensão desde a montagem do veículo, até o dia da corrida. Christian Bale, mais uma vez irreconhecível em seu personagem, é coroado como um gigante na arte de interpretar, ao perder todos os quilos de “Vice”, provar e criar um personagem apaixonado, seja pelos carros, pela família e pelas competições. Caros leitores, Bale merece uma indicação ao Oscar 2020 pela performance e por tornar a obra mais do que um simples filme baseado em fatos reais, mas uma obra intensa, o puro cinemão de ação em sua essência.

Ken Miles (Christian Bale) é um piloto britânico experiente, vitorioso, mecânico apaixonado, mas um tanto temperamental. Ele é chamado pelo amigo, o empreendedor (lenda viva do automobilismo) Carroll Shelby (Matt Damon) para um desafio considerado impossível: montar um carro da Ford, mais veloz que da concorrente Ferrari e vencer a 24 horas de Le Mans. Na época, a montadora italiana era a referência em vencer a competição, mas estava quebrada financeiramente. A Ford, por sua vez, precisava superar sua concorrente não só nas vendas, como também pôr um carro para competir e vencer a atual campeã.  Para isso, Lee Lacocca (Jon Bernthal) responsável pelo marketing da Ford, procura o campeão da competição, Shelby. Contrariando a ganância de Henry Ford 2, Ken e Carroll vão criar o Ford GT40 e expor em tela a hipnotizante paixão pela velocidade e a forma envolvente de vencer os desafios.

DE TIRAR O FÔLEGO

“Ford vs Ferrari” tem diversos fatores que o tornam um belo filme. Primeiro, Mangold sabe usar a boa história que tem em mãos, começando pelo roteiro enxuto, coeso, preocupado em pôr em tela os sentimentos de seus protagonistas, com excelentes arcos dramáticos. Suas mais de duas horas de filme são essenciais para dar ao time principal um desenvolvimento focado em criar um vínculo afetuoso com o espectador

Noah Jupe e Caitriona Balfe como Pete e Mollie Miles, respectivamente, são o ponto de afeto e segurança ao personagem de Bale. Como o próprio cineasta disse em entrevista, sua história não é exclusiva para os amantes do automobilismo, mas sim para envolver o grande público, deixando de lado a linguagem técnica, utilizando, sempre que possível, o didatismo e dinamismo das interpretações para nos fazer entender os conflitos internos existentes dentro da trama, principalmente quando expõe a ganancia dos administradores da Ford. É um exemplo de como a dupla não venceu apenas as adversidades externas da grande competição, como também contra a ganância dos membros da Ford.

Mangold é meticuloso em suas escolhas técnicas, com ótimos planos, sequências eletrizantes, muita profundidade de campo durante as competições e planos fechados ao filmar Ken Miles com suas feições de pura entrega e emoção. A fotografia é belíssima, mas nada supera a montagem cirúrgica. Nas cenas de competição, se torna quase impossível notar a troca de planos, nos prendendo apenas à emoção e sensações. É provável que esteja entre os indicados ao Oscar do ano que vem, como prevê o Cine Set.

Christian Bale e Matt Damon são puro carisma e química, a personificação de uma longa amizade que compartilha a paixão, o sonho e a dedicação ao automobilismo. Damon está bem na pele de Carroll Shelby, simpático, brincalhão e estrategista, consegue gerir uma equipe e controlar o gênio difícil de seu parceiro de jornada, Ken. São deles as cenas mais engraçadas do filme e também as mais emocionantes.

O experiente Damon consegue dar vida a lenda que foi Shelby, mas quem brilha mesmo é Christian Bale. Magro, com um rosto quase cadavérico, bronzeado e com o seu sotaque familiar, ele dá vida ao piloto com leveza, precisão e facilidade e nos dá de presente uma interpretação poderosa. Suas expressões sérias, olhar marejado e rosto ranzinza, faz em tela o que ninguém faz como ele, desaparece como astro e aparece como um piloto/mecânico capaz de quebrar recordes e emocionar o seu público.

Único defeito do filme é ter um final anticlimático, quebrando rápido demais e finalizando de uma forma agridoce, sem o peso do filme que ele vinha sendo. Ao final, “Ford vs Ferrari” é sobre a jornada de dois homens que conseguiram realizar sonhos, vencer desafios e fazer história.  

‘Waves’: um drama excelente de partir o coração

Em um primeiro momento, confesso que “Waves” me tapeou. Uma Flórida ensolarada, jovens sorrindo, cores e amor no ar, a câmera girando. O novo filme de Trey Edward Shults (“Ao Cair da Noite”), porém, se transforma de uma hora pra outra em um drama competente com efeito...

‘O Jovem Ahmed’: lacunas na história deixam Dardenne pelo meio do caminho

A radicalização é um problema que se arrastou para o século XXI, encontrando na era da informação um período fértil para sua proliferação. Pode até parecer contraditório achar que em uma época onde se pode saber absolutamente tudo, a ignorância ainda capture pessoas e...

‘Escape From Pretoria’: personagens esquecidos em nome da ação

Escrito e dirigido por Francis Annan (“Woyzeck”), “Escape From Pretoria” apresenta a história real de Tim Jenkin (Daniel Radcliffe, o eterno 'Harry Potter') e Stephen Lee (Daniel Webber), dois ativistas anti-apartheid levados para a prisão de segurança máxima de...

‘Goddess of the Fireflies’: conto canadense entre o atual e o nostálgico

Bebendo da fonte de contos clássicos de juventude transviada, o longa canadense "Goddess of the Fireflies" acompanha uma jovem descendo a um inferno de rebeldia e vício. O longa, mesmo com uma trama um pouco batida, se ancora em uma impecável ambientação para entregar...

‘O Poço’: sucesso espanhol da Netflix digno de todo hype

Impactante, atual e necessário. Essas são algumas palavras que definem ‘O Poço’ e toda sua repercussão ao ser distribuído internacionalmente pela Netflix. Em geral, quando uma produção faz um sucesso estrondoso no streaming, eu já duvido muito sobre sua qualidade,...

‘Você não Estava Aqui’: repensando o papel da família e o sistema capitalista

Ken Loach costuma retratar o quanto o sistema capitalista afeta negativamente as pessoas que dependem dele. Em “Eu, Daniel Blake”, ele destacou o quanto a burocracia e o sistema podem abalar a tranqüilidade de quem precisa deles. Já em “Você não estava aqui”, seu...

‘Por Lugares Incríveis’: Netflix volta a errar em drama adolescente

Com toda repercussão negativa de séries como ‘13 Reasons Why’ e ‘You’, a Netflix apostou em outra atração jovem sobre transtornos mentais e, mais uma vez, foi na direção errada. Tudo bem, ‘Por Lugares Incríveis’ não chega ao mesmo nível de irresponsabilidade que as...

‘Seberg contra todos’: Kristen Stewart gigante não faz milagre

Seguindo o estilo de ‘O Relatório’, a Amazon apresenta mais um longa baseado em fatos totalmente protocolar e com pouca originalidade. ‘Seberg Contra Todos’ até possui um forte e atrativo argumento, entretanto, a condução exagera em momentos óbvios e personagens...

‘Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica’: o óbvio que não vemos

"O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada...

‘O Homem Invisível’: aula sobre os perigos de um relacionamento tóxico

AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS  Há mais ou menos um ano ‘remake’ era um conceito inocente para mim, mas, após ser bombardeada com tantas recriações realmente ruins, a palavra tornou-se um motivo de pânico. Em meio a este boom de reaproveitamento em Hollywood,...