A 24 horas de La Mans é uma das corridas mais tradicionais do mundo automobilístico. Uma prova de velocidade, técnica e resistência que acontece todos os anos na França e onde, nos anos 1960, a Ford Motors Company fez história. É com este pano de fundo e na disputa entre as gigantes Ford e Ferrari que a cinebiografia dirigida por James Mangold (“Logan” e “Johnny & June”) vai narrar a história de duas figuras lendárias das corridas, Ken Miles e Carroll Shelby em uma jornada de montar um carro veloz, capaz de vencer a atual campeã italiana e finalizar a prova no lugar mais alto do pódio.

“Ford Vs Ferrari” é um espetáculo na arte de captar a essência das competições, capaz de envolver seu público pelas cenas de pura adrenalina e tensão desde a montagem do veículo, até o dia da corrida. Christian Bale, mais uma vez irreconhecível em seu personagem, é coroado como um gigante na arte de interpretar, ao perder todos os quilos de “Vice”, provar e criar um personagem apaixonado, seja pelos carros, pela família e pelas competições. Caros leitores, Bale merece uma indicação ao Oscar 2020 pela performance e por tornar a obra mais do que um simples filme baseado em fatos reais, mas uma obra intensa, o puro cinemão de ação em sua essência.

Ken Miles (Christian Bale) é um piloto britânico experiente, vitorioso, mecânico apaixonado, mas um tanto temperamental. Ele é chamado pelo amigo, o empreendedor (lenda viva do automobilismo) Carroll Shelby (Matt Damon) para um desafio considerado impossível: montar um carro da Ford, mais veloz que da concorrente Ferrari e vencer a 24 horas de Le Mans. Na época, a montadora italiana era a referência em vencer a competição, mas estava quebrada financeiramente. A Ford, por sua vez, precisava superar sua concorrente não só nas vendas, como também pôr um carro para competir e vencer a atual campeã.  Para isso, Lee Lacocca (Jon Bernthal) responsável pelo marketing da Ford, procura o campeão da competição, Shelby. Contrariando a ganância de Henry Ford 2, Ken e Carroll vão criar o Ford GT40 e expor em tela a hipnotizante paixão pela velocidade e a forma envolvente de vencer os desafios.

DE TIRAR O FÔLEGO

“Ford vs Ferrari” tem diversos fatores que o tornam um belo filme. Primeiro, Mangold sabe usar a boa história que tem em mãos, começando pelo roteiro enxuto, coeso, preocupado em pôr em tela os sentimentos de seus protagonistas, com excelentes arcos dramáticos. Suas mais de duas horas de filme são essenciais para dar ao time principal um desenvolvimento focado em criar um vínculo afetuoso com o espectador

Noah Jupe e Caitriona Balfe como Pete e Mollie Miles, respectivamente, são o ponto de afeto e segurança ao personagem de Bale. Como o próprio cineasta disse em entrevista, sua história não é exclusiva para os amantes do automobilismo, mas sim para envolver o grande público, deixando de lado a linguagem técnica, utilizando, sempre que possível, o didatismo e dinamismo das interpretações para nos fazer entender os conflitos internos existentes dentro da trama, principalmente quando expõe a ganancia dos administradores da Ford. É um exemplo de como a dupla não venceu apenas as adversidades externas da grande competição, como também contra a ganância dos membros da Ford.

Mangold é meticuloso em suas escolhas técnicas, com ótimos planos, sequências eletrizantes, muita profundidade de campo durante as competições e planos fechados ao filmar Ken Miles com suas feições de pura entrega e emoção. A fotografia é belíssima, mas nada supera a montagem cirúrgica. Nas cenas de competição, se torna quase impossível notar a troca de planos, nos prendendo apenas à emoção e sensações. É provável que esteja entre os indicados ao Oscar do ano que vem, como prevê o Cine Set.

Christian Bale e Matt Damon são puro carisma e química, a personificação de uma longa amizade que compartilha a paixão, o sonho e a dedicação ao automobilismo. Damon está bem na pele de Carroll Shelby, simpático, brincalhão e estrategista, consegue gerir uma equipe e controlar o gênio difícil de seu parceiro de jornada, Ken. São deles as cenas mais engraçadas do filme e também as mais emocionantes.

O experiente Damon consegue dar vida a lenda que foi Shelby, mas quem brilha mesmo é Christian Bale. Magro, com um rosto quase cadavérico, bronzeado e com o seu sotaque familiar, ele dá vida ao piloto com leveza, precisão e facilidade e nos dá de presente uma interpretação poderosa. Suas expressões sérias, olhar marejado e rosto ranzinza, faz em tela o que ninguém faz como ele, desaparece como astro e aparece como um piloto/mecânico capaz de quebrar recordes e emocionar o seu público.

Único defeito do filme é ter um final anticlimático, quebrando rápido demais e finalizando de uma forma agridoce, sem o peso do filme que ele vinha sendo. Ao final, “Ford vs Ferrari” é sobre a jornada de dois homens que conseguiram realizar sonhos, vencer desafios e fazer história.  

‘Era uma vez um Sonho’: filme atualiza definição de insuportável

Era Uma Vez um Sonho é um filme sobre a importância da família. Até aí tudo bem, o cinema explora esse tema praticamente desde que se consolidou como forma de narrativa. Mas, ao final do filme, a sensação mais forte que fica é a de pensar “puxa, ainda bem que essas...

‘Nosso Amor’: romance sensível aborda câncer de mama de forma realista

Conhecido principalmente por protagonizar filmes de ação como a franquia ‘Busca Implacável’, Liam Neeson aproveita o seu destaque no drama ‘Nosso Amor’ para entregar uma atuação emocionante ao lado de Lesley Manville (indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por...

‘The Glorias’: a jornada universal das mulheres

“Viajar é a única educação”. Inquieta, desafiadora e sagaz. Embora essas três palavras não sejam o suficiente para descrever Gloria Steinem, elas podem nos dar uma visão norteadora de uma das vozes do movimento feminista norte-americano. Jornalista e ativista social,...

‘Destruição Final: O Último Refúgio’: feijão com arroz do cinema catástrofe

O ator escocês Gerard Butler parece ser boa gente, alguém com quem poderia ser legal tomar uma cerveja e bater papo. E também parece ser um sujeito que realmente gosta de trabalhar com cinema. Mas... o cara só faz filme ruim, não há como relevar isso. Sério,...

‘Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou’: Bárbara Paz faz retrato honesto de um dos grandes

Em um dos momentos mais íntimos de “Babenco - Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, ele e Bárbara Paz, sua companheira (e diretora deste documentário), discutem sobre o uso da expressão “baseado em fatos”. Ele defende, ela refuta e diz que um filme...

‘Bill & Ted – Encare a Música’: nostalgia pura em diversão despretensiosa

Lembram-se do Bill e do Ted? No passado, eles viveram duas divertidas e malucas aventuras cinematográficas que tinham tudo para dar errado, mas acabaram funcionando e se tornando inesperados sucessos graças a roteiros que aliavam besteirol e criatividade, e à química...

‘Rosa e Momo’: Sophia Loren desvia de clichês para brilhar na Netflix

Sophia Loren, um ícone da história do cinema, retorna as telas depois de seis anos. A última aparição havia sido em “Voce umana”, produção dirigida por Edoardo Ponti, seu filho e também diretor de “Rosa e Momo”, longa-metragem disponível na Netflix que traz a estrela...

‘O Que Ficou Para Trás’: terror inteligente sobre fantasmas internos

O filme de terror O Que Ficou para Trás, do diretor estreante Remi Weekes e lançado na Netflix, é um exemplar do gênero que usa os sustos e elementos sobrenaturais para tecer um hábil comentário social sobre o problema mundial da imigração. Isso não é algo novo:...

‘Cicada’: delicado romance marcado por traumas masculinos

Com uma poderosa abordagem sobre traumas masculinos, "Cicada" é um corajoso drama que aponta Matthew Fifer como uma nova voz do cinema queer dos EUA. O filme de Fifer e Kieran Mulcare, que estreou no Festival Outfest em Los Angeles e foi exibido no Festival de Londres...

‘Ammonite’: um cansativo sub-‘Retrato de uma Jovem em Chamas’

Depois do sucesso de seu primeiro longa, "O Reino de Deus", Francis Lee torna a apostar em um romance LGBT em sua nova produção, "Ammonite". No entanto, as semelhanças entre os filmes acabam por aí. Mesmo contando com performances poderosas de Kate Winslet e Saoirse...