Após fechar um período de 10 anos no cinema, a Marvel prepara a nova leva de super-heróis que irão ficar no imaginário das próximas gerações. Ao finalizar “Vingadores: Ultimato”, já era óbvio que o estúdio comandado por Kevin Feige já tinha em mente o que fazer com todos aqueles personagens que haviam surgido nestes dois últimos anos como “Pantera Negra” e “Capitã Marvel”, por exemplo.

No entanto, faltava uma figura que conseguisse unir novamente, aos olhos do público, o grupo de heróis mais forte do universo. E é neste ponto que reside boa parte do arco dramático do jovem Peter Parker (Tom Holland) neste “Homem Aranha: Longe de Casa”. A produção, porém, é apenas mais um “filme de herói”, com seus já delimitados arcos e preocupações, como salvar o mundo, mas chama a atenção pelos diálogos e temáticas de “coming of age” e de fake news que tenta trabalhar.

Começando um pouco depois dos eventos que ocorreram em “Ultimato”, “Longe de Casa” insere Peter Parker em um mundo ainda lidando com as consequências deixadas pelo estalar de dedos de Thanos. Ao mesmo tempo, mostra também as preocupações de um adolescente: se divertir e conquistar a garota de seus sonhos, nesse caso, Mary Jane (Zendaya). Evidente, é claro, que uma força além da compreensão do Homem Aranha e de Nick Fury (Samuel L. Jackson) irá surgir. Entra em cena Quentin Beck, o Mysterio (Jake Gyllenhaal), para tentar ajudar os dois contra a força dos “Elementais”, seres de outro mundo que usam os quatro elementos para causar destruição.

Novo Líder, Novas Responsabilidades

O que mais chama atenção em “Homem-Aranha: Longe de Casa” são as conversas entre os personagens, algo incomum em um gênero que investe em grandes sequências de ação para dar força aos seus filmes. As angústias de Peter Parker são bem apresentadas no roteiro de Chris McKenna e Erik Sommers. Parker tem apenas 16 anos e “do nada” deve agir como uma das pessoas mais responsáveis e cheias de responsabilidades do mundo. 

A relação que Peter e Tony Stark tinham, e a falta que ela traz, é apresentada a todo momento no filme, seja através de falas, seja em murais expostos em diferentes cidades no mundo. O Amigo da Vizinhança não se vê como algo além disso mesmo: uma espécie de herói preso ao seu universo particular em Nova York. As ambições de Peter estão no limite do que alguém de 16 anos busca e é inevitável que ele queira dar um tempo em querer salvar o mundo para poder salvar a juventude que define uma pessoa da idade dele.

Nesse conflito entre o que Peter quer e o que Nick Fury deseja, e por tabela o que o mundo espera, que define boa parte do peso de “Longe de Casa”. Logo, quando surge Mysterio, e Peter vê ali uma espécie de “próximo Tony Stark”, ele começa a querer passar suas responsabilidades para aquela nova figura paterna e acolhedora que surge.

O elenco de “Homem-Aranha: Longe de Casa” expressa esse duelo muito bem a começar por Tom Holland em um misto de insegurança e ingenuidade bem construídos para Peter Parker. No momento em que ele passa a assumir as obrigações que tanto lhe são impostas por todos ao seu redor, uma primeira comparação é com os trejeitos de Robert Downey Jr. para Stark, mas aqui Holland traz características próprias para Parker.

Já Jake Gyllenhaal prova aqui ser um dos atores mais versáteis na história recente do cinema. Se o ator consegue trazer carisma e peso emocional para um dos vilões mais genéricos dos últimos anos, fica difícil dizer o que ele não consegue fazer. Indo do drama à paródia em um piscar de olhos, ele não desperdiça seu talento neste projeto.

O elenco secundário também consegue segurar as pontas dando destaque para Zendaya como Mary Jane e sua personalidade alternativa e misteriosa, e, claro, Jacob Batalon como o sempre divertido Ned.

Fake News e a necessidade de se acreditar em algo

Mesmo que o foco do filme seja criar um novo líder para os Vingadores, “Longe de Casa” também constrói sua narrativa em cima do universo das fake news. A forma de olhar para um episódio e as diferentes narrativas que surgem, dependendo do ponto de vista, são um ponto chave da discussão do filme para o mundo em que vivemos.

“O mundo precisa acreditar em algo” é uma fala recorrente nas falas do vilão, situando aí o momento atual onde forças extremistas utilizam as mídias sociais para trazer seu lado da história e distorcendo a noção da realidade para boa parte do público.

Neste sentido, “Homem-Aranha: Longe de Casa” é bastante positivo por aliar este discurso com um filme de sequência, não deixando para o espectador apenas uma história sobre “ser o novo Homem de Ferro”, mas também sobre os perigos do mundo em que estamos vivendo.

‘Você não Estava Aqui’: repensando o papel da família e o sistema capitalista

Ken Loach costuma retratar o quanto o sistema capitalista afeta negativamente as pessoas que dependem dele. Em “Eu, Daniel Blake”, ele destacou o quanto a burocracia e o sistema podem abalar a tranqüilidade de quem precisa deles. Já em “Você não estava aqui”, seu...

‘Por Lugares Incríveis’: Netflix volta a errar em drama adolescente

Com toda repercussão negativa de séries como ‘13 Reasons Why’ e ‘You’, a Netflix apostou em outra atração jovem sobre transtornos mentais e, mais uma vez, foi na direção errada. Tudo bem, ‘Por Lugares Incríveis’ não chega ao mesmo nível de irresponsabilidade que as...

‘Seberg contra todos’: Kristen Stewart gigante não faz milagre

Seguindo o estilo de ‘O Relatório’, a Amazon apresenta mais um longa baseado em fatos totalmente protocolar e com pouca originalidade. ‘Seberg Contra Todos’ até possui um forte e atrativo argumento, entretanto, a condução exagera em momentos óbvios e personagens...

‘Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica’: o óbvio que não vemos

"O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada...

‘O Homem Invisível’: aula sobre os perigos de um relacionamento tóxico

AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS  Há mais ou menos um ano ‘remake’ era um conceito inocente para mim, mas, após ser bombardeada com tantas recriações realmente ruins, a palavra tornou-se um motivo de pânico. Em meio a este boom de reaproveitamento em Hollywood,...

‘Maria e João – O Conto das Bruxas’: terror inova sem esquecer do clássico

Se há algo que sempre foi fascinante nos contos dos irmãos Grimm é a enorme capacidade que eles tinham de integrarem um conjunto de ideias que sempre mexeram com o imaginário infantil. No fundo, os seus contos são fortes na essência por apresentaram uma linguagem...

‘A Última Coisa Que Ele Queria’: Dee Rees afunda-se em mar de narrativas sem fim

Quando assisti “Joan Didion: The Center Will Not Hold” – documentário sobre Joan Didion disponível na Netflix –, percebi que adentrar no universo da escritora é uma tarefa um tanto complexa. Pelo visto, muitos cineastas possuem esse mesmo sentimento, visto que, apesar...

‘Chicuarotes’: Gael García Bernal faz lição de casa na direção

Astro mexicano surgido no já clássico “Amores Brutos”, de Alejandro González Iñarritu, Gael García Bernal tornou-se um dos principais rostos do cinema latino dos últimos 20 anos. Estrelou obras importantes como “E Sua Mãe Também”, “Diários de Motocicleta”, “O...

‘Dolittle’: Robert Downey Jr passa vergonha em filme constrangedor

Robert Downey Jr saiu de “Vingadores: Ultimato” nas alturas, afinal, a maior bilheteria da história do cinema não apenas celebrava e alçava ao ápice o Universo Marvel, mas, também, era a celebração de seu astro-mor. O intérprete do Homem de Ferro é o centro de uma...

‘Sonic – O Filme’: diversão bobinha para iniciar nova franquia em Hollywood

Divertido, lúdico e sem maiores ambições: essa poderia ser a descrição exata de “Sonic – O Filme”. Baseado no personagem/mascote da Sega, a criatura é um dos personagens mais queridos e famosos do mundo do entretenimento digital e, pela primeira vez, chega à tela...