‘La Casa de Papel’ é um grande sucesso de público na Netflix pelo quarto ano seguido e, assim como anteriormente, continua a apresentar múltiplos problemas estruturais. Confirmando tudo que eu já falei sobre a produção aqui no Cine Set, a quarta temporada repete a bagunça nos roteiros, a dificuldade em estabelecer narrativas a longo prazo e continua a se apoiar na dinâmica entre seus personagens como principal argumento. Ainda assim, é preciso admitir: o que falta em coesão sobra em criatividade.

LEIA TAMBÉM: Crítica: “La Casa de Papel” – Primeira e Segunda Temporada

Desta vez, “La Casa de Papel” volta com o assalto ao Banco da Espanha em um momento em que tudo está dando errado para os anti-heróis. Professor (Álvaro Morte), como líder do grupo, precisa lidar com a suposta morte de Lisboa (Itziar Ituño) e a possível perda de Nairóbi (Alba Flores) durante o roubo. Como se isso não bastasse, a liderança de Tóquio (Úrsula Corberó) sobre Palermo (Rodrigo De la Serna) gera conflitos pessoais entre o grupo e revela o refém Gandía (José Manuel Poga) como grande rival dos atracadores.

Neste rápido apanhado da temporada, já é possível perceber que há muitas histórias sendo contadas dentro dos escassos oito episódios. Assim, quando a narrativa começa a perder fôlego ou precisa dar uma explicação mais concreta, a trama avança sem que o espectador perceba todos os furos deixados pelos roteiros.

PEQUENOS ACERTOS

Até aqui não temos nenhuma novidade do que foi visto nas temporadas anteriores. Partindo deste princípio, a grande mudança positiva é o maior desenvolvimento de personagens secundários. Como a terceira e quarta parte foram feitas após a renovação da série pela Netflix, é possível aprofundar Gandía, Bogotá (Hovik Keuchkerian) e Marselha (Luka Peros), os quais haviam aparecido de forma inexpressiva anteriormente.

De forma surpreendente, os insistentes flashbacks passam a funcionar na narrativa. Se antes eles eram incansavelmente repetidos, agora são milimetricamente planejados para combinar com a trama do presente. Assim, além de mostrar mais sobre os personagens, o recurso também convenientemente dá respostas para as confusões do roteiro.

LEIA TAMBÉM: Crítica: “La Casa de Papel” – Terceira Temporada

Por fim, é preciso destacar a direção de fotografia mais contemplativa e atenciosa nesta temporada. Apesar de ainda existir uma grande urgência de takes mais curtos para as cenas de ação, quando a relação entre os assaltantes invade a tela, alguns segundos a mais podem ser contemplados como uma forma da fotografia eternizar tais acontecimentos.

NARRATIVAS MAIS RELEVANTES

Se por um lado os roteiros exigem um grande desprendimento da realidade do público, por outro, eles inserem mais temáticas atuais como forma de compensação. Assim, narrativas sobre estupro e personagens transsexuais são inseridas.

Isto é resultado, principalmente, da maior atenção aos reféns do assalto. Manila (Belén Cuesta), é uma assaltante inserida no grupo para evitar qualquer tipo de rebeldia. Sua função assim como o fato de ser uma mulher trans é restrita a poucos diálogos no seriado. Do mesmo jeito, um estupro ocorre entre os reféns sem grandes consequências para a trama ou para os personagens envolvidos até então. Apesar destas duas histórias serem formas da série adotar narrativas mais relevantes, é preciso antes de tudo considerar a responsabilidade em tratar sobre temas tão delicados e, ainda mais, levá-los adiante numa próxima temporada.

Com diversas escolhas questionáveis e roteiros totalmente bagunçados, ‘La Casa de Papel’ prova mais um ano que possui criatividade o suficiente para manter o público interessado em sua trama. Apesar de oferecer poucas novidades, a fórmula adotada pela produção deixa de lado indícios de cansaço ou desapego por parte do público. 

‘Space Force’: nem tão empolgante e engraçado como prometido

‘Space Force’ já surgiu com altas expectativas. Primeiro por reunir Greg Daniels e Steve Carell, dupla vinda da premiada ‘The Office’. Segundo por contar com nomes conhecidos e queridos do público como Lisa Kudrow e John Malkovich. Para completar, seria um alívio...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 3: limitações começam a aparecer

Bem... Não demorou muito, não é? Depois de dois interessantes episódios iniciais, este terceiro de Expresso do Amanhã já começa a expor um pouco mais das limitações do seriado e do enfoque planejado pelos produtores desta adaptação. Neste episódio, já temos uma...

‘Boto – Episódios 4 e 5’: ou pode chamar de ‘Aquela Estrada 2’

“Aquela Estrada” é o mais bem-sucedido curta-metragem do coletivo Artrupe Produções Artísticas. Dirigida por Rafael Ramos, a produção circulou por festivais nacionais importantes como o Mix Brasil, Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e Goiânia...

‘Little Fires Everywhere’: clichês de novela atrapalham bom material

Existe uma bela história sobre feminilidade, privilégios e o problema racial nos Estados Unidos dentro de Little Fires Everywhere (“Pequenos Incêndios por Toda Parte”), minissérie da ABC Signature disponível aqui pelo Amazon Prime Service... Pena que essa história às...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódios 1 e 2: início promissor

Vivemos numa época curiosa, mesmo... Chegou à Netflix a série de ficção-científica Expresso do Amanhã, baseada no sensacional filme de 2013 dirigido por Bong Joon-Ho, que por sua vez era baseada na HQ francesa Le Transperceneige, publicada nos anos 1980 pelos autores...

‘The Eddy’: jazz sem ritmo e arrastado sufoca minissérie

The Eddy, a minissérie da Netflix sobre o submundo de Paris visto pelos olhos dos músicos do clube de jazz do título, tem muitas qualidades a seu favor. Tem um ótimo elenco: André Holland de Moonlight (2016), Joanna Kulig, de Guerra Fria (2018) e Tahar Rahim de O...

‘Hollywood’: Ryan Murphy entre erros e acertos

Aclamado pela crítica e público, Ryan Murphy provou ao longo de 10 anos que o sucesso de ‘Glee’ não foi ocasional. Além de colecionar Emmys e espectadores fiéis, o showrunner também deixou seu estilo de narrativa marcado nas séries e ‘Hollywood’ consolida este cenário...

‘Westworld’ – 3ª Temporada: fantasma da decepção de ‘GoT’ ronda série

Os estragos da última temporada de “Game of Thrones” ainda podem ser sentidos. Enquanto alguns abandonaram o mundo das séries sem data para retorno, outros se tornaram céticos em relação ao destino de suas produções queridas. Esse último posicionamento desperta...

‘Better Call Saul’ – Episódio 5×10: clímax de uma fantástica temporada

Pensamos que conhecemos as pessoas... E as séries. Pensamos, ao ver esta quinta temporada de Better Call Saul, que a transformação de Jimmy McGill para Saul Goodman, como o conhecemos em Breaking Bad, já estava encaminhada, até mesmo definida. No entanto, as pessoas,...

‘Better Call Saul’ – Episódio 5×09: preparação para reta final da temporada

“Nós fazemos escolhas, e elas nos colocam num caminho. Às vezes elas são pequenas, e ainda assim nos colocam no caminho”, diz Mike numa cena deste nono episódio da quinta temporada de Better Call Saul, “Estradas de Más Escolhas”. Mike e Jimmy saem do deserto no começo...