AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS 

Há mais ou menos um ano ‘remake’ era um conceito inocente para mim, mas, após ser bombardeada com tantas recriações realmente ruins, a palavra tornou-se um motivo de pânico. Em meio a este boom de reaproveitamento em Hollywood, ‘O Homem Invisível’ é uma grata surpresa ao revisitar um clássico buscando toques de originalidade em uma trama tão conhecida e igualmente reproduzida. O resultado é um thriller envolvente com ótimas atuações e abordagem muito bem direcionada sobre relacionamentos abusivos. 

Nesta versão, o cientista Adrian Griffin (Oliver Jackson-Cohen) forja a própria morte e cria um traje com a habilidade de lhe tornar invisível para perseguir a ex-namorada Cecília Kass (Elisabeth Moss). Assim, diferente das outras produções, “O Homem Invisível” não acompanha o ponto de vista de seu personagem-título, mas sim da vítima, uma mudança significativa para seu desenvolvimento. 

Como diretor e roteirista, Leigh Whannell acerta em grande parte de suas escolhas. O principal deles é o foco na personagem de Elisabeth Moss: além de permitir uma nova visão sobre a história, a obra também se apoia na ótima atuação e fácil identificação com o público da estrela de sucessos como “Mad Men” e “The Handmaid´s Tale”.  

Responsável por sucessos do terror como “Jogos Mortais” e “Sobrenatural”, Whannell cede aos clichês do gênero como uso de jump scares, forte trilha e situações demasiadamente convenientes para a história seguir adiante. Tais elementos até funcionam, porém, são bem esquecíveis a longo prazo. 

FOCO CERTO DA HISTÓRIA 

Se por um lado, Whannell apela para certos artifícios fáceis do terror, por outro, ele aproveita a trama sobre relacionamento abusivo para inserir vários momentos dramáticos e alcançar maior densidade. Para mim, o grande exemplo desta boa combinação é a morte de Emily (Harriet Dyer): uma cena impactante, inesperada com um final melancólico, sendo o ponto de virada necessário para a história. 

Mesmo digno de todos esses méritos, destaco a abordagem consistente sobre relacionamentos abusivos como a grande cereja do bolo de “O Homem Invisível”. Desde o comportamento traumatizado de Cecília até a descrição da convivência com Adrian, o filme abraça o tema com responsabilidade. 

Além de focar mais no ponto de vista da vítima, a omissão de Adrian também é uma ótima escolha do roteiro. Em grande parte do filme, o rosto do personagem não é revelado ao público, assim como sua voz aos poucos é conhecida. Isto além de tornar inviável uma possível defesa do vilão também deixa seu público ter medo de um personagem pouco conhecido, mas com atitudes muito comuns a realidade de relacionamentos tóxicos.   

A escolha desta abordagem é extremamente inteligente, pois, cria uma trama única a qual se distancia do que já foi visto sobre o livro ‘O Homem Invisível’. Mesmo com os elementos excessivos do terror e algumas previsibilidades do roteiro, o longa pode ser considerado um ótimo trabalho de Leigh tanto no roteiro – área que ele domina – quanto na direção, a qual ele possui um futuro promissor. 

‘El Prófugo’: suspense digno dos clássicos do ‘Supercine’

Após um evento traumático, uma dubladora se vê às voltas com um estranho fenômeno em "El Prófugo", suspense argentino que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano. Depois de brincar com a comédia policial em seu primeiro longa "Morte em...

‘Noturno’: parceria Amazon/Blumhouse segue em ritmo morno

Você já parou para pensar nos sacrifícios que musicistas, artistas e atletas passam por amor à profissão? Quantas horas passam treinando e quantas atividades, que são comuns para nós, não deixam de vivenciar para focar em seus objetivos? Tudo isso, acompanhado de um...

‘Never Gonna Snow Again’: curiosa história de um super-herói do leste europeu

De uma terra desolada pela radiação, um viajante chega a uma cidade e, com estranhos poderes, se dedica a mudar a vida de seus habitantes. "Never Gonna Snow Again", drama polonês exibido no Festival de Londres deste ano, pode não pertencer à franquia da Marvel ou da...

‘Kajillionaire’: Evan Rachel Wood emociona em pequeno tesouro

Uma tocante história sobre crescer e achar aceitação longe do núcleo familiar, "Kajillionaire", novo filme de Miranda July (“O Futuro”, “Eu, Você e Todos Nós”) é um projeto tematicamente ousado que confirma sua diretora como uma voz única no cinema independente...

‘Fita de Cinema Seguinte de Borat’: melhor síntese do louco 2020

E eis que, do nada, ele retorna... Borat Sagdiyev, o antissemita e machista ex-segundo melhor jornalista do Cazaquistão, ressurge num mundo bem diferente daquele no qual ele um dia foi um fenômeno, no já distante ano de 2006. O primeiro Borat, uma produção baratíssima...

‘Shirley’: drama explora toxicidade de relacionamento com show de Elisabeth Moss

Um passeio heterodoxo pelos bastidores do processo criativo, "Shirley" usa o cenário de um filme de época como pano de fundo de um drama cáustico. O longa de Josephine Decker, que estreou no Festival de Sundance e foi exibido no Festival de Londres deste ano, mostra...

‘On The Rocks’: ótima Sessão da Tarde para cults de plantão

Pai e filha se unem para uma dose de espionagem familiar em "On the Rocks", novo filme de Sofia Coppola (“Encontros e Desencontros”, “O Estranho que Nós Amamos”). Depois de estrear no Festival de Nova York no mês passado, o filme agora é lançado mundialmente na Apple...

‘Rose: A Love Story’: terror claustrofóbico ainda que previsível

Um casal que vive no meio do nada coloca seu amor à prova da maneira mais brutal neste horror psicológico britânico. Apesar de suas deficiências narrativas, "Rose: A Love Story" - que teve sua estreia mundial no Festival de Cinema de Londres deste ano - é um...

‘Sibéria’: viagem fascinante pelo nosso abismo interior

Há muitos lugares onde é possível se perder, mas talvez o mais profundo e remoto deles seja dentro de si mesmo. "Sibéria", novo filme de Abel Ferrara que estreou na Berlinale e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é uma viagem lisérgica que pede muito do...

‘Os Sete de Chicago’: drama de tribunal eficiente com elenco fabuloso

“Isso é um julgamento político”. Essa afirmação feita por Abbie Hoffman (Sacha Baran Cohen), e notoriamente ignorada por seus companheiros de defesa nos fornece o tom de “Os Sete de Chicago”, filme de Aaron Sorkin disponível na Netflix. A produção se baseia em um dos...