AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS 

Há mais ou menos um ano ‘remake’ era um conceito inocente para mim, mas, após ser bombardeada com tantas recriações realmente ruins, a palavra tornou-se um motivo de pânico. Em meio a este boom de reaproveitamento em Hollywood, ‘O Homem Invisível’ é uma grata surpresa ao revisitar um clássico buscando toques de originalidade em uma trama tão conhecida e igualmente reproduzida. O resultado é um thriller envolvente com ótimas atuações e abordagem muito bem direcionada sobre relacionamentos abusivos. 

Nesta versão, o cientista Adrian Griffin (Oliver Jackson-Cohen) forja a própria morte e cria um traje com a habilidade de lhe tornar invisível para perseguir a ex-namorada Cecília Kass (Elisabeth Moss). Assim, diferente das outras produções, “O Homem Invisível” não acompanha o ponto de vista de seu personagem-título, mas sim da vítima, uma mudança significativa para seu desenvolvimento. 

Como diretor e roteirista, Leigh Whannell acerta em grande parte de suas escolhas. O principal deles é o foco na personagem de Elisabeth Moss: além de permitir uma nova visão sobre a história, a obra também se apoia na ótima atuação e fácil identificação com o público da estrela de sucessos como “Mad Men” e “The Handmaid´s Tale”.  

Responsável por sucessos do terror como “Jogos Mortais” e “Sobrenatural”, Whannell cede aos clichês do gênero como uso de jump scares, forte trilha e situações demasiadamente convenientes para a história seguir adiante. Tais elementos até funcionam, porém, são bem esquecíveis a longo prazo. 

FOCO CERTO DA HISTÓRIA 

Se por um lado, Whannell apela para certos artifícios fáceis do terror, por outro, ele aproveita a trama sobre relacionamento abusivo para inserir vários momentos dramáticos e alcançar maior densidade. Para mim, o grande exemplo desta boa combinação é a morte de Emily (Harriet Dyer): uma cena impactante, inesperada com um final melancólico, sendo o ponto de virada necessário para a história. 

Mesmo digno de todos esses méritos, destaco a abordagem consistente sobre relacionamentos abusivos como a grande cereja do bolo de “O Homem Invisível”. Desde o comportamento traumatizado de Cecília até a descrição da convivência com Adrian, o filme abraça o tema com responsabilidade. 

Além de focar mais no ponto de vista da vítima, a omissão de Adrian também é uma ótima escolha do roteiro. Em grande parte do filme, o rosto do personagem não é revelado ao público, assim como sua voz aos poucos é conhecida. Isto além de tornar inviável uma possível defesa do vilão também deixa seu público ter medo de um personagem pouco conhecido, mas com atitudes muito comuns a realidade de relacionamentos tóxicos.   

A escolha desta abordagem é extremamente inteligente, pois, cria uma trama única a qual se distancia do que já foi visto sobre o livro ‘O Homem Invisível’. Mesmo com os elementos excessivos do terror e algumas previsibilidades do roteiro, o longa pode ser considerado um ótimo trabalho de Leigh tanto no roteiro – área que ele domina – quanto na direção, a qual ele possui um futuro promissor. 

‘Escape From Pretoria’: personagens esquecidos em nome da ação

Escrito e dirigido por Francis Annan (“Woyzeck”), “Escape From Pretoria” apresenta a história real de Tim Jenkin (Daniel Radcliffe, o eterno 'Harry Potter') e Stephen Lee (Daniel Webber), dois ativistas anti-apartheid levados para a prisão de segurança máxima de...

‘Goddess of the Fireflies’: conto canadense entre o atual e o nostálgico

Bebendo da fonte de contos clássicos de juventude transviada, o longa canadense "Goddess of the Fireflies" acompanha uma jovem descendo a um inferno de rebeldia e vício. O longa, mesmo com uma trama um pouco batida, se ancora em uma impecável ambientação para entregar...

‘O Poço’: sucesso espanhol da Netflix digno de todo hype

Impactante, atual e necessário. Essas são algumas palavras que definem ‘O Poço’ e toda sua repercussão ao ser distribuído internacionalmente pela Netflix. Em geral, quando uma produção faz um sucesso estrondoso no streaming, eu já duvido muito sobre sua qualidade,...

‘Você não Estava Aqui’: repensando o papel da família e o sistema capitalista

Ken Loach costuma retratar o quanto o sistema capitalista afeta negativamente as pessoas que dependem dele. Em “Eu, Daniel Blake”, ele destacou o quanto a burocracia e o sistema podem abalar a tranqüilidade de quem precisa deles. Já em “Você não estava aqui”, seu...

‘Por Lugares Incríveis’: Netflix volta a errar em drama adolescente

Com toda repercussão negativa de séries como ‘13 Reasons Why’ e ‘You’, a Netflix apostou em outra atração jovem sobre transtornos mentais e, mais uma vez, foi na direção errada. Tudo bem, ‘Por Lugares Incríveis’ não chega ao mesmo nível de irresponsabilidade que as...

‘Seberg contra todos’: Kristen Stewart gigante não faz milagre

Seguindo o estilo de ‘O Relatório’, a Amazon apresenta mais um longa baseado em fatos totalmente protocolar e com pouca originalidade. ‘Seberg Contra Todos’ até possui um forte e atrativo argumento, entretanto, a condução exagera em momentos óbvios e personagens...

‘Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica’: o óbvio que não vemos

"O mundo perdeu a magia”, diz Ian Lightfoot (Tom Holland), logo no início de “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica” A frase poderia soar ordinária caso não tivesse embutida de uma deliciosa ironia, afinal, se trata de um jovem elfo, irmão do dono de uma van chamada...

‘O Homem Invisível’: aula sobre os perigos de um relacionamento tóxico

AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS  Há mais ou menos um ano ‘remake’ era um conceito inocente para mim, mas, após ser bombardeada com tantas recriações realmente ruins, a palavra tornou-se um motivo de pânico. Em meio a este boom de reaproveitamento em Hollywood,...

‘Maria e João – O Conto das Bruxas’: terror inova sem esquecer do clássico

Se há algo que sempre foi fascinante nos contos dos irmãos Grimm é a enorme capacidade que eles tinham de integrarem um conjunto de ideias que sempre mexeram com o imaginário infantil. No fundo, os seus contos são fortes na essência por apresentaram uma linguagem...

‘A Última Coisa Que Ele Queria’: Dee Rees afunda-se em mar de narrativas sem fim

Quando assisti “Joan Didion: The Center Will Not Hold” – documentário sobre Joan Didion disponível na Netflix –, percebi que adentrar no universo da escritora é uma tarefa um tanto complexa. Pelo visto, muitos cineastas possuem esse mesmo sentimento, visto que, apesar...