Mordaz crítica sobre a diferença de classes, “Parasite” está sendo aclamado por onde passa. Conquistou a Palma de Ouro do Festival de Cannes de 2019 – a primeira vitória da Coreia do Sul no evento – e provocou êxtase na multidão que assistiu ao filme no Festival de Karlovy Vary 2019, na República Tcheca. Dirigido por Bong Joon-Ho (“Okja” e “O Expresso do Amanhã”), a comédia de humor negro é uma jornada infernal repleta de reviravoltas.

A premissa é engenhosa: o adolescente pobretão Ki-woo Kim (Choi Woo-shik) ganha a chance de sua vida quando um amigo o recomenda para ser tutor de Da-hye (Jung Ji-so), filha de um influente casal. Ao assumir um emprego, ele elabora um plano para a demissão do staff do casal com o intuito de colocar seus familiares dele no lugar, o que acaba acontecendo. Certo dia, quando os patrões estão fora e eles aproveitam a mansão para se divertir, a ex-empregada, Moon-kwang (Lee Jung Eun), bate à porta alegando que está lá para recuperar algo que havia esquecido antes de ser demitida. Uma vez dentro da casa, descobre o esquema da família e o caos se instala.

Logo de cara, “Parasite” se beneficia por ser facilmente atraente: as piadas funcionam, o suspense fascina e todas as cenas são apresentadas com técnica impecável. Porém, o público que for além do óbvio encontrará um filme capaz de trabalhar em múltiplas camadas, expondo um universo repleto de críticas sociais e ambiguidades sobre lealdade. A família de Kim, por exemplo, é mostrada como um clã notavelmente inteligente, com um impulso maquiavélico em direção aos seus objetivos mas, ainda assim, é difícil culpá-los, considerando sua situação. Eles compartilham esse impulso com o Moon-kwang, configurando um dos principais conflitos.

Embora o roteiro, co-escrito por Bong e Han Jin-won, evite rotulá-los como vilões, ele claramente não retrata a família rica, os Parks, sob um ponto de vista favorável. Eles servem como um símbolo do sistema econômico injusto e cruel que coloca um pequeno grupo de pessoas para governar e subjugar o resto. Sua cegueira em relação ao que os rodeia e sua total aceitação de ideais estrangeiros – especialmente os americanos – é usada de maneira humorística, embora o assunto esteja longe de ser engraçado. 

PARASITISMO É SOBREVIVÊNCIA

O plano dos Kims para superar essa subjugação é se misturar entre a classe abastada: com a ajuda do Photoshop, Ki-woo finge ser um estudante universitário, a irmã Ki-jeong (Park So-Dam) finge ser uma disputada professora de arte e seus pais fingem serem um motorista e uma empregada com anos de experiência de trabalho para a elite. Quando isso dá certo, a audácia implora a pergunta: “Como eles podem se safar?”. A resposta eventualmente chega, mas ela está longe de ser óbvia.

Todo o tempo, Bong usa essa história para navegar em uma infinidade de estilos: “Parasite” é, alternadamente, uma sátira ácida, um thriller de invasão de casas e até um melodrama familiar. O que é consistente em todos os momentos da trama é o desejo de provocar o público de maneiras inesperadas. Embora seja seguro dizer que, pelo menos, 20 dos seus 132 minutos de duração poderiam ter sido deixados na sala de edição, o longa sul-coreano consegue deixar uma forte impressão.

Intitulando o filme de “Parasite” (‘Parasita’, em português), o diretor associa diretamente o filme à ideia de criaturas que vivem se alimentando de outras. No parasitismo, não há culpa ou vergonha; há apenas a sobrevivência. O cinema já deu diversos exemplos de como os ricos se alimentam dos pobres, mas, nesta análise oportuna de nossos tempos, os pobres provam ter um grande – e similar – apetite.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

‘A Loja da Esquina’: brilhante comédia com ecos melancólicos de uma época

As comédias de Ernst Lubitsch (“Ninotchka”, “Ser ou não Ser”) possuem argumentos simples e que conseguem nos encantar facilmente. Isso ocorre, entre outros fatores, pelo carisma de seus personagens, a estrutura das histórias e o toque pessoal do cineasta. Deve ser por...

‘Luzes da Ribalta’: o réquiem de Charlie Chaplin sobre a vida

Se alguém me perguntar quais são os meus filmes favoritos de Chaplin, eu não teria nenhuma dúvida em dizer que são O Garoto e Tempos Modernos, duas obras que traduzem facilmente a essência do comediante: sempre na pele de Carlitos, temos no primeiro o vagabundo...

‘O Grande Ditador’: síntese de regimes totalitários traz Chaplin versátil

Charlie Chaplin é lembrado como um dos grandes nomes da comédia mundial. E também por seu lado humanista. Nunca pensou duas vezes antes de colocar temáticas sociais em seus trabalhos, discutindo problemas como a pobreza e o valor da vida em suas obras. O intérprete de...

‘Tempos Modernos’: crítica atemporal e definitiva ao capitalismo

“Tempos Modernos” talvez seja o filme mais popular de Chaplin e do icônico personagem Carlitos, curiosamente a última obra em que essa persona marcante aparece.  Neste clássico, somos embalados pelos acordes de “Smile” enquanto acompanhamos as desventuras de um...

‘Luzes da Cidade’: Chaplin no auge diverte e emociona como nunca

Já preciso começar declarando que “Luzes da Cidade” não era apenas o filme favorito de Orson Welles feito por Charles Chaplin, mas, o meu também. Talvez por Chaplin estar em seu ápice de absurdo domínio criativo seja na produção, direção, roteiro e composição de uma...

‘Em Busca do Ouro’: equilíbrio preciso entre humor pastelão e melancolia

Com uma filmografia tão extensa e popular quanto si mesmo, Charles Chaplin afirmou em seu livro autobiográfico que gostaria de ser lembrado pelo singelo ‘Em Busca do Ouro’. O longa em questão pode até não ser o primeiro que nos vem à mente quando pensamos na...

‘O Garoto’: economia narrativa encontra sensibilidade máxima de Chaplin

Um lugar-comum que vez por outra é repetido por quem trabalha com cinema é que não se dá para realmente dirigir crianças e animais. Em frente à câmera, eles vão mais ou menos fazer o que eles querem. Bem, talvez hoje em dia seja um pouco mais fácil dirigir crianças,...

‘O Anjo Exterminador’: a rebelião da alta sociedade em confinamento

Grandes obras de arte têm o poder de atravessar o tempo mantendo o seu discurso e estilo tão potentes quanto na época em que foram lançadas. Casos assim são exemplos da capacidade do artista em observar o seu tempo, o comportamento da sociedade em que vive, e daí...

‘O Cremador’: clássico registra a ascensão ‘natural’ de regimes totalitários

Exploração absurda da banalidade do mal, “O Cremador” continua a ser um filme tão vital como foi ao ser lançado em 1969. Uma restauração, apresentada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, celebra a abordagem libertária de uma produção que...

‘Estação Central de Cairo’: revolução do cinema egípcio ecoa ainda hoje

Um jornaleiro com deficiência e uma vendedora de mente aberta e sexualmente bem-resolvida não parecem escolhas estranhas para protagonistas em 2019, porém, no Egito dos anos 1950, eles eram tão controversos quanto poderiam ser. No entanto, a decisão de criar uma...