Mordaz crítica sobre a diferença de classes, “Parasite” está sendo aclamado por onde passa. Conquistou a Palma de Ouro do Festival de Cannes de 2019 – a primeira vitória da Coreia do Sul no evento – e provocou êxtase na multidão que assistiu ao filme no Festival de Karlovy Vary 2019, na República Tcheca. Dirigido por Bong Joon-Ho (“Okja” e “O Expresso do Amanhã”), a comédia de humor negro é uma jornada infernal repleta de reviravoltas.

A premissa é engenhosa: o adolescente pobretão Ki-woo Kim (Choi Woo-shik) ganha a chance de sua vida quando um amigo o recomenda para ser tutor de Da-hye (Jung Ji-so), filha de um influente casal. Ao assumir um emprego, ele elabora um plano para a demissão do staff do casal com o intuito de colocar seus familiares dele no lugar, o que acaba acontecendo. Certo dia, quando os patrões estão fora e eles aproveitam a mansão para se divertir, a ex-empregada, Moon-kwang (Lee Jung Eun), bate à porta alegando que está lá para recuperar algo que havia esquecido antes de ser demitida. Uma vez dentro da casa, descobre o esquema da família e o caos se instala.

Logo de cara, “Parasite” se beneficia por ser facilmente atraente: as piadas funcionam, o suspense fascina e todas as cenas são apresentadas com técnica impecável. Porém, o público que for além do óbvio encontrará um filme capaz de trabalhar em múltiplas camadas, expondo um universo repleto de críticas sociais e ambiguidades sobre lealdade. A família de Kim, por exemplo, é mostrada como um clã notavelmente inteligente, com um impulso maquiavélico em direção aos seus objetivos mas, ainda assim, é difícil culpá-los, considerando sua situação. Eles compartilham esse impulso com o Moon-kwang, configurando um dos principais conflitos.

Embora o roteiro, co-escrito por Bong e Han Jin-won, evite rotulá-los como vilões, ele claramente não retrata a família rica, os Parks, sob um ponto de vista favorável. Eles servem como um símbolo do sistema econômico injusto e cruel que coloca um pequeno grupo de pessoas para governar e subjugar o resto. Sua cegueira em relação ao que os rodeia e sua total aceitação de ideais estrangeiros – especialmente os americanos – é usada de maneira humorística, embora o assunto esteja longe de ser engraçado. 

PARASITISMO É SOBREVIVÊNCIA

O plano dos Kims para superar essa subjugação é se misturar entre a classe abastada: com a ajuda do Photoshop, Ki-woo finge ser um estudante universitário, a irmã Ki-jeong (Park So-Dam) finge ser uma disputada professora de arte e seus pais fingem serem um motorista e uma empregada com anos de experiência de trabalho para a elite. Quando isso dá certo, a audácia implora a pergunta: “Como eles podem se safar?”. A resposta eventualmente chega, mas ela está longe de ser óbvia.

Todo o tempo, Bong usa essa história para navegar em uma infinidade de estilos: “Parasite” é, alternadamente, uma sátira ácida, um thriller de invasão de casas e até um melodrama familiar. O que é consistente em todos os momentos da trama é o desejo de provocar o público de maneiras inesperadas. Embora seja seguro dizer que, pelo menos, 20 dos seus 132 minutos de duração poderiam ter sido deixados na sala de edição, o longa sul-coreano consegue deixar uma forte impressão.

Intitulando o filme de “Parasite” (‘Parasita’, em português), o diretor associa diretamente o filme à ideia de criaturas que vivem se alimentando de outras. No parasitismo, não há culpa ou vergonha; há apenas a sobrevivência. O cinema já deu diversos exemplos de como os ricos se alimentam dos pobres, mas, nesta análise oportuna de nossos tempos, os pobres provam ter um grande – e similar – apetite.

*O jornalista viajou para o Festival de Karlovy Vary como parte da equipe do GoCritic!, programa de fomento de jovens críticos do site Cineuropa.

‘O Cremador’: clássico registra a ascensão ‘natural’ de regimes totalitários

Exploração absurda da banalidade do mal, “O Cremador” continua a ser um filme tão vital como foi ao ser lançado em 1969. Uma restauração, apresentada no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, celebra a abordagem libertária de uma produção que...

‘Estação Central de Cairo’: revolução do cinema egípcio ecoa ainda hoje

Um jornaleiro com deficiência e uma vendedora de mente aberta e sexualmente bem-resolvida não parecem escolhas estranhas para protagonistas em 2019, porém, no Egito dos anos 1950, eles eram tão controversos quanto poderiam ser. No entanto, a decisão de criar uma...

40 Anos de ‘Manhattan’: clássico de Woody Allen resiste à era #MeToo?

Talvez a pergunta mais difícil ao terminar de assistir algum filme com, pelo menos, 30 anos de existência é se ele envelheceu bem ou mal. Qualquer obra de arte é realizada em um contexto cultural específico, cujas particularidades podem sobreviver ou não ao tempo....

‘Era uma vez na América’: obra-prima definitiva de Sergio Leone

Duas palavras poderiam resumir o que é ‘Era uma vez na América’: glorioso e sublime. A última obra-prima do cineasta italiano Sergio Leone, considerado um gênio da indústria cinematográfica, é grandiosa em sua narrativa construída através de excelentes atuações,...

Por que ‘Aconteceu Naquela Noite’ tornou-se base das comédias românticas no cinema?

Duas pessoas opostas, de personalidades fortes se conhecem durante um evento atípico. Há uma tensão raivosa entre eles quase que de imediato. Por coincidência do destino, são obrigados a conviver por alguns dias, meses ou até anos. Durante um período de infortúnio,...

‘O Ano do Dragão’: ótimo filme policial alucinante e megalomaníaco

Os anos 70 e 80 foram de ampla liberdade criativa para os cineastas que viveram naquele período e marcaram o ciclo da chamada Nova Hollywood. Dentro da sala de cinema, o diretor fazia o que bem queria e isso era perceptível nas cenas ousadas ou fora dos...

‘Vidas Secas’ (1963): obra máxima da filmografia de Nelson Pereira dos Santos

Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos, baseado na seminal obra homônima de Graciliano Ramos, é dos filmes mais tristes do cinema. Uma tristeza particular, brasileira, nordestina. É sobre a face mais cruel da nossa desigualdade social, um dos elementos...

Clássicos do Cinema Brasileiro: ‘Ganga Bruta’, de Humberto Mauro (1933)

Os problemas técnicos de filmes antigos, principalmente os brasileiros, muitas vezes nos tiram do clima, dificultam o entendimento das ideias do filme, principalmente quando ainda estamos iniciando no rumo da cinefilia, e o amadurecimento do olhar para...

Clássicos do Cinema Nacional: ‘Limite’, de Mário Peixoto (1931)

A primeira vez que vi Sem Essa, Aranha, de Rogério Sganzerla, fiquei com uma impressão muito ruim. O filme parecia tosco, mal feito, diferente de tudo que já tinha visto, e não de um jeito bom. Fui assistir empolgado, pois já havia lido bastante a...

‘Capacete de Aço’ (1951): o significado do ser humano dentro de um filme de guerra

A década de 50 é considerada, por muitos, a época de ouro do cinema: Tínhamos Hitchcock, Kurosawa/Ozu e Ingmar Bergman despontando na Europa; Marilyn Monroe, Audrey Hepburn e Bridget Bardot como as novas musas cinematográficas; o cinema musical se...