Quando anunciado em 2019, “Tenet” era apenas o mais recente (e antecipado) filme de um dos diretores mais aclamados da atualidade. A pandemia do COVID-19 o transformou em um símbolo da sala de cinema enquanto agente comercial e cultural e local de congregação. Seu realizador, Christopher Nolan (“Dunkirk”), que já era defensor aberto deste espaço, virou a personificação da esperança de uma indústria na luta por sobrevivência.

Assistir e opinar sobre “Tenet” desprovido desse contexto é uma missão quase impossível. O filme – especialmente no formato Imax preferido por Nolan – brilha ao encapsular o senso de espetáculo que continua sendo domínio das salas de cinema, ainda que uma análise um pouco mais minuciosa deixe entrever seus pontos fracos.

Um personagem inominado (John David Washington) é um agente da CIA que, depois de um incidente em uma missão na Ucrânia, é recrutado para a Tenet – uma entidade internacional que está estudando o fenômeno da “inversão”, ou seja, a reversão da entropia de objetos ou pessoas que faz com que elas pareçam estar voltando no tempo. Com um parceiro a tiracolo (Robert Pattinson), ele parte em uma missão ao redor do mundo para impedir uma grande catástrofe planejada por um magnata russo (Kenneth Branagh) e de quebra salvar uma donzela em apuros (Elizabeth Debicki).

O FILME QUE O PÚBLICO PRECISA (PARA O BEM E PARA O MAL)

Se isso parece quase todos os 007s que você já viu misturados com uma boa dose de ficção científica, é porque é mesmo. O roteiro de Nolan se contenta em reproduzir estruturas de filme de espionagem pois acredita que toda a teoria sobre a “inversão”, combinada com as cenas mais caras que o dinheiro pode comprar, vão compensar pelos eventuais deslizes narrativos.

A surpresa é que ele chega muito perto: “Tenet” é impressionante em quase todos os aspectos. O trabalho do diretor de fotografia Hoyte van Hoytema é de encher os olhos enquanto Jeffrey Kurland povoa o filme com a alta costura mais exclusiva e elegante. Coordenando tudo, a montadora Jennifer Lame cria um ritmo incessante para a produção, levando o público de uma cena de ação para a outra por duas horas e meia.

De certa forma, “Tenet” ganha no cansaço: a trama é confusa para dizer o mínimo e com tantas explosões e perseguições acontecendo a todo momento, não há real oportunidade para que ela seja explorada – ou mesmo para que ela importe. O elenco principal dá o máximo de si – e consegue por puro talento – extrair vida de personagens arquetípicos. Os momentos mais bem-sucedidos do longa não vem deles, mas sim do escopo de tirar de fôlego de certas sequências.

Mais do que talentos individuais, a produção reforça o status de Christopher Nolan enquanto uma marca e o cineasta entrega grandiosidade, complexidade, aprumo técnico e a mais acrobática ação – tudo o que se espera de um produto com seu nome. “Tenet” pode não ser o filme que o público merece, mas é o filme que ele precisa no momento: veloz, vazio e irresistível.

‘Enola Holmes’: passatempo agradável ainda que forçado

Desde a primeira publicação em 1887, o nome Sherlock Holmes ficou marcado como um dos grandes personagens da literatura, mais popular inclusive do que o próprio autor, Arthur Conan Doyle. Nos cinemas, as inúmeras adaptações das aventuras do detetive sempre variam...

‘O Diabo de Cada Dia’: quase um grande filme

Entre violência e religiosidade, ‘O Diabo de Cada Dia’ é puramente mais uma produção hollywoodiana que tenta reinventar a temática nacionalista de guerra. Com um bom elenco e uma narrativa complexa, o longa dirigido por Antonio Campos (“The Sinner”) é capaz de...

‘Trincheira’: arte e imaginação contra muros sociais

Desigualdade social, violência e repressão, machismo, homofobia, desmatamento, corrupção, intolerância... Não é de hoje que o mundo não anda bom e a pandemia da COVID-19 só veio para piorar ainda mais um pouco. Diante disso tudo, quem nunca sentiu vontade de fugir e...

‘King Kong em Asunción’: cansativa viagem pela repressão latino-americana

A dança do personagem de Irandhir Santos ao som de “Fala”, de Ney Matogrosso, sintetizava toda a beleza de “A História da Eternidade” e o talento do recifense Camilo Cavalcante logo no trabalho de estreia na direção de longas.  A expectativa em torno do segundo longa...

‘Me Chama que eu Vou’: Sidney Magal fala, fala, mas revela pouco

Briga dura na mostra competitiva de longas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 na categoria ‘documentário insosso’. “O Samba é o Primo do Jazz” sobre Alcione ganhou a pesada concorrência de “Me Chama que eu Vou” sobre Sidney Magal. Dirigido por Joana...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Remoinho’: bom filme derrapa feio no final

Candidato da Paraíba na mostra competitiva de curtas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, “Remoinho” é um filme que se insinua grande em diversos momentos, dá indícios de um potencial enorme. Ao término dele, porém, o sentimento que fica é da frustração...

‘Você tem Olhos Tristes’: conto singelo sobre os nossos tempos

No final dos créditos do curta Você Tem Olhos Tristes, do diretor Diogo Leite, aparece a informação de que a produção foi filmada em dezembro de 2019. Seus realizadores não podiam imaginar que quase um ano depois o curta ganharia uma relevância insuspeita numa época...

‘Dominique’: simples, potente e acolhedor

O Brasil é um dos países que lidera o ranking de assassinato de transsexuais no mundo. Por mais batida e repetitiva que essa frase soe, tornou-se inevitavelmente assumir o espiral crescente de violência que se deposita em nosso país. Acompanha-se o reflexo da...

‘Joãozinho da Goméia – O Rei do Candomblé’: provocação mais do que bem-vinda

Ousado e provocativo, Joãozinho da Goméia foi uma das lideranças mais populares do candomblé no Brasil durante os anos de 1940 a 1960.  Apesar da rejeição da parte mais conservadora da sociedade e de alas mais tradicionais da religião africana, o babalorixá negro e...