“A Febre” segue sendo uma das produções brasileiras mais premiadas de 2019. Após passagens vitoriosas por Chicago, Locarno, Recife e Mar del Plata, o longa de ficção de estreia de Maya Da-Rin dominou o Festival de Brasília ao conquistar cinco prêmios: Melhor Filme pelo Júri, Melhor Direção, Ator com Régis Myrupu, Direção de Fotografia e Som.

Rodado na capital amazonense no ano passado, “A Febre” narra a história de Justino (Régis Myrupu), um indígena do povo Desana que trabalha como vigilante em um porto de cargas de Manaus. Desde a morte da esposa, sua principal companhia é a filha Vanessa, que se prepara para estudar Medicina em Brasília. Justino, então, é tomado por uma febre misteriosa. Durante a noite, uma criatura misteriosa segue seus passos. De o dia, ele luta para se manter acordado no trabalho.

A equipe local de “A Febre” contou com nomes como a diretora de fotografia Valentina Ricardo e o ator/diretor Diego Bauer, entre outros. A direção do projeto fica por conta de Maya Da-Rin, filha dos diretores Silvio Da-Rin e Sandra Werneck. Antes deste trabalho, ela já havia comandado os curtas “E Agora, José?” (2002) e “Versão Francesa” (2011), além dos documentários “Margem” (2007) e “Terras” (2009).

CONFIRA ABAIXO A LISTA COMPLETA DE GANHADORES DO FESTIVAL DE BRASÍLIA:

MELHOR SOM

A Febre, filme de Maya Da-Rin

Equipe de Som: Felippe Schultz Mussel, Breno Furtado, Emmanuel Croset

MELHOR TRILHA SONORA

Alice Júnior, filme de Gil Baroni,

Trilha Sonora de Vinicius Nisi

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Piedade, de Claudio Assis

Direção de Arte: Carla Sarmento

MELHOR MONTAGEM

Alice Júnior, filme de Gil Baroni

Montagem: Pedro Giongo

MELHOR FOTOGRAFIA

A Febre, filme de Maya Da-Rin

Direção de Fotografia: Bárbara Alvarez

MELHOR ROTEIRO

O tempo que resta, filme de Thaís Borges

Roteiro: Thaís Borges

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Piedade, de Claudio Assis

Ator coadjuvante: Cauã Reymond

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Alice Júnior, filme de Gil Baroni

Atriz coadjuvante: Thais Schier

MELHOR ATOR

A febre, direção de Maya Da-Rin

Melhor ator: Régis Myrupu

MELHOR ATRIZ

Alice Júnior, direção de Gil Baroni

Melhor Atriz: Anne Celestino

MELHOR DIREÇÃO LONGA METRAGEM

A febre, direçao de Maya Da-Rin

MELHOR LONGA METRAGEM JÚRI POPULAR

O tempo que resta, filme de Thaís Borges

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI – LONGA-METRAGEM

Claudio Assis, pelo filme Piedade

MELHOR LONGA METRAGEM – MOSTRA COMPETITIVA (PRÊMIO TÉCNICO DOT CINE)

A febre, filme de Maya Da-Rin

PRÊMIO SARUÊ – CORREIO BRAZILIENSE

Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

PRÊMIO ABRACCINE – MELHOR FILME LONGA METRAGEM COMPETITIVA

O tempo que resta, filme de Thaís Borges

MENÇÃO HONROSA

Ary y yo, de Adriana de Farias

Boca de ouro, de Daniel Filho

Um filme de verão, de Jo Serfaty

Mostra Competitiva – Curta-metragem

MELHOR SOM

A nave de Mané Socó, filme Severino Dadá

Som: Guma Farias e Bernardo Gebara

MELHOR TRILHA SONORA

Alfazema, filme de Sabrina Fidalgo

Trilha Sonora: Vivian Caccuri

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Parabéns a você, filme de Andreia Kaláboa

Direção de arte: Isabelle Bittencourt

MELHOR MONTAGEM

A nave de Mané Socó, filme Severino Dadá

Montagem: André Sampaio

MELHOR FOTOGRAFIA

Parabéns a você, filme de Andreia Kaláboa

Direção de Fotografia: João Castelo Branco

MELHOR ROTEIRO

Carne, de Camila Kater

Roteiro: Camila Kater e Ana Julia Carvalheiro

MELHOR ATOR

A nave de Mané Socó, filme Severino Dadá

Melhor ator: Severino Dadá

MELHOR ATRIZ

Angela, filme de Marilia Nogueira

Melhor atriz: Teuda Bara

MELHOR CURTA METRAGEM JÚRI POPULAR – MOSTRA COMPETITIVA (PRÊMIO TÉCNICO EDINA FUJII CIARIO)

A Carne, filme de Camila Kater

MELHOR CURTA METRAGEM – MOSTRA COMPETITIVA (PRÊMIO TÉCNICO DOT CINE E CINEMATICA)

Rã, de Júlia Zakia e Ana Flavia Cavalcanti

PRÊMIO MARCO ANTÔNIO GUIMARÃES

Chico Mendes, um Legado a Defender, de João Inácio

PRÊMIO CANAL BRASIL DE CURTAS – MELHOR FILME CURTA METRAGEM COMPETITIVA

Sangro, de Tiago Minamisawa e Bruno H. Castro

PRÊMIO ABRACCINE – MELHOR FILME CURTA METRAGEM COMPETITIVA

A Carne, de Camila Kater

Mostra Brasília BRB

MELHOR DIREÇÃO

Mãe, filme de Adriana Vasconcelos

MELHOR CURTA METRAGEM JÚRI POPULAR

Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

MELHOR LONGA METRAGEM JURI POPULAR

Dulcina, filme de Glória Teixeira

MELHOR CURTA METRAGEM – MOSTRA BRASÍLIA (PRÊMIO TECNICO EDINA FUJII CIARIO)

Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

MELHOR LONGA METRAGEM– MOSTRA BRASÍLIA (PRÊMIO TECNICO EDINA FUJII CIARIO)

Dulcina, filme de Glória Teixeira

MELHOR DIREÇÃO CURTA METRAGEM – MOSTRA COMPETITIVA

Alfazema, filme e direção de Sabrina Fidalgo

MELHOR EDIÇÃO DE SOM

Mito e música – a mensagem de Fernando Pessoa, filme de André Luiz Oliveira e Rama Oliveira

Edição de Som: Laurent Mis

MELHOR TRILHA SONORA

Mito e música a mensagem de Fernando Pessoa, filme de André Luiz Oliveira e Rama Oliveira

Trilha de: André Luiz Oliveira

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Dulcina, filme de Glória Teixeira

Direção de arte: Ursula Ramos e Demétrios Pina

MELHOR MONTAGEM

Ainda temos a imensidão da noite, filme de Gustavo Galvão

Montagem: Marcius Barbieri

MELHOR FOTOGRAFIA

Ainda temos a imensidão da noite, filme de Gustavo Galvão

Direção de Fotografia: André Carvalheira

MELHOR ROTEIRO

Mito e música – a mensagem de Fernando Pessoa, filme de André Luiz Oliveira e Rama de Oliveira

Roteiro: Rama de Oliveira

MELHOR ATOR

Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

Ator: Wellington Abreu

MELHOR ATRIZ

Dulcina, filme de Glória Teixeira

Atrizes: Bido Galvão, Carmem Moretzsohn, Iara Pietricovsky, Theresa Amayo, Glória Teixeira e Françoise Fourton.

‘O Céu dos Índios’: afeto marca fascinante viagem por culturas indígenas

Em sua produção como diretora – que, até então, compunha-se dos curtas Strip Solidão (2013) e Dom Kimura (2016) –, Flávia Abtibol já vinha mostrando uma disposição especial para aproximar-se do mundo de seus personagens: é a empatia a qualidade que redime a narrativa...

‘Travessia’: dor e poesia na dura vida de imigrantes do Haiti em Manaus

Após uma carreira bem-sucedida em festivais com o documentário performático “Maria”, a diretora Elen Linth apostou num projeto de temática igualmente relevante, mas com uma pegada mais diferente. Trata-se de “Travessia”, longa-metragem de não-ficção dirigido em...

‘Príncipe da Encantaria’: simpático curta expande lenda do boto cor de rosa

O Amazonas é repleto de lendas folclóricas, oferecendo um potencial inestimável para produções culturais. Aproveitando essa bagagem regional que Izis Negreiros ("Santo Casamenteiro") escreveu e dirigiu “Príncipe da Encantaria”. A produção é inspirada em uma das lendas...

‘A Última Balada de El Manchez’: sinal aberto para a animação no Amazonas

Certos filmes são mais importantes para história do cinema do que necessariamente bons como um todo. “O Cantor de Jazz” (1927), por exemplo, passa longe de ser um musical memorável, mas, está eternizado como a primeira produção falada da história. Já “Carlota...

‘Noite Escura da Alma’: terror amazonense com ares de parábola bíblica

Em um poema intitulado “A noite escura da alma”, o espanhol São João da Cruz descreve a jornada da alma, desde todas as dificuldades que enfrenta no mundo carnal até a união com Deus. Essa “noite escura” é a prova de fogo derradeira para o crescimento espiritual, como...

‘La Arrancada’: uma boa largada de Aldemar Matias em longas-metragens

Aldemar Matias é um dos principais expoentes do Amazonas no cinema de não-ficção hoje. Seu filmes têm em comum um olhar atento e curioso, mas que respeita a noção de distanciamento para extrair o que de melhor surge das histórias que pretende contar. É...

‘A Goteira’: show de Isabela Catão em filme de altos e baixos

Recentemente, Diego Bauer, integrante da Artrupe Produções e crítico do Cine Set, fez uma lista de cinco atores amazonenses que o cinema local deveria olhar com mais atenção. Isabela Catão estava entre eles e, se alguém por algum caso, torceu o nariz pela...

‘Vila Conde’: retrato simbólico do jogo de poder brasileiro

Por trás do discurso bonito e das aparências, "pessoas de bem" são capazes de fazer monstruosidades. É o que mostra o Brasil atual assim como "Vila Conde", novo curta-metragem de Rômulo Sousa. O jovem diretor local realiza o primeiro filme na ficção após o...

‘Zana: O Filho da Mata’: curta respeita público infantil em celebração ao universo amazônico

"Zana - O Filho da Mata" é o segundo curta-metragem de ficção da carreira de Augustto Gomes na direção. Selecionado para o Festival Olhar do Norte 2019, trata-se de uma produção capaz de acreditar na inteligência do público infantil e visualmente acima da...

‘A Terra Negra dos Kawa’: proposta intrigante perde força em filme lacunar

Formatos tradicionais, com aqueles três manjados atos bem fechados e personagens de personalidade e arcos dramáticos claramente demarcados, não são garantia de geração de identificação entre público e um filme. Quando os filmes partem para propostas menos...