Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a Alex (Renan Tenca) e Valdomiro (Lucas Wickhaus) segurar os principais conflitos em cena.

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: O Protagonismo da Enigmática Manaus

“Depois de Ontem”, título do décimo capítulo de “Boto”, inicia do término do episódio anterior com ménage entre Alex, Giordano (Ítalo Almeida) e Lara (Daniela Blois). Tudo feito com muito cuidado, exalando liberdade e afeto, mas, que não se sustenta por tanto tempo assim, afinal, o que poderia ser um causador de conflito ou alguma faísca inesperada pelo rumo do trisal, na verdade, termina com eles fumando um baseado, dormindo nus juntos, se beijando mais um pouco e só. Nem mesmo o episódio seguinte apresenta algum elemento adicional, o que só aumenta a sensação de desperdício dos personagens de Ítalo e Daniela – sinceramente, já desisti de esperar qualquer coisa da dupla.

LEIA TAMBÉM: Crítica: ‘Boto’ – Episódios 4 e 5: Ou Pode Chamar de ‘Aquela Estrada 2’

Ainda falando de Alex, ele protagoniza o grande momento de “Boto” até aqui no episódio 11, “Boto Máquina”. Novamente, o passado nebuloso do personagem está no centro da história com a traumática viagem de barco feita na infância. Remetendo a Hamlet, o príncipe da Dinamarca assombrado pela morte do pai, temos Alex lidando com o seu passado em uma encenação de uma performance teatral repleta de grunhidos e angustiante, tal qual o espírito inquieto do rapaz.

CAMINHADA TRÁGICA

Paralelo a isso, temos Valdomiro que decide sair à rua e ir ao trabalho de vestido e brinco. Ao sair para tomar uma cerveja com um cliente da pizzaria em que exerce a função de garçom, ele acaba sendo vítima da intolerância. Interessante observar como existe um ar trágico em relação ao personagem em “Depois de Ontem”: ao vê-lo caminhar confiante e feliz pelas ruas ensolaradas do Centro de Manaus, sabemos que, logo, a triste e violenta realidade de uma sociedade incapaz de olhar com afeto ao diferente e preconceituosa será posta. O contraste com o fim do capítulo, em uma avenida Eduardo Ribeiro deserta, tarde da noite, ensanguentado e com o olhar de espanto e incredulidade com o que lhe ocorrera, sem ter a quase ninguém para recorrer (a PM não parece ser a melhor escolha), dá o tom perfeito desta composição.

LEIA TAMBÉM: Crítica: Boto – Episódios 6 e 7: Série Cresce Independente de Obstáculos

Completa esta jornada a forma como a sociedade sexualiza aqueles corpos acima de qualquer outro traço. Para Amaury (Diego Bauer), típico ‘cidadão de bem’, não importa quão seja competente como garçom ou o talento inegável como cantor, Valdomiro é apenas um ser o qual deseja ter posse. O simbolismo desta violência ganha ainda mais força ao se tratar de um homem negro identificando-se com um gênero feminino, corpos historicamente violentados e desrespeitados pela sociedade brasileira ao longo de séculos.

LEIA TAMBÉM: Crítica: Boto – Episódios 8 e 9: Sobra Tempo e Falta História

Os dois últimos capítulos de “Boto” serão exibidos a partir da próxima sexta-feira (26) na TV Ufam, a partir das 23h (hora de Manaus).

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...

‘Boto’ – Episódios 6 e 7: série cresce independente de obstáculos

Após episódios monótonos, “Boto” deu uma leve avançada nos capítulos 6 e 7, em exibição na TV Ufam (Canal 8 na Net Digital) até a próxima quinta-feira (11). Grande parte disso se deve ao foco prioritário nos relacionamentos entre os cinco protagonistas, aprofundando...

‘Boto – Episódios 4 e 5’: ou pode chamar de ‘Aquela Estrada 2’

“Aquela Estrada” é o mais bem-sucedido curta-metragem do coletivo Artrupe Produções Artísticas. Dirigida por Rafael Ramos, a produção circulou por festivais nacionais importantes como o Mix Brasil, Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo e Goiânia...

‘Boto’ – Episódios 1, 2 e 3: o protagonismo da enigmática Manaus

Se a política pública de regionalização do audiovisual brasileiro adotada na última década tinha como um dos objetivos dar voz a artistas locais apresentarem realidades de locais pouco vistos na TV e cinema, “Boto” consegue ser um representante certeiro deste processo...

‘O Céu dos Índios’: afeto marca fascinante viagem por culturas indígenas

Em sua produção como diretora – que, até então, compunha-se dos curtas Strip Solidão (2013) e Dom Kimura (2016) –, Flávia Abtibol já vinha mostrando uma disposição especial para aproximar-se do mundo de seus personagens: é a empatia a qualidade que redime a narrativa...

‘Travessia’: dor e poesia na dura vida de imigrantes do Haiti em Manaus

Após uma carreira bem-sucedida em festivais com o documentário performático “Maria”, a diretora Elen Linth apostou num projeto de temática igualmente relevante, mas com uma pegada mais diferente. Trata-se de “Travessia”, longa-metragem de não-ficção dirigido em...