O primeiro “M.I.B Homens de Preto” (Barry Sonnenfeld, 1997) é um filme leve, divertido, que consegue casar muito bem comédia, ficção cientifica e brincar com o grotesco sem ser forçado. Além do ótimo roteiro e direção inteligente, o filme conta com as excelentes atuações e química da dupla Will Smith e Tommy Lee Jones, na pele dos agentes da organização secreta.  

Dito isto, é aceitável que a indústria cinematográfica tenha produzido mais dois filmes com a dupla de estrelas e aposte em uma nova continuação, agora com novos atores e diretor. Neste novo filme, “M.I.B” fica a cargo de F Gary Gray (“Velozes e Furiosos 8“), que se utiliza da química já vista em “Thor: Ragnarok” da dupla Tessa Thompsom e Chris Hemsworth como os agentes M e H.  

O longa também conta com nomes de peso como Liam Neeson (agente T) e Emma Thompsom (agente O) na tentativa de fazer com que a saga respire. No entanto, após conferir “MIB Internacional”, consigo afirmar que esse reboot do clássico de 97 respira mesmo é por aparelhos.  

O longa conta a história de Molly (Tessa), que após uma experiência com um alienígena e ser testemunha do trabalho dos Homens de Preto na infância, passa seus 20 anos à procura da agência de serviço secreto. Certo dia, ela consegue rastrear o sistema MIB e, por sua sagacidade, acaba sendo aceita para um estágio na organização, tornando-se a agente M. Lá, ela conhece o agente H (Hemsworth) e, após a morte de um importante alienígena, saem em missão para capturar uma arma e impedir que caia nas mãos dos inimigos.  

Que Hollywood tem o hábito de produzir continuações dos seus grandes sucessos ao longo das décadas, chegando muitas vezes à exaustão, isso ninguém tem dúvida. Em alguns casos, como, por exemplo, as franquias “007” e “Star Wars” levam até hoje centenas ou milhares de fãs às salas de cinema, mantendo a alma dos filmes precurssores, casando com a inovação de maneira pontual e sábia.  

Uma pena que MIB não consiga obter o mesmo êxito, podendo ser comparado aos recente “Missão Impossível: Efeito Fallout”: sobra estética com efeitos visuais incríveis e falta o desenvolvimento de uma trama, no mínimo, coesa. 

GRACINHAS PARA COMPENSAR HISTÓRIA POBRE 

Recheado de referências ao clássico de 97 – a mesma jornada de descobertas e aprendizados de um novo agente, caçada aos alienígenas, utilização de armas e carros potentes -, “MIB Internacional” não fica só no título e utiliza bem seu orçamento de US$ 110 milhões, onde as missões saem de Nova York e tem como pano de fundo cidades como Paris, Londres e até Marrakech (Marrocos). O longa inova também trazendo pela primeira vez uma mulher na pele da agente protagonista M, mas nem mesmo esse símbolo de empoderamento feminino tão valorizado na sétima arte nos dias atuais, não consegue dar folego à trama. 

Um ponto positivo na obra de Gray é que ela é completamente despretensiosa em sua construção, focando simplesmente na química do casal protagonista, nas cenas de ação e no desfecho esperado. Os arcos dramáticos dos personagens não são desenvolvidos de uma forma aceitável, o roteiro é simplista e quase amador, tornando o filme uma reprodução pobre do sucesso de 1997.  

Não há uma assinatura notável na direção de Gray, a fotografia e o design de produção são meticulosos, assim como os efeitos especiais. O roteiro aposta em uma referência a Thor, quando o agente H segura um martelo e tenta desenvolver um alívio cômico, outro fator mal desenvolvido no filme. É engraçado afirmar que o único personagem que funciona é Pawny, um alienígena que simula a peça de peão do jogo de xadrez. Ele é responsável pelas falas mais engraçadas do longa. 

No mais, “M.I.B Internacional” é a prova viva que nem tudo no cinema é estética e efeitos especiais: é preciso, no mínimo, dedicar um pouquinho de tempo ao roteiro. 

‘A Vida de David Copperfield’: porta de entrada ideal para Charles Dickens

Prometendo uma nova roupagem para um dos romances mais populares do escritor Charles Dickens, ‘A vida extraordinária de David Copperfield’ consegue cumprir seu objetivo graças a narrativa dinâmica adotada pelo diretor Armando Iannucci. No longa, tanto as diversas...

‘The Old Guard’: saudades da Furiosa, né Charlize Theron?

Charlize Theron ganhou o Oscar de Melhor Atriz pelo drama Monster: Desejo Assassino (2004), mas a melhor e mais marcante atuação de sua carreira até hoje foi em Mad Max: Estrada da Fúria (2015), como a Imperatriz Furiosa. No já clássico filme de George Miller, ela...

‘Ligue Djá: O Lendário Walter Mercado’: sem vergonha de ser chapa-branca

Conhecido mundialmente e extremamente popular na América Latina, Walter Mercado tornou-se uma das celebridades mais amadas do Brasil no final do século passado. Porto-riquenho, Walter enrolava um “portunhol” que tornou possível o bordão “ligue djá”, tão icônico para...

‘Festival Eurovision da Canção – A Saga de Sigrit e Lars’: paródia boba e divertida

Sou apaixonada por reality shows. Gosto de acompanhar a trajetória dos concorrentes, analisar suas participações, discutir sobre o programa - no Twitter e na roda de amigos - e contemplar artistas muito bons alcançarem a oportunidade que desejavam. Essas atividades...

‘Artemis Fowl’: difícil achar o que se salva em bomba da Disney

Com o constante adiamento da estreia de ‘Mulan’ nos cinemas, a Disney decidiu disponibilizar sua magia em um live-action com ‘Artemis Fowl’ no Disney+. A decisão, entretanto, não poderia ser pior para o público já que o filme apresenta erros consecutivos desde seu...

‘O Rei de Staten Island’: Judd Apatow desgasta própria fórmula

Scott é um jovem que ainda nem chegou aos vinte anos, cujos únicos interesses na vida são maconha e tatuagens, e que vive em Staten Island, um daqueles distritos modorrentos do Estado de Nova York – “o único para o qual Nova Jersey pode olhar com superioridade”, uma...

‘Ninguém Sabe que Estou Aqui’: surpresa chilena revela-se um tesouro na Netflix

Em “Ninguém Sabe que Estou Aqui”, seu longa de estreia na direção, o chileno Gaspar Antillo nos surpreende com uma bela e melancólica história sobre abusos na indústria fonográfica, sonhos não realizados e aceitação própria. Além de possuir uma narrativa bem...

‘A Febre’: a luta contra a dizimação de todos os tipos

“A Febre” é um filme de luta. Não aquela luta física de um John McClane ou John Wick com socos, pontapés e tiros a todo instante, mas, sim uma resistência à tentativa de dizimação identitária, cultural e de valores.   Esta resistência atende pelo nome de Justino...

‘Três Verões’: efeitos da Lava Jato encontram Regina Casé brilhante

A corrupção está no DNA do Brasil desde a Colônia até os dias atuais com os escândalos das rachadinhas e da Lava Jato. A polêmica operação, aliás, já ganhou às telas em séries (“O Mecanismo”), policiais (“Polícia Federal – A Lei é Para Todos”), documentários...

‘7500’: metade final frustra suspense razoável

Em tempos de pandemia de Covid-19 e isolamento social, é curioso assistirmos filmes que nos entretém explorando outros tipos de paranoia e ansiedade que costumavam ser mais fortes. Como 7500, suspense da Amazon Prime Video sobre o medo do terrorismo aéreo. Passados...