O primeiro “M.I.B Homens de Preto” (Barry Sonnenfeld, 1997) é um filme leve, divertido, que consegue casar muito bem comédia, ficção cientifica e brincar com o grotesco sem ser forçado. Além do ótimo roteiro e direção inteligente, o filme conta com as excelentes atuações e química da dupla Will Smith e Tommy Lee Jones, na pele dos agentes da organização secreta.  

Dito isto, é aceitável que a indústria cinematográfica tenha produzido mais dois filmes com a dupla de estrelas e aposte em uma nova continuação, agora com novos atores e diretor. Neste novo filme, “M.I.B” fica a cargo de F Gary Gray (“Velozes e Furiosos 8“), que se utiliza da química já vista em “Thor: Ragnarok” da dupla Tessa Thompsom e Chris Hemsworth como os agentes M e H.  

O longa também conta com nomes de peso como Liam Neeson (agente T) e Emma Thompsom (agente O) na tentativa de fazer com que a saga respire. No entanto, após conferir “MIB Internacional”, consigo afirmar que esse reboot do clássico de 97 respira mesmo é por aparelhos.  

O longa conta a história de Molly (Tessa), que após uma experiência com um alienígena e ser testemunha do trabalho dos Homens de Preto na infância, passa seus 20 anos à procura da agência de serviço secreto. Certo dia, ela consegue rastrear o sistema MIB e, por sua sagacidade, acaba sendo aceita para um estágio na organização, tornando-se a agente M. Lá, ela conhece o agente H (Hemsworth) e, após a morte de um importante alienígena, saem em missão para capturar uma arma e impedir que caia nas mãos dos inimigos.  

Que Hollywood tem o hábito de produzir continuações dos seus grandes sucessos ao longo das décadas, chegando muitas vezes à exaustão, isso ninguém tem dúvida. Em alguns casos, como, por exemplo, as franquias “007” e “Star Wars” levam até hoje centenas ou milhares de fãs às salas de cinema, mantendo a alma dos filmes precurssores, casando com a inovação de maneira pontual e sábia.  

Uma pena que MIB não consiga obter o mesmo êxito, podendo ser comparado aos recente “Missão Impossível: Efeito Fallout”: sobra estética com efeitos visuais incríveis e falta o desenvolvimento de uma trama, no mínimo, coesa. 

GRACINHAS PARA COMPENSAR HISTÓRIA POBRE 

Recheado de referências ao clássico de 97 – a mesma jornada de descobertas e aprendizados de um novo agente, caçada aos alienígenas, utilização de armas e carros potentes -, “MIB Internacional” não fica só no título e utiliza bem seu orçamento de US$ 110 milhões, onde as missões saem de Nova York e tem como pano de fundo cidades como Paris, Londres e até Marrakech (Marrocos). O longa inova também trazendo pela primeira vez uma mulher na pele da agente protagonista M, mas nem mesmo esse símbolo de empoderamento feminino tão valorizado na sétima arte nos dias atuais, não consegue dar folego à trama. 

Um ponto positivo na obra de Gray é que ela é completamente despretensiosa em sua construção, focando simplesmente na química do casal protagonista, nas cenas de ação e no desfecho esperado. Os arcos dramáticos dos personagens não são desenvolvidos de uma forma aceitável, o roteiro é simplista e quase amador, tornando o filme uma reprodução pobre do sucesso de 1997.  

Não há uma assinatura notável na direção de Gray, a fotografia e o design de produção são meticulosos, assim como os efeitos especiais. O roteiro aposta em uma referência a Thor, quando o agente H segura um martelo e tenta desenvolver um alívio cômico, outro fator mal desenvolvido no filme. É engraçado afirmar que o único personagem que funciona é Pawny, um alienígena que simula a peça de peão do jogo de xadrez. Ele é responsável pelas falas mais engraçadas do longa. 

No mais, “M.I.B Internacional” é a prova viva que nem tudo no cinema é estética e efeitos especiais: é preciso, no mínimo, dedicar um pouquinho de tempo ao roteiro. 

‘Entre Facas e Segredos’: Rian Johnson retorna às raízes em grande comédia

O que você faz depois de abalar as estruturas de uma das maiores franquias cinematográficas da história? Pois Rian Johnson resolveu voltar às origens. “Entre Facas e Segredos”, seu primeiro filme desde “Star Wars: Os Últimos Jedi”, é uma comédia sensacional que remete...

“Morto não Fala”: roteirista de ‘Carcereiros’ estreia no cinema com terror preciso

“Você é a última voz que eu vou ouvir antes de Satanás.”  Esse diálogo estabelece bem o que se acompanha durante a projeção de “Morto Não Fala”, filme escrito e dirigido por Dennison Ramalho, uma das mentes responsáveis pelo roteiro de “Supermax” e “Carcereiros”,...

‘A Beautiful Day in the Neighbourhood’: além dos limites do burocrático

O estado atual da indústria cinematográfica permite engraçados paralelos. De um lado, temos filmes que imploram a tela grande sendo produzidos por empresas de streaming, como “Roma”, de Alfonso Cuáron, ou o “Suspiria” de Luca Guadagnino. Por outro, há projetos como...

‘Wasp Network’: Olivier Assayas derrapa em suspense sem rumo certo

"Wasp Network" não é o inferno, mas está cheio de boas intenções. A trama real dos Cinco Cubanos, que espionaram em prol da terra natal em pleno solo americano, rende um thriller implacável. Infelizmente, ele continua na promessa. O novo longa de Olivier Assayas,...

‘O Farol’: horror brota da solidão em ótimo terror de Robert Eggers

Na sua carreira até agora, o diretor Robert Eggers tem se mostrado um grande explorador do poder de isolamento. Se seu filme anterior, "A Bruxa", almejava observar como o puritanismo religioso atuava na mente de pessoas longe da civilização, em "O Farol", seu novo...

‘Histórias de um Casamento’: os dolorosos detalhes do fim de um casal

O mais difícil de “Histórias de um Casamento” é saber lidar com o quão engraçado ele é. Não se engane: essa é uma história devastadora sobre um divórcio e a subsequente batalha judicial dos ex-cônjuges. Porém, a delicadeza com que o diretor-roteirista...

‘Projeto Gemini’: tecnologia inovadora para história previsível

Ang Lee, diretor de “O Segredo de Brokeback Mountain” e “As Aventuras de Pi”.  Will Smith em dose dupla, astro dos mais populares de Hollywood.  Filmagem em 120 frames por segundo, um avanço tecnológico espetacular.  Todos estes fatores levam “Projeto Gemini” a ser...

‘The Peanut Butter Falcon’: para assistir com um sorriso no rosto

Lançado no Festival de Londres 2019, “The Peanut Butter Falcon” é um road movie pronto para aquecer seu coração nos dias frios de outubro. Após agradar o público no festival South by Southwest mais cedo neste ano, esse conto à la Mark Twain pode parecer familiar, mas...

‘El Camino’: epílogo de ‘Breaking Bad’ reforça talento de Aaron Paul

AVISO: Este texto contém SPOILERS da série Breaking Bad. -- Breaking Bad se encerrou em 2013 com uma rajada de balas e a morte do seu protagonista Walter White, vivido por Bryan Cranston, no que é considerado quase com unanimidade como um dos melhores finais da...

‘Colour Out of Space’: Nicolas Cage encontra Lovecraft em bom filme B

Se um dia você quis ver Nicolas Cage à frente de uma adaptação de H. P. Lovecraft, esse momento é seu: "Colour Out of Space" usa com sucesso um dos contos mais famosos do celebrado autor de terror para criar um filme B de responsa. O longa, que estreou em Toronto e...