Muitos diretores fazem, uma vez na carreira, um filme sobre Hollywood. David Robert Mitchell, talento revelado pelo ótimo terror A Corrente do Mal (2015), não esperou muito para fazer o dele: seu terceiro filme, O Mistério de Silver Lake, pode-se dizer, é o seu Cidade dos Sonhos (2001). O paralelo com o longa de David Lynch é válido, pela temática, e até um dos atores de Cidade, Patrick Fischler e sua cara marcante de maluco, aparecem com destaque em Silver Lake. Claro, o filme de Mitchell não chega nem aos pés do de Lynch Mas isso não significa que a visão do diretor sobre a capital do cinema não seja intrigante a seu modo e digna de atenção. 

No filme, Andrew Garfield interpreta Sam, um sujeito que tem um apartamento em Hollywood – embora nunca o vejamos trabalhando nem fazendo nada para ganhar dinheiro que o permita morar lá. Um dia, ele tem um pequeno flerte com uma bela jovem que é sua vizinha, Sarah (Riley Keogh) – depois de espioná-la! Antes de ele conseguir qualquer coisa com ela, Sarah e suas coisas desaparecem no meio da noite. O resto do filme mostra Sam tentando encontrá-la, e topando com esquisitices cada vez maiores no caminho: mensagens escondidas em letras de músicas, um milionário desparecido, assassinatos de cachorros, um compositor misterioso e um culto (obrigatório em se tratando de Califórnia, né?). É uma viagem maluca. 

Ao longo do tempo, ele também espiona, à distância, várias mulheres. O Mistério de Silver Lake, em vários momentos, parece ser uma reflexão do seu diretor/roteirista sobre o male gaze, aquela expressão em inglês que designa o olhar masculino e sexualizado sobre as mulheres. O protagonista espiona garotas com binóculos, com um drone, as segue num barquinho – em uma cena que evoca outra parecida em Chinatown (1974) – as segue em festas… É curioso o quanto isso acontece ao longo do filme, e também é curioso o retrato dos homens na obra: são todos paranoicos, patéticos, e o melhor amigo do herói só é visto bebendo ou jogando videogames. Antigos, ou melhor, vintage, no caso… 

Pode-se até interpretar O Mistério de Silver Lake como uma visão sobre a diferença entre homens e mulheres, como a história de um cara em busca de uma garota que simplesmente não está nem aí para ele. O protagonista é levado pelo seu male gaze, uma fantasia que não corresponde às suas expectativas, e nesse sentido, é apropriado que o filme seja ambientado na terra do cinema, da ilusão. Silver Lake é um filme sobre outros filmes, e Mitchell tem consciência total disso: desde o começo com seu clima hitchcockiano, algumas cenas à la Brian De Palma, a já mencionada participação de Fischler – ator lembrado pela inesquecível e assustadora cena do beco em Cidade dos Sonhos – e toques de FelliniJuventude Transviada (1955) de Nicholas Ray e mistérios noir, as referências são muitas. A própria locação do apartamento do herói remete a O Perigoso Adeus (1973) de Robert Altman – isso, e a vizinha constantemente topless. Ora, numa cena Mitchell faz Garfield grudar a mão suja de chiclete numa revista do Homem-Aranha! 

ESTRANHAMENTO HIPNÓTICO 

É uma visão irônica da vida em Hollywood, mas que não parece muito bem saber o que quer, ou mesmo se há algo a mais para sustentar essa visão. A angústia do protagonista é a mesma do filme, a de não saber muito bem onde se encaixa entre a nostalgia do passado e o mistério do futuro. Porém, só essa sensação não consegue carregar o filme, e com 2 horas e 19 minutos de duração, O Mistério de Silver Lake parece em alguns momentos perdido e autoindulgente.  

Apesar disso, ainda consegue prender a atenção e é carregado pela atuação de Garfield, aqui um pouco mais maluco do que de costume. Alguns momentos de humor e tensão, e algumas belas cenas visuais criadas por Mitchell e seu diretor de fotografia Mike Gioulakis, chamam a atenção, como a cena com dois personagens nadando no reservatório à noite. O Mistério de Silver Lake meio que atira para vários lados, mas, na maior parte do tempo, é estranhamente hipnótico. 

E ambicioso: ninguém pode acusar David Robert Mitchell de não ter se arriscado com uma obra tão estranha tão cedo na carreira, e basta nos lembrarmos de nomes como Richard Kelly – diretor de Donnie Darko (2001) que hoje está no limbo – e Nicolas Winding Refn – cada vez mais perdido dentro do seu próprio buraco negro depois da aclamação de Drive (2011) – para constatarmos que Mitchell até que se sai relativamente bem. Grandes nomes do cinema já fizeram obras sobre Hollywood e as pessoas esquisitas que vivem lá: Lynch e Altman, Billy Wilder, os Coens, Paul Thomas Anderson… Mitchell não se junta a essa lista, claro, mas seu sonho maluco movido a cinema e tesão reprimido é até interessante. 

Filmografia Tim Burton: Os 10 Melhores Filmes e o Pior

Aproveitando a estreia de "Dumbo" nos cinemas, Caio Pimenta traz uma lista com o melhor e o pior de Tim Burton.https://www.youtube.com/watch?v=k4KTeTA30Bw

Filmografia Jordan Peele: o cara do terror no cinema americano

Jordan Peele se consolida um dos grandes nomes da atualidade dentro do cinema americano com a estreia de "Nós" .Caio Pimenta traz a trajetória dele na nova filmografia do Cine Set.https://www.youtube.com/watch?v=ch835vK-k2s

Filmografia Liam Neeson: consegue ou não superar o escândalo racial?

Caio Pimenta analisa a carreira e o momento complicado de Liam Neeson após o escândalo racial causado durante a divulgação de "Vingança a Sangue Frio".https://www.youtube.com/watch?v=7FyjWpFsBbo

Filmografia Brie Larson: da música pop ao Oscar até Capitã Marvel

Ganhadora do Oscar por "O Quarto Jack", Brie Larson traz uma carreira iniciada na infância para encontrar o auge da popularidade em "Capitã Marvel". Caio Pimenta traz todos os detalhes desta trajetória curta, mas, com grandes momentos neste videocast....

Especial Wes Anderson: O Grande Hotel Budapeste (2014)

Meu olhar de cinéfilo hipster em relação O Grande Hotel Budapeste não é de enxergá-lo como a obra favorita de Wes Anderson, cargo que pertence ao Fantástico Senhor Raposo. Nem mesmo, a que mexe intensamente com as minhas emoções, função exercida pela A...

Ingrid Bergman: a sueca que mostrou que há vida fora de Hollywood

Bergman, Lumet, Rossellini, Hitchcock, Renoir. Apenas o mencionar de um desses sobrenomes em uma conversa já é capaz de levantar as sobrancelhas de qualquer cinéfilo. E não é exagero nenhum dizer que qualquer ator de certo renome que tenha em sua...

Especial Wes Anderson: Moonrise Kingdom (2012)

"Moonrise kingdom" (2012) é o primeiro filme de Wes Anderson que poderíamos classificar explicitamente como infantil. Ainda que tenha dirigido a animação "O Fantástico Senhor Raposo" (2011) no ano anterior, e expresso tramas que perpassam o universo...

Especial Wes Anderson: ‘Viagem a Darjeeling’ (2007)

Meu primeiro contato com Viagem a Darjeeling foi através do curta Hotel Chevalier. Nele, os personagens de Jason Schwartzman e Natalie Portman (que faz uma ponta no finalzinho de Darjeeling) encontram-se, antes da viagem que os três irmãos farão na Índia,...

Especial Wes Anderson: ‘A Vida Marinha com Steve Zissou’ (2004)

Visual marcante e diálogos significativos: estes são os dois elementos são grandes norteadores das histórias assinadas por Wes Anderson. Muitos filmes do cineasta americano apresentam argumentos aparentemente simples e que, algumas vezes, lembram tramas...

Especial Wes Anderson: Os Excêntricos Tenenbaums (2001)

Excentricidade. Essa palavra combina bem com Wes Anderson. O terceiro filme da carreira do cineasta norte-americano ressalta as estranhezas, sutilezas e experimentações que o estilo narrativo e estético de Anderson ditam. É excepcional como ele consegue...