Inspiração, criação e compartilhamento. 

Com estas três palavras, Agnès Varda sintetiza um trabalho de seis décadas entre filmes de ficção, documentários, curtas experimentais e instalações de arte. A realizadora belga deixou um vácuo enorme no mundo do cinema após a sua morte no início deste ano, mas se despediu graciosamente: seu último filme, Varda por Agnès, transborda vivacidade, com a diretor sendo franca sobre suas técnicas e objetivos.    

Para seus fãs, pode ser mais do mesmo. Como seus contemporâneos da Nouvelle Vague, seu estilo cinematográfico não foi apenas exposto diversas vezes em suas obras, mas geralmente era uma parte integral delas  – “Cléo das 9 às 5” é um exemplo clássico de como o tempo real pode ser empregado para efeito dramático. No entanto, talvez em uma urgência causada por sua saúde debilitada, aqui ela se permite ser didática ao extremo, estruturando o filme como um TED Talk sobre a sua filosofia.

O que sempre a diferenciava de seus pares era sua inabalável investigação sobre as condições da classe trabalhadora, das minorias e dos menos favorecidos, dando a seus filmes uma dimensão social que era, ao mesmo tempo, pungente e poética. A sua obra ressoa especialmente dentro do contexto do feminismo – uma relação que o segundo ato de “Varda por Agnès” explora profundamente.

Estabelecida ao longo dos anos como uma autora feminista, Varda realizou obras que permanecem atuais na temática, tais como “Os Renegados” (1985), “As Duas Faces da Felicidade” (1965) e “Uma Canta, a Outra Não” (1977). Em 2019, as questões abordadas por esses filmes – a autonomia feminina, a gravidez e as relações fluídas, respectivamente – continuam polêmicas. 

TRIUNFO NO FIM DA VIDA 

Mais surpreendente, especialmente para o público fora da Europa, é ter contato com a recente imersão da diretora nas artes visuais. Embora não seja tão comovente como a parte que lida com o seu cinema, o sumário dessas obras é informativo e uma oportunidade para um público mais amplo conhecê-las. Porém, ele expõe o grande motivo que impede “Varda por Agnés” de ser tão bem-sucedido como foram “As Praias de Agnès” e “Visages, Villages”. Como aqui o objetivo explícito é o de apresentar o resumo definitivo de sua arte, o filme perde um pouco da espontaneidade que tornou a abordagem da realizadora tão cativante. 

Mesmo assim, o fato de ela ter conseguido se despedir à sua maneira e com tamanha clareza já é um triunfo. Como “Blackstar”, último disco de David Bowie, “Varda por Agnès” é um produto de uma artista profundamente devota à condição humana que quis usar a própria morte como um testamento final. “Nenhuma coisa é banal se você a filma com empatia e amor, se você a acha extraordinária, como achei”, ela declara, em determinado momento do longa.  

O trabalho de Varda é uma prova definitiva disso.

‘Girlfriends’: o indie intimista que inspirou ‘Frances Ha’

Após assistir a Girlfriends (1978), o indie intimista de Claudia Weill, é difícil não se entregar a mesma sensação fantasmagórica de Wanda (idem, Barbara Loden, 1980): embora com enredos bastante diferentes, são obras que partem da perspectiva humanizada das...

Muito além da tragédia: conheça a carreira de Sharon Tate

Enigmática. Bonita. Estrela em ascensão. Vítima de uma chacina. Há várias formas de lembrar-se de Sharon Tate, infelizmente, a que mais se popularizou foi a tragédia que envolveu sua morte. Ela se tornou indissoluvelmente conectada ao crime que a levou, o que deixa em...

‘Varda por Agnès’: testamento final de um ser humano raro

Inspiração, criação e compartilhamento.  Com estas três palavras, Agnès Varda sintetiza um trabalho de seis décadas entre filmes de ficção, documentários, curtas experimentais e instalações de arte. A realizadora belga deixou um vácuo enorme no mundo do cinema após a...

O que torna Pauline Kael um ícone da crítica cinematográfica?

Nascida em uma fazenda na Califórnia, Pauline Kael estudou filosofia na Universidade de Berkeley, mas abandonou a faculdade e se mudou para Nova York no início da década de 1940. Algum tempo depois, ela conheceu o poeta e escritor Lawrence Ferlinghetti em um café. Ele...

10 Mulheres Roteiristas da Atualidade que Você Precisa Conhecer

Todo filme precisa de um roteiro para conduzir como as coisas vão se desenvolver. Embora o roteirista não seja tão aclamado e prestigiado pelo público, ele é uma figura de extrema importância para a realização de boas produções.Um roteiro bem trabalhado e...

‘Uma obra viva de arte’: o legado de Agnès Varda em 10 filmes

Conheci Agnès Varda aos 15 anos de idade.No momento da vida que eu desvendava o cinema, suas possibilidades e me apaixonava. Foi assistindo "Reposta das Mulheres", um pequeno manifesto feminista sobre a mulher e seu corpo, que eu descobri que o cinema...

Oito Grandes Artistas Mulheres do Cinema que Você Precisa Conhecer

"Qual profissional do cinema (diretora, atriz, roteirista, montadora, figurinista, diretora de fotografia...) você acha que o público precisa conhecer mais e por quê?" Esta pergunta foi feita a algumas das principais críticas de cinema do Brasil pela...

Mulheres Críticas de Cinema que Você Precisa Conhecer

A luta das mulheres dentro da indústria do cinema não se resume apenas no processo de realização de um filme seja na frente ou atrás das câmeras. Como comprova estudo realizado pela escola de comunicação e jornalismo USC Annenberg, nos EUA, a crítica...

‘Absorvendo o tabu’: tema essencial à saúde da mulher patina em narrativa superficial

O curta-documentário “Absorvendo o tabu” (Period. End of Sentence, 2018) captura a atenção do espectador ocidental pelo espanto. Não se trata de uma surpresa que assuste como um filme de terror, e sim aquela que nos toca pelo absurdo da situação que busca...

‘Be Natural’: rica pesquisa ampara documentário sobre primeira diretora de cinema do mundo

Vivemos tempos em que a história é questionada sem a mínima base para tal, e isso torna mais emblemático assistir a Be natural: a história não contada da primeira cineasta do mundo em 2018. O filme foca na vida da diretora francesa Alice Guy-Blaché, assim...