“Não estamos sozinhas”.

A frase dita por Vânia Lima ao final do encontro de mulheres do audiovisual, dentro da programação do Mercado Audiovisual do Norte 2019 (Matapi), sintetiza bem o espírito da atividade. A diretora do grupo baiano Têm Dendê Produções apresentou dados recentes sobre a situação das mulheres dentro do audiovisual brasileiro e as diversas iniciativas feitas nos últimos anos para mudar este cenário. O intuito era estimular este olhar para criar movimentos semelhantes de fortalecimento feminino também na Região Norte e, especificamente, no Amazonas.

O encontro teve início com dados obtidos junto ao Sistema Ancine Digital em 2018, levando em conta produções com o Certificado de Produto Brasileiro. Foram, ao todo, 2.636 obras entre documentários, ficção, videomusical, realities e conteúdos diversos. Deste total, 20% teve mulheres diretoras, 25% roteiristas, 41% produtoras executivas, 57% diretoras de arte e 12% na direção de fotografia.

Dentro deste cenário desigual, Vânia apontou os diversos movimentos surgidos de valorização e defesa do trabalho feminino no cinema brasileiro, entre elas, o Coletivo Vermelho, o Coletivo das Diretoras de Fotografias do Brasil, as Elviras – Coletivo de Mulheres Críticas de Cinema, o Mulheres do Audiovisual de São Paulo, Bahia e Ceará, além de eventos como o Femina – Festival Internacional de Cinema Feminino, e o Cabíria Festival.

Vânia salientou também a criação do I Fórum Nacional de Lideranças Femininas no Audiovisual com propostas claras de atuação para 2020:

  • Relações institucionais junto ao poder público e iniciativa privada sobre a necessidade de um maior pareamento entre homens e mulheres no setor;
  • Capacitação das Lideranças Femininas;
  • Pesquisas e comunicação unificada para um melhor entendimento do cenário e auxílio em ações;
  • Formalização do Fórum nacionalmente feito através de eventos como o Matapi;
  • Valorização de ações para a diversidade de gênero e raça.

O DESAFIO DA MULHER NEGRA NO AUDIOVISUAL

Representante da Associação de Profissionais Negros do Audiovisual (APAN), Larissa Fulana de Tal citou o clássico livro da autora Gayatri Spivak, “Pode o Subalterno Falar?”, para abordar como as mulheres negras estão muito longe da posição ideal no setor. “Todo mundo pode falar, mas quem é escutado?”, questionou, recordando a pesquisa divulgada pela Ancine, de 2017, que apontou a ausência de filmes dirigidos por negras no circuito comercial.

“Isso reflete o Brasil em que as mulheres negras são a base da sociedade, mas, não possuem acesso a muitas coisas. Há sim muitas de nós produzindo, mas, infelizmente, elas não conseguem ter acesso ao financiamento”, afirmou.

Realizadora fundamental do audiovisual amazonense dos últimos 15 anos, Keila Serruya (“ASSIM” e “Sardinhas em Lata”) utilizou um facão para iniciar a fala. Segundo ela, o instrumento era uma ‘representação performática da performance social do cinema’. “Vejo comportamentos ditos como verdade dentro do cinema, networking feito de forma fake classista e racial. O tom do cinema, com sua hierarquia da classe branca, utilizando termos em inglês, em uma relação de excluir e não comunicar”, afirmou.

“Mesmo que tudo seja feito perfeito, no trabalho do negro, sempre haverá defeito”, afirmou em protesto à falta de acesso dos filmes dirigidos por mulheres negras a financiamento. Keila completou a fala homenageando outras realizadoras femininas locais como Dheik Praia (“Na Rota da Ilusão”) e Elen Linth (“Maria”).

LUTA CONTRA O MACHISMO NO AUDIOVISUAL LOCAL

Garantindo o comprometimento do Matapi com a atuação no debate sobre a igualdade de gênero no audiovisual, Liliane Maia, organizadora do evento e fundadora da Dabacuri Produções e Projetos, Liliane Maia aproveitou a ocasião para cobrar uma maior união da classe do audiovisual como um todo para a participação na construção de políticas públicas para o setor.

Diretora de fotografia e fundadora da Fita Crepe Filmes, Valentina Ricardo abordou o machismo presente dentro do audiovisual amazonense. “A gente vem de uma sociedade patriarcal em que parece que não temos como ir sozinha. O audiovisual mudou muito nestes últimos anos e o meu trabalho veio de uma angústia do que eu posso e não posso fazer. Na fotografia, é difícil de se inserir no mercado. O homem, muitas vezes, subestima a gente na função. O mercado em Manaus é muito machista, há desconfiança. Por isso, comecei a criar caminhos próprios do jeito que eu quero fazer”, afirmou, recordando a experiência de fazer o curta-metragem “O Barco e o Rio”, dirigido e roteirizado pelo amigo e colega de produtora, Bernardo Ale Abinader.

“A gente tende a pensar que a história foi feita e protagonizada por homens por terem sido contadas por eles. Fomos alienadas de muitas coisas. Agora, é preciso contar nossas histórias”, completou

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

‘O Barco e o Rio’: angústias e desejos sufocados compõem ótimo filme

O Amazonas fechou a mostra competitiva de curtas-metragens brasileiros do Festival de Gramado 2020 com “O Barco e o Rio”. Quarto filme da carreira de Bernardo Ale Abinader, o projeto se mostra um salto evolutivo enorme dentro da filmografia do diretor/roteirista,...

‘Atordoado, Eu Permaneço Atento’: registro arrepiante da ditadura brasileira

O Brasil parece ser um país em que o passado e o presente vêm convergindo nos últimos tempos, e nesse contexto, o curta-metragem Atordoado, Eu Permaneço Atento, co-dirigido por Lucas H. Rossi dos Santos em parceria com o realizador amazonense Henrique Amud, chega como...

‘Manaus Hot City’: experiência afetiva, melancólica, quente e sensorial

Com pouco mais de 10 anos na direção de curtas-metragens de ficção, Rafael Ramos já trilhou os mais diversos rumos indo do convencional de “A Segunda Balada” e “A Menina do Guarda-Chuva" até o lisérgico de “Aquela Estrada”. Todos estes caminhos convergem para “Manaus...

‘De Costas Pro Rio’: dilemas de Manaus em curta irregular

Velhos dilemas (ou dilemas velhos?) sobre Manaus formam a base de “De Costas pro Rio”. Dirigido por Felipe Aufiero, diretor amazonense radicado em Curitiba há mais de uma década e co-fundador da produtora Casa Livre Produções, o curta-metragem de 16 minutos aborda a...

‘Boto’ – Episódios 12 e 13: no fim, um charme manauara inebriante

Depois de todos os atrasos possíveis na TV Ufam, “Boto” chegou ao fim. Apesar de deixar claro que não havia tanta trama para a quantidade total de capítulos, a série da Artrupe Produções encerra bem os principais núcleos da história nos dois últimos episódios e volta...

‘Boto’ – Episódios 10 e 11: afetos, traumas e intolerância

Seguindo a irregularidade característica da série, os episódios 10 e 11 de “Boto” conseguem, ao mesmo tempo, trazer momentos brilhantes – talvez, os melhores até aqui – e outros beirando o tédio. A reta final escancara que, apesar de ter cinco protagonistas, cabe a...

‘Boto’ – Episódios 8 e 9: sobra tempo e falta história

Momento confissão: chega a ser difícil escrever algo novo sobre os episódios 8 e 9 de “Boto” em exibição na TV Ufam desde a última sexta-feira, sempre às 23h, no programa Cine Narciso Lobo. Os capítulos voltam a bater nas mesmas temáticas já abordadas anteriormente...

‘Transviar’: trama inchada prejudica foco de série amazonense

As questões relativas à identidade de gênero seguem em alta no cinema brasileiro e são cada vez mais necessárias devido ao crescente fortalecimento do discurso conservador na sociedade. Produções que abordam o processo de transição de personagens transexuais têm...