Estrear no cinema dirigida por Suzana Amaral em uma adaptação da obra de Clarice Lispector com apenas 22 anos de idade. Marcélia Cartaxo não se intimidou e realizou uma das mais belas atuações do cinema brasileiro em “A Hora da Estrela”. O trabalho rendeu o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Berlim em 1985.  

Após importantes participações em filmes como “Baixio das Bestas”, “A História da Eternidade” e “Madame SatãMarcélia volta a brilhar de forma intensa com “Pacarrete”, produção cearense vencedora de oito Kikitos no Festival de Gramado 2019, incluindo, Melhor Atriz. O trabalho marca o auge da parceria dela com o diretor Allan Deberton iniciada no curta “Doce de Coco”.  

Em entrevista ao Cine Set durante a Mostra de Tiradentes, Marcélia, ao lado de Allan, fala sobre a experiência de realizar “Pacarrete”, o futuro trabalho ao lado do diretor Cristiano Burlan e o que espera de Regina Duarte à frente da Secretaria de Cultura do governo Bolsonaro. 

Cine Set – Qual a importância de “Pacarrete” em sua carreira? 

Marcélia Cartaxo – “Pacarrete” só veio confirmar cada vez mais a minha carreira, trazendo um grande amadurecimento pessoal, de emoções e de trabalhos diferentes que tenho feito. O Allan teve muita segurança de me convidar até porque não sou bailarina nem tenho esse ouvido que a personagem possui para a música. A Pacarrete é muito culta: fala francês, toca piano muito bem, fora ter um corpo que fala todo o tempo. Foi um grande desafio de resistência e enfrentamento, sem dúvida, e fiquei muito feliz porque se eu me esforçar bastante consigo chegar longe (risos). 

Cine Set – Como foi a parceria com o Allan Deberton? 

Marcélia Cartaxo – Conheci o Allan quando ele fez (o curta) “Doce de Coco” e não era nem para fazer uma personagem. Fui como preparadora de elenco e acabei fazendo uma participação especial.  

Allan Deberton – Na verdade, uma atriz do filme pediu que trocassem a preparadora do elenco originalmente prevista porque ela era casca grossa (risos). A menina estava desesperada e pediu para chamar a Marcélia (risos). Perguntei: ‘a Marcélia que fez “A Hora da Estrela”? Ah, mas, ela não vai querer não’ (risos). Mesmo assim, liguei, ela topou e foi só alegria. Modificou a minha vida e rodou muitos festivais. 

Marcélia Cartaxo – Foi um doce. Fomos preparando este doce com tempo e, ao fazer “Pacarrete”, essse doce ficou bem apurado. Enfrentamos muitos desafios e acabou sendo muito importante na minha carreira até porque estava um pouco à deriva. Quando o Allan chegou, já me deu esta força, estabelecendo uma segurança. Estou aprendendo demais com ele. 

Cine Set – Como “Pacarrete” mexeu com a cidade de Russas e o que sentem que ficou desta experiência para quem vive na cidade em relação a olhar a arte? 

Marcélia Cartaxo – Certa vez, ouvi alguns adolescentes de Russas falarem: ‘hoje, eu vou tratar melhor as pessoas’. Acho que o filme tem esta capacidade de mexer na nossa humanidade.  

Allan Deberton – Além desta experiência, observo também a própria relação do cinema com a cidade. Russas já teve três salas de exibição, sendo que a última delas se tornou uma padaria. Independente disso, nós já rodamos um curta e um longa-metragem lá, colocando a cidade como personagem. Apesar das nossas cidades de interior, muitas delas, não terem cinema, acho importante que continuemos a encorajar a fazer histórias e contá-las seja no cinema, teatro, dança, música. Como mostramos no filme, a realidade no interior para a cultura está muito associada a datas comemorativas sem um investimento fixo. 

Marcélia Cartaxo – Fora que contratam artistas renomados de fora, pegando todo o dinheiro da arte que poderia ampliar a arte na nossa cidade para colocar todo naquele evento. Com isso, o artista vai passando e a cidade, no fim das contas, fica sem nada. 

Cine Set – Qual a expectativa para a estreia em circuito comercial no Brasil? 

Marcélia Cartaxo – Estou ansiosa. Muita gente me liga perguntando como faz para ver o filme, enquanto outros estão querendo assistir mais uma vez. Espero que o público brasileiro venha ver o filme por ser algo importante neste novo momento do cinema brasileiro. “Pacarrete” é uma obra bem humana e presente em cada um de nós.

  

Cine Set – Quais as suas perspectivas enquanto artista nesse atual governo? 

Marcélia Cartaxo – Acho que vamos ter que vivenciar o desmonte da nossa cultura e precisaremos ser muito fortes, resistentes para atravessar este momento. Lamento que isso tenha acontecido pelo momento de alta no audiovisual da nossa região e não sabemos como será o futuro. Ainda precisamos muito do Estado e desta política cultural fortalecida, principalmente, para a nova geração. Temos que repensar e fortalecer como classe para estarmos juntos. Porém, acredito que mais na frente será melhor. 

Cine Set – Como você vê a escolha de Regina Duarte, que também é atriz, para ocupar a Secretaria da Cultura? 

Marcélia Cartaxo – A Regina Duarte sempre esteve por cima, nunca precisou da arte para se estabelecer. Não a vejo com bons olhos para o nosso futuro. Vamos sofrer muito com ela ao lado destes caras neste governo, o qual não considero meu representante nem ela. Muita gente importante do cinema percebe que isso não será bom. Será algo muito triste; corremos o risco, inclusive, de perder a Escola de Cinema Darcy Ribeiro, no Rio de Janeiro. Imagina outras coisas?  

O movimento regional era algo que estava alimentando a cultura, permitindo conhecer histórias que não podíamos contar, afinal, as narrativas do Nordeste eram feitas pelas pessoas do Sul/Sudeste. Agora que, finalmente, conseguimos colocar a mão na massa, trazer a nossa voz, encaramos com a censura, fim dos projetos, fim da Ancine. Essa Regina vai ter que passar também rapidamente (risos). 

Cine Set – Marcélia, fale, por favor, sobre seus novos projetos. Já há algum para os próximos meses? 

Marcélia Cartaxo – Estou fazendo o novo filme do Cristiano Burlan chamado “Mãe” em que sou a protagonista. É um filme muito forte: a mãe vê o filho sendo assassinado pelo Estado. Como é algo muito recente, estou maturando bastante como vou defender este projeto. Está sendo lindo e intenso.  

Keila Serruya: ‘Desejo Mudar a Realidade de Apagamento do Negro em Manaus’

Sabe aquela expressão “Dentro de toda brincadeira, há um pouco de verdade”? Esse ditado popular poderia ser a resposta ao meme “o brasileiro tem memória curta”. Entre mitos e falácias, é notável o quanto ainda há muitos fatos que são obscuros aos livros de história...

Allan Deberton: ”Pacarrete’ está entrando na cultura pop’

Allan Deberton viveu um 2019 intenso. O primeiro longa-metragem da carreira, “Pacarrete”, fez uma vitoriosa carreira pelo circuito de festivais brasileiros e internacionais com destaque para a conquista no Festival de Gramado, onde dominou a premiação ao levar...

Marcélia Cartaxo: ‘’Pacarrete’ está presente em cada um de nós’

Estrear no cinema dirigida por Suzana Amaral em uma adaptação da obra de Clarice Lispector com apenas 22 anos de idade. Marcélia Cartaxo não se intimidou e realizou uma das mais belas atuações do cinema brasileiro em “A Hora da Estrela”. O trabalho rendeu o prêmio de...

Diego Medeiros e o Direito no campo do audiovisual brasileiro

Em 1997, “Baile Perfumado”, de Lírio Ferreira e Paulo Caldas, deu início a uma nova etapa do cinema pernambucano. Dali por diante, o Estado tornou-se um dos mais prolíficos do país com muitas das melhores obras da produção autoral brasileira. O sucesso comercial e em...

Sandino Saravia: incertezas no cinema do Brasil refletem nas coproduções na Am. Latina

“Boi Neon”, “Divino Amor”, “Pássaros de Verão”, “O Banheiro do Papa” e “Roma”. Estes são alguns dos filmes produzidos por Sandino Saravia. Sócio-produtor na CINEVINAY (México) e Malbicho Cine (Uruguai), ele foi um dos convidados do Mercado Audiovisual do Norte –...

Jorane Castro: da defesa do cinema nacional às identidades amazônicas nas telas

O Mercado Audiovisual do Norte – Matapi teve Jorane Castro como uma das principais convidadas da edição 2019. Professora do curso em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal do Pará, ela conta com mais de 20 obras realizadas, entre...

Raphael Montes: ‘o caso Richthofen reflete a estrutura social do Brasil’

com apoio de João Bosco Soares Sete livros publicados, uma novela, uma série da TV Globo, outra da Netflix e incursões cada vez mais intensas no cinema, seja com o elogiado roteiro de “Praça Paris”, dirigido por Lucia Murat, ou o aguardado projeto, com dois filmes em...

Thiago Morais e as oficinas de audiovisual do Museu Amazônico

Thiago Morais ("A Estranha Velha que Enforcava Cachorros"), 43 anos, produtor audiovisual e desde 1995 dedicando sua vida por trás das câmeras. Com o currículo cheio e envolvimento em diversas produções aqui no Amazonas, o produtor desenvolveu a segunda etapa do ‘OPA...

Henry Grazinoli: ‘histórias são as ferramentas de comunicação mais poderosas existentes’

No começo desta semana, o cineasta paulista Henry Grazinoli esteve em Manaus ministrando uma palestra no Impact Hub sobre Storytelling e o impacto social do ato de contar histórias no cinema. Grazinoli é o diretor do ótimo documentário Um Novo Capitalismo, disponível...

Tizuka Yamazaki: Ancine, Gaijin, e, é claro, Xuxa

A cineasta gaúcha Tizuka Yamazaki já retratou no cinema protagonistas que saíam do interior para a “cidade grande” para realizar sonhos e também já levou para as telas a vida de uma pajé na Ilha de Marajó. Essas histórias resultaram em “Lua de Cristal” e “Encantados”,...