Não lembro ao certo quando foi a primeira vez que li um texto do Diego Moraes. Foi pelo Facebook, anos atrás. De cara me atraiu o seu senso de humor autodepreciativo e politicamente incorreto. Um texto foi puxando outro, e outro, as situações que ele descrevia me despertavam curiosidade por ele utilizar lugares e personagens da periferia de Manaus, e do submundo do Centro, “seres” que não são encontrados comumente pela nossa literatura com tanta profundidade.

Neste mesmo dia, ali na página dele no Facebook, pude ler dezenas de contos.

O autor fala algumas baixarias, resvala em preconceitos para tratar de determinados personagens que aparentemente não dispõem de sua simpatia. Também não parece se importar muito em se descolar da figura que, em primeira pessoa, diz sem freios a sua visão de mundo de alguém que é produto do seu meio de relações promíscuas. Porém este mesmo personagem possui compreensão sobre o lugar que lhe foi dado no mundo, e por inércia ou covardia ou algum outro motivo pouco nobre aceita essa condição por se sentir condenado a ter sempre uma vida marginal de poucas glórias, mas com um conhecimento muito particular e denso sobre a vida real.

 O “Bukowski da Amazônia”

O apelido aparentemente depreciativo (ou elogioso) de Bukowski da Amazônia trouxe luz a um autor que pode até se assemelhar às temáticas e tipos de personagens que o autor americano utiliza – como também poderia ser dito de Pedro Juan Gutiérrez, Plínio Marcos –, mas que na verdade apresenta uma escrita com voz própria, e de forte personalidade.

É particularmente brilhante como de maneira sucinta é capaz de criar imagens das suas personagens, que se impõem de maneira natural como é o seu linguajar, que desconcerta por ser uma mistura estranha de poesia com a fala mais vulgar e direta possível. Tramas que passam por bares de esquinas, puteiros, sarjetas, praças escuras, ônibus. Mas não em qualquer lugar. Manaus é uma ferramenta criativa que Moraes entendeu muito bem que seria um diferencial da sua escrita. Por já ter conhecido outras cidades, o autor parece entender muito bem as nossas particularidades, o que Manaus tem de caricato em seu contexto marginal, mas também de poético, vibrante. Ler citações a locais conhecidos da cidade como palco para esses personagens, que são como são por morarem onde moram, faz com que tudo seja ainda mais reconhecível.

O momento que descobri o Diego Moraes coincidiu com a escrita do argumento do Obeso Mórbido (2018), meu curta anterior. Eu e o Ricardo Manjaro ainda não estávamos tão certos sobre o tom do filme, e naquele momento o humor sarcástico do Diego parecia um caminho a investigar. Ele já havia escrito textos falando sobre a sua situação como gordo, como era visto pelos outros, e o que pensava sobre si ao não corresponder a um padrão de beleza.

Então veio a ideia de fazer uma cena em que o personagem, eu, passeava pelo Facebook e encontrava um texto do Diego sobre a sua vida sexual, de como as pessoas pensavam que ele não transava por ser gordo, e que isso na verdade era uma besteira. Eu, e o público, iríamos ler o post, depois ficaria tentado a curtir, mas pelo estado de morbidez do personagem, não faria nada. Mandamos o roteiro pro Diego ler para autorizar, e ele na mesma hora topou.

Como acontece no processo de qualquer filme, o roteiro passou por modificações e para deixarmos o filme mais enxuto essa cena caiu. Quando o filme chegou ao seu primeiro corte, fiz questão de mandar o link pro Diego, afinal ele era uma inspiração para mim, tava me alimentando do seu trabalho durante a criação do roteiro e gravação do filme, ler o que ele escrevia era uma maneira de me deixar ativo criativamente, de não ter medo de arriscar.

E ele adorou o filme. Chegou a ser engraçado a maneira como ele se empolgou com o resultado. O cara que eu admirava, reiteradas vezes disse que o filme que a gente tinha feito era das melhores coisas que ele já tinha visto por aqui. A vida às vezes pode ser generosa.

No mesmo dia ele me mandou vários contos dele por email, pediu que eu os lesse para adaptar algum pro cinema. Uma oportunidade extraordinária.

De todos os textos, tinha um particular que criava imagens o tempo inteiro. Nele o autor narra a relação que tinha com um revolver que enterrou no quintal de casa ainda na adolescência, como promessa para se vingar do homem que agredia a sua mãe durante sua infância e juventude. Um texto amargo, repleto de rancor e frustrações. Ele embarca para Parintins a procura do agressor, o procura pela cidade durante um tempo até descobrir que ele já havia morrido. Chama-se “Enterrado no Quintal”.

30 Anos de ‘Lua de Cristal’: documentário celebra sucesso estrelado por Xuxa

Em 1990, Xuxa Meneghel estava no auge de sua carreira. A loira mais famosa do Brasil já era recordista em vendagem de discos e seu programa “Xou da Xuxa”, exibido nas manhãs pela TV Globo, rompia barreiras e começava a ganhar repercussão internacional. Se tal fenômeno...

Bond, Cannes, Mercado Brasileiro: o Impacto do Coronavírus no Cinema

O surto de COVID-19, conhecido popularmente como coronavírus, tem deixado o mundo em pânico nestes últimos meses. O alto número de pessoas diagnosticadas com o vírus e o crescente número de mortes só tem alarmado mais ainda a situação. O surto teve início na cidade de...

César 2020 e a vitória de Polanski: triste dia para o cinema da França

https://www.youtube.com/watch?v=PXnNOBj26lk&t=13s A primeira e única vitória de Roman Polanski na categoria de Melhor Direção no Oscar, em 2003, foi recebida em clima de euforia. No anúncio dos indicados, gritos e aplausos mais fortes para o cineasta responsável...

Os 10 maiores ataques do governo Bolsonaro ao cinema do Brasil em 2019

Jair Bolsonaro, de fato, é um fenômeno. Dólar passando dos R$ 4,20. Economia com crescimento pífio. Desemprego na casa de 12,5 milhões de pessoas. Perda da credibilidade internacional do Brasil ao redor do planeta. Parceria com EUA marcada por um lado recebe MUITO...

Os Mafiosos de Martin Scorsese: de ‘Caminhos Perigosos’ a ‘O Irlandês’

ALERTA: este artigo possui SPOILERS! Com a estreia de “O Irlandês”, o diretor Martin Scorsese parece encerrar um ciclo de produções sobre a vida dentro da máfia, uma jornada iniciada 1973 com o experimental “Caminhos Perigosos” (1973), primeira parceria dele com...

O caso James Dean e os limites (ou não) do uso do CGI no cinema

Há algumas semanas foi anunciado que o ícone de Hollywood, James Dean (1931-1955), será revivido via computação gráfica para aparecer no filme Finding Jack, um drama ambientado na Guerra do Vietnã a ser dirigido pela dupla Anton Ernst e Tati Golykh. Bem... Todos nós...

Saudade vira ponto de partida para debate da alienação parental em ‘Tranças’

Saudade é uma palavra interessante e particularmente nossa. O dicionário a define como o sentimento causado pela distância ou ausência, mas só quem a sente compreende o quanto ela dói e é capaz de deixar cicatrizes. A questão é que nem sempre essas marcas são tão...

Por Dentro de ‘Enterrado no Quintal’: de Lars Von Trier à força de Isabela Catão

A sinopse de “Enterrado no Quintal” acabou ficando assim: Isabela, ainda adolescente, enterrou uma arma no quintal de casa como uma maneira de ter em mente uma forma de se vingar do seu padrasto, que agrediu a sua mãe diversas vezes durante a sua infância. Ela...

Por dentro de ‘Enterrado no Quintal’: Cuba para enxergar a zona oeste de Manaus

Desde que gravamos “Boto” (Artrupe Produções, 2017), pude fazer trabalhos que me possibilitaram viajar para outros lugares apresentando a produção que fazemos aqui. E é em situações como essas, distante da zona de conforto e rodeado de pessoas que não fazem ideia de...

Por dentro de ‘Enterrado no Quintal’: a Manaus poética marginal de Diego Moraes

Não lembro ao certo quando foi a primeira vez que li um texto do Diego Moraes. Foi pelo Facebook, anos atrás. De cara me atraiu o seu senso de humor autodepreciativo e politicamente incorreto. Um texto foi puxando outro, e outro, as situações que ele descrevia me...