Em “Expresso do Amanhã”, o mundo do lado de fora do Snowpiercer pode estar congelado, mas o clima a bordo do trem volta a esquentar neste sexto episódio da temporada, “De onde menos se espera…”. Mas é um calor só superficial… É um episódio curioso da série, no qual as tramas que estávamos acompanhando até então dão uma parada momentânea graças a uma emergência a bordo. É um desenvolvimento proposital, e embora não se possa chamá-lo de um mero filler – aquele tipo de episódio que só enrola e não vai a lugar nenhum dentro do arco de uma temporada – também não se pode dizer que o que acontece nesse segmento é assim tão interessante.

O episódio começa como outro dia normal a bordo com mais uma grande crise a ponto de eclodir no Snowpiercer: uma greve está marcada, como protesto ao resultado do julgamento do episódio anterior, o que pode vir a se tornar um grande problema para Melanie. Mas, eis que acontece um curto-circuito em um dos sistemas de freio e a situação se complica rapidamente. No decorrer de tudo, o trem passa a encarar uma emergência real, com o risco de um descarrilamento catastrófico.

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódios 1 e 2

A respeito dessa emergência, os roteiristas a usam para explorar a alegoria intrínseca à premissa da “Expresso do Amanhã”. Porém, em termos de roteiro, essa emergência é a “falsa encrenca” típica – é óbvio que o trem não será destruído, porque se isso ocorrer, a série acaba. Por mais que a direção do episódio – a cargo de Helen Shaver – tente criar suspense e mostre Melanie assumindo ela mesma os reparos para salvar o trem e evitar o desastre, sabemos que ela vai conseguir.

ENTRE ACERTOS E ERROS

O que essa emergência tenta fazer é humanizar alguns dos personagens da série. De repente, Osweiller (Sam Otto) e Till (Mickey Sumner) encaram juntos a possibilidade da morte e chegam a um entendimento. Pena que isso em si não seja muito dramático, pois vimos poucas interações desses personagens até agora. A opção de iniciar o episódio com uma narração em off do Osweiller também é meio estranha, pois o personagem nem ocupa tanto tempo de tela neste segmento, nem passa por uma mudança importante.

Também vemos Melanie ser a verdadeira heroína do episódio. Mas a emergência em si não nos revela nada de novo nem contribui para desenvolver a personagem de forma significativa. Também tenho problemas com o encontro dela com o Layton: parece inverossímil que Layton, desorientado, simplesmente tope com a administradora do trem no meio de uma emergência catastrófica e a ameace enquanto ela tenta salvar a todos. A segurança do trem estava onde? Não tinha ninguém a acompanhando naquele momento?

LEIA TAMBÉM: Crítica dos Episódio 3 e 4

Ainda assim, Melanie faz uma revelação a ele que, com certeza, será explorada em episódios vindouros – será verdade o que ela diz a ele a respeito das gavetas? Quem quiser especular, pode ficar à vontade aí nos comentários…

“De onde menos se espera…” não chega a ser um episódio ruim: o elenco está comprometido com seus personagens e há ótimos efeitos visuais e um clima de aventura. Mas realmente é um episódio que não aproveita todo o seu potencial para drama e desenvolvimento de personagens. De fato, o que ele acaba fazendo de melhor é usar a metáfora da série de modo efetivo. A melhor cena dele é ao seu final, quando vemos Layton e Josie fazendo amor, felizes simplesmente pelo fato de terminarem vivos mais um dia a bordo do Snowpiercer. Por um momento, todos os personagens ficam felizes por enfrentarem a morte e sobreviverem. Os problemas do início e os que vêm se acumulando desde o começo da temporada são esquecidos, ao menos por enquanto. Melanie começa o episódio como vilã e acaba como heroína. Ela se safa, em mais de um nível, dentro da história.

LEIA TAMBÉM: Crítica do Episódio 5

No fim das contas, essa é uma noção muito humana: uma alegria momentânea, um triunfo específico, é o suficiente para fazer as pessoas esquecerem-se dos grandes problemas. Por um episódio, todos a bordo – e o espectador também – percebem que estão todos juntos nessa, dentro da realidade deles. Todos ficam no mesmo nível. É uma alegoria para o nosso mundo: do lado de cá da tela, nós também estamos juntos num trem que pode descarrilar a qualquer momento. Por mais que nossas divisões nos separem, assim como separam os passageiros do Snowpiercer.

‘Cursed – A Lenda do Lago’: flop do avatar de ‘Game of Thrones’ da Netflix

Não é segredo para ninguém que a Netflix procura um Game of Thrones para chamar de seu, um fenômeno do gênero fantasia com impacto na cultura pop comparável à série da HBO. No final de 2019, mesmo ano em que Thrones acabou, a Netflix trouxe The Witcher, estrelada por...

‘The Umbrella Academy’: 2ª Temporada: alto nível mantido

Após a adaptação bem-sucedida da primeira temporada, ‘The Umbrella Academy’ dá continuidade à sua história se distanciando dos quadrinhos, mas, se aproximando da realidade com tramas sobre racismo e homofobia. Além de buscar maior engajamento com o público,...

‘Boca a Boca’: as pandemias sociais brasileiras e as resistências

Desde o início da pandemia do novo coronavírus, produções sobre doenças como ‘Contágio’ e ‘A Gripe’ rapidamente tornaram-se massivamente comentadas nas redes sociais. Mais uma vez, a vida imitando a arte se tornou real e, em busca de uma identificação, o público...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódios 9 e 10: caminhos empolgantes para novo ano

Num certo sentido, uma série de TV – ainda mais as atuais – são como um trem em movimento. Uma série nos leva numa viagem, às vezes aos trancos e barrancos, mas geralmente com as principais paradas já programadas com antecedência. Claro, o mundo real muitas vezes...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 8: revolução eletrizante

As pessoas a bordo do Snowpiercer acreditam no mito de um salvador: o homem que criou o trem, Wilford, e salvou uma parte da raça humana quando o congelamento do planeta se tornou realidade. Isso é algo muito poderoso. A humanidade tem, sim, uma necessidade por mitos,...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 7: tensão e ansiedade ao máximo

ATENÇÃO: texto com spoilers Depois da emergência quase catastrófica do episódio anterior e do seu final apoteótico que representou um breve momento de felicidade para quase todos os personagens a bordo do Snowpiercer, as coisas voltam a ficar sérias e sombrias em “O...

Por que ‘Dark’ se tornou a melhor série da Netflix?

Recentemente, uma pesquisa feita no Rotten Tomatoes elegeu Dark como a melhor série original Netflix. A produção criada por Baran Bo Odar e Jantje Friese interliga quatro famílias da pequena cidade de Winden por meio de laços temporais e consanguíneos e segredos....

‘Dark’ – 3ª Temporada: verdadeira definição de um final agridoce

“Se a gente soubesse onde nossas decisões nos levariam, a gente mudaria o nosso destino?” Para onde nossas escolhas nos levam? Dark fecha o seu último ciclo se consagrando como a melhor produção da Netflix. Criada por Baran Bo Odar, que assume a direção de todos os...

‘Coisa Mais Linda’ – 2ª Temporada: a melhor série brasileira da Netflix

Também conhecida como uma das melhores séries brasileiras da Netflix, ‘Coisa Mais Linda’ voltou para uma segunda temporada tão satisfatória quanto a anterior. Apesar das grandes qualidades serem mantidas, desta vez, a narrativa corrida atrapalha a conexão do público...

‘Expresso do Amanhã’: Episódio 6 – alegria e união momentânea em meio ao caos

Em “Expresso do Amanhã”, o mundo do lado de fora do Snowpiercer pode estar congelado, mas o clima a bordo do trem volta a esquentar neste sexto episódio da temporada, “De onde menos se espera...”. Mas é um calor só superficial... É um episódio curioso da série, no...