Vivemos numa época curiosa, mesmo… Chegou à Netflix a série de ficção-científica Expresso do Amanhã, baseada no sensacional filme de 2013 dirigido por Bong Joon-Ho, que por sua vez era baseada na HQ francesa Le Transperceneige, publicada nos anos 1980 pelos autores Jacques Lob, Benjamin Legrande e Jean-Marc Rochette. Atualmente, presume-se, a maior parte das pessoas está isolada (ou deveria estar), as estruturas sociais e econômicas do mundo estão abaladas, e não sabemos muito bem o que o futuro nos reserva. É a época perfeita para uma história apocalíptica sobre a humanidade confinada num espaço limitado.

Felizmente, a julgar pelo visto nos dois primeiros episódios, a versão para TV de Expresso do Amanhã parece promissora. O cenário é o mesmo do filme: Mudanças climáticas transformaram a Terra num deserto gelado, e sete anos depois, o que sobrou da raça humana está confinado num trem chamado “Snowpiercer”, ou o “Perfura-neve”, com milhares de vagões, e que prossegue em eterno movimento ao redor do globo. Os que moram na rabeira do trem são os lascados, com poucos recursos e amontoados em vagões escuros. Já mais para frente, existe uma terceira, segunda e uma primeira classe, e quanto mais perto da locomotiva do trem, mais os moradores vivem em luxo e opulência.

O cenário é o mesmo, mas a história em si é diferente. O filme mostrava uma revolução, com o pessoal dos últimos vagões se rebelando e prosseguindo em direção à locomotiva, liderados pelo personagem de Chris Evans. O primeiro episódio até parece que vai seguir pelo mesmo caminho, quando somos jogados numa tangente: Enquanto a revolta esquenta no fundo do trem, um dos “fundistas”, Layton (interpretado por Daveed Diggs), que era um detetive antes do fim do mundo, é chamado para investigar o assassinato de um cidadão da terceira classe. Ele se reporta à misteriosa sra. Cavill (Jennifer Connelly), uma personagem que, como podemos ver ao final do primeiro episódio, possui uma importância muito grande a bordo do trem, e que parece ser  outra inovação em relação ao filme.

LUMINOSIDADE NO LUGAR DA CLAUSTROFOBIA 

O temor dessa abordagem é transformar a série num tipo de programa investigativo, o que na TV americana conhecemos por procedural, aquele tipo de seriado de investigação tão presente na TV. Mas os produtores – dentre eles o próprio Bong Joon-Ho e seu amigo Park Chan-Wook, diretor de Oldboy (2003) – conseguem evitar isso, ao menos nesses dois primeiros episódios. Embora vejamos neles o começo da investigação de Layton, ainda percebemos o subtexto de sátira social e de luta de classes que energizava o filme de 2013. A mídia pode ter mudado, mas o equilíbrio da vida dentro do Snowpiercer ainda parece tão precário quanto no filme.

O que falta a estes episódios, no entanto, é um pouco mais daquela pegada claustrofóbica e tresloucada do filme. A série se mostra bem mais iluminada, e os espaços, mais amplos. Do ponto de vista técnico, a direção de arte e os efeitos visuais da série enchem os olhos – nestes dois episódios vemos cenários impressionantes, como o aquário, e a série já começa a expandir o mundo dentro do Snowpiercer com ambientes como um cabaré e o restaurante fino onde os ricos se deleitam. 

Obviamente, a vitória de Bong Joon-Ho no Oscar este ano por Parasita (2019) – outro que também vai inspirar uma série de TV em breve – aumentou o perfil desta produção. Mas, sem dúvida, a série tem uma pegada diferente do filme. Talvez seja compreensível – afinal, uma coisa é aguentar quase horas claustrofóbicas e insanas num filme, outra é experimentar isso numa temporada inteira de TV. Mas resta ver se essa abordagem não acabará diluindo o impacto e a força da história no decorrer da temporada.

É sabido que a série teve uma produção tumultuada, com o episódio-piloto sendo regravado e troca de produtores – Scott Derrickson, diretor de Doutor Estranho (2016), dirigiu o episódio inicial e depois deixou a série ao se desentender com os produtores. James Hawes regravou o piloto, a versão que “valeu”, mas Derrickson continua listado como produtor-executivo. No entanto, ainda é cedo para dizer se esses fatores terão influência no resultado final. No geral, estes dois primeiros episódios de Expresso do Amanhã são bem produzidos, bem conduzidos e ambos terminam com ganchos que prometem trazer desenvolvimentos interessantes à história. Diggs está bem como o herói, a presença gelada de Connelly domina a tela sempre que aparece, e há boas participações de atores que prometem ser interessantes, especialmente Alison Wright, o mais próximo da reptiliana personagem de Tilda Swinton que a série oferece, ao menos neste início. Estes dois episódios merecem ser chamados de promissores… E, estranhamente, estão fazendo muito sentido em 2020.

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 7: tensão e ansiedade ao máximo

ATENÇÃO: texto com spoilers Depois da emergência quase catastrófica do episódio anterior e do seu final apoteótico que representou um breve momento de felicidade para quase todos os personagens a bordo do Snowpiercer, as coisas voltam a ficar sérias e sombrias em “O...

Por que ‘Dark’ se tornou a melhor série da Netflix?

Recentemente, uma pesquisa feita no Rotten Tomatoes elegeu Dark como a melhor série original Netflix. A produção criada por Baran Bo Odar e Jantje Friese interliga quatro famílias da pequena cidade de Winden por meio de laços temporais e consanguíneos e segredos....

‘Dark’ – 3ª Temporada: verdadeira definição de um final agridoce

“Se a gente soubesse onde nossas decisões nos levariam, a gente mudaria o nosso destino?” Para onde nossas escolhas nos levam? Dark fecha o seu último ciclo se consagrando como a melhor produção da Netflix. Criada por Baran Bo Odar, que assume a direção de todos os...

‘Coisa Mais Linda’ – 2ª Temporada: a melhor série brasileira da Netflix

Também conhecida como uma das melhores séries brasileiras da Netflix, ‘Coisa Mais Linda’ voltou para uma segunda temporada tão satisfatória quanto a anterior. Apesar das grandes qualidades serem mantidas, desta vez, a narrativa corrida atrapalha a conexão do público...

‘Expresso do Amanhã’: Episódio 6 – alegria e união momentânea em meio ao caos

Em “Expresso do Amanhã”, o mundo do lado de fora do Snowpiercer pode estar congelado, mas o clima a bordo do trem volta a esquentar neste sexto episódio da temporada, “De onde menos se espera...”. Mas é um calor só superficial... É um episódio curioso da série, no...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 5: luta de classes até no fim do mundo

Depois de 2020, vou pensar duas vezes antes de reclamar quando roteiristas de Hollywood inventarem de fazer seus personagens se comportarem de forma ilógica ou irracional frente a um cenário apocalíptico. Em outro bom episódio de Expresso do Amanhã, intitulado “A...

‘Reality Z’: padrão Netflix tira brasilidade de série fraca

Em minha opinião, um dos aspectos mais positivos da Netflix, desde que o serviço de streaming se popularizou e basicamente mudou a maneira como nos relacionamos com a produção audiovisual, é o fato de ele ser uma vitrine global, nos dando acesso a filmes, seriados e...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 4: reviravoltas reenergizam série

Depois de muita preparação num episódio desanimador na semana anterior, Expresso do Amanhã pisa no acelerador da temporada nesta semana com “Sem Seu Criador”. O resultado é um episódio envolvente e que encerra uma história, aparentemente, e inicia outra, mais...

‘Space Force’: nem tão empolgante e engraçado como prometido

‘Space Force’ já surgiu com altas expectativas. Primeiro por reunir Greg Daniels e Steve Carell, dupla vinda da premiada ‘The Office’. Segundo por contar com nomes conhecidos e queridos do público como Lisa Kudrow e John Malkovich. Para completar, seria um alívio...

‘Expresso do Amanhã’ – Episódio 3: limitações começam a aparecer

Bem... Não demorou muito, não é? Depois de dois interessantes episódios iniciais, este terceiro de Expresso do Amanhã já começa a expor um pouco mais das limitações do seriado e do enfoque planejado pelos produtores desta adaptação. Neste episódio, já temos uma...