Vivemos numa época curiosa, mesmo… Chegou à Netflix a série de ficção-científica Expresso do Amanhã, baseada no sensacional filme de 2013 dirigido por Bong Joon-Ho, que por sua vez era baseada na HQ francesa Le Transperceneige, publicada nos anos 1980 pelos autores Jacques Lob, Benjamin Legrande e Jean-Marc Rochette. Atualmente, presume-se, a maior parte das pessoas está isolada (ou deveria estar), as estruturas sociais e econômicas do mundo estão abaladas, e não sabemos muito bem o que o futuro nos reserva. É a época perfeita para uma história apocalíptica sobre a humanidade confinada num espaço limitado.

Felizmente, a julgar pelo visto nos dois primeiros episódios, a versão para TV de Expresso do Amanhã parece promissora. O cenário é o mesmo do filme: Mudanças climáticas transformaram a Terra num deserto gelado, e sete anos depois, o que sobrou da raça humana está confinado num trem chamado “Snowpiercer”, ou o “Perfura-neve”, com milhares de vagões, e que prossegue em eterno movimento ao redor do globo. Os que moram na rabeira do trem são os lascados, com poucos recursos e amontoados em vagões escuros. Já mais para frente, existe uma terceira, segunda e uma primeira classe, e quanto mais perto da locomotiva do trem, mais os moradores vivem em luxo e opulência.

O cenário é o mesmo, mas a história em si é diferente. O filme mostrava uma revolução, com o pessoal dos últimos vagões se rebelando e prosseguindo em direção à locomotiva, liderados pelo personagem de Chris Evans. O primeiro episódio até parece que vai seguir pelo mesmo caminho, quando somos jogados numa tangente: Enquanto a revolta esquenta no fundo do trem, um dos “fundistas”, Layton (interpretado por Daveed Diggs), que era um detetive antes do fim do mundo, é chamado para investigar o assassinato de um cidadão da terceira classe. Ele se reporta à misteriosa sra. Cavill (Jennifer Connelly), uma personagem que, como podemos ver ao final do primeiro episódio, possui uma importância muito grande a bordo do trem, e que parece ser  outra inovação em relação ao filme.

LUMINOSIDADE NO LUGAR DA CLAUSTROFOBIA 

O temor dessa abordagem é transformar a série num tipo de programa investigativo, o que na TV americana conhecemos por procedural, aquele tipo de seriado de investigação tão presente na TV. Mas os produtores – dentre eles o próprio Bong Joon-Ho e seu amigo Park Chan-Wook, diretor de Oldboy (2003) – conseguem evitar isso, ao menos nesses dois primeiros episódios. Embora vejamos neles o começo da investigação de Layton, ainda percebemos o subtexto de sátira social e de luta de classes que energizava o filme de 2013. A mídia pode ter mudado, mas o equilíbrio da vida dentro do Snowpiercer ainda parece tão precário quanto no filme.

O que falta a estes episódios, no entanto, é um pouco mais daquela pegada claustrofóbica e tresloucada do filme. A série se mostra bem mais iluminada, e os espaços, mais amplos. Do ponto de vista técnico, a direção de arte e os efeitos visuais da série enchem os olhos – nestes dois episódios vemos cenários impressionantes, como o aquário, e a série já começa a expandir o mundo dentro do Snowpiercer com ambientes como um cabaré e o restaurante fino onde os ricos se deleitam. 

Obviamente, a vitória de Bong Joon-Ho no Oscar este ano por Parasita (2019) – outro que também vai inspirar uma série de TV em breve – aumentou o perfil desta produção. Mas, sem dúvida, a série tem uma pegada diferente do filme. Talvez seja compreensível – afinal, uma coisa é aguentar quase horas claustrofóbicas e insanas num filme, outra é experimentar isso numa temporada inteira de TV. Mas resta ver se essa abordagem não acabará diluindo o impacto e a força da história no decorrer da temporada.

É sabido que a série teve uma produção tumultuada, com o episódio-piloto sendo regravado e troca de produtores – Scott Derrickson, diretor de Doutor Estranho (2016), dirigiu o episódio inicial e depois deixou a série ao se desentender com os produtores. James Hawes regravou o piloto, a versão que “valeu”, mas Derrickson continua listado como produtor-executivo. No entanto, ainda é cedo para dizer se esses fatores terão influência no resultado final. No geral, estes dois primeiros episódios de Expresso do Amanhã são bem produzidos, bem conduzidos e ambos terminam com ganchos que prometem trazer desenvolvimentos interessantes à história. Diggs está bem como o herói, a presença gelada de Connelly domina a tela sempre que aparece, e há boas participações de atores que prometem ser interessantes, especialmente Alison Wright, o mais próximo da reptiliana personagem de Tilda Swinton que a série oferece, ao menos neste início. Estes dois episódios merecem ser chamados de promissores… E, estranhamente, estão fazendo muito sentido em 2020.

‘Round 6’: novo e divertido sucesso made in Coreia do Sul

Depois de ‘Parasita’ ganhar o público e o Oscar de melhor filme em 2020, o mundo passou a olhar com mais atenção para as produções sul-coreanas no cinema. Atenta às tendências do mercado audiovisual, a Netflix anunciou um investimento de US$ 500 milhões na produção de...

‘Cenas de um Casamento’: releitura atualiza discussões e preserva caráter episódico do original

"Vou colecionar mais um sonetoOutro retrato em branco e pretoA maltratar meu coração"  É difícil pensar em escrever qualquer análise-ou-crítica-ou-chame-do-que-quiser de "Cenas de um Casamento" (HBO, 2021) e não ter os pensamentos invadidos pela obra original - e...

‘Modern Love’ 2ª temporada: olhar amadurecido sobre as formas de amar

Recomenda-se que esse texto seja lido com a trilha sonora de John Carney. Quando você relembra seus relacionamentos marcantes, que memórias lhe vem à mente? Que músicas e sensações atingem seus sentidos a ponto de soltar um sorriso imperceptível ou o coração apertar...

‘As Filhas de Eva’: a sedutora serpente chamada liberdade

Quem foi Eva? Segundo os escritos da Bíblia, foi a primeira mulher do Planeta Terra, nascida da costela de Adão, o primeiro homem. Enganada e seduzida pela serpente, come o fruto proibido e, como castigo para ambos, Deus enviou o caos à Terra. Esta é uma breve síntese...

‘Loki’: boa, porém desperdiçada, introdução ao multiverso Marvel

Após a excêntrica e divertida "Wandavision", a política e reflexiva "Falcão e o Soldado Invernal", a nova série da Marvel focada no Deus da Trapaça é uma ótima introdução para o que está por vir no Universo Cinematográfico Marvel (MCU). Entretanto, por conta do...

‘Elize Matsunaga – Era Uma Vez Um Crime’: misoginia brasileira escancarada

Duas coisas se destacam na minissérie “Elize Matsunaga: Era Uma Vez Um Crime”: o domínio patriarcal no Brasil e o estudo de personagem feito pela diretora Eliza Capai. A documentarista é responsável por produções que buscam investigar personagens femininas sem...

‘Dom’: história de amor paterno no meio do caos das drogas

Dom (2021), nova aposta da Amazon Prime, é uma série que desperta as mais diversas emoções. Livremente inspirado no romance homônimo escrito pelo titã Tony Belotto e também em O Beijo da Bruxa (2010), de Luiz Victor Lomba (pai do Pedro), a produção narra a história...

‘Solos’: minissérie joga fora todos seus promissores potenciais

A minissérie do Prime Video "Solos" busca se distanciar de comparações ao streaming concorrente. Para tanto, traz elementos de ficção científica e a relação da tecnologia com (e eventualmente versus) a humanidade em um futuro distópico. Nesse sentido, há uma...

‘Manhãs de Setembro’: Lineker encanta em busca pela independência

“Manhãs de Setembro” é uma série recém-lançada pelo Prime Vídeo e traz a cantora Liniker no papel da protagonista Cassandra, uma mulher trans que divide seu tempo como motogirl de um aplicativo de entrega e seu trabalho como cantora. Somos apresentados à personagem em...

‘Mare of Easttown’: Kate Winslet domina brilhante estudo de personagem

Mare Sheehan não encara um bom momento em sua vida. Ela é uma policial na faixa dos 40 anos na cidadezinha de Easttown, no estado americano da Pensilvânia, um daqueles locais onde todo mundo conhece todo mundo. Há cerca de um ano uma jovem desapareceu por lá, e Mare e...