‘Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’. 

Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por “Sexo, Mentiras e Videotape” e do Oscar da categoria em 2001 por “Traffic”. Para um cineasta que transita entre o mainstream (a trilogia “Onze Homens e um Segredo”) e o experimental (de obras de baixíssimo orçamento como “Full Frontal” a “Unsane” , gravado todo com iPhone), não chega a ser revolucionária uma ideia tão incomum para os padrões hollywoodianos como “Let Them All Talk”. 

A proposta fica ainda mais interessante ao trazer Meryl Streep como Alice, uma famosa escritora buscando finalizar o manuscrito do próximo livro durante uma viagem rumo à Inglaterra onde será homenageada. Ao lado dela estão o inseguro sobrinho (Lucas Hedges) e duas amigas de longa data, Susan e Roberta (Dianne Wiest e Candice Bergen, respectivamente), mas, que não se encontram há 30 anos após a publicação do livro mais célebre da protagonista. Evidente que os desacertos do passado vão vir à tona a bordo do Queen Mary 2. 

Evidente que uma produção ambientada em um transatlântico conhecido mundo afora não escaparia do ‘belo merchan’. Com isso, “Let Them All Talk” apresenta todas as dependências do navio, incluindo, o cassino, a boate, as diversas piscinas, os restaurantes, as luxuosas cabines (temos uma de dois andares!) e até um planetário – de fazer o “Titanic” corar.  O oceano, aliás, vira detalhe e mal chegamos a vê-lo. O diretor de fotografia Peter Andrews (pseudônimo do próprio Soderbergh) deixa esse caráter de tom publicitário claro ao optar pelos planos abertos sempre que possível, dando a dimensão do tamanho e do luxo do Queen Mary 2, sempre com tudo bastante iluminado. 

SURPRESAS DESLOCADAS 

Chama a atenção ver Soderbergh fora do terreno dos filmes de temáticas atuais e com grau elevado de urgência (“A Lavanderia”, “High Flying Bird”, “Contágio”, “Terapia de Risco”, “Che”, “Traffic”) ou aquelas aventuras com tons cômicos (“Onze Homens”, “O Desinformante”, “Logan Lucky”). Em “Let Them All Talk”, temos um diretor mais intimista em que os dilemas internos dos personagens dominam a ação da história e a comunicação atravessada pelas mágoas entre eles marca o roteiro da estreante Deborah Eisenberg. 

Justamente aqui “Let Them All Talk” mostra suas inconsistências com histórias e personagens mais bem desenvolvidas que outras. O desespero de Roberta, vendedora em uma loja de lingeries, por dinheiro a qualquer custo, especialmente, ao se comparar com o sucesso das amigas contribui para a tensão crescente com Alice, culminando na cena em que Candice Bergen rouba o filme de Meryl Streep.  

Por outro lado, chega a ser triste ver Dianne Wiest tão desperdiçada com Susan simplesmente perdida no confronto entre as amigas. Para piorar, a duas vezes ganhadora do Oscar acaba ainda sendo protagonista do pior momento do filme em monólogo sobre estrelas e Elon Musk. Já Lucas Hedges e Gemma Chan até possuem química, são muito bonitos e carismáticos, porém, dão a impressão de que estão em um outro filme que até poderia ter sido interessante, mas, não aqui. 

Acima de tudo, falta a “Let Them All Talk” a complexidade existencialista bergmaniana para dar consistência ao drama ou o cinismo e as tiradas de Woody Allen para gerar uma comédia mais ácida. No meio deste caminho, Soderbergh tenta até manter a sua tradicional engenhosidade em criar narrativas com um certo mistério e surpresas, mas, apenas soam deslocadas pela maneira completamente inesperada que surge. Pode não ser um filme ruim, mas, fica muito longe do talento envolvido. Pelo menos, a viagem foi boa. 

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...