O medo capaz de despertar os maiores monstros nas nossas cabeças e nos paralisar totalmente é o mote principal de “It – Capítulo 2”. Baseado no clássico livro de Stephen King, a produção tinha tudo para ser uma mistura certeira entre o horror sanguinolento com o suspense psicológico tão bem trabalhado em obras recentes do gênero.  

Porém, o diretor argentino Andy Muschietti e a Warner Bros deixaram um temor terrível da indústria de Hollywood aflorar: a crença na incapacidade do público em entender subtextos e não se guiar por sustos fáceis. Como resultado, temos um filme decepcionante, inchado e mal estruturado. 

Roteirizado por Gary Dauberman (do primeiro filme, “Annabelle 1, 2 e 3 e “A Freira”), “It – Capítulo 2” se passa 27 anos após os eventos ocorridos no primeiro filme. O Clube dos Otários está desfeito e os integrantes espalhados pelos EUA nas mais diversas carreiras. Pennywise, porém, retorna para espalhar o terror em Derry, levando o grupo a voltar à cidade, enfrentar os próprios medos e derrotar o palhaço assassino de uma vez por todas. 

PEDÁGIO PESADO E ELENCO FRACO 

O filme de 2017 não acertou apenas na aura temível e fatal de Pennywise: grande parte do charme da história se devia ao bom tratamento dado aos personagens seja a partir do trabalho dos jovens atores como das fortes características de cada um deles realçadas em importantes passagens da obra. “It – Capítulo 2” até tenta fazer o mesmo ao escalar grandes nomes como Jessica Chastain, James McAvoy e Bill Hader, porém, peca no desenvolvimento das tramas de cada um deles. 

Diferente do que fizera Stanley Kubrick em “O Iluminado”, “It – Capítulo 2” paga um pesado pedágio ao livro original. Isso leva o filme a esticar a história a desnecessários 165 minutos ao repetir situações ao extremo – somos obrigados a ver, um por um, os traumas dos integrantes do Clube dos Otários – e não retirar partes menos importantes da trama. O roteiro ainda se complica ao explicar a origem de Pennywise em uma sequência bastante confusa e muito menos convence ao tratar sobre o esquecimento bizarro dos protagonistas dos fatos ocorridos no primeiro filme.    

Pior de tudo é a sensação deixada de que, mesmo com tudo isso, pouco se acrescenta em relação ao que já se sabia dos protagonistas. Se Bill (McAvoy) segue atormentado pela perda do irmão, mas, nada mais é colocado em relação a isso, Ben (Jay Ryan), em vez de comover o público, irrita com a obsessão stalker sobre Beverly (Chastain), criando um triângulo amoroso que nunca decola.  

Falando na mocinha da trama, se o trauma dela até possui um interesse componente da violência masculina incidindo novamente sobre sua vida, agora, em relação ao marido, porém, o exagero da violenta sequência acaba por diminuir o impacto do momento para torná-lo apenas caricato. Para piorar, Beverly, outrora valente, acaba se limitando a gritos e sustos sem tomar muita atitude, tornando-se uma personagem decepcionante ao recair por diversas vezes no padrão feminino dos piores filmes de terror. 

Quem se sai um pouco melhor é Richie (Bill Hader) pelo fato da luta em esconder a sua homossexualidade – tema, inclusive, presente no ótimo início do filme. Mesmo assim, pouco tempo é dado para se explorar da maneira apropriada esta trama. Tais fraquezas do roteiro afetam, inclusive, o desempenho do elenco em trabalhos muito abaixo do visto anteriormente na carreira – McAvoy e Chastain são bons exemplos. 

GOLPE BAIXO 

Com tantos problemas no roteiro, Andy Muschietti poderia ter salvo “It – Capítulo 2” na direção. Infelizmente, o cineasta argentino recai nos artifícios mais banais do terror. O pior deles? A trilha sonora onipresente. 

Poucos são os momentos em que a trilha não se faz presente no filme e, na maioria das vezes, está lá apenas para realçar o óbvio. Essa falta de confiança na inteligência do público em conseguir acompanhar a construção do suspense de uma cena sem tornar tudo tão didático ao espectador também revela-se uma incapacidade do realizador em confiar no material que tem em mãos.  

Isso se revela ainda mais grosseiro justo em um momento em que o terror parece conseguir apontar novos caminhos graças a talentos como Jordan Peele (“Corra”, “Nós”), Ari Aster (“Hereditário”, “Midsommar”), Robert Eggers (“A Bruxa”, “The Lighthouse”).  

Ver esse tipo de artifício usado sem a menor parcimônia com o único intuito de fazer o espectador se assustar graças ao som explodindo pelas caixas de cinema cansa qualquer espectador mais criterioso, o que, cá entre nós, não é a média do grande público nas salas de exibição mundo afora. Interessante notar que justamente quando utiliza a trilha e os recursos sonoros com maior moderação – a cena da menininha no campo de golfe – Muschietti consegue, de fato, assustar. 

Por outro lado, há de se louvar a direção de arte: aproveitando a possibilidade de explorar os pesadelos dos protagonistas, Paul D. Austerberry cria um universo exagerado e surreal, transitando na influência gótica com toques de Tim Burton e Guillermo Del Toro. O cenário do desfecho do filme no momento do destino de Pennywise é, sem dúvida, um dos mais bonitos criados pelo cinema em 2019.  

“It – Capítulo 2” até possui virtudes temáticas – o discurso contra a homofobia, maior respeito à tolerância, a necessidade de encararmos nossos traumas para vencer medos e barreiras. Porém, como terror e cinema, fica muito aquém do que se podia alcançar graças à falta de confiança em saber o que era realmente necessário para o filme. 

40 anos de ‘Os Filhos do Medo’: O aterrorizante divórcio de Cronenberg

Hoje é dia das crianças! Então vamos celebrar com um filme cheio de crianças assassinas, deformadas e traumatizadas... Porque aqui é o Especial Terror do Cine Set e o tema é o filme Os Filhos do Medo (1979), do mestre David Cronenberg. Vale a pena começar fazendo um...

‘Godzilla’ a ‘Audição’: Aniversário de Clássicos Nipônicos de Terror

Ao longo da história do cinema, o Japão produziu alguns das melhores obras de terror de todos os tempos. Algo na sociedade ou na cultura faz os japoneses terem mais intimidade com o horror do que a maioria dos outros povos. E em 2019, alguns clássicos da terra do sol...

45 anos de ‘Noite do Terror’ (1974): O Avô do cinema Slasher Americano

Em seu ótimo texto que abriu o Especial de Terror de 2019, o amigo e fã de terror Ivanildo Pereira ressaltou a importância de John Carpenter para o cinema de gênero e Bacurau. O cineasta americano também foi o cara que fomentou e desbravou com enorme competência no...

As Homenagens de ‘Bacurau’ ao mestre do terror John Carpenter

Quando estava começando a ler sobre cinema na internet no final dos anos 1990 e começo dos 2000, logo descobri o Cinemascópio, site/blog do Kleber Mendonça Filho. Um texto dele em especial, do qual eu gostava muito, era sobre o clássico do terror e ficção-científica O...

Os Subgêneros do Terror nas Séries de Televisão

De "The Walking Dead" a "Twin Peaks", Pâmela Eurídice e Rebeca Almeida trazem quais séries da televisão se encaixam nos diversos subgêneros do terror. https://www.youtube.com/watch?v=MCcimeGcX1Y

Especial Terror: Horror Gótico Macabro de Mario Bava

É de total conhecimento que o horror gótico surgiu na literatura inglesa através da fértil imaginação de Edgar Allan Poe, Bram Stoker, Mary Shelley, Robert Louis Stevenson, entre outros. Por trás do gótico britânico, existia todo um romantismo pelo...

Por que David Cronenberg deveria voltar aos filmes de terror?

Em 2016 uma declaração do ator Viggo Mortensen me deixou triste. Ele disse que o cineasta David Cronenberg, seu amigo, estava pretendendo se aposentar do cinema. Já este ano, o próprio Cronenberg se pronunciou: numa entrevista com a Entertainment Weekly,...

O que esperar de It: Capítulo 2?

Em 2017, It: A Coisa fez história não só ao adaptar o épico livro – épico mesmo, com mais de mil páginas – de Stephen King, mas também ao se tornar o filme de terror de maior sucesso comercial de todos os tempos, sem ajustar pela inflação. It arrecadou 700...

Cujo (1983): uma adaptação subestimada de Stephen King

Se há algo que é forte nas obras de Stephen King é a sua belíssima capacidade de transformar situações normais e inofensivas em algo assustador. Explorar personagens comuns como eu e você em situações de extremo pavor e medo sempre foram a cereja do bolo...

Frame a Frame: Mandy (2018), de Panos Cosmatos

Na era do streaming e do alívio imediato talvez já seja difícil imaginar que para assistir um filme você precisava ir a uma locadora, ao cinema ou simplesmente se programar pelo horário da televisão aberta. Entre os muitos costumes que emergiram desses...