Realizado entre os anos de 2006 a 2011, a Mostra Amazônica do Filme Etnográfico será recordada no livro “Filmar a Amazônica”, do professor, pesquisador e realizador audiovisual, Gustavo Soranz. Contemplado no edital Conexões Culturais deste ano, a obra trará entrevistas históricas e inéditas com os homenageados de cada edição do evento: Jorge Bodanzky (2006), Vincent Carelli e Mari Corrêa (2007), Adrian Cowell e Vicente Rios (2009) e Aurélio Michiles (2011).

As entrevistas giram em torno da relação deles com a Amazônia, os filmes realizados por eles na região, além do diálogo do cinema com a antropologia, o meio ambiente. “O livro pretende servir como reflexão da própria Mostra Etnográfica e dos debates que se tinha no Núcleo de Antropologia Visual da Universidade Federal do Amazonas (Navi/Ufam). O evento, aliás, surgiu na esteira destas discussões”, declarou Soranz.

Além das entrevistas com os homenageados, “Filmar a Amazônia” ainda terá uma introdução para situar o elenco sobre o momento histórico em que a Mostra Etnográfica aconteceu. Soranz ainda pretende incluir todo o catálogo com as programações e os filmes exibidos no evento.

Para o pesquisador, o festival contribuiu para o surgimento de uma nova geração de realizadores audiovisuais no Norte do Brasil, especialmente, em Manaus. “Diretores como Anderson Mendes (“Picolé do Aranha”), Aldemar Matias (“El Enemigo”) e Rafael Ramos (“Aquela Estrada”) exibiram seus primeiros curtas-metragens na Mostra Etnográfica. Havia este diálogo com a produção local e isso estimulou muita gente a fazer cinema pela primeira vez”, disse.

Fundado em 2006 com a professora Selda Vale da Costa à frente do projeto, o Navi/Ufam contou com a participação de importantes pesquisadores do audiovisual amazonense como Antonio José Vale da Costa (o Tom Zé), Sávio Stoco, Márcio Braz, Bruno Vilella, Flávia Abtibol, Otoni Mesquita, entre outros. Além da Mostra Etnográfica, o núcleo ainda coordenou a Mostra Etnodoc I e II, em Manaus, em 2009 e 2011.

Com todas as entrevistas transcritas e revisadas, Soranz pretende lançar “Filmar a Amazônia” no segundo semestre de 2019. Você pode conhecer o trabalho do Navi/Ufam através do site oficial (clique aqui).

Facebook Comments