FIM DE FESTA DO OSCAR 2016!


OS MAIORES VENCEDORES DO OSCAR 2016

MAD MAX: ESTRADA DA FÚRIA: 6 estatuetas

O REGRESSO: 3 estatuetas

SPOTLIGHT: 2 estatuetas

QUARTO DE JACK, A GRANDE APOSTA, A GAROTA DINAMARQUESA, DIVERTIDA MENTE E PONTE DOS ESPIÕES: 1 estatueta


MELHOR FILME  – SPOTLIGHT

Caio Pimenta: O que foi isso? “O Regresso” com Iñarritu e DiCaprio parecia imbatível, porém, “Spotlight” é o grande vencedor. Prova de que o roteiro é o prêmio mais forte para definir a categoria de Melhor Filme. Uma importante obra que surpreende o mundo do cinema com uma vitória inesperada.

Danilo Areosa: Spotlight fatura o maior prêmio da noite. O mexicano maluco não conseguiu fazer a dobradinha do ano passado de filme e direção. No geral, o Oscar foi para um ótimo filme. Para quem esperava uma obra didática, Spotlight é envolvente, bem dirigido e de temática relevantíssima. A abordagem jamais é sensacionalista, mostrando um jornalismo sério na qual McCarthy apresenta uma direção sóbria, que homenageia a old school do cinema denúncia de Pakula a Lumet.

Ivanildo Pereira: Vitória inesperada: Spotlight ganha Melhor Filme, dividindo os prêmios da noite do Oscar. Um drama bem realizado e com um tema importante, era um típico “filme do Oscar” cuja vitória parece uma mensagem da Academia para a Igreja Católica e para jornalistas do mundo inteiro. Na minha relação de favoritos do ano, ocupava o segundo lugar, atrás de Mad Max, então não posso dizer que fiquei triste com a sua vitória. Mas só duas vitórias para o grande vencedor da noite – filme e roteiro? Não deixa de ser um pouco estranho…


MELHOR ATOR – LEONARDO DICAPRIO, POR “O REGRESSO”

Caio Pimenta: “Gilbert Grape”, “Romeu e Julieta”, “Titanic”, “Gangues de Nova York”, “O Aviador”, “Prenda-me se for Capaz”, “Diamante de Sangue”, “Os Infiltrados”, “Foi Apenas um Sonho”, “Ilha do Medo”, “J.Edgar”, “Django Livre”, “O Lobo de Wall Street”. Precisa de mais para entender por que o mundo estava ao lado de Leonardo DiCaprio nesse Oscar?

Danilo Areosa: D-I-C-A-P-R-I-O, finalmente uma das maiores zicas nos últimos tempos envolvendo o Oscar termina. Não é melhor atuação de Leo na sua carreira, mas é digna de Oscar. Um ator versátil, o melhor da sua geração que sempre busca papéis desafiadores e pouco usuais. Para um ator que tempos atrás chegou a ser apontado como o novo galã do cinema, aos poucos foi se desvencilhando desta alcunha para comprovar o seu talento. Academia finalmente se rende a este grande ator.

Ivanildo Pereira: Finalmente o mundo e a internet podem respirar, os memes e piadinhas podem ser aposentados: Leonardo DiCaprio ganhou seu Oscar e tudo está bem. Ele já teve personagens mais ricos e interessantes e já mostrou atuações melhores que esta, apesar do seu trabalho em O Regresso ser bom e sólido. Por isso, sua vitória agora tem um saborzinho de “conjunto da obra”. Mesmo assim, ela merece ser comemorada: depois de mergulhar num lago gelado, comer fígado cru e sofrer nas mãos do seu diretor maluco, temos a certeza de que poucos atores na história tiveram de penar tanto pelo seu Oscar. Fim da conversa no bate-papo!


MELHOR ATRIZ – BRIE LARSON, POR “O QUARTO DE JACK”

Caio Pimenta: Brie Larson conquista o Oscar logo na primeira indicação. Nova candidata a estrela de Hollywood, a atriz consegue na química com Jacob Tremblay o grande achado de “O Quarto de Jack”. Seria interessante Cate Blanchett vencer por “Carol” ou até Charlotte Rampling, em “45 Anos”. De qualquer maneira, as estatueta está em boas mãos.

Danilo Areosa: Brie Larson com este Oscar desponta para ser uma nova estrela Hollywood. Em Temporário 12 já mostrava talento e densidade para compor personagens emocionalmente instáveis. O Quarto de Jack comprova a sua força para lidar com temas pesados indicando uma atriz madura para enfrentar trabalhos desafiadores. Que esta promessa se concretize nos próximos anos.


MELHOR DIRETOR – ALEJANDRO GONZÁLEZ IÑARRITU, POR “O REGRESSO” 

Caio Pimenta: O segundo Oscar da carreira de Alejandro González Iñarritu e o terceiro consecutivo do México é um fato histórico para diretores estrangeiros em Hollywood. Claro que George Miller foi muito mais ousado em “Mad Max – Estrada da Fúria”, mas, daí reduzir o trabalho de Iñarritu é demais. Ele não é o diretor espetacular que a Academia pode fazer parecer, mas, também não é a enganação que textos divulgados na internet nos últimos dias tentam pipocar.

Danilo Areosa: O mexicano Iñárritu é campeão pelo segundo ano consecutivo e mostra que realmente está com um prestígio grande em Hollywood. A academia cada vez mais latina na sua essência.

Ivanildo Pereira: Deu o esperado: Iñarritú faz história no Oscar com seu bicampeonato de Melhor Diretor com Birdman e O Regresso. Louco, ambicioso, exagerado… muito se pode dizer sobre este mexicano, mas nunca se pode dizer que se fica indiferente a seus filmes. E num ano em que a Academia foi criticada pela falta de diversidade, o diretor tocou no assunto no seu belo discurso. Gostaria muito de ter visto George Miller ganhar, mas o trabalho de Iñarritú tem qualidade e inventividade.


GLÓRIA PIRES – SEM MAIS


E A COBERTURA DO OSCAR DO CINE SET, GLÓRIA ?


MELHOR CANÇÃO ORIGINAL – “Writing’s on the wall”, de “007 Contra Spectre”

James Bond somente foi ganhar um Oscar com Adele em “Skyfall”. Foi uma vitória justa. Agora, com “007 Contra Spectre”, a franquia ganha de novo. Desta vez, porém, de maneira incorreta. Exceto pela canção de “Cinquenta Tons de Cinza”, todas as outras concorrentes eram melhores. Porém, valeu a fama de Sam Smith e da série.

por Caio Pimenta


MELHOR TRILHA SONORA – OS OITO ODIADOS

Mesmo tardiamente, a Academia reconhece o maestro Morricone – ele já ganhou um Oscar Honorário , mas nunca como indicado. Não há palavras para resumir a carreira deste gênio, mestre e Deus das trilhas sonora no cinema. Dos western spaghetti de Sergio Leone, passando pelo terror “carpeteriano”, de Enigma de Outro Mundo aos thrillers policiais dos Os Intocáveis de De Palma, Morricone deixou sua marca, as suas notas fenomenais no imaginário do cinema. Merecidíssimo ser aplaudido de pé.

por Danilo Areosa

 


IN MEMORIAN

Dave Grohl ao violão e as imagens dos profissionais do cinema mundial que se foram representaram um dos mais emocionantes momentos da cerimônia. E muita gente boa foi relembrada: Wes Craven, Christopher Lee, Ettore Scola, Chantal Akerman, Vilmos Zsigmond, Leonard Nimoy, entre outros… Bela homenagem, que tornou ainda mais especial esse momento sempre comovente da cerimônia do Oscar.


MELHOR FILME ESTRANGEIRO – O FILHO DE SAUL (HUNGRIA)

“O Filho de Saul” dominou a temporada de premiações e dá o primeiro Oscar à Hungria. Fica um desapontamento pelo fato da Academia sempre ficar com temáticas óbvias como, por exemplo, a Segunda Guerra em vez de ousar e abraçar propostas diferentes como ousado “O Abraço da Serpente”, da Colômbia.

por Caio Pimenta


MELHOR CURTA-METRAGEM – STUTTERER


VENCEDOR DO SORTEIO DO CINE SET

Parabéns Bruno Gomes!

Você é o vencedor do prêmio do Cine Set e vai ficar com o Blu-Ray de “O Poderoso Chefão”!

A equipe do Cine Set vai entrar em contato com você nos próximos dias!


MELHOR DOCUMENTÁRIO – AMY

Após emocionar o mundo com “Senna”, Asaf Kapadia foi fundo na história de Amy Winehouse e trouxe um documentário cheio de imagens de arquivo da cantora inglesa. O resultado é uma tristeza imensa pelo talento desperdiçado e um olhar crítico sobre a exploração do drama de celebridades. E que concorrentes o filme derrubou. Grande ano para os documentários!

por Caio Pimenta


MELHOR DOCUMENTÁRIO EM CURTA-METRAGEM – ‘A GIRL IN THE RIVER: THE PRICE OF FORGIVENESS’

MELHOR ATOR COAJDUVANTE – MARK RYLANCE, POR ‘PONTE DOS ESPIÕES

Caio Pimenta: O maior acerto da Academia até agora: Mark Rylance. O estilo minimalista contrasta com quase todos os indicados e rouba a cena, inclusive, do astro Tom Hanks. Desculpem nostálgicos, mas, era o soviético em solo americano que deveria receber esta estatueta.

Danilo Areosa: Que surpresa!!!!! Mark Rylance cresceu nas últimas semanas e bateu o favorito Stallone. Merece, porque personifica nos detalhes, um personagem misterioso e introspectivo que conquista a simpatia aos poucos do público em Ponte de Espiões. Uma pena que a Academia poderia fazer história e reconhecer Stallone pelo personagem que está nos anais do cinema.

Ivanildo Pereira: Não deu para Ruffalo e seu dedicado trabalho em Spotlight nem para o que seria um momento histórico com Stallone no palco… O vencedor na categoria Ator Coadjuvante foi o pouco conhecido e discreto Mark Rylance, que entregou uma atuação detalhista e boa em Ponte dos Espiões, um filme apenas correto a meu ver. A categoria era disputada com todos, com exceção de Bale em minha opinião, com chances de vencer, e o Oscar perdeu a chance de reconhecer um personagem histórico do cinema e o seu intérprete, cuja carreira sobreviveu apesar dos problemas e dos anos. O fato mais triste da cerimônia 2016 foi a impossibilidade de não termos visto Stallone subir ao palco.


ORDEM DO SORTEIO DA CAIXA DE ‘O PODEROSO CHEFÃO’

1 – Vinicius Schnaider Zolet

2 – Vitória

3 – Flavia Furtado Guimaraes

4 – Thiago Pinheiro Teixeira Guedes

5 – Luis Tiago de Mattos Ferreira

6 – Bruno Gomes

7 –  Paulo Monteiro

8 – Thaís Luzia Oliveira

9 – Iris

10 – Mateus

  • Dentro de instantes, o sorteio e o nome do vencedor no Cine Set.


MELHOR ANIMAÇÃO – ‘DIVERTIDA MENTE’ 

Perder para “Divertida Mente” não dá nem para ficar chateado. A obra da Pixar é tão criativa e inteligente, sendo uma das mais importantes de uma trajetória brilhante. A obra de Pete Docter sai consagrada do Oscar e merecia mais (uma indicação ao Oscar de Melhor Filme, por exemplo). Que o Brasil saiba se orgulhar de “O Menino e o Mundo” vitorioso só de ter chegado tão longe.

por Caio Pimenta


MELHOR ANIMAÇÃO EM CURTA-METRAGEM – BEAR STORY


MELHORES EFEITOS VISUAIS – ‘EX-MACHINA’

Surpresa: Frente aos pesos-pesados Star Wars, Perdido em Marte e Mad Max, o prêmio de Efeitos Visuais vai para o trabalho mais modesto, mas não menos impressionante de Ex Machina. Um momento de inovação para a Academia, que nem sempre premia projetos de pequenos e discretos efeitos. Mas não se pode dizer que é imerecido: em Ex Machina os efeitos não parecem efeitos, e de certa forma essa é realmente a maior qualidade deste trabalho.

por Ivanildo Pereira


MELHOR MIXAGEM E EDIÇÃO DE SOM – ”MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA”

O som de 2015 realmente pertence a Mad Max. Ganhou as duas categorias dentro do gênero e mostra-se até agora o grande vencedor nesta primeira parte do Oscar. É muito bom ver o entusiasmo dos vencedores de edição de som recebendo os prêmios.

por Danilo Areosa

 


TOM ZÉ NO CINE SET!

O Cine Set tem um novo integrante e ele é uma novidade bombástica: O querido Tom Zé, também conhecido como Antônio José Vale da Costa. Criador e atual coordenador do Cine e Vídeo Tarumã que faz parte do projeto de extensão do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Amazonas – UFAM, ele atua como professor universitário por três décadas e como amante de cinema contribuiu para sedimentar a sétima arte na esfera acadêmica. Tom Zé no Cine Set será responsável por uma coluna semanal de cinema em geral aos sábados no site. Debates, análises e discussões não faltarão para os cinéfilos apreciarem.


MELHOR MONTAGEM – MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA

Em uma das surpresas da noite, a montagem foi para Mad Max – A Estrada de Fúria. Esposa de George Miller, Margaret Sixel faz um trabalho que acerta por jamais deixar que o frenesi da ação torne o filme cansativo. Na verdade, permite deixá-lo uma das experiências cinematográficas mais insanas do ano passado.

por Danilo Areosa


MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA – ”O REGRESSO”

Emmanuel Lubezki faz história como tricampeão do Oscar, e é merecido. Ele já foi chamado de o mestre da luz natural quando trabalhou nos filmes de Terrence Malick, e aqui ele se supera, criando imagens sensacionais e fazendo uso da frieza e das condições naturais para compor a visão de Iñarritú. É o maior diretor de fotografia da atualidade? O Oscar parece pensar que sim e não há muita razão para discordar, mas o único aspecto negativo da sua vitória é o fato de que Roger Deakins vai continuar na espera pela sua estatueta.

por Ivanildo Pereira

 


MELHOR MAQUIAGEM E PENTEADO – “MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA”

Terceiro prêmio técnico da noite não poderia ser para outro: Mad Max – a Estrada da Fúria. Um trabalho primoroso que se destaca dentro daquele mundo freak criado por George Miller. Só a caracterização de Imortal Joe já vale a estatueta.

por Danilo Areosa


MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO – MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA

O aspecto visual é uma das maiores qualidades de Mad Max: Estrada da Fúria, e é bom vê-lo sendo reconhecido no Oscar por isso: a enorme fortaleza do Immortan Joe e os incríveis veículos, entre outros elementos, foram trabalho dos desenhistas de produção e diretores de arte. Apesar dos outros trabalhos na categoria serem muito bons, nenhum realmente tem o impacto e a grandiosidade da ficção apocalíptica de George Miller. Completamente merecido.

por Ivanildo Pereira


MELHOR FIGURINO –  MAD MAX – ESTRADA DA FÚRIA

Roupas de época? Nada disso! É o visual moderno, épico e cinza de “Mad Max – Estrada da Fúria” o vencedor. Quem diria isso acontecer quando o filme foi lançado?

por Caio Pimenta

Primeira vitória de Mad Max na noite, superando os figurinos de época de Carol e Garota Dinamarquesa. Um trabalho merecido de Jenny Beavan por reproduzir um mundo apocalíptico sombrio e assustador que gruda na memória principalmente na tela grande.

por Danilo Areosa


CHRIS ROCK

Até o momento Chris Rock tem se mostrado um host bem crítico, mas evitando bater fundo na ferida da polêmica racial. O texto e as piadas são criativas e inteligentes, seguindo a linha fleumática dos britânicos, o famoso tapa de pelica.


MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – ALICIA VIKANDER, POR ‘A GAROTA DINAMARQUESA’

Caio Pimenta: Se Eddie Redmayne é concisão, Alicia Vikander é força em “A Garota Dinamarquesa”. A energia da atriz sueca em cena e a afinidade com o par dela elevam a qualidade da obra feita de maneira certinha demais por Tom Hopper. Consagra um ano ótimo para ela que ainda tem o excelente “Ex-Machina”.


MELHOR ROTEIRO ADAPTADO –  A GRANDE APOSTA

A Grande Aposta realmente era a “aposta” da categoria e faturou merecidamente. O trabalho de Charles Randolph e Adam McKay é hábil por traduzir um assunto complicado como a economia em uma linguagem acessível aos leigos. Méritos da dupla por fazer da adaptação do livro de “A jogada do século“, de Michael Lewis uma das vibes mais cínicas do ano.

por Danilo Areosa


MELHOR ROTEIRO ORIGINAL – SPOTLIGHT – SEGREDOS REVELADOS

Confirmando o favoritismo, Spotlight vence na categoria Roteiro Adaptado. Merecido: além de um forte trabalho de pesquisa necessário para elaborar o roteiro, ele ainda precisa equilibrar muitos personagens e mudanças na trama, e o faz com muita competência. Além da qualidade do texto, essa vitória ainda deixa Spotlight como forte candidato a levar o prêmio de Melhor Filme.

por Ivanildo Pereira 


Oscar 2016: O Mais Amado e Odiado Ganhador do Oscar

AMADO: O PODEROSO CHEFÃO PARTE 2 (1974)

Não apenas a melhor continuação de todos os tempos – um feito impressionante, considerando a qualidade do primeiro – mas também um épico sobre os Estados Unidos, sobre a sua fundação e a sua “essência”, disfarçado dentro do formato de “filme de gângsters”. Coppola e Pacino estão em modo “melhor momento da carreira” e De Niro é sensacional, tão sem medo do peso de Brando quanto o próprio filme não tem medo do seu antecessor. E a trilha sonora… Aquela fotografia… As idas e vindas no tempo que fluem naturalmente… Aquelas cenas: “Eu sei que foi você, Fredo”, o velório de Mama Corleone, a execução de Don Fanucci… Podia ficar o dia inteiro enumerando as qualidades dessa obra-prima, um dos que merece a definição de “perfeito”, em minha opinião, e o melhor de todos os vencedores do Oscar de Melhor Filme até hoje.

ODIADO: CARRUAGENS DE FOGO (1981)

Sim, a música ficou famosa e virou hino das Olimpíadas. Mas fora isso, não consigo ver nada de maior destaque em Carruagens de Fogo, e olha que eu já o assisti três vezes sem sentir qualquer emoção. Para mim, só consegue ser tedioso e meio ufanista, apelando para a pior e mais famosa característica inglesa, a frieza das emoções. É um filme de esporte no qual eles te dizem de cara como a história vai terminar e no qual você não realmente torce para ninguém. Só agrada mesmo a quem é fanático por esporte e quem gosta de muitas cenas em câmera-lenta: o típico “filme de prestígio” que não fede nem cheira e poucos anos depois cai no esquecimento (de novo, exceto pela trilha sonora). E ainda roubou o Oscar de Melhor Filme do verdadeiro merecedor daquele ano, Os Caçadores da Arca Perdida de Steven Spielberg, simplesmente o melhor filme de aventura da história do cinema.

por Ivanildo Pereira


Cobertura Cine Set Oscar 2016

VAI COMEÇAR A CERIMÔNIA!

BOM OSCAR 2016 PARA NÓS!


OSCAR DO ALÍVIO – KATE WINSLET


TAPETE VERMELHO DO OSCAR 2016

Charlize Theron, Leonardo DiCaprio e Isla Fisher


Oscar 2016: O Mais Amado e Odiado Ganhador do Oscar

Mais amado: “Se Meu Apartamento Falasse”, de Billy Wilder

Quase, quase coloquei “O Poderoso Chefão” (que acredito ser a obra-prima definitiva do cinema norte-americano), mas resolvi lembrar desse petardo de Billy Wilder, um pequeno gigante da telona. É uma vitória tão merecida que até dá para perdoar (só que não, claro) a Academia por não ter colocado “Psicose” entre os finalistas. Capitaneado por duas doces atuações de Jack Lemmon e Shirley MacLaine e pelo melancólico roteiro do próprio Wilder, “Se Meu Apartamento Falasse” é uma raridade entre os vencedores de melhor filme: intimista, porém complexo e denso, porém cheio de graça.

Mais odiado: “O Discurso do Rei”, de Tom Hooper

Esse é um caso engraçado. Gostei quando assisti, mas, quanto mais o tempo passa e a cada filme novo que Tom Hooper entrega, mais raiva tenho de ver que esse “nada demais” foi o eleito em uma das listas mais interessantes que a Academia fez na categoria de Melhor Filme, com direito a “A Rede Social”, “Cisne Negro”, “A Origem”, “Bravura Indômita” e o lindo “Toy Story 3”. Junta-se a isso o fato de que Hooper e seus closes estranhíssimos conseguiram ainda conquistar o prêmio de melhor direção e temos um dos combos mais tristes do Oscar nos últimos anos.

por Camila Henriques



CURIOSIDADES DO OSCAR

A Itália é o país que ainda domina a categoria Melhor Filme Estrangeiro, com 11 (onze) filmes premiados.

Se o Oscar controla  o tempo de discurso atualmente, ele tem seus motivos: a atriz Greer Garson levou sete minutos para agradecer a todos pelo prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante em 1934.

Até hoje apenas quatro mulheres concorreram ao Oscar de direção e Kathryn Bigelow por Guerra ao Terror (2009) foi a única vencedora. Naquele ano, ela bateu seu ex-marido James Cameron que concorria por Avatar.



TAPETE VERMELHO DO OSCAR 2016

Rachel McAdams, Cate Blanchett e Julianne Moore



ANDRÉ MAUÉS É O NOVO INTEGRANTE DO CINE SET

Hoje, na noite do Oscar 2016, o Cine Set apresenta seu novo integrante. O administrador André Maués foi o fundador da Rede de Cinéfilos Manauaras, grupo de Facebook dedicado à discussão sobre cinema. Ele fará parte da equipe do site e vai estrear como crítico ainda esta semana.


SORTEIO – SUPER PRÊMIO

O Cine Set resolveu dar um baita prêmio para quem acompanhar o Oscar 2016 com a gente.

O sorteio deste ano será a edição do aniversário de 40 anos de “O Poderoso Chefão” em Blu-Ray!

São quatro discos: três com os filmes da trilogia (todos com comentários do diretor), e um disco especial com quase 5 horas de extras incríveis, incluindo bastidores, cenas excluídas, conversa com Coppola, um minidocumentário sobre o processo de restauração dos filmes e muito mais! O presente ainda vem com uma cópia do roteiro usado das filmagens de ‘O Poderoso Chefão’ com anotações do diretor, pôster com a árvore genealógica da Família Corleone e 8 cards com fotos colecionáveis.

COMO PARTICIPAR:

O sorteio do Cine Set para premiar os leitores será da seguinte maneira:

– faça um comentário na cobertura em tempo real do site do Cine Set sobre o que você mais gosta do Oscar;

– o Cine Set vai enumerar uma lista dos leitores a partir do horário da postagem dos comentários (quem comentou às 19h31 será o número 1, às 19h32, o número 2 e assim sucessivamente);

–  às 0h00 (hora de Brasília) fechamos a lista e divulgamos a numeração do sorteio no post da cobertura do Oscar;

– em seguida, faremos um sorteio através do Sorteador.com.br e anunciamos o vencedor.

Salientamos que uma pessoa só pode concorrer uma vez. Mesmo que ela envie vários comentários somente contará para a realização do sorteio, a primeira postagem.

BOA SORTE!



ACADEMIA DIVULGA A ORDEM DE ENTREGA DAS ESTATUETAS

1) Roteiro Original 2) Roteiro Adaptado 3) Atriz Coadjuvante 4) Figurino + 5) Design de Produção 6) Maquiagem 7) Fotografia 8) Montagem 9) Edição de Som 10) Som 11) Efeitos Visuais 12) Curta Animação 13) Animação + 14) Ator Coadjuvante 15) Curta Documentário 16) Documentário 17) Curta Live Action 18) Filme Estrangeiro 19) Canção Original + 20) Trilha Sonora 21) Direção 22) Atriz 23) Ator 24) Filme


CURIOSIDADES DO OSCAR

  • Na categoria de melhor filme, os recordistas em indicações são Titanic (1997) com 14 (quatorze), Ben-Hur (1959) com 12 (doze) e o Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003) com 11 (onze). Os três filmes também são os recordistas de prêmios, cada um faturando 11 (onze) estatuetas. Se analisarmos pelo rendimento e média, o filme de Peter Jackson leva a melhor porque ganhou os 11 (onze) prêmios aos quais concorreu, 100% de aproveitamento.
  • No quesito filmes, os maiores azarados são Momento de Decisão (1977) e A Cor Púrpura (1985), cada um com  11 (onze) indicações, mas saíram sem qualquer troféu da premiação.
  • A produção mais longa da história a levar o Oscar é “Guerra e Paz” (1968), premiado na categoria Melhor Filme Estrangeiro. A produção tem mais de sete horas de duração.

Oscar 2016: O Mais Amado e Odiado Ganhador do Oscar

O Mais Amado: “O silêncio dos inocentes” (1991)

“O silêncio dos inocentes” apresenta como poucos filmes o equilíbrio entre a qualidade artística fílmica e a acessibilidade ao público em geral, podendo ser igualmente apreciado por um espectador que quer apenas ver “um filme legal” e por um cinéfilo exigente. Expressa também um caso em que reações exageradas da Academia  perante uma obra são justificadas, uma vez que ele ganhou, merecidamente, os prêmios principais de Melhor Filme, Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Adaptado, tudo isso num ano de bons concorrentes nas categorias citadas, tais como “JFK” e “Tomates verdes fritos”. Dentre as categorias dos atores, nada menos que Robert De Niro (com “Cabo do Medo”) e a dobradinha Susan Sarandon e Geena Davis (com “Thelma e Louise”) estavam na disputa.

O Mais Odiado: “O Discurso do Rei” (2010)

Se há uma coisa mais frustrante que ver um filme mediano levando um pretenso prêmio de melhor do ano, é perceber facilmente que todos os concorrentes dele eram melhores. Foi justamente o que aconteceu em 2010, quando “O discurso do rei” saiu à frente de nada menos que “127 horas”, “Cisne Negro”, “A Origem” e “A rede social”. Avaliando em retrospecto, essa escolha foi ainda mais negativa que a de 2005, quando a obra-prima “Brokeback Mountain” foi preterida e o regular “Crash” ganhou a estatueta. Foi também uma escolha mais equivocada que a do Oscar 1998, quando “Shakespeare apaixonado” ganhou no lugar de “Elizabeth”, “O resgate do Soldado Ryan” ou “Além da linha vermelha”.

por Susy Freitas



TAPETE VERMELHO – OSCAR 2016
Rooney Mara, Brie Larson e Margot Robbie


MAIS CURIOSIDADES

Você sabia que o primeiro ator a ganhar o Oscar foi Emil Jannings? Ele concorreu por dois filmes mudos: “The Last Command” (1928) e por “The Way of All Flesh” (1927). A vitória do ator é marcada por lendas. A primeira é que não existem mais cópias do “The Way of All Flesh”, e o filme se perdeu para sempre. A outra é que neste ano o famoso pastor alemão Rin Tin Tin recebeu o maior número de votos para a categoria, porém a Academia que não queria entregar o seu primeiro prêmio para um cachorro reformulou os votos para garantir a vitória do ator. Para fechar as esquisitices, Jannings que é alemão, depois de ganhar o Oscar, retornou para o seu país de origem e fez diversos filmes de propaganda nazista.

Só dois atores ganharam o Oscar por interpretar o mesmo personagem, no caso Marlon Brando e Robert De Niro, pelo papel de Vito Corleone. Stallone pode deixar marca parecida caso ganhe na categoria de Coadjuvante, interpretando Rocky Balboa, 40 anos depois de ser indicado pelo mesmo papel em 1976.

O querido Woody Allen na categoria de roteiro é o recordista com 16 (dezesseis) indicações e faturou a estatueta apenas 3 (três) vezes. Contando como diretor e produtor, o artista já coleciona 24 indicações.



O GANHADOR MAIS AMADO E ODIADO DO OSCAR

O Mais Amado: “O Poderoso Chefão” (1972)

Sinceramente um dos meus maiores conflitos como cinéfilo é ter que decidir qual filme da saga da família Corleone é o melhor: O primeiro ou segundo? Gosto de ambos com a mesma intensidade, mas para desempatar, o carinho que tenho pelo original fala mais alto. Lembro-me do impacto que tive em um dos momentos iniciais: a junção nada provável de um cavalo e uma cama numa mesma cena. A partir dela, Coppola desconstrói a America de sonhos e ideais – Eu acredito na América é a frase que abre o filme – mostrando a sua verdadeira “face” formada pelas relações de poder e da violência, que tem a unidade familiar como laço sanguíneo sagrado. Tanto Coppola como o filme, te oferecem uma experiência cinematográfica impossível de ser recusada.

O Mais Odiado: “O Discurso do Rei” (2010)

Meu coração cinéfilo possui diversas camadas de ódio (entenda filmes que abomino) em relação alguns vencedores do Oscar: Shakespeare Apaixonado, Chicago e Paciente Inglês são alguns exemplos de obras entediantes. O problema é que quando se coloca na balança e compara-se com os indicados dos respectivos anos em que concorreram, percebem-se trabalhos no mesmo naipe ou piores. O que não é o caso do Discurso do Rei, vencedor em 2010 que tinha vários concorrentes mil vezes melhores como Cisne Negro, A Rede Social, O Vencedor, Toy Story 3 e Bravura Indômita. Mas a Academia quis premiar o soporífero e superficial filme de Tom Hooper, uma obra quadrada e convencional.

por Danilo Areosa


MAIS RECORDES

Na categoria atriz, Meryl Streep é a recordista de indicação com 16 (dezesseis), enquanto Katherine Hepburn é a que mais ganhou estatuetas, 4 (quatro) ao todo.

No masculino, Jack Nicholson lidera como 12 (doze) indicações, seguido de perto por Sir. Laurence Olivier (10 Indicações) e Spencer Tracy (9 indicações). Jack junto com Daniel Day-Lewis são os atores que mais ganharam a estatueta com 3 (três) ao todo, a diferença é que Nicholson ganhou uma delas como coadjuvante por Laços de Ternura enquanto Daniel ganhou todas como ator principal.

Peter O’Toole neste quesito de atuação é considerado o mais azarado: Foi indicado e não ganhou nenhuma vez. A Academia acabou reconhecendo o seu talento com um Oscar Honorário em 2002 pela sua carreira.  Pior que ele, só o fotógrafo Roger Deakins que concorreu 13 (treze) vezes e nunca ganhou na sua categoria.

Walt Disney ainda é o maior vencedor do Oscar: levou 26 estatuetas para casa, além da proeza de ser indicado por 22 anos consecutivos ao prêmio. Será difícil alguém bater esta estatística.


TAPETE VERMELHO – OSCAR 2016

Olivia Wilde, Eddie Redmayne e Sophie Turner

OSCAR DO ALÍVIO – MARTIN SCORSESE


OS RECORDES DE STEVEN SPIELBERG E JENNIFER LAWRENCE

Com Ponte dos Espiões, Spielberg recebeu sua nona indicação como produtor – na categoria Melhor Filme, é o produtor que é indicado. E de todas essas indicações, só a de 2006, pelo filme Cartas de Iwo Jima, foi por um filme que ele não dirigiu.

Com 25 anos, a atriz já foi indicada ao Oscar por Inverno da Alma (2010); O Lado Bom da Vida (2012), pelo qual venceu; Trapaça (2013) e Joy: O Nome do Sucesso, desta edição.


TAPETE VERMELHO – OSCAR 2016
Jacob Tremblay, Saoirse Ronan e Sam Smith


CURIOSIDADES DO OSCAR

  • Cineastas como Stanley Kubrick, Charles Chaplin, Orson Welles, Jean Luc-Godard e Alfred Hitchcock nunca levaram a estatueta para casa. Pelo menos o mestre do cinema francês François Truffaut ganhou o Oscar de Filme Estrangeiro por Noite Americana em 74, ano que também concorreu à direção, mas perdeu.
  • Você sabe de onde surgiu o nome do prêmio, o Oscar? Reza a lenda que o apelido surgiu quando Margaret Herrick, a bibliotecária da Academia, disse que a estatueta parecia o seu tio Oscar.
  • A primeira cerimônia do Oscar aconteceu em 16 de maio de 1929 e durou apenas 15 minutos. Na verdade, os vencedores já eram conhecidos há três meses e a noite marcou apenas a entrega dos prêmios.

TAPETE VERMELHO DO OSCAR 2016
Daisy Ridley, Alicia Vikander e Sophia Vergara


SORTEIO – SUPER PRÊMIO

O Cine Set resolveu dar um baita prêmio para quem acompanhar o Oscar 2016 com a gente.

O sorteio deste ano será a edição do aniversário de 40 anos de “O Poderoso Chefão” em Blu-Ray!

São quatro discos: três com os filmes da trilogia (todos com comentários do diretor), e um disco especial com quase 5 horas de extras incríveis, incluindo bastidores, cenas excluídas, conversa com Coppola, um minidocumentário sobre o processo de restauração dos filmes e muito mais! O presente ainda vem com uma cópia do roteiro usado das filmagens de ‘O Poderoso Chefão’ com anotações do diretor, pôster com a árvore genealógica da Família Corleone e 8 cards com fotos colecionáveis.

COMO PARTICIPAR:

O sorteio do Cine Set para premiar os leitores será da seguinte maneira:

– faça um comentário na cobertura em tempo real do site do Cine Set sobre o que você mais gosta do Oscar;

– o Cine Set vai enumerar uma lista dos leitores a partir do horário da postagem dos comentários (quem comentou às 19h31 será o número 1, às 19h32, o número 2 e assim sucessivamente);

–  às 0h00 (hora de Brasília) fechamos a lista e divulgamos a numeração do sorteio no post da cobertura do Oscar;

– em seguida, faremos um sorteio através do Sorteador.com.br e anunciamos o vencedor.

Salientamos que uma pessoa só pode concorrer uma vez. Mesmo que ela envie vários comentários somente contará para a realização do sorteio, a primeira postagem.

BOA SORTE!



Oscar do Alívio

Al Pacino vence em 1993 por “Perfume de Mulher” após um carreira marcante com filmes como “O Poderoso Chefão – Parte I e II”, “Scarface” e “Um Dia de Cão”.

—————————————————————————————————————————————————


STALLONE – RECORDES E CLUBE ILUSTRE 

O ator foi novamente indicado ao Oscar pelo papel de Rocky Balboa 39 anos depois da sua primeira indicação pelo longa original de 1976. Bateu o recorde de mais longo intervalo entre nomeações pelo mesmo personagem, que pertencia a Paul Newman.

Ele foi indicado (e venceu) o Oscar pelo papel de Fast Eddie Felson, jogador de sinuca e trapaceiro, por A Cor do Dinheiro. O filme era a continuação de Desafio à Corrupção de 1961 – ou seja, Newman foi indicado pelo mesmo personagem 25 anos depois.

O ator de Rocky se junta ao clube dos atores que receberam duas indicações para o Oscar pelo mesmo personagem. E o clube é ilustre: Bing Crosby, indicado pelo papel de Padre O’Malley em O Bom Pastor (1944) e Os Sinos de Santa Maria (1945); Peter O’Toole, que viveu o rei Henrique II em Becket, o Favorito do Rei (1964) e O Leão no Inverno (1968); Paul Newman, que interpretou o jogador de sinuca “Fast” Eddie Felson em Desafio à Corrupção (1961) e A Cor do Dinheiro (1986); Al Pacino, duplamente indicado por suas atuações como Michael Corleone em O Poderoso Chefão (1972) e O Poderoso Chefão: Parte 2 (1974); e Cate Blanchett, duas vezes indicada por viver a rainha Elizabeth I em Elizabeth (1998) e Elizabeth: A Era de Ouro (2007).


Indicados a Melhor Filme nos Cinemas de Manaus

2016 foi um ano melhor para os cinemas de Manaus em relação aos filmes do Oscar. Exceto por “O Quarto de Jack”, todos os outros sete indicados foram lançados na capital.

Contribuiu para o fato ser um ano com dois blockbusters (“Mad Max” e “Perdido em Marte”), produções com grandes estrelas de Hollywood (“O Regresso’’ com Leonardo DiCaprio, “Ponte dos Espiões” com Tom Hanks e “A Grande Aposta” com Christian Bale e Brad Pitt).

Veja a lista dos últimos anos com a vindas e ausências do Oscar nos cinemas de Manaus (inclui até a cerimônia do Oscar):

2005
Sem exibição em Manaus: Sideways
Exibidos em Manaus: Menina de OuroO AviadorRay e Em Busca da Terra do Nunca

2006
Sem exibição em Manaus: nenhum
Exibidos em Manaus: CrashBoa Noite e Boa SorteMuniqueO Segredo de Brokeback Mountain eCapote

2007
Sem exibição em Manaus: Pequena Miss Sunshine
Exibidos em Manaus: Os InfiltradosBabelCartas de Iwo Jima e A Rainha

2008
Sem exibição em Manaus: nenhum
Exibidos em Manaus: Onde os Fracos Não Têm VezSangue NegroDesejo e ReparaçãoConduta de Risco e Juno

2009
Sem exibição em Manaus: Frost/Nixon
Exibidos em Manaus: Quem Quer Ser Um Milionário?O Curioso Caso de Benjamin ButtonO Leitor eMilk

2010 (mudança para 10 indicados)
Sem exibição em Manaus:
 Educação e Um Homem Sério
Exibidos em Manaus: Guerra ao TerrorAvatarDistrito 9PreciosaUm Sonho PossívelUp – Altas AventurasAmor Sem Escalas e Bastardos Inglórios

2011
Sem exibição em Manaus: Inverno da Alma* e Minhas Mães e Meu Pai
Exibidos em Manaus: O Discurso do ReiA Rede SocialA OrigemToy Story 3Cisne NegroO Vencedor,127 Horas e Bravura Indômita

2012
Sem exibição em Manaus:
 O Homem Que Mudou o Jogo
Exibidos em Manaus: O ArtistaA Árvore da VidaA Invenção de Hugo CabretMeia-Noite em Paris,Cavalo de GuerraHistórias CruzadasOs Descendentes e Tão Perto, Tão Forte

2013
Sem exibição em Manaus: ArgoA Hora Mais Escura e Indomável Sonhadora
Exibidos em Manaus: Django LivreAmorO Lado Bom da VidaOs MiseráveisAs Aventuras de Pi eLincoln

2014
Sem exibição em Manaus: NebraskaEla e Philomena
Exibidos em Manaus12 Anos de EscravidãoO Lobo de Wall StreetGravidadeTrapaçaCapitão PhillipsClube de Compras Dallas

2015
Sem exibição em Manaus já lançados no Brasil: BoyhoodO Grande Hotel Budapeste, Selma
Exibido em Manaus: O Jogo da Imitação, WhiplashSniper Americano, A Teoria de Tudo e Birdman

2016

Sem exibição em Manaus já lançados no Brasil: O Quarto de Jack
Exibidos em Manaus: Mad Max – Estrada da Fúria, Perdido em Marte, A Grande Aposta, Spoltight – Segredos Revelados, Brooklyn, Ponte dos Espiões e O Regresso


Leia as críticas do Cine Set dos Indicados a Melhor Filme:

‘Brooklyn’: romance com cara de Oscar

‘Perdido em Marte’, de Ridley Scott

‘O Regresso’: épico deslumbrante com atuação brilhante de Leonardo DiCaprio

‘Ponte dos Espiões’: um Spielberg quase sóbrio

‘Spotlight’: incomoda por (quase) todos os motivos certos

‘A Grande Aposta’: como resumir a crise econômica de 2008 para leigos

‘Mad Max – Estrada da Fúria’, de George Miller

‘O Quarto de Jack’: a vitória do lúdico sobre o medo


OscarsCOMEÇOU!

Seja bem-vindo! O Oscar 2016 começa no Cine Set!

Agora, vamos até o fim da noite trazendo muitos comentários e informações sobre o Oscar!

———————————————————————————————————————————————————

oscar-challenge-2014-vencedores

Não Perca!

A transmissão em tempo real do Cine Set do Oscar 2016 começa a partir das 20h30 (hora de Brasília), neste domingo (28)!

Informações, opiniões, sorteios de prêmios, novos integrantes e muito mais!

Cine Set – Tudo sobre o Oscar!

Facebook Comments