Conhecido mundialmente e extremamente popular na América Latina, Walter Mercado tornou-se uma das celebridades mais amadas do Brasil no final do século passado. Porto-riquenho, Walter enrolava um “portunhol” que tornou possível o bordão “ligue djá”, tão icônico para os brasileiros que também ganhou espaço no título nacional de seu documentário na Netflix. ‘Ligue Djá: O Lendário Walter Mercado’. Além documentar a vida do astrólogo, a obra também é uma bela e respeitosa homenagem sem deixar esquecer o legado de sua vida e carreira. 

Logo em sua sinopse, o filme aponta para o mistério do porquê Walter teria sumido dos holofotes no ápice de sua carreira. Particularmente eu não gosto desse tipo de abordagem que remete muito ao fervor americano por mistérios e crimes sem solução. Aqui, felizmente, o questionamento só é protagonista nos primeiros minutos do longa, enquanto Mercado se torna a figura central logo em seguida, sendo acompanhado pela equipe de produção após tantos anos longe das câmeras. 

Benefícios e esforços da produção 

Seja nos depoimentos alheios ou pessoais de Walter Mercado, é possível notar o direcionamento respeitoso com o qual a produção trata seu protagonista, o que ocorre em todo longa. Para além das imagens de apoio e depoimentos, as animações são um grande elemento para dinamizar sua narrativa. A história do astrólogo sendo relacionada com cartas de tarô, inclusive, é um dos ápices da semiótica para quem conhece e acredita nas cartas. 

Além dos esforços para conseguir imagens antigas do astro e depoimentos de pessoas próximas e relevantes, ‘Ligue Djá’ ainda consegue guardar dois acontecimentos importantes para o final do longa. Em seu último ato, a dupla de diretores Cristina Constantini e Kareem Tabsch tira da manga um encontro do astrólogo com o ator Lin-Manuel Miranda e uma exposição em Miami sobre Mercado. A exclusividade desses acontecimentos é notoriamente bem aproveitada pela produção.. 

Polêmicas e representatividade 

Desde ‘The Crown’ eu acredito firmemente que a Netflix tem um grande receio em se comprometer com celebridades ao abordar certos assuntos. Talvez por isso eu não tenha estranhado tanto a quase ausência de algumas polêmicas sobre Mercado, porém, ainda assim é muito fácil de notar que alguns temas são passados rapidamente na produção. 

Tanto sua disputa judicial com o ex-agente quanto o debate sobre um possível oportunismo de Mercado são tema abordados superficialmente quando aparecem em cena. Apesar desta questionável omissão, entendo o ponto de vista respeitoso do longa em focar no legado positivo de Walter Mercado e, eventualmente, perguntar sobre essas situações mais embaraçosas que, pelo menos, são respondidas pelo próprio astrólogo.    

Por outro lado, o debate sobre sua sexualidade é abordado de forma ampla durante todo o longa, sendo uma ótima escolha. Além de reforçar o comprometimento com a homenagem a Mercado, isso também apresenta um tema facilmente relacionável para o público consumidor do streaming. O importante aqui é como os diretores evidenciam o que Walter representava e representa até hoje para a comunidade queer e de que forma um porto-riquenho de aparência andrógina e sexualidade questionada era aceito e amado por tantas pessoas. 

Com o objetivo de ser um dossiê (quase) completo sobre a vida do astrólogo, ‘Ligue Djá: O Lendário Walter Mercado’ deixa surgir muitas dúvidas sobre o protagonista e, principalmente, sobre suas polêmicas. Entretanto, mesmo sem acertar em tudo, o longa é uma bela homenagem ao astrólogo, utilizando a história de Walter Mercado para abordar temas como questões de gênero e representatividade latino-americana. E o melhor de tudo isso é que a narrativa exala um desfecho com muito, muito amor. 

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...