Fundada em 2004 pelo cineasta americano Steven Richter e pela jornalista brasileira Flávia Rocha, a Academia Internacional de Cinema (AIC) inaugura nesta terça-feira, dia 2 de março, sua primeira unidade no Rio de Janeiro, com direito a circuito de palestras e presença de importantes figuras do cinema nacional e internacional. “Estamos muito animados! Quando se pensa em cinema e em Brasil, não há como não se falar em Rio de Janeiro”, comentou Steven.

De 2 a 6 de março, a nova sede da AIC será palco da Semana de Orientação, evento que tradicionalmente abre o ano letivo da Academia, e nesta edição acontecerá simultaneamente no Rio e em São Paulo. Entre os convidados estão a diretora de arte Brigitte Broch (ganhadora do Oscar de melhor desenho de produção por Moulin Rouge), a atriz argentina Inés Efron (Medianeras), a cineasta Lúcia Murat (Brava gente brasileira), a ilustradora Rosana Urbes (vencedora do Anima Mundi com Guida, além de trabalhos em filmes da Disney) e do crítico de cinema André Miranda (O Globo).

Reconhecida por sua excelência – mais de 2000 filmes produzidos por seus alunos em 10 anos de existência –, a Academia Internacional de Cinema possui programas exclusivos que combinam teoria sólida com prática intensiva.  “Quando nós criamos a AIC, não havia nada parecido no Brasil. As universidades ensinavam muita teoria, então faltava um curso que priorizasse a prática, já que existia essa demanda”, explicou Flávia.

Localizado em um casarão histórico no bairro de Botafogo, o espaço conta com salas de aula, ilhas de edição, estúdio de iluminação, pátio, café, e um jardim suspenso com vista para o Corcovado – no qual também é possível improvisar sessões ao ar livre.  A idéia é torná-lo um centro de debate contemporâneo no campo das artes, um pouco do que a Escola de Artes Visuais do Parque Lage já faz, porém mais especializado e com foco em cinema e TV.

Ao longo do ano serão ofertados mais de 30 cursos (de formação livre, intensivos de férias, oficinas especializadas, e o técnico, com duração de dois anos), os quais abrangem toda a cadeia produtiva do audiovisual, da idéia à distribuição. “A demanda é grande, há espaços para vários perfis. Nós estamos apenas abrindo uma nova janela para ensino de cinema na cidade”, concluíram.

por Thayz Guimarães
do site Filme B

Facebook Comments