Durante a coletiva de imprensa realizada após a exibição de seu novo longa, “Wonderstruck”, na manhã desta quinta-feira (17), o cineasta Todd Haynes deu seus dois tostões sobre a grande polêmica envolvendo os serviços de streaming que tem dado o que falar no evento francês.

Perguntado se vê o avanço de iniciativas como o Netflix como negativa para a indústria do cinema, Haynes fez uma crítica velada ao serviço ,enquanto defendeu o rival Amazon Studios, braço da gigante do varejo online que produziu “Wonderstruck”.

“Eu acho que essa visão [negativa] não parece incluir o Amazon Studios na discussão. Quero dizer, a divisão de filmes da Amazon é composta por cineastas verdadeiros que amam filmes e realmente querem proporcionar uma oportunidade para visões independentes acharem sua base e sua expressão num mercado radicalmente mudado”, explicou o realizador.

Segundo ele, a produtora lhe permitiu rodar o filme todo em película. “Nós, inclusive, pudemos rodar em formato widescreen, o que eu não pude fazer desde “Não Estou Lá” [de 2007]. [Meu filme] é uma grande homenagem ao próprio cinema […]. Ele sempre foi sobre a experiência de ver algo na tela grande e eu acho que isso é algo com o qual a Amazon está tão comprometida quanto nós estamos”, defendeu Haynes.

Ao contrário da Netflix, que não tem planos de lançar seus dois longas em competição no Festival de Cannes no cinema, o que gerou uma dura resposta negativa da organização do evento e dos membros do júri, a Amazon pretende lançar “Wonderstruck” nos cinemas americanos em circuito limitado em outubro deste ano, seguido de um amplo lançamento no mês seguinte.

Descontração

Durante a entrevista, os realizadores se mostraram bastante desenvoltos e descontraídos falando sobre o longa. Brian Selznick, autor do roteiro e do livro que serviu de base para o mesmo, comentou que pediu conselhos para o roteirista John Logan na hora de adaptar a sua obra para o cinema, porque ele nunca tinha feito isso antes. “Eu o escrevi em segredo durante à noite. Eu não contei a ninguém. E quando ficou pronto, eu o entreguei a Sandy [Powell, produtora]”, explicou.

O projeto marca a quarta parceria entre Julianne Moore e Todd Haynes, que já haviam trabalhados juntos em Safe, Longe do Paraíso e Não Estou Lá. Perguntada sobre como a relação deles evoluiu com o tempo, a atriz disparou: “Ele é muito mais malvado”, antes de completar chamando-o de gênio. “Nós éramos muito mais jovens quando fizemos Safe, mas eu estava impactado por essa sensação de ter encontrado uma alma gêmea”, comentou Haynes.

No entanto, quem roubou a cena foi o ator mirim Jaden Michael que, além de confessar não ter visto Wonderstruck todo, levou os presentes às gargalhadas quando lembrou como foi conhecer Todd. “Eu assisti Carol e eu pensei: ‘Nossa, isso é muito legal’. Aí eu vi foto [do Todd] e pensei: ‘Ele parece legal’. E aqui estou. Uau”, resumiu.

» Cine Set em Cannes: acompanhe nossa cobertura do Festival de Cannes 2017

Facebook Comments