“Você está obviamente no lugar errado”. Esta frase aparece em um letreiro neon em certo momento de “A Lenda de Candyman”. Pode até parecer um mero detalhe da direção de arte, mas, sem sobra de dúvidas, resume bem a mensagem que a diretora e roteirista Nia DaCosta quer passar na nova sequência do espírito assassino Candyman.

O filme de terror foca sua narrativa em Anthony (Yahya Abdul-Mateen II), um artista visual que está buscando inspiração para seu próximo trabalho, e sua esposa Brianna (Tenoyah Paris) que trabalha em curadoria de exposições de arte.

Ambos são negros que moram em apartamentos de luxo, no bairro Cabrini Green, em Chicago, construídos em lugares que já tinham sido habitações sociais. O que reforça a ideia de “lugares errados” apresentada no início deste texto.

Nessa busca de inspiração, Anthony conhece um antigo morador das habitações que apresenta a trágica histórica de Candyman. Uma assombração que é invocada após ter seu nome repetido cinco vezes na frente de um espelho.

É bem claro que a nova versão não se distancia da estrutura do original de 1992, trazendo vários elementos e até cenas que homenageiam o primeiro filme. Mas, o espectador desavisado não será prejudicado, pois Nia DaCosta foi bastante feliz ao inserir a técnica de teatro de sombras para recontar a lenda presente no clássico, trazendo dinamicidade para o ritmo da narrativa.

SUSTOS LONGE DO ÓBVIO

Fascinado pela lenda, Anthony começa a explorar os detalhes macabros em suas pinturas, sem perceber que estava abrindo a porta para um passado complexo capaz de destruir sua sanidade mental e desencadear um terrível onda de violência ao seu redor.

O roteiro co-escrito por Nia DaCosta e Jordan Peele (“Nós”) evidencia ainda mais o cenário perturbador que Anthony está inserido. A cada sequência, vemos o artista aos poucos perdendo a noção do que é real. Ao mesmo tempo em que Candyman comete cada vez mais crimes. Aliás, as cenas em que o espírito assassino aparece ressaltam a qualidade de um belo horror técnico.

Os planos de “A Lenda de Candyman” nunca partem do óbvio. A limitação da invocação do espírito por espelhos permite que a direção de fotografia entregue tomadas bastante criativas. Vemos a morte de personagens refletida em espelhos de maquiagem, janelas e até em elementos que comunicam a presença da assombração.

Talvez o ponto negativo do filme seja o tímido design de som que não atinge o nível necessário para construir um ritmo que a narrativa necessita. Um personagem, por exemplo, é totalmente coberto por abelhas e, mesmo assim, não é possível nem ouvir o barulho causado pelos insetos, reduzindo o potencial perturbador do momento.

ECOS DE BLACK LIVES MATTER 

A intenção que Nia DaCosta em revisitar um cult do horror é muito bem-vinda no contexto atual. Durante todo o filme, é possível analisar que a maioria das mortes ocorridas na trama traz sempre um negro presente. Anthony, Candyman e os demais personagens negros encarnam o famoso e infeliz chavão de estar no lugar errado e na hora errado.

Isso remete aos inúmeros casos em que a população negra esteve presente em determinadas situações, sendo vista como culpada por crimes que nunca cometeram. Com isso, as mortes pelo “reflexo” ganham novos significados se analisadas pela visão distorcida de que nem sempre o que vemos é, de fato, o que está acontecendo.

Nia DaCosta levanta a questão de uma sociedade racista que impõe uma interpretação superficial do que vê, sem se preocupar em olhar atentamente ao redor. E por acreditar em seus pré-julgamentos isso como justificativa para proferir atos de extrema violência racial.

“A Lenda de Candyman” se aventura por caminho semelhante a “Corra” ao tecer um brado por justiça que a população negra ecoa há bastante tempo. Um apelo para o fim da violência policial e que todos possam estar cientes de que vidas negras importam.

‘Ela e Eu’: Andréa Beltrão domina melodrama sobre recomeço

Mãe e filha. 20 anos de convivência emocional e de ausência física. Reconfigurando afetos, Gustavo Rosa de Moura traz aos cinemas em “Ela e Eu” uma história forte, importante e comovente sobre novas e velhas formas de amar com Andrea Beltrão fazendo uma personagem do...

‘Tinnitus’: angustiante e ótimo body horror brasileiro

Uma atleta de saltos ornamentais em apuros guia a trama de "Tinnitus", novo filme do paulista Gregorio Graziosi (“Obra”) que teve estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Ancorado na sólida performance da atriz Joana de Verona, o...

‘Aos Nossos Filhos’: Marieta Severo brilha em drama de tom solene

Vera (Marieta Severo) está em um embate terrível com a filha Tânia (Laura Castro). A jovem, lésbica e casada, que quer a aprovação da matriarca para ser mãe, mas não vê forma de superar os próprios traumas e o dissabor da relação com a personagem de Marieta, uma...

‘O Palestrante’: Porchat aposta no seguro em comédia morna

Guilherme (Fábio Porchat) é um contador frustrado que perdeu o tesão na vida. Seu chefe é um babaca, a esposa o humilha e o sujeito simplesmente desliza pelos dias no piloto automático. Isto até ser confundido com um palestrante motivacional e se apaixonar por Denise...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘Close’, Lukas Dhont

As dores de amadurecimento dão o tom de "Close", novo filme de Lukas Dhont que estreou em Cannes - onde dividiu o Grand Prix com "Both Sides of the Blade", de Claire Denis - e foi exibido no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary. O drama confirma o diretor...

‘Il Buco’: um olhar contemplativo para uma Itália pouco explorada

Consigo imaginar vários filmes ambientados em cavernas. Desde ficções científicas a fantasias até true crimes, esse parece ser um ótimo cenário para criar dramaticidade, viver aventuras e encontrar novos mundos; no entanto, nenhum desses caminhos se assemelha ao que...

Festival de Karlovy Vary 2022: ‘The Eight Mountains’, de Felix van Groeningen e Charlotte Vandermeersch

Nos idos dos anos 2000, um jovem resolve ir atrás do companheiro de infância e embarcar em uma terna aventura. Esta é a premissa de "The Eight Mountains", filme que estreou em Cannes - onde dividiu o Prêmio do Júri com "EO", de Jerzy Skolimowski - e foi exibido no...

‘Men’: estarrecedor suspense sobre o poder dos homens

“O mundo é dos homens”. Essa famosa frase não é em vão: o mundo realmente é dos homens. Nas entranhas sociais, os homens mantêm o seu protagonismo. Nas sociedades, o patriarcado e suas ramificações, como machismo, imperam e constituem as normas estabelecidas sob a...

‘Tudo é Possível’: comédia adolescente com a lisura de um filtro do Instagram

Foi sem absolutamente nenhum alarde que "Tudo é Possível" entrou no catálogo do Amazon Prime Video. Despejado com indiferença na plataforma, o filme de Billy Porter (que recentemente pôde ser visto como a fada madrinha na novíssima versão de "Cinderela", também do...

‘Persuasão’: crime contra o legado de Jane Austen

Anacronismos são bem-vindos em adaptações literárias de obras que datam de décadas, as vezes séculos atrás. De “Maria Antonieta”, da Sofia Coppola ao “Emma”, de Autumn de Wilde, podendo ser mais ou menos sutil, mas sempre tendo em mente que é preciso não se perder e...