Após ‘Tudo Bem no Natal Que Vem’ ser a comédia nacional mais comentada na Netflix e ficar semanas em seu Top 10, o streaming lançou ‘Cabras da Peste’ voltado para popularizar a cultura nordestina mundo afora. Estrelado por Edmilson Filho (“Cine Holliúdy”) e Matheus Nachtergaele (“O Auto da Compadecida”), o elenco e o enfoque regional são os principais atrativos do filme já que a própria comédia fica em segundo plano: mesmo arrancando algumas risadas, o longa não consegue divertir como o pretendido e acaba sendo uma paródia brasileira de qualquer filme americano com dois parceiros policiais numa investigação.

A trama começa quando Bruceuilis (Edmilson Filho), um policial do interior do Ceará, perde Celestina, uma cabra considerada patrimônio da cidade, e precisa viajar até São Paulo para resgatar o animal. Nesta primeira parte, ‘Cabras da Peste’ faz a ótima ambientação do Nordeste brasileiro ao escolher não mostrar uma região de mazelas ou dificuldades estereotipadas, mas sim, um interior do Ceará colorido e aconchegante. Apesar de investir pesado nas cores vibrantes, a direção de arte mantém um cenário verossímil e prático para as primeiras sequências de ação no longa.

Na busca por Celestina, Bruceuilis conhece Trindade (Matheus Nachtergaele), um escrivão da polícia que resolve se aventurar em campo para resolver um antigo caso. Esse segundo momento é marcado majoritariamente pelas tentativas de fazer o humor funcionar, o que, mesmo com uma boa dupla de atores, não ocorre. Tanto pela obviedade das piadas, quanto pelo humor mal colocado em momentos importantes para o desenvolvimento da trama, o filme passa a impressão de repetição, de que as cenas e as piadas já foram feitas em outras produções (“Cine Holliúdy”, por exemplo”), sendo o resultado de diversas inspirações do diretor Vitor Brandt disfarçado em uma proposta original.

POUCAS RISADAS

Mesmo sem fazer rir ou possuir uma história surpreendente, ‘Cabras da Peste’ consegue ter boas cenas de ação. Desde a perseguição que abre o longa até o confronto de facções rivais, o nonsense toma conta do projeto, mas, possui um atributo essencial que é definir cada cena de ação com uma ambientação diferente, tornando cada luta única.

Já as piadas mais efetivas não são as detentoras de um amparo visual, e sim as presentes no próprio texto. Exemplo disso é que todos os trocadilhos com nomes são fáceis de serem identificados e se justificam bem como humor

Em linhas gerais, ‘Cabras da Peste’ poderia ser uma grande aposta, mas se torna uma comédia despretensiosa que arranca poucas risadas. Na realidade, a falta de humor, o timing ruim é o principal defeito, pois, mesmo com um roteiro bagunçado, o filme se propõe a ser uma comédia, sendo esperado ao menos que este consiga fazer rir.

‘Censor’: memória como processo de edição e censura

"Censor", longa de estreia de Prano Bailey-Bond, é um terror com completo controle de sua atmosfera feito sob medida para agradar fãs do gênero. O filme, que estreou na seção Meia-Noite do Festival de Sundance e foi exibido na mostra Panorama da Berlinale deste ano, é...

‘Mortal Kombat’: duas horas de praticamente nada

Ah, Hollywood, você não aprende... Não deveria ser tão difícil assim fazer um filme ao menos legal baseado no game Mortal Kombat. Mas pelo visto é. Numa nota pessoal, já joguei algumas versões do game ao longo das décadas, em diferentes plataformas. Mortal Kombat...

‘Passageiro Acidental’: sci-fi vazia por roteiro preguiçoso

Comunidade, sobrevivência e sacrifício. Sobre essas três temáticas orbita a narrativa de “Passageiro Acidental”, novo filme do brasileiro de Joe Penna (“Ártico”) disponível na Netflix. Acompanhamos uma equipe que parte em uma missão de dois anos para Marte; no...

‘What Do We See When We Look at the Sky?’: minúcias da vida levadas à exaustão

O céu, escadas, pontes, um rio, pessoas andando, cachorros e muito, mas muito futebol. Essas são algumas das coisas que os espectadores de "What Do We See When We Look in the Sky?" têm a chance de ver por longos períodos de tempo durante o filme, que estreou na mostra...

‘Petite Maman’: delicado filme adulto sobre a infância

Depois de ganhar fama mundial com seu melhor filme e abandonar publicamente a maior premiação de seu país natal, o que você faria? A diretora francesa Céline Sciamma voltou logo ao trabalho. Ela agora retorna com “Petite Maman”, menos de dois anos depois de seu último...

‘Vozes e Vultos’: Amanda Seyfreid sai de ‘Mank’ para bomba

A Netflix é muito boa em fazer propaganda enganosa... Quem for assistir ao trailer da sua produção "Vozes e Vultos" imagina, logo antes de apertar “play” no filme, que vai ver um terror ou, ao menos, um suspense, algo intenso. Nada mais longe da verdade: o longa...

‘O Homem que Vendeu Sua Pele’: leveza demais faz ficar na superfície bons temas

O maior mérito de O Homem que Vendeu Sua Pele, da cineasta tunisiana Kaouther Ben Hania, é o ato de malabarismo que ele realiza ao longo da sua duração: O filme consegue, ao mesmo tempo, ser uma sátira ao mundo da arte, lançar um olhar tocante sobre o problema dos...

‘Mission Ulja Funk’: aventura infantil defende a ciência e ataca fanatismo religioso

Uma aventura juvenil divertida e necessária contra o fundamentalismo religioso, “Mission Ulja Funk” é uma das surpresas da Berlinale deste ano. A co-produção Alemanha-Luxemburgo-Polônia, exibida na mostra Generation Kplus do evento cinematográfico, tem muito carisma e...

‘Agora Estamos Vivos’: grande vazio emocional e de conceitos

O que você faria se fosse a última pessoa na Terra? É com essa perspectiva que Reed Morano (“The Handmaid’s Tale”) arquiteta seu novo filme: “Agora Estamos Sozinhos”. Disponível no Prime Vídeo, a trama traz um mundo pós-apocalíptico intimista habitado por Peter...

‘Una Escuela en Cerro Hueso’: pequena pérola argentina sobre autismo

Um filme delicado sobre adaptação e superação, “Una Escuela em Cerro Hueso” é um drama argentino que chama a atenção para o autismo sem apelar para reducionismos. Exibido na mostra Generation Kplus do Festival de Berlim deste ano, onde ganhou uma menção especial do...