Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o roteiro, utiliza o universo dos concursos de beleza para contar uma história sobre sonhos, projeções e realizações.

Acompanhamos a jornada de Turquoise para que sua filha Kai Marie (Alexies Chikaeze) se torne Miss Juneteenth. Ela faz vários bicos a fim de oferecer à garota condições ideais para que compita, no entanto, precisa lidar com a malandragem do ex-companheiro (Kendrick Sampson), a hipocrisia da mãe (Lori Hayes) e a própria Kai, que não se sente à vontade para participar do concurso.

Tomando como gancho a relação mãe, filha e concurso de beleza, o roteiro explora com eficácia o aprisionamento a realizações passadas e a dificuldade em seguir em frente. Turquoise foi Miss Juneteenth aos 15 anos e, até o final da trama, essa é sua maior conquista. É compreensível, então, sua busca para dar a Kai o que ela acredita ser uma perspectiva de futuro melhor, contudo, tal objetivo beira a obsessão por algo que ela não tem controle sobre o resultado.

Chega a ser angustiante ver a sua saga para levantar fundos que ofereçam o suporte necessário para que a filha concorra com dignidade e é mais penoso ainda quando todos seus esforços desmoronam por alimentar o sonho sozinha. Neste processo, Beharie toma o filme para si. Seu olhar persistente e a paz que emana em qualquer situação tornam a personagem mais humana, tangível e identificável.

Concurso de Beleza e a discussão do sonho americano

A protagonista enxerga no concurso uma forma de mudar de vida. Muito mais do que uma ode a beleza, há raízes históricas e sociais no Juneteenth. O evento realmente existe, celebra a libertação do regime escravocrata no Texas e oferece a meninas negras a oportunidade de escolherem a universidade que desejam cursar. Dessa forma, o que Turquoise procura não é a coroação dos atributos físicos de sua filha – como ocorre em “Insatiable”, série que usa os concursos de beleza como condutor narrativo -, mas sim vê-la ter as chances que ela não teve por ter engravidado na adolescência e não poder cumprir os compromissos que o concurso lhe exigia.

É curioso como a diretora utiliza essa situação para discutir o sonho americano. A protagonista acredita veementemente que o concurso é a chance de sua filha não seguir seus passos, de dar prosseguimento a própria jornada e alcançar patamares que a mãe não foi capaz. E é sintomático que para isso acontecer seja necessário um investimento exclusivo para pessoas negras. O que diz muito sobre como funciona a estratificação social contemporânea e a importância de haver a política de cotas. Sem entrar no mérito da questão, contudo, tal abordagem entrega a narrativa contornos universais e emergentes.

“Miss Juneteehth” parece ser um filme simples, sem grandes reviravoltas, mas carrega em suas imagens o peso de ser uma mulher negra exemplificado por meio da busca de sonhos, projeções e persistência. O que nos leva a refletir se realmente existe o sonho americano para todo mundo.

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...

‘Memory Box’: experimentalismo fascinante em viagem reveladora ao passado

Com o mundo digital documentando cada passo da vida moderna, o passado está deixando de ser uma coisa difícil de revisitar - ao menos de um ponto de vista prático. Porém, dependendo da vida que você levou, esse processo pode ser doloroso, não importa o meio.  O...

‘A Força da Natureza’: Mel Gibson sofre em filme de ação duro de ver

Mais um dia, mais uma volta ao redor do Sol... E mais um filmeco para se assistir na Netflix. É curioso notar como este A Força da Natureza veio a existir, pois ele explica muito sobre como o cinema funciona hoje, do ponto de vista econômico e industrial. Existe todo...

‘Wheel of Fortune and Fantasy’: Hamaguchi no limite da verborragia

"Wheel of Fortune and Fantasy", novo filme de Ryūsuke Hamaguchi, é feito sob medida para quem gosta de longas cenas de conversa. Agraciado com o Urso de Prata de Grande Prêmio do Júri no Festival de Berlim, o longa encontra seu diretor em modo mais conciso,...

‘Professor Polvo’: imagens deslumbrantes em doc de pequenos excessos

Quando eu era criança e assistia a documentários da natureza com minha família, me lembro de sempre perguntar a meus pais: “como eles filmaram isso?”. A mesma sensação de deslumbramento retornou ao assistir “Professor Polvo”, documentário dirigido por Pippa Ehrlich e...