Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia –  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em obras ficcionais. O filme Judas e o Messias Negro, do diretor Shaka King, estabelece o paralelo religioso ao dramatizar a história de uma grande “traíragem” da vida real. É um filme realmente bom, em alguns momentos muito bom, mas não chega a ser ótimo, principalmente porque o seu Judas, a figura análoga à do traidor, não é tão interessante quanto poderia ou deveria ser.

Estamos em 1969, quando os Estados Unidos pareciam um barril de pólvora prestes a explodir graças aos conflitos raciais. A luta pelos direitos civis dos negros já tinha resultado nos assassinatos de Martin Luther King e Malcolm X. Os Panteras Negras prosseguiam como uma organização considerada perigosa ao stablishment branco. O FBI investigava os Panteras Negras, assim como outras organizações de mobilização social, perseguindo suas lideranças. É nesse contexto que surge Bill O’Neal (interpretado por Lakeith Stanfield), um pequeno criminoso cooptado pelo agente do FBI Mitchell (Jesse Plemons) para se infiltrar no grupo e espionar, especialmente, o jovem líder Fred Hampton (Daniel Kaluuya).

Hampton não era uma liderança comum. Claro, ele denunciava o racismo maior e sistêmico, mas também atacava a polícia – que, como sabemos, era e continua sendo extremamente racista nos EUA – assim como denunciava a pobreza e, seu maior crime, o capitalismo. Hampton também conseguia unir diferentes grupos – e gangues urbanas – em prol de sua coalizão: ele seduzia latinos e até mesmo brancos.  Numa das cenas mais fortes do filme, o vemos falando de igual para igual com brancos racistas do Sul dos EUA e até convencendo-os a se juntar à coalizão. Isso o tornava uma figura muito perigosa, um verdadeiro messias na opinião do diretor do FBI da época, o nefasto J. Edgar Hoover (Martin Sheen).

Kaluuya como Hampton é a grande qualidade do filme. O ator é magnético e intenso no papel, e quando em cena, a câmera o segue e quase nem prestamos atenção nos outros personagens. A única outra figura do filme que consegue se equiparar é a jovem Dominique Fishback como Deborah, que se torna namorada do líder revolucionário. Fishback tem, ao menos, uma grande cena perto do final do filme, e o romance dos dois se torna realmente comovente graças às belas interações entre ela e Kaluuya.

A FALTA DO PROTAGONISTA

 

A direção de King imprime ao longa uma inegável energia, com uma bela fotografia sombria de Sean Bobbitt e uma montagem sempre ágil. Também aparecem imagens de arquivo, obtidas de documentários, notadamente no início e no fim. E há algumas cenas realmente fortes, como a do cerco da polícia à sede dos Panteras Negras, ou quando Hoover pergunta ao agente Mitchell sobre “o que aconteceria se a filhinha dele levasse para casa um homem negro”. Plemons também faz um ótimo trabalho nessa cena, vendendo o constrangimento da situação com suas expressões faciais.

Então qual o problema do longa?

Ora, é o próprio Judas da história. Stanfield faz o que pode com o papel que o roteiro lhe dá, mas seu personagem – que é, de fato, o protagonista da história – nunca é desenvolvido para o espectador. “Judas e o Messias Negro” transcorre e o público não aprende quase nada sobre O’Neal, porque ele fingia ser o que não era e o que o motivava. Por que ele mentia, e tão bem? Não fica claro. Ele chegou a acreditar nas ideias de Hampton? Não sabemos ao certo. Além de evitar a cadeia, havia um elemento de subserviência em sua personalidade que o fazia cooperar com o FBI? Também não sabemos.

Hampton é mais desenvolvido e, claro, a atuação de Kaluuya rouba a cena. Mas o filme ganharia muito mais, em drama, se desenvolvesse O’Neal tanto quanto prestou atenção em Hampton. Ele permanece um enigma durante todo o filme. O resultado é um longa sem protagonista, deixando uma sensação de vácuo em alguns momentos, porque uma parte importante do drama não está lá.

Fred Hampton e os Panteras Negras são parte importante da luta pelos direitos dos negros nos Estados Unidos, a organização como um todo ainda é muito mal compreendida, e essa história merecia e precisava ser contada. O filme tem uma mensagem muito forte e atual. Porém, algumas escolhas narrativas fazem com que Judas e o Messias Negro não alcance todo o seu potencial. Ora, se queriam contar a história de Fred Hampton, que contassem a história dele. Contá-la pelo ponto de vista do homem que o traiu poderia ter rendido grande drama e um grande filme. Por isso, é uma pena que o resultado seja apenas um bom filme. É uma pena que tenha faltado um pouco mais de conflito, um pouco mais de delimitação do protagonista nessa história. É uma pena quando filmes se apresentam como pequenas decepções assim, porque sabemos que havia potencial para mais.

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...

‘Memory Box’: experimentalismo fascinante em viagem reveladora ao passado

Com o mundo digital documentando cada passo da vida moderna, o passado está deixando de ser uma coisa difícil de revisitar - ao menos de um ponto de vista prático. Porém, dependendo da vida que você levou, esse processo pode ser doloroso, não importa o meio.  O...

‘A Força da Natureza’: Mel Gibson sofre em filme de ação duro de ver

Mais um dia, mais uma volta ao redor do Sol... E mais um filmeco para se assistir na Netflix. É curioso notar como este A Força da Natureza veio a existir, pois ele explica muito sobre como o cinema funciona hoje, do ponto de vista econômico e industrial. Existe todo...

‘Wheel of Fortune and Fantasy’: Hamaguchi no limite da verborragia

"Wheel of Fortune and Fantasy", novo filme de Ryūsuke Hamaguchi, é feito sob medida para quem gosta de longas cenas de conversa. Agraciado com o Urso de Prata de Grande Prêmio do Júri no Festival de Berlim, o longa encontra seu diretor em modo mais conciso,...

‘Professor Polvo’: imagens deslumbrantes em doc de pequenos excessos

Quando eu era criança e assistia a documentários da natureza com minha família, me lembro de sempre perguntar a meus pais: “como eles filmaram isso?”. A mesma sensação de deslumbramento retornou ao assistir “Professor Polvo”, documentário dirigido por Pippa Ehrlich e...