Baseado no caso real de Amanda Knox, “Stillwater” traz a história de Bill Baker (Matt Damon), um pai que viaja de Oklahoma para Marseille, na França, com o intuito de visitar a filha Alisson Baker (Abigail Breslin), presa por um assassinato que afirma não ter cometido. Por conta disso, Bill decide ficar na França até conseguir provar a inocência da filha.

Escrito e dirigido pelo Tom McCarthy (vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Original por “Spotlight”), o drama perde o foco quando McCarthy demonstra indecisão em ser um potencial thriller de investigação sobre um assassinato ou um denso estudo de personagem – neste caso, centrado em Bill Parker.

Boas performances e crítica ao conservadorismo

Tom McCarthy toma liberdades em relação ao caso Amanda Knox e evidencia um clichê do cinema norte-americano. “Stillwater” traz a clássica história de um homem conservador, morador da zona rural dos Estados Unidos, que busca, a todo custo, lutar contra as adversidades para promover a segurança e bem-estar de sua família.

Matt Damon, por sinal, interpreta muito bem o estereótipo “redneck” estadunidense. O ator encarna um homem que luta contra as barreiras culturais e linguísticas em uma cidade que diverge de seus rígidos princípios morais. É bastante perceptível como ele vestiu (não só literalmente) o personagem, mas como também os trejeitos, sotaque e visão de um norte-americano conservador pró-Trump. A cena em que Bill se irrita com o comportamento de alguns franceses, inclusive, ilustra bem a ideia errada de que a “América é o centro do mundo”.

Há uma tentativa de evocar uma empatia ao protagonista quando Bill conhece a atriz francesa e mãe solteira Virginie (Camille Cottin). Com o desenrolar de uma intimidade entre os dois personagens totalmente diferentes, vemos uma leve “desconstrução moral” de Bill que não convence o público.

A personagem de Virginie, aliás, é importante para que a trama não caia no tédio, pois, em vários momentos, confronta o conservadorismo de Bill. A sensação que fica é que Camille Cottin extraiu o máximo que pode da personagem.

Atmosfera melancólica e roteiro monótono

É impossível não destacar a radiante paisagem francesa de Marseille, quase feita às medidas de Cannes (festival onde “Stillwater” teve sua estreia). Mas, ao mesmo tempo, com uma atmosfera escura e vazia, dificultando o “acolhimento” a turistas introspectivos como Bill.

No entanto, os desvios do roteiro acabam diluindo o poder dessa trajetória de autorreflexão e redenção que o drama pretende mostrar ao espectador. É claro que a intenção de trazer profundidade ao personagem de Damon é válida em um local que o desconforta. Porém, McCarthy perde bastante tempo com repetição de cenas que poderiam ter sido encurtadas.

Exemplo disso é quando Bill Baker mapeia a cidade francesa, buscando pistas sem saber o idioma nativo. A apresentação de uma ou duas sequências ressaltando essa procura é válida. Mas, o personagem de Damon passa quase 30 minutos do filme realizando a mesma ação. Aliás, a trama toda possui um ritmo monótono e sem dinamismo. Pode até ser uma decisão do diretor para dar um ar “melancólico” para a história, mas, definitivamente não funciona para “Stillwater”.

Há a inserção de uma coincidência um pouco desajeita na metade do filme que mais parece uma última tentativa de aumentar a energia da trama. O incidente provavelmente teria um efeito maior no público se tivesse sido elaborado com mais habilidade e com uma construção coerente ao resto do filme. No entanto, há certa autenticidade na escolha de McCarthy para o desfecho do longa.

“Stillwater” aborda temáticas interessantes de caráter político e cultural, somado a boas performances dos atores, mas não o suficiente para apagar os problemas de um roteiro monótono. Se McCarthy optasse por fazer uma abordagem mais investigativa – como trabalhou em Spotlight -, o público pudesse se conectar mais facilmente com a história do filme, sem perder o interesse, especialmente, nos primeiros 30 minutos de duração.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...