Baseado no caso real de Amanda Knox, “Stillwater” traz a história de Bill Baker (Matt Damon), um pai que viaja de Oklahoma para Marseille, na França, com o intuito de visitar a filha Alisson Baker (Abigail Breslin), presa por um assassinato que afirma não ter cometido. Por conta disso, Bill decide ficar na França até conseguir provar a inocência da filha.

Escrito e dirigido pelo Tom McCarthy (vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Original por “Spotlight”), o drama perde o foco quando McCarthy demonstra indecisão em ser um potencial thriller de investigação sobre um assassinato ou um denso estudo de personagem – neste caso, centrado em Bill Parker.

Boas performances e crítica ao conservadorismo

Tom McCarthy toma liberdades em relação ao caso Amanda Knox e evidencia um clichê do cinema norte-americano. “Stillwater” traz a clássica história de um homem conservador, morador da zona rural dos Estados Unidos, que busca, a todo custo, lutar contra as adversidades para promover a segurança e bem-estar de sua família.

Matt Damon, por sinal, interpreta muito bem o estereótipo “redneck” estadunidense. O ator encarna um homem que luta contra as barreiras culturais e linguísticas em uma cidade que diverge de seus rígidos princípios morais. É bastante perceptível como ele vestiu (não só literalmente) o personagem, mas como também os trejeitos, sotaque e visão de um norte-americano conservador pró-Trump. A cena em que Bill se irrita com o comportamento de alguns franceses, inclusive, ilustra bem a ideia errada de que a “América é o centro do mundo”.

Há uma tentativa de evocar uma empatia ao protagonista quando Bill conhece a atriz francesa e mãe solteira Virginie (Camille Cottin). Com o desenrolar de uma intimidade entre os dois personagens totalmente diferentes, vemos uma leve “desconstrução moral” de Bill que não convence o público.

A personagem de Virginie, aliás, é importante para que a trama não caia no tédio, pois, em vários momentos, confronta o conservadorismo de Bill. A sensação que fica é que Camille Cottin extraiu o máximo que pode da personagem.

Atmosfera melancólica e roteiro monótono

É impossível não destacar a radiante paisagem francesa de Marseille, quase feita às medidas de Cannes (festival onde “Stillwater” teve sua estreia). Mas, ao mesmo tempo, com uma atmosfera escura e vazia, dificultando o “acolhimento” a turistas introspectivos como Bill.

No entanto, os desvios do roteiro acabam diluindo o poder dessa trajetória de autorreflexão e redenção que o drama pretende mostrar ao espectador. É claro que a intenção de trazer profundidade ao personagem de Damon é válida em um local que o desconforta. Porém, McCarthy perde bastante tempo com repetição de cenas que poderiam ter sido encurtadas.

Exemplo disso é quando Bill Baker mapeia a cidade francesa, buscando pistas sem saber o idioma nativo. A apresentação de uma ou duas sequências ressaltando essa procura é válida. Mas, o personagem de Damon passa quase 30 minutos do filme realizando a mesma ação. Aliás, a trama toda possui um ritmo monótono e sem dinamismo. Pode até ser uma decisão do diretor para dar um ar “melancólico” para a história, mas, definitivamente não funciona para “Stillwater”.

Há a inserção de uma coincidência um pouco desajeita na metade do filme que mais parece uma última tentativa de aumentar a energia da trama. O incidente provavelmente teria um efeito maior no público se tivesse sido elaborado com mais habilidade e com uma construção coerente ao resto do filme. No entanto, há certa autenticidade na escolha de McCarthy para o desfecho do longa.

“Stillwater” aborda temáticas interessantes de caráter político e cultural, somado a boas performances dos atores, mas não o suficiente para apagar os problemas de um roteiro monótono. Se McCarthy optasse por fazer uma abordagem mais investigativa – como trabalhou em Spotlight -, o público pudesse se conectar mais facilmente com a história do filme, sem perder o interesse, especialmente, nos primeiros 30 minutos de duração.

‘Batman: O Retorno’ e a vingança dos reprimidos sexuais

Vamos dizer logo de cara: Batman: O Retorno é o filme de super-herói mais cheio de tesão e sexual que já foi feito. Super-heróis de quadrinhos, com seus corpos impossivelmente perfeitos, tanto masculinos quanto femininos, sempre inspiraram fantasias sexuais e, quando...

‘Dear Ones’: a difícil reversão do afastamento de uma família

Conhecer a própria família, muitas vezes, demora uma vida inteira. É a lição que as personagens de "Dear Ones", nova produção tcheco-polonesa que estreou no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, devem ponderar em seu próprio tempo. Exibido na...

‘A Nuvem Rosa’: ficção científica dos nossos tempos

"Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência". Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado "A Nuvem Rosa". O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme....

‘Roaring 20s’: Nouvelle Vague encontra Linklater em passeio por Paris

Um dos filmes mais charmosos exibidos no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, "Roaring 20s", segundo longa de Elisabeth Vogler, é uma viagem bem-humorada pelo coração de Paris em um dia de verão. A produção, que recebeu o prêmio de Melhor...

‘Batman’ (1989): o filme que mudou a visão sobre super-heróis em Hollywood

Eu jamais vou esquecer aquele momento. Viaje no tempo comigo, leitor: 1989, tarde de domingo no centro de Manaus. Fui ver Batman de Tim Burton com toda a minha família. Foi no Cine Chaplin e a sala estava lotada, com gente sentada até no chão dos corredores – algo...

‘Otar’s Death’: comédia de olhar irônico sobre a mesquinhez humana

Uma relação em frangalhos, um acidente e uma quantia enorme de dinheiro são os elementos que colocam "Otar's Death" em movimento. O filme de estreia do diretor georgiano Ioseb 'Soso' Bliadze, que estreou na mostra Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de...

‘Memória’: Apichatpong Weerasethakul anda em círculos em viagem à Colômbia

Na calada da noite, a protagonista de "Memória", novo filme de Apichatpong Weerasethakul (“Tio Boonmee, Que Pode Recordar Suas Vidas Passadas”), acorda com um barulho. Ela está desperta e sabe, de forma inata, que nada será como antes. Infelizmente, a mesma sensação...

‘Cop Secret’: ex-goleiro estreia na direção com subversiva sátira aos filmes de ação

O goleiro Hannes Þór Halldórsson se despediu da seleção da Islândia, em setembro deste ano, depois de 10 anos que viram o time alcançar algumas de suas maiores consagrações – a ida à primeira Copa do Mundo em 2018 e chegar às quartas de final da Eurocopa 2016. No...

‘Maligno’: a bem-vinda alquimia macabra de James Wan

Caro leitor, uma perguntinha pra você: quando foi a última vez em que você estava vendo um filme e ficou com a sensação de que não tinha a menor ideia de para onde a história estava indo? Quando foi a última vez em que disse para você mesmo: “não sei para onde isso...

‘Espíritu Sagrado’: sci-fi espanhola de caminhos intrigantes

Em "Espíritu Sagrado", crianças desaparecem, ovnis aparentam estar circulando pelos céus e grandes conspirações se mostram onipresentes. No entanto, no rico microcosmo criado pelo diretor e roteirista Chema García Ibarra, nada é exatamente como parece. Esta...