Sabe aquelas histórias que martelam nas nossas cabeças durante semanas? Nós nos remoemos e tentamos achar saídas, significados, razões e, ao final, só percebemos o quanto elas nos envolvem, e, aceitá-las é aquilo que se pode fazer para encarar sua magnitude e continuar imerso nessa história, de forma positiva.

Quando tratamos de términos, essas histórias podem se preservar guardadas durante anos, adormecidas como sentimentos esquecidos, lembranças que permanecem dentro de nós, e mesmo que não percebamos, influenciam em toda regência que damos às nossas vidas. Até o momento em que o gatilho é disparado, e tudo que esteve oculto, ou tentou se manter oculto, transborda e nos leva de volta a essas lembranças e toda a sentimentalidade que elas ainda contém. Términos não são simples e nem duram o tempo de uma lavagem de cabelo. Cicatrizar feridas leva tempo. E esse tempo nem sempre é cronometrado ou transcorre cronologicamente como a volta da terra ao redor do sol.

É preciso falar de términos, fechamentos de ciclo, mesmo que não represente uma tarefa fácil, muitas vezes por não sabermos lidar da melhor maneira possível e nem a conhecermos. Mas Tom Ford assumiu as rédeas desse exercício e mostrou que é possível fazer uma boa história sobre conclusão, términos e tudo o que os envolve.

Amy Adams em Animais Noturnos

No início da projeção, somos apresentados a Susan Morrow (Amy Adams) uma mulher realizada profissionalmente, casada com aquele tipo de homem que conquista toda sogra com apenas um sorriso de bom moço (Armie Hammer), mesmo assim a empresária se mostra frustrada e carregada de arrependimentos, mesmo que eles não estejam tão explícitos. Há um clima no ar, orquestrado pelo ambiente sóbrio, as cores neutras, a trilha sonora baixa quase imperceptível harmonizando com o clima de incompletude e melancolia que transparece o casal Morrow. A distância parece ser a única coisa que os une e enquanto nos indagamos o porquê de ter chegado àquela circunstância e até mesmo o que está acontecendo, Susan é presenteada com o manuscrito do livro de seu ex-marido intitulado “Animais Noturnos”, que parece ser o gatilho para evocar todas as lembranças que ela havia deixado adormecida nos últimos 19 anos.

Só este pequeno trecho do filme, já levanta muitas questões. Como se mede a distância? A partir de que momento o passado para de nos incomodar? Quanto tempo é necessário para que o arrependimento beire ao esquecimento? Enquanto essas perguntas beiram ao subconsciente, acompanhamos a vida de Susan e especulamos os atos de seu esposo e as intenções do ex-esposo. E de repente, não estamos mais na história dela, mas entramos em Animais Noturnos, o livro escrito por Edward (Jake Gyllenhaal) e dedicado a Susan.

O clima de tensão só aumenta. Abel Korzeniowski foi ágil em criar uma trilha sonora que não deixa em momento algum o sentimento de incômodo e ansiedade diminuir. Você prevê que algo está acontecendo, algo irá acontecer e nada é tão inocente quanto possa transparecer. Aliás, nada soa inocente. Cada escolha de cenografia, figurino (uma nobre especialidade de Ford), cores, corte de cabelo e elenco, tudo ressoa a condução magistral de Tom Ford, que já apontava sinais de sua excelência em O Direito de Amar, mas que aqui, grita silenciosamente, dando contornos memoráveis a obra. Pensar na direção de Animais Noturnos é retratar como cada detalhe é importante na construção cinematográfica. Korzeniowski, por exemplo, nomeia sua trilha sonora de acordo com cada sentimento levantado pelos seus acordes, que não se distanciam das temáticas que o filme expõe.

Jake Gyllenhaal em Animais Noturnos

Construído a partir de três tramas paralelas, a película passeia entre a história de Susan, o livro de Edward e os flashbacks do casamento de Susan e Edward. De forma sagaz, a montagem precisa e fluida não confunde nossas mentes, como geralmente este tipo de narrativa tende a fazê-lo, mas acaba por deixar pistas das perguntas iniciadas no início da projeção, ao mesmo tempo em que construímos a Susan do presente, Edward e Susan e observamos atentos e agonizantes ao desenrolar do livro.

É válido ressaltar que embora todos os incidentes e personagens conduzam para conclusões a cerca de Susan, é Edward o grande condutor da história. Existe uma hora certa para se vingar? E qual a melhor maneira de fazê-lo? A impressão que transborda é que ele esteve esperando o melhor momento para dar voz a sua pessoa esquecida e ao seu modo de contar a história, por isso utilizou um artifício que soa como terapia, emprego e, principalmente, como vingança. Talvez seja por isso que a visão que Susan tem de Tony, personagem do livro, não soe tão estranho aos flashbacks que ela tem do ex-esposo, mesmo que as diferenças estejam ali exorbitantes.

É interessante observar o corpo do artista. E não falo no sentindo libidinoso, mas o quanto cada personagem necessita de um corpo diferente e como a preparação do elenco nesta obra, deixa isso evidente. Gyllenhaal consegue dar vida a personagens distintos, sem que isso cause estranhamento ou confusão. São simplesmente pessoas diferentes. Corpos diferentes. Idades diferentes. E o mesmo artista. É impressionante. Embora Adams mostre uma faceta diferente de seus últimos personagens, deixando toda carga dramática presa a frieza e distanciamento de Susan, são os olhos meigos e a ausência e presença de barba de Gyllenhaal o grande nome da película.

Jake Gyllenhaal em Animais Noturnos

Nisto, é preciso lembrar que conhecemos o livro de Edward sobre a perspectiva de Susan. Todos os intervalos decorridos na história também existem por conta dela. Desta forma, podemos nos indagar por que a personagem central do livro traz o rosto de seu ex-marido e a esposa traz traços tão semelhantes aos seus, mesmo que não seja a mesma atriz. O livro representa a projeção de algum momento da história do autor e a quem foi dedicado, para a leitora, que se enxerga não admitindo sua auto representatividade. Por isso, a história do livro forme tantos questionamentos sobre os envolvidos na “realidade” da narrativa apresentada.

E afinal de contas, quem é Edward e por que as decisões de Susan a guiaram para a distância e melancolia crescentes dentro dela? Este é o poder de Animais Noturnos, nos fazer indagar mesmo após semanas sobre a obra e simultaneamente evocar sentimentos e reações difíceis de serem descritas que acabam por nos convidar a refletir e tentar ver o mundo sob a perspectiva das ações finais de Susan, Edward e Tony, personagem central do livro. Afinal, Tom Ford conseguiu criar um filme que domina o imaginário representativo das probabilidades para serem discutidas e lembradas.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...