A divulgação de um pornô caseiro desencadeia uma tragicômica sequência de eventos na vida de uma professora no novo longa do celebrado diretor romeno Radu Jude (“Eu Não me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros”). “Bad Luck Banging… or Loony Porn” é uma comédia ácida, deliciosamente sem vergonha e nem um pouco preocupada com o politicamente correto. Vencedor do Urso de Ouro no Festival de Berlim deste ano, ele confirma o cineasta romeno como um dos mais vitais de sua geração.

O filme acompanha Emi (Katia Pascariu) dias depois de um vídeo de sexo entre ela e seu marido ter sido veiculado na internet. A imprensa e a opinião pública transformam o infortúnio privado em um pesadelo público – agravado pelo fato dela ser mulher e professora de uma escola respeitada. Eventualmente, uma reunião com os pais dos alunos acontece para decidir o futuro da magistrada.

O cinema de Jude é muito preocupado com representações – para ele, a forma de um filme é tão importante quanto seu conteúdo. Em “Bad Luck Banging… or Loony Porn”, ele opta pelo tríptico, dividindo o filme em três partes distintas e construindo o significado através do todo.

A primeira segue Emi lidando com o resultado do incidente em meio aos afazeres da sua vida cotidiana, com uma câmera na mão distante e observacional vista em documentários. A terceira representa dramaticamente a reunião entre ela e os pais. E entre essas duas partes narrativas, o diretor inclui uma espécie de glossário em forma de vídeo-ensaio, dando definições irreverentes para vários termos como “Cinema”, “Igreja” e “Pênis”.

CATARSE IRRESÍSTIVEL

O roteiro, assinado por Jude, está realmente interessado em usar a história de Emi como um retrato de uma sociedade que deu terrivelmente errado. A violência de motoristas contra pedestres – uma potente alegoria do abuso de poder dos mais fortes em relação aos mais fracos – aparece repetidas vezes na primeira parte do filme, bem como diversas formas de disfunção social que a professora encontra em um dia como outro qualquer.

O realizador tampouco perde a oportunidade de levantar o dedo do meio para a hipocrisia da sociedade romena, ilustrando como o tribunal das redes sociais dá voz a todo tipo de desumanidade, estupidez e preconceitos. E como criticar sem mostrar não adianta muita coisa, isso significa sujeitar o espectador aos impropérios da web 2.0 através de seus personagens – especialmente na terceira parte do longa.

O humor de “Bad Luck Banging… or Loony Porn” vem justamente das contradições e do constrangimento advindo do moralismo religioso e sociopolítico. Por mais que se passe na Romênia, as agruras de Emi poderiam acontecer praticamente em qualquer lugar do mundo – e certamente no Brasil. A universalidade e originalidade do longa o tornam super recomendável e, quando ele chega a um ambíguo clímax, a catarse é irresistível.

‘Social Hygiene’: distanciamento social físico e metafórico em filmaço

Um filme que reflete perfeitamente os tempos pandêmicos, "Social Hygiene", de Denis Côté, é uma produção que dá um significado completamente novo ao termo "distanciamento social". O longa tornou seu realizador um dos ganhadores do prêmio de Melhor Diretor da...

‘Dois Estranhos’: violência gráfica ganha contorno irresponsável em favorito ao Oscar

Acredito que esse seja um filme que divida opiniões. De um lado, há aqueles que o aplaudem por explicitar a violência contínua sofrida por jovens negros, e, do outro, há aqueles que o taxam de explorador. Vou fazer uma mea culpa e revelar que acho interessante a...

‘Feeling Through’: a boa e velha empatia em belo filme

Quando dou aula nos cursos aqui do Cine Set, sempre digo aos alunos que o cinema é uma máquina de exercitar e desenvolver a empatia. Realmente acredito que quanto mais filmes assistimos, e quanto mais mergulhamos em histórias, com o tempo todos nós passamos a aprender...

‘Tina’: documentário para celebrar uma gigante do Rock

Das várias injustiças cometidas contra Tina Turner - a Rainha do Rock -, talvez a mais louca a persistir até hoje seja o fato de ela não constar como artista solo no Hall da Fama do estilo que rege. Os eleitores da organização podem corrigir esse fato em 2021, já que...

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...