A divulgação de um pornô caseiro desencadeia uma tragicômica sequência de eventos na vida de uma professora no novo longa do celebrado diretor romeno Radu Jude (“Eu Não me Importo se Entrarmos para a História como Bárbaros”). “Bad Luck Banging… or Loony Porn” é uma comédia ácida, deliciosamente sem vergonha e nem um pouco preocupada com o politicamente correto. Vencedor do Urso de Ouro no Festival de Berlim deste ano, ele confirma o cineasta romeno como um dos mais vitais de sua geração.

O filme acompanha Emi (Katia Pascariu) dias depois de um vídeo de sexo entre ela e seu marido ter sido veiculado na internet. A imprensa e a opinião pública transformam o infortúnio privado em um pesadelo público – agravado pelo fato dela ser mulher e professora de uma escola respeitada. Eventualmente, uma reunião com os pais dos alunos acontece para decidir o futuro da magistrada.

O cinema de Jude é muito preocupado com representações – para ele, a forma de um filme é tão importante quanto seu conteúdo. Em “Bad Luck Banging… or Loony Porn”, ele opta pelo tríptico, dividindo o filme em três partes distintas e construindo o significado através do todo.

A primeira segue Emi lidando com o resultado do incidente em meio aos afazeres da sua vida cotidiana, com uma câmera na mão distante e observacional vista em documentários. A terceira representa dramaticamente a reunião entre ela e os pais. E entre essas duas partes narrativas, o diretor inclui uma espécie de glossário em forma de vídeo-ensaio, dando definições irreverentes para vários termos como “Cinema”, “Igreja” e “Pênis”.

CATARSE IRRESÍSTIVEL

O roteiro, assinado por Jude, está realmente interessado em usar a história de Emi como um retrato de uma sociedade que deu terrivelmente errado. A violência de motoristas contra pedestres – uma potente alegoria do abuso de poder dos mais fortes em relação aos mais fracos – aparece repetidas vezes na primeira parte do filme, bem como diversas formas de disfunção social que a professora encontra em um dia como outro qualquer.

O realizador tampouco perde a oportunidade de levantar o dedo do meio para a hipocrisia da sociedade romena, ilustrando como o tribunal das redes sociais dá voz a todo tipo de desumanidade, estupidez e preconceitos. E como criticar sem mostrar não adianta muita coisa, isso significa sujeitar o espectador aos impropérios da web 2.0 através de seus personagens – especialmente na terceira parte do longa.

O humor de “Bad Luck Banging… or Loony Porn” vem justamente das contradições e do constrangimento advindo do moralismo religioso e sociopolítico. Por mais que se passe na Romênia, as agruras de Emi poderiam acontecer praticamente em qualquer lugar do mundo – e certamente no Brasil. A universalidade e originalidade do longa o tornam super recomendável e, quando ele chega a um ambíguo clímax, a catarse é irresistível.

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...

Crítica | ‘O Dublê’ – cinema de piscadela funciona desta vez

David Leitch: sintoma do irritante filão contemporâneo do cinema de piscadela, espertinho, de piadinhas meta e afins. A novidade no seu caso são as doses nada homeopáticas de humor adolescente masculino. Dê uma olhada em sua filmografia e você entenderá do que falo:...