A vida de um refugiado é o foco de “Flee”, filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado traumático em uma animação que reafirma o poder de resiliência e o desejo de pertencimento do ser humano.

Nela, o acadêmico Amin relembra sua infância no Afeganistão da década de 1980 e como o crescimento das forças dos Mujahideens – grupos de guerrilheiros precursores do Talibã que combatiam o governo do país – impôs um exílio e uma diáspora à sua família. Hoje baseado na Dinamarca e nunca tendo contado a verdade sobre sua vida pregressa – nem mesmo a Kasper, seu atual parceiro – ele topa sentar-se com o diretor Jonas Poher Rasmussen para uma série de entrevistas que remontam sua trajetória.

CORES DA MEMÓRIA

A escolha pelo formato animado, longe de ser casual, está embutida no desenvolvimento do projeto, que conta uma história real velada pelo anonimato. Na ânsia de contá-la protegendo seu personagem, Rasmussen opta por pseudônimos e de certa forma “esconde” os envolvidos através da animação. A liberdade que estas decisões artísticas dão a Amin o leva a exumar sentimentos e situações há muito dadas como perdidas e a plateia o acompanha nesse processo.

A fotografia de Mauricio Gonzalez-Aranda e a montagem de Janus Billeskov Jansen apostam em ângulos e cortes que imitam a linguagem de documentários intimistas contemporâneos, com movimentos que remetem à câmera na mão, de forma a familiarizar o espectador.

No entanto, é no estilo de animação que “Flee” ganha asas: em uma interpretação super estilizada do processo de memória, as lembranças vagas aparecem como rabiscos cinzas sem claros contornos, enquanto as vívidas – bem como as imagens dos dias atuais – vêm definidas e cheias de cores. Pontuando a produção, imagens de arquivo dão um contexto sociopolítico que transplanta algo que poderia ser uma fantasia para o difícil mundo transitório pós-Guerra Fria.

BUSCA POR UM LAR

Para complicar sua situação, Amin é homossexual e precisa navegar uma jornada de autoaceitação ao mesmo tempo em que esconde de seus familiares quem ele realmente é. Ainda que “Flee” aborde esse conflito consistentemente durante seus 90 minutos de projeção, ele não constrói sua narrativa em torno dele, focando mais nas agruras de uma fuga da terra natal e da negação de uma família.

Esses traumas aparecem anos depois, por exemplo, na relutância de Amin em contar a verdade a Kasper e decidir morar junto com ele. A maneira natural como “Flee” trabalha as longas consequências do asilo é um acerto, personificando uma das diversas histórias que aparecem como números em artigos de jornal e discursos políticos. No final das contas, a busca por uma ideia de casa – seja ela qualquer lugar ou pessoa – é algo profundamente relacionável, independente de nacionalidade.

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...

‘Benedetta’: Verhoeven leva sexo a convento em sátira religiosa

Paul Verhoeven (“Elle”, “Tropas Estelares”), está de volta - e continua em excelente forma. Seu mais novo filme, Benedetta, exibido no Festival de Londres deste ano após sua estreia em Cannes, vê o diretor holandês empregando sua verve cáustica à serviço de uma...

‘The Tragedy of Macbeth’: ambiciosa adaptação que nada inova

Longe de pela primeira vez e certamente não pela última, o cinema recebe mais uma adaptação de "Macbeth"- agora concebida por Joel Coen, metade da oscarizada dupla de irmãos cineastas. O lançamento largamente digital do longa exibido no Festival de Londres deste ano -...

‘Sundown’: apatia generalizada em filme monótono

“Sundown”, novo filme do mexicano Michel Franco (“Depois de Lúcia”), tenta responder a velha pergunta: como seria começar de novo? A produção com Tim Roth (“Luce”) e Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”), que teve estreia em Veneza e foi exibida no Festival de Londres...

‘A Crônica Francesa’: Wes Anderson joga para torcida ao celebrar o jornalismo

Descrito como uma "carta de amor aos jornalistas", "A Crônica Francesa" é uma divertida homenagem do diretor Wes Anderson à mídia impressa e aos articulistas que o inspiraram. O projeto, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, é o filme...

‘Great Freedom’: a luta para ser quem se é independente das consequências

Amor, tesão e tragédia dão a tônica de "Great Freedom", o belo e potente novo filme de Sebastian Meise. A co-produção Áustria-Alemanha, que estreou (e foi premiada) na seção Um Certo Olhar no Festival de Cannes, foi exibida no Festival de Londres deste ano. O drama de...

‘The Souvenir Parte II’: Joanna Hogg muda tom e cria sequência metalinguística

A diretora Joanna Hogg continua seu exercício em autoficção em "The Souvenir Parte II", sequência do premiado sucesso de 2019. O filme, que estreou em Cannes e foi exibido no Festival de Londres deste ano, começa exatamente no mesmo ponto em que seu predecessor...

‘Titane’: Julia Ducournau arrisca tudo com horror no limite

Dependendo da forma como você o vê, "Titane" é um horror porrada no estômago, uma hilária comédia de humor negro ou um drama sobre pessoas muito, mas muito quebradas. O filme ganhador da cobiçada Palma de Ouro - prêmio máximo do Festival de Cannes - deste ano e...

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...