Sabe aquele ditado popular: ‘de boas intenções, o inferno está cheio’? Pode ser cruel, eu sei, mas, cabe à perfeição para definir o fraquíssimo “Por que Você Não Chora?”. Escolhido como o filme de abertura da mostra competitiva de longas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, a produção brasiliense dirigida e roteirizada por Cibele Amaral não se encontra em um único momento ao abordar de forma desconjuntada diversas temáticas sobre saúde mental.  

“Por que Você Não Chora?” acompanha a história de Jéssica (Carolina Monte Rosa), uma jovem introspectiva, finalista do curso de Psicologia e responsável por fazer o acompanhamento terapêutico de Bárbara (Bárbara Paz), uma mulher com transtorno de personalidade borderline (limítrofe), tentando se reaproximar do filho. Quanto mais busca ajudar a paciente e se envolve nos problemas dela, Jéssica lida com traumas do passado e tendências suicidas.  

São temas claramente importantes como a frase de abertura sobre uma pessoa se matar no Brasil a cada 40 segundos deixa muito claro, especialmente, em um momento tão angustiante como este da pandemia da COVID-19. Debater o suicídio assim como problemas psicológicos são questões urgentes ainda mais em um país que ainda trata a terapia como algo somente para malucos. Porém, os equívocos cometidos tanto na abordagem quanto na construção confusa da história fazem “Por que Você Não Chora?” beirar o desserviço sobre o assunto. 

De longe, o maior pecado do roteiro é tentar colocar diversas situações, cada uma complexa por si só, dentro do mesmo balaio, sendo incapaz de desenvolver bem nenhum deles. Inicialmente, a história aborda o universo solitário de Jéssica rompido apenas pela relação dela com a irmã de oito anos; depois, tudo se transfere para Bárbara e o transtorno Borderline para, finalmente, voltar à Jéssica na reta final. Ainda há questões relativas a alienação parental e possíveis abusos envolvendo o passado da protagonista que não ficam muito claros na trama. Esse excesso de temáticas gera lacunas graves para o desenvolvimento das personagens e, consequentemente, daquilo que aborda “Por que Você Não Chora?”.  

Para piorar, há uma superficialidade incômoda que paira sobre o projeto. Acreditando ter como missão ser uma obra extremamente explicativa sobre suicídio e transtorno Bordeline, Cibele Amaral parece não ter confiança na própria história e naquilo que as personagens podem representar sobre o tema. Logo, temos as presenças das personagens de Cristiane Oliveira e Elisa Lucinda (sempre bom ver as duas em cena) com a função didática de explicar constantemente aquilo que acontece na dinâmica entre Jéssica e Bárbara. Visualmente, “Por que Você não Chora?” também é uma surra de obviedades desde a casa escura e fechada de Jéssica, semelhante a uma prisão à la “O Poço”, aos figurinos das duas, um mais sisuda, mangas longas e a outra mais despojado, rock n´roll. Por fim, a metáfora da goteira pingando na cama é tão sutil quanto um míssil disparado nos filmes do Michael Bay.

Diante deste cenário desolador, Carolina Monte Rosa e Bárbara Paz fazem um esforço digno de aplausos para tentar, pelo menos, salvar da nulidade “Por que Você Não Chora?”. Ainda que sabotadas com momentos cafonas (Jéssica rindo sozinha na fila do supermercado e o joguinho de pedras no lago são de rir de constrangimento), as duas atrizes exploram bem o mistério de uma e a intensidade da outra para criar sofrimentos diferentes e palpáveis para o espectador. 

Com subtramas esquecidas no meio do caminho (o drama em relação à guarda do filho de Bárbara fica sem respostas) e abordagens para lá de questionáveis sobre a temática (o estereótipo da pessoa calada e introvertida como potencial suicida ou a sensação de ser algo de toda família de Jéssica ter graus diferentes de depressão, falha de um roteiro incapaz de explorar melhor a personagem), “Por que Você não Chora?” surgiu como um projeto nascido das mais boas intenções, mas, que gera uma obra, no mínimo, problemática. 

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...

‘Saudosa Maloca’: divertida crônica social sobre um artista boêmio

Não deixa de ser interessante que neste início da sua carreira como diretor, Pedro Serrano tenha estabelecido um forte laço afetivo com o icônico sambista paulista, Adoniram Barbosa. Afinal, o sambista deixou a sua marca no samba nacional dos anos 1950 e 1960 ao...

‘Godzilla e Kong – O Novo Império’: clima de fim de feira em filme nada inspirado

No momento em que escrevo esta crítica, caro leitor, ainda não consegui ver Godzilla Minus One, a produção japonesa recente com o monstro mais icônico do cinema, que foi aclamada e até ganhou o Oscar de efeitos visuais. Mas assisti a este Godzilla e Kong: O Novo...

‘Uma Família Feliz’: suspense à procura de ideias firmes

José Eduardo Belmonte ataca novamente. Depois do detetivesco – e fraco – "As Verdades", ele segue se enveredando pelas artimanhas do cinema de gênero – desta vez, o thriller domiciliar.  A trama de "Uma Família Feliz" – dolorosamente óbvio na ironia do seu título –...

‘Donzela’: mitologia rasa sabota boas ideias de conto de fadas

Se a Netflix fosse um canal de televisão brasileira, Millie Bobby Brown seria o que Maisa Silva e Larissa Manoela foram para o SBT durante a infância de ambas. A atriz, que alcançou o estrelato por seu papel em “Stranger Things”, emendou ainda outros universos...

‘O Astronauta’: versão ‘Solaris’ sem brilho de Adam Sandler

Recentemente a revista Forbes publicou uma lista com os maiores salários recebidos por atores e atrizes de Hollywood em 2023. O N.1 é Adam Sandler: o astro recebeu no ano passado nada menos que US$ 73 milhões líquidos a partir de um contrato milionário com a Netflix...