Sabe aquele ditado popular: ‘de boas intenções, o inferno está cheio’? Pode ser cruel, eu sei, mas, cabe à perfeição para definir o fraquíssimo “Por que Você Não Chora?”. Escolhido como o filme de abertura da mostra competitiva de longas-metragens nacionais do Festival de Gramado 2020, a produção brasiliense dirigida e roteirizada por Cibele Amaral não se encontra em um único momento ao abordar de forma desconjuntada diversas temáticas sobre saúde mental.  

“Por que Você Não Chora?” acompanha a história de Jéssica (Carolina Monte Rosa), uma jovem introspectiva, finalista do curso de Psicologia e responsável por fazer o acompanhamento terapêutico de Bárbara (Bárbara Paz), uma mulher com transtorno de personalidade borderline (limítrofe), tentando se reaproximar do filho. Quanto mais busca ajudar a paciente e se envolve nos problemas dela, Jéssica lida com traumas do passado e tendências suicidas.  

São temas claramente importantes como a frase de abertura sobre uma pessoa se matar no Brasil a cada 40 segundos deixa muito claro, especialmente, em um momento tão angustiante como este da pandemia da COVID-19. Debater o suicídio assim como problemas psicológicos são questões urgentes ainda mais em um país que ainda trata a terapia como algo somente para malucos. Porém, os equívocos cometidos tanto na abordagem quanto na construção confusa da história fazem “Por que Você Não Chora?” beirar o desserviço sobre o assunto. 

De longe, o maior pecado do roteiro é tentar colocar diversas situações, cada uma complexa por si só, dentro do mesmo balaio, sendo incapaz de desenvolver bem nenhum deles. Inicialmente, a história aborda o universo solitário de Jéssica rompido apenas pela relação dela com a irmã de oito anos; depois, tudo se transfere para Bárbara e o transtorno Borderline para, finalmente, voltar à Jéssica na reta final. Ainda há questões relativas a alienação parental e possíveis abusos envolvendo o passado da protagonista que não ficam muito claros na trama. Esse excesso de temáticas gera lacunas graves para o desenvolvimento das personagens e, consequentemente, daquilo que aborda “Por que Você Não Chora?”.  

Para piorar, há uma superficialidade incômoda que paira sobre o projeto. Acreditando ter como missão ser uma obra extremamente explicativa sobre suicídio e transtorno Bordeline, Cibele Amaral parece não ter confiança na própria história e naquilo que as personagens podem representar sobre o tema. Logo, temos as presenças das personagens de Cristiane Oliveira e Elisa Lucinda (sempre bom ver as duas em cena) com a função didática de explicar constantemente aquilo que acontece na dinâmica entre Jéssica e Bárbara. Visualmente, “Por que Você não Chora?” também é uma surra de obviedades desde a casa escura e fechada de Jéssica, semelhante a uma prisão à la “O Poço”, aos figurinos das duas, um mais sisuda, mangas longas e a outra mais despojado, rock n´roll. Por fim, a metáfora da goteira pingando na cama é tão sutil quanto um míssil disparado nos filmes do Michael Bay.

Diante deste cenário desolador, Carolina Monte Rosa e Bárbara Paz fazem um esforço digno de aplausos para tentar, pelo menos, salvar da nulidade “Por que Você Não Chora?”. Ainda que sabotadas com momentos cafonas (Jéssica rindo sozinha na fila do supermercado e o joguinho de pedras no lago são de rir de constrangimento), as duas atrizes exploram bem o mistério de uma e a intensidade da outra para criar sofrimentos diferentes e palpáveis para o espectador. 

Com subtramas esquecidas no meio do caminho (o drama em relação à guarda do filho de Bárbara fica sem respostas) e abordagens para lá de questionáveis sobre a temática (o estereótipo da pessoa calada e introvertida como potencial suicida ou a sensação de ser algo de toda família de Jéssica ter graus diferentes de depressão, falha de um roteiro incapaz de explorar melhor a personagem), “Por que Você não Chora?” surgiu como um projeto nascido das mais boas intenções, mas, que gera uma obra, no mínimo, problemática. 

‘Mulher Maravilha 1984’: DC regride com bomba vergonhosa

A história se repete, certo? Passamos a vida ouvindo esse ditado, e parece que é verdade mesmo. No panteão dos quadrinhos super-heróicos da DC Comics, Superman, Batman e Mulher Maravilha são conhecidos entre os fãs como “a trindade” da editora. São reconhecidamente os...

‘Soul’: brilhante animação sobre quem realmente somos

“Editor-chefe do Cine Set. Exerce o cargo de diretor de programas na TV Ufam. Formado em jornalismo pela Universidade Federal do Amazonas com curso de pós-graduação na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo”.  Você encontra este texto na parte ‘Sobre o Autor’ desta...

‘O Céu da Meia-Noite’: George Clooney testa paciência em sci-fi sofrível

Galã charmoso dos moldes da Hollywood nos anos 1950, George Clooney construiu gradualmente uma trajetória para além deste rótulo. Depois de aprender com o fracasso de “Batman & Robin”, ele começou a selecionar melhor os projetos em que se meteria – até venceu o...

‘The Nest’: elegante jogo das aparências mistura drama e terror

Depois de surpreender com uma narrativa envolvente no longa de estreia em “Martha Marcy Mae Marlene”, Sean Durkin retorna nove anos depois com “The Nest” (“O Ninho”, em tradução literal). Acompanhado de atuações excelentes de Carrie Coon e Jude Law, ele traz o...

‘Let Them All Talk’: Soderbergh entre Bergman e Allen sem ser incisivo

'Galera, é o seguinte: estou pensando em fazer um filme todo gravado em um transatlântico. Vocês topam?’.  Se receber um convite destes seria tentador por si só, imagine vindo de Steven Soderbergh, diretor ganhador da Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1989 por...

‘A Voz Suprema do Blues’: estado puro dos talentos de Viola Davis e Chadwick Boseman

"A Voz Suprema do Blues” reúne a mesma trinca de “Um Limite Entre Nós”: Viola Davis de protagonista em um filme produzido por Denzel Washington baseado em uma peça do dramaturgo August Wilson. Além dos nomes envolvidos, o projeto da Netflix guarda as qualidades – um...

‘First Cow’: uma lembrança sobre a necessidade da solidariedade

Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue...

‘À Luz do Sol’: potência de protagonistas ilumina a tela em documentário paraense

Documentário paraense selecionado para a mostra competitiva do Festival Olhar do Norte 2020, “À Luz do Sol” segue o caminho de produções como o amazonense “Maria”, de Elen Linth, e o longa alagoano “Cavalo”, da dupla Rafhael Barbosa e Werner Salles, marcados pela...

‘Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco’: Sherlock amazônico em aventura agradável

Misturar elementos da cultura pop e do cinema hollywoodiano com as lendas e crenças da Amazônia formam a base de “Raimundo Quintela – O Caçador Vira Porco”, curta-metragem paraense dirigido por Robson Fonseca. Vencedor de três categorias da mostra competitiva do...

‘O Som do Silêncio’: aflição e desespero de Riz Ahmed comovem em bom drama

A deficiência auditiva foi retratada nos cinemas com diferentes abordagens, mas, quase sempre a partir de uma situação já estabelecida. Em “O Milagre de Anne Sullivan” (1962), por exemplo, a professora interpretada pela vencedora do Oscar, Anne Bancroft, precisa...