O veterano produtor Ant Timpson estreia na direção com “Come to Daddy”, uma enérgica comédia com toques de terror que transita livremente por diferentes gêneros de gênero, criando um híbrido potente e fresco. Com trinta e poucos anos, Norval (Elijah Wood, o Frodo de “O Senhor dos Anéis”) viaja para uma cabana (na floresta, é claro) para ver seu pai, que enviou uma carta para ele. Quando chega lá, uma selfie que sai errada coloca seu telefone fora de ação. A cada confronto, o homem com quem ele está tentando se reconectar fica mais e mais estranho. Sem comunicação e cercado por quilômetros de deserto, ele logo percebe que está preso. Eventualmente, a atmosfera na casa – que nunca foi muito familiar – se transforma em brutalidade.

“Come to Daddy” muda constantemente de forma, com todos os detalhes puxando o público para uma toca de coelho. O primeiro ato acontece como um drama familiar de ritmo lento, mas uma ruptura abrupta coloca tudo em movimento em uma rápida cadeia de eventos. Assim, o filme se transforma em um thriller de invasão de domicílio, e tudo acaba em horror. Na verdade, nunca chega aonde é esperado e nunca fica em lugar algum por muito tempo – e é melhor que assim seja.

ESTREIA CHEIA DE VIDA

Nessa jornada, Norval precisa enfrentar seus sentimentos por seu pai, mesmo que isso tenha um preço: terríveis revelações sobre sua própria vida. No roteiro, escrito por Toby Harvard a partir de uma ideia de Timpson, ele é um jovem que passou por momentos difíceis e que vive ansiando por algo que ele não conhece. Músico aspirante a ator, está desempregado e voltou a morar com a mãe depois de se recuperar do alcoolismo e de tentar suicídio. No entanto, ele se propõe a encontrar o homem que o deixou ansioso para impressionar, uma decisão que acabará por colocá-lo em água quente.

Elijah Wood apresenta um personagem cheio de contradições sem esforço e com uma linguagem corporal perfeita. Ele passa de uma relação sadia e afetuosa com o pai a uma reação cômica a ruídos estranhos em casa à noite, sem grande dificuldade. Aumentando ainda mais o humor, a virada ameaçadora de Michael Smiley como o vilão Jethro é absolutamente hilária.

O diretor mencionou em entrevistas que a inspiração para “Come to Daddy” foi a morte de seu próprio pai. Apesar de todas as suas palhaçadas, o coração do filme é a busca de um filho por amor e reconexão paternais. Nos momentos mais dramáticos, quase se assemelha a uma sessão de terapia, mas quando o conjunto é tão engraçado, quem se importa? Ao combater a dor pela morte de seu pai, Timpson criou um longa-metragem de estreia, cheio de vida.

‘Os Segredos de Madame Claude’: desperdício de um ícone em filme tão fraco

Tenho um pé atrás com produções que buscam abordar personagens reais com o intuito de vender diversidade e inclusão. Essa sensação é mais aguda diante de projetos que discutem personalidades femininas como “Maria Madalena” (Garth Davis, 2018) e “Joana D’Arc” (Luc...

‘Amor e Monstros’: pouco mais de ousadia faria um grande filme

Os melhores momentos de Amor e Monstros, parceria dos estúdios Paramount Pictures com a Netflix, estão logo no início do filme. É quando o narrador da história, o jovem Joel, reconta o apocalipse que devastou a Terra e que transformou insetos e animais em criaturas...

‘We’: o cinema como construtor de uma memória coletiva

"We", o novo filme de Alice Diop, é várias coisas: uma lembrança familiar, uma celebração das vidas comuns e uma busca pela identidade da França nos dias de hoje. Acima de tudo, o documentário, que ganhou o prêmio de Melhor Filme da mostra Encontros do Festival de...

‘Chaos Walking’: ótimo conceito nem sempre gera bom filme

Toda vez que se inicia a produção de um filme, cineastas participam de um jogo de roleta: por mais bem planejada que seja a obra e não importando o quão bons sejam os colaboradores que eles vão reunir para participar dela, tudo ainda pode acabar mal. Cinema é...

‘Locked Down’: dramédia na pandemia sucumbe à triste realidade

Dentre tantas situações inesperadas da pandemia da Covid, com certeza, a quarentena forçada foi uma grande bomba-relógio para conflitos conjugais e familiares. Agora, se conviver ininterruptamente com quem se ama já é desafiador, imagine passar semanas, meses dentro...

‘Godzilla Vs Kong’: sem vergonha de ser uma divertida bobagem

Não há como contornar: Godzilla vs Kong é um filme bobo. Todos os filmes “versus” feitos até hoje na história do cinema, com um personagem famoso enfrentando outro, foram bobos, e essa nova investida do estúdio Warner Bros. no seu “Monsterverse” – a culminação dele,...

‘Collective’: aula sobre o fundamental papel do jornalismo investigativo

“Collective” é, provavelmente, o filme mais marcante desta temporada de premiações. O documentário dirigido por Alexander Nanau traz à tona denúncias concernentes à corrupção no Ministério da Saúde romeno, algo super atual no período pandêmico e que dialoga com...

‘Moon, 66 Questions’: drama familiar foge do convencional em narrativa ousada

Livremente inspirado em tarô e mitologia, "Moon, 66 Questions" explora as falhas de comunicação e os conflitos geracionais de uma família através dos olhos de uma adolescente. O drama grego, exibido na mostra Encontros do Festival de Berlim deste ano, é carregado de...

‘Fuja’: suspense protocolar impossível de desgrudar da tela

Suspenses domésticos, quando bem feitos, acabam rendendo boas experiências. É o caso deste Fuja, lançado na Netflix – iria originalmente para os cinemas, mas a pandemia alterou esses planos. Não há nada nele que já não tenhamos visto antes, em outras obras tanto...

‘Meu Pai’: empática experiência sensorial da demência

"Meu Pai" começa ao som de uma ópera que acompanha os passos de uma mulher que anda por uma rua aparentemente pacata. Não demora muito e percebemos que essa música é escutada por outro personagem em fones de ouvido. Essas duas cenas simples revelam logo a essência do...