O veterano produtor Ant Timpson estreia na direção com “Come to Daddy”, uma enérgica comédia com toques de terror que transita livremente por diferentes gêneros de gênero, criando um híbrido potente e fresco. Com trinta e poucos anos, Norval (Elijah Wood, o Frodo de “O Senhor dos Anéis”) viaja para uma cabana (na floresta, é claro) para ver seu pai, que enviou uma carta para ele. Quando chega lá, uma selfie que sai errada coloca seu telefone fora de ação. A cada confronto, o homem com quem ele está tentando se reconectar fica mais e mais estranho. Sem comunicação e cercado por quilômetros de deserto, ele logo percebe que está preso. Eventualmente, a atmosfera na casa – que nunca foi muito familiar – se transforma em brutalidade.

“Come to Daddy” muda constantemente de forma, com todos os detalhes puxando o público para uma toca de coelho. O primeiro ato acontece como um drama familiar de ritmo lento, mas uma ruptura abrupta coloca tudo em movimento em uma rápida cadeia de eventos. Assim, o filme se transforma em um thriller de invasão de domicílio, e tudo acaba em horror. Na verdade, nunca chega aonde é esperado e nunca fica em lugar algum por muito tempo – e é melhor que assim seja.

ESTREIA CHEIA DE VIDA

Nessa jornada, Norval precisa enfrentar seus sentimentos por seu pai, mesmo que isso tenha um preço: terríveis revelações sobre sua própria vida. No roteiro, escrito por Toby Harvard a partir de uma ideia de Timpson, ele é um jovem que passou por momentos difíceis e que vive ansiando por algo que ele não conhece. Músico aspirante a ator, está desempregado e voltou a morar com a mãe depois de se recuperar do alcoolismo e de tentar suicídio. No entanto, ele se propõe a encontrar o homem que o deixou ansioso para impressionar, uma decisão que acabará por colocá-lo em água quente.

Elijah Wood apresenta um personagem cheio de contradições sem esforço e com uma linguagem corporal perfeita. Ele passa de uma relação sadia e afetuosa com o pai a uma reação cômica a ruídos estranhos em casa à noite, sem grande dificuldade. Aumentando ainda mais o humor, a virada ameaçadora de Michael Smiley como o vilão Jethro é absolutamente hilária.

O diretor mencionou em entrevistas que a inspiração para “Come to Daddy” foi a morte de seu próprio pai. Apesar de todas as suas palhaçadas, o coração do filme é a busca de um filho por amor e reconexão paternais. Nos momentos mais dramáticos, quase se assemelha a uma sessão de terapia, mas quando o conjunto é tão engraçado, quem se importa? Ao combater a dor pela morte de seu pai, Timpson criou um longa-metragem de estreia, cheio de vida.

‘Bar Doce Lar’: má fase de George Clooney persiste em filme repetitivo

Logo no início de “Bar Doce Lar”, título horroroso no Brasil para o filme disponível no Amazon Prime, JR diz gostar de viver na casa do avô ao contrário da mãe. O motivo: a presença de muita gente no local. Tal fala, entretanto, ganha um contorno maior para além da...

Onde foram parar e por que os filmes de cassino sumiram das telonas?

De filmes de ação a dramas, há grandes clássicos do cinema e títulos dos anos 90 e 2000 que destacam os poderosos cassinos, particularmente os encontrados nos Estados Unidos. Não há um brasileiro que não se lembre de pelo menos dois filmes que destacavam os luxuosos...

‘O Canto do Cisne’: não funciona como romance nem como sci-fi

À primeira vista, “O Canto do Cisne” engana bem: Mahershala Ali e Naomie Harris com a excelência de sempre e ainda com Glenn Close e Awkwafina como coadjuvantes de luxo, um visual atrativo pela modernidade clean do design de produção e do cenário principal...

‘Apresentando os Ricardos’: Sorkin racionaliza demais universo das sitcoms

Lucille Ball quer um lar. E ele definitivamente não vai ser construído em um cinema cerebral demais como o de Aaron Sorkin. “Apresentando os Ricardos”, nova investida dele na direção, é um retrato sem o brilho que fez de Ball a estrela mais assistida da TV dos Estados...

‘Não Olhe Para Cima’: sátira caminha por trilha segura em críticas

Quando “House of Cards” estreou na Netflix em fevereiro de 2013 chocou uma (ingênua) parcela do público sobre como o coração da política norte-americana poderia ser tão ardiloso e baixo. Era época de um suposto idealismo democrático com Barack Obama, primeiro...

‘Matrix Resurrections’: Lana Wachowski recorda o valor do risco em Hollywood

Se “Matrix” encontra paralelos diretos em “Metrópolis” ou “Blade Runner” dentro do universo de distopias e ficções científicas, pode-se dizer que “Matrix Resurrections” está mais próximo de obras como “Crepúsculo dos Deuses” ou “O Jogador” como análise ácida e...

‘Belfast’: Kenneth Branagh retorna à infância em filme singelo

Vários diretores, ao longo da história do cinema, fizeram filmes baseados em suas próprias vidas. Gente graúda, como François Truffaut (Os Incompreendidos), Federico Fellini (Amarcord) ou Ingmar Bergman (Fanny & Alexander), para citar só alguns dos mais marcantes....

‘A Mão de Deus’: Sorrentino navega no (bom) exagero em filme familiar

As relações familiares são o ponto de partida de “A mão de Deus”, novo filme do diretor italiano Paolo Sorrentino (“A Grande Beleza”). O protagonista da trama é Fábio Schisa (Filippo Scotti), um adolescente que vive com os pais e dois irmãos mais velhos na Nápoles dos...

‘Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa’: a maturidade chega a Peter Parker

Com três intérpretes diferentes, o Homem-Aranha é o herói mais replicado no cinema (ao menos no século XXI). E é claro que a cada nova saga do herói a expectativa é sempre de superação, mas, mesmo sob essa pressão, em 2017, Tom Holland conseguiu se consagrar como...

‘Encontros’: Riz Ahmed faz o que pode em sci-fi morna

Riz Ahmed vem se consolidando como um dos melhores e mais interessantes atores de Hollywood no momento. O cara até agora não deu uma bola fora e, em alguns casos, até elevou algumas produções. Foi merecidamente indicado ao Oscar de Melhor Ator por O Som do Silêncio...