“Qualquer semelhança com fatos reais é mera coincidência”. Esta é a frase que a cineasta gaúcha Iuli Gerbase escolhe para abrir o seu primeiro longa-metragem intitulado “A Nuvem Rosa”.

O aviso prévio acaba se tornando um conselho ao espectador de como receber o filme. Afinal, a cineasta escreveu o roteiro do longa em 2017 que, por sua vez, foi filmado em 2019 – um ano antes da pandemia do coronavírus assolar a humanidade.

Na ficção científica, temos uma nuvem tóxica que surge misteriosamente ao redor do mundo, capaz de matar uma pessoa em apenas 10 segundos após contato. Essa condição obriga a sociedade a viver em isolamento extremamente rigoroso.

A história se concentra em Giovana (Renata de Lélis) e Yago (Eduardo Mendonça), dois jovens que haviam se conhecido na noite anterior do anúncio de quarentena. Agora, presos e debaixo do mesmo teto, terão que aprender a conviver um com o outro até que seja decretado o fim do isolamento social.

ROTEIRO SEM POTÊNCIA

Apesar da bizarra coincidência com a realidade e a presença de eventos semelhantes ao que aconteceram no mundo com Covid-19, Gerbase optou por explorar os percalços que o enclausuramento pode afetar um casal que se vê enclausurado 24 horas por dia e sete vezes por semana. Desta forma, “A Nuvem Rosa”, ao invés de abordar sobre a origem da nuvem, os problemas sociais e econômicos que ela causa, vemos um estudo de personagens debilitados psicologicamente por conta da quarentena.

A escolha da diretora pode causar um movimento dúbio entre os espectadores. Muitos podem se identificar ao ver as discussões, brigas e até conflitos físicos entre o casal afetado pelo isolamento. Ao mesmo tempo em que outra parcela se distancie da obra, pois, Gerbase pouco trata sobre os agentes externos de como a sociedade está lidando com a presença de nuvem tóxica que pode matar a qualquer momento.

Para não dizer que a cineasta ignora estes fatores, em certos momentos do longa, há a inserção de reportagens, anúncios governamentais e até personagens secundários interagindo com os protagonistas. Mas, estes elementos servem apenas para construção do cenário apocalíptico, nada além disso.

Ressalto que não há nenhum problema em focar a narrativa na construção do relacionamento de um casal, mas para isso, é necessário que haja diálogos potentes. E, não é o que vemos no longa: os diálogos não coincidem com os sentimentos expostos pelos personagens. Quando há o crescimento de uma tensão, rapidamente, ela é contida de forma abrupta e superficial.

Por outro lado, Gerbase acerta, por exemplo, várias questões que o isolamento social traz como a necessidade da busca de novas formas de contato, adaptação de diversas atividades de interação, como o trabalho remoto.

CINQUENTA TONS DE ROSA

Apesar da monotonia do texto, o mesmo não pode ser dito da paleta de cores utilizada no filme. Como o próprio título do longa já prenuncia, o rosa é a cor que predomina. Porém, vemos diversas ramificações da cor que ajudam a ditar o “tom” do momento.

Nas cenas em que a tensão sexual está presente, vemos um rosa mais vivo e caloroso que simboliza a sexualidade entre os personagens. Já em momentos de dispersão e isolamento de um dos personagens, o rosa que prevalece é de tom mais frio e brando. Destaque para a inserção de apenas uma outra cor durante o filme, totalmente justificável e essencial para o momento.

Somado as cores, temos ótimos enquadramentos que reforçam a ideia do isolamento como uma prisão. Os personagens estão sempre em cenários apertados e fechados que podem até causar certa claustrofobia em quem assiste.

A montagem também é outro ponto forte de “A Nuvem Rosa”. Há um momento em específico em que a sequência de cenas demonstra muito bem a transição do tempo que passou para o casal. Mas, ainda assim, certos “furos temporais” causam estranhamento por conta da narrativa pouco desenvolvida.

É natural a quem assiste buscar semelhanças ou ausências do mundo real na narrativa do filme. Mas o interesse de Gerbase é justamente a experiência e discussão de como o isolamento afeta a rotina dos indivíduos e, sobretudo, a mente das pessoas.

Talvez se a cineasta dedicasse um pouco mais na exploração de fatores externos que despertam a curiosidade do espectador, “A Nuvem Rosa” tivesse um maior impacto, principalmente nas cenas finais do longa. De qualquer modo, o longa marca um início ousado de Gerbase na direção de um longa, além de ser mais um bom exemplar de ficção científica do cinema brasileiro.

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...