Após sucessivos atrasos, “Marighella”, estreia de Wagner Moura na direção, finalmente chegou aos cinemas. O filme sobre a história do militante comunista Carlos Marighella durante a ditadura militar brasileira traz Seu Jorge no papel do protagonista e como principal força. Sua atuação é o que mais se destaca durante as 2h35 de projeção, principalmente na dramaticidade colocada pelo ator buscando sensibilizar um personagem que, do início ao fim da obra, está sempre em perigo, correndo contra o tempo e, por mais que esteja sempre rodeado por amigos e companheiros políticos, parece solitário.

Ainda nesse sentido, a atuação de Seu Jorge também se destaca por balancear uma direção mais frenética pela parte de Moura. A câmera na mão, que passeia livremente pelos cenários, não respira. O diretor tenta impor um Marighela mítico a partir de suas ações em cena, desde a aparição inicial assaltando um trem que levava armamento militar como na cena em que o político sofre um atentado e, mesmo baleado, luta contra vários policiais enquanto esbraveja pela democracia.

SUPER-HERÓIS E NÃO SERES HUMANOS

Embora o processo do longa busque associar esses dois pontos, em alguns momentos, parecemos observar filmes diferentes e não um único com diferentes tons. A relação de Marighella com seus companheiros é construída a partir de uma misticidade que não nos é tão bem apresentada. O roteiro opta por focar na carreira do militante já durante a ditadura, logo, temos um Marighella mais velho que, a partir das próprias experiências, decide pela luta armada como a melhor opção para enfrentar os militares, tendo como aliados principais jovens que o tem como líder.

O filme tenta partir de um conhecimento prévio sobre a vida e a obra do protagonista, porém, se ressente de uma contextualização maior até mesmo para aqueles que o conhecem. A admiração dos jovens por Marighella existe como fato predecessor: ele é inspirador porque é; suas ações e do grupo são filmadas com o intuito de deixá-las grandiosas e funcionam enquanto obra de ação, mas não se sustentam conforme a obra avança e nos sentimos distantes daqueles personagens. Suas interações parecem protocolares, a relação com familiares soa como uma lembrança distante de que ali estavam pessoas lutando por uma causa com efeitos práticos na vida do povo.

Tudo parece distante de uma realidade concreta, indo na contramão da própria história de vida de Marighella. A cada grito dos personagens de “sou cidadão brasileiro”, “sou um brasileiro foda”, encarnava em tela a sensação de estarmos vendo super-heróis e não militantes políticos, estudantes, trabalhadores, pais e filhos. Discurso presente nas entrelinhas, nos diálogos, mas sempre deixado de lado.

Dentro desta proposta focada na ação, a dualidade construída entre o líder comunista e seu algoz, o delegado Lúcio (Bruno Gagliasso) acaba sendo a escolha mais acertada de direção e roteiro. O vilão é apresentado de maneira bem unidimensional, exalando maldade a cada respiração. É um antagonista clássico, encarnando toda uma estrutura fascista presente no então governo, sem mais explicações, sem pestanejar frente a alguma situação, combinando mais com o tom adotado durante o filme.

MANO BROWN ENSINA

Ao se encaminhar para o término e a já conhecida morte do protagonista, a produção abre mais espaço para que Seu Jorge que, em nenhum momento decepciona como o “herói” Marighella, possa se sobressair ainda mais como o “homem” Marighella.

O ator empresta ao personagem um olhar de descontentamento, distante, que luta por convicção mesmo quando se sente acuado, e comove quando interage com seu filho, com o melhor amigo e com a mulher que ama. É apenas nesses momentos que o personagem se engrandece em cena sem parecer forçado, inclusive, na última aparição, acuado após ser pego em uma emboscada, mantendo a serenidade enquanto encara a solidão que precede o fim.

Mais uma vez, direção e roteiro parecem não satisfeitos com a sensibilidade desses momentos e colocam logo após a cena da emboscada uma inexplicável cena onde os demais integrantes do grupo cantam aos berros o hino nacional, enquanto choram e se abraçam, parecendo um vídeo bolsonarista bem produzido.

O estranhamento com a cena do hino nacional se torna maior quando sobem os créditos e podemos ouvir a canção do grupo Racionais MCs, “Mil faces de um homem leal”, em homenagem ao protagonista, lançada em 2012, e disparadamente uma melhor obra sobre o deputado, poeta e militante Carlos Marighella.

‘Viagem ao Topo da Terra’: animação correta impressiona pelo visual e singeleza

Por que seres humanos perigosamente arriscam a vida escalando grandes montanhas? E vale a pena fazer isso, se ninguém vai registrar ou lembrar? Estas perguntas estão no cerne de Viagem ao Topo da Terra, animação francesa disponível na Netflix dirigida por Patrick...

‘Casa Gucci’: um filme de Lady Gaga e só

Se a palavra Gucci ao ser dita soa como algo doce, mas, carrega uma maldição simultaneamente como diz Patrizia Reggiani, dois momentos podem ser considerados simbólicos desta definição: o primeiro está na transformação do olhar de Patrizia ao ouvir o sobrenome vindo...

‘Encanto’: agradável ainda que nada marcante animação Disney

Apropriada para o público infantil e com fácil apelo emocional, a temática sobre família constantemente é explorada nas animações da Disney e ‘Encanto’ não foge disso. Dirigido pelo trio Jared Bush (‘Moana’), Byron Howard (‘Zootopia’) e Charise Castro Smith, o filme...

‘Ataque dos Cães’: a masculinidade tóxica dissecada e descontruída

“Ataque dos cães” trata sobre masculinidade e poder em uma obra que flutua pela sensibilidade dos detalhes. Benedict Cumberbatch (“Doutor Estranho”) interpreta Phil Burbank, um típico vaqueiro dos filmes de faroeste, tratando sua frieza e brutalidade como prêmios. Ele...

‘King Richard: Criando Campeãs’: a filosofia de Will Smith com todos seus vícios e virtudes

Há alguns anos, o astro Will Smith explicou o motivo de ter recusado o papel de protagonista no sucesso Django Livre (2012), de Quentin Tarantino. A estrela afirmou que “o único jeito de fazê-lo seria se fosse uma história de amor, não de vingança”. Bem,...

‘Earwig’: fábula dark de incapaz de envolver o público

A vida de uma menina peculiar, um homem atormentado e uma garçonete em apuros se entrelaçam em "Earwig", novo filme da francesa Lucile Hadžihalilović (“Inocência”, “Évolution”). O longa, que teve estreia em Toronto e premiada passagem em San Sebastián, foi exibido no...

‘Ferida’: Halle Berry tenta, mas, não sai de fórmulas batidas

Ferida, estrelado e dirigido pela atriz Halle Berry – marcando sua estreia como diretora – é um filme igual à sua protagonista: sincero, mas errático; intenso, mas também disperso. A produção da Netflix busca contar um drama humano dentro do universo do MMA e, com...

‘Deserto Particular’: a solidão como companheira

A solidão que a gente carrega e que nos carrega também. “Deserto Particular” é um filme sobre espaços e tempo. Logo na abertura, Daniel (Antônio Saboia) corre de noite em meio a uma rua vazia, enquanto ouvimos uma narração do protagonista direcionada a alguém que ele...

‘Tick, Tick… Boom!’: Lin-Manuel Miranda dribla resistências ao musical em grande filme

Seja no cinema ou no teatro, não conhecer ‘Rent – Os Boêmios’ e muito menos ter se emocionado ao som de ‘Seasons of Love’ é algo extremamente difícil para quem gosta de musicais. A partir dessa prerrogativa, ‘Tick Tick... Boom!’ trata-se de uma grande homenagem a esse...

‘Um Herói’: o melhor filme de Asghar Farhadi desde ‘O Passado’

Um conto-da-carochinha com desdobramentos épicos é a força-motriz de "Um Herói", novo drama de Asghar Farhadi. O longa foi exibido no Festival de Londres deste ano após estreia em Cannes, onde levou o Grand Prix - o segundo prêmio mais prestigiado do evento. Escolhido...