Famoso movimento do cinema americano nos anos 1970, o Blaxploitation teve como público-alvo os negros do país tão mal representados nas grandes produções de Hollywood. Sempre com o nível de violência acima da média, as produções transitavam entre policiais, westers, terror e até comédia. Estrelas como Pam Grier, protagonista décadas depois de “Jackie Brown”, de Quentin Tarantino, e Richard Roundtree, de “Shaft”, marcaram a geração.

No meio disso, um comediante fracassado, sempre correndo atrás do sucesso, que resolveu roubar piadas de mendigos e, inspirado nelas, criou um personagem icônico chamado Dolemite. O sucesso das rimas levou Rudy Ray Moore a virar lenda a ponto de se tornar conhecido como o Padrinho do Rap. Agora, a história dele chega à Netflix com o divertido “Meu Nome é Dolemite”, dirigido por um inspirado Craig Brewer (“Entre o Céu e o Inferno”) e um brilhante Eddie Murphy.

A bem da verdade, “Meu Nome é Dolemite” engrena quando o protagonista decide se aventurar no cinema. Muito disso se deve ao elenco muito bem escalado com especial destaque para Craig Robinson e Wesley Snipes roubando a cena toda vez que aparece – a forma como ele fala ‘ação’ é sensacional. Intérprete de Lady Reed, Da’Vine Jay Randolph brilha tanto nos momentos de humor quanto no drama. Não à toa que o trecho mais comovente pertence a ela ao ressaltar a importância da representatividade daquele elenco negro.

RIR DAS LIMITAÇÕES

“Meu Nome é Dolemite” caminha pela trilha já frequentada por filmes como “O Artista do Desastre” e “Os Picaretas”, este também protagonizado pelo próprio Eddie Murphy. Aqui, porém, ficamos encantados em ver que todos os envolvidos fazem o seu melhor apesar de suas claras limitações, enquanto no filme de James Franco isso levava ao riso pelas bizarrices.

Talvez, por isso, não espanta o sucesso de bilheteria alcançado pelo filme como se pode ver no fim de “Meu Nome é Dolemite”. E se Tommy Wiseau no primeiro momento ficou magoado com a crítica, Rudy ao ser detonado pela mesma, não se entristeceu – e até acalentou colegas – ressaltando que era pelos supostos defeitos do filme que o público compareceria as sessões.

Muito do sucesso da comédia deve-se, sem dúvida, a Eddie Murphy. A entrega do ator é perceptível, pelos trejeitos e pela forma como compõe Rudy, especialmente, na sua mudança de postura pós-Dolemite. E isso conversa bastante com a carreira do ator:  se Rudy Ray Moore aprende com seus fracassos, o astro parece seguir pelo caminho, afinal, chegou a ser uma das maiores estrelas de Hollywood, mas, viu tudo ruir após polêmicas pessoais e fracassos consecutivos de público e bilheteria.

A produção ainda capta muito bem o espírito da trilha sonora e reconstituída nos deslumbrantes figurinos criados por Ruth E. Carter, vencedora do Oscar de Melhor Figurino por “Pantera Negra” e com boas chances de voltar a ser indicada. A comédia da Netflix fala de sonhos, representatividade e amor pelo cinema. Acima de tudo, “Meu nome é Dolemite” alimenta o desejo de ver Eddie Murphy em mais filmes de maior qualidade como este.

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...