“Greta Garbo podia ter qualquer um, mas tudo que ela queria era ficar sozinha”, diz Pedro, personagem de Marco Nanini, que é fã da atriz sueca, em certo ponto do filme. Dentre suas falas emblemáticas, essa é a que mais exemplifica as contradições de seu personagem que, ao longo da trama, vive de forma completamente oposta ao que diz. Em “Greta”, o cineasta Armando Praça deixa para trás o estereótipo de homossexuais jovens, sarados, e nos apresenta um homem idoso, forte, melancólico, rodeado por relações frágeis e superficiais. O filme é um conto de esperança e realismo dos seres marginalizados. É uma belíssima obra de Praça que ataca o preconceito e fala de forma despudorada sobre a vida de homossexuais comuns.  

“Greta” nos apresenta a história do enfermeiro Pedro (fenomenal Nanini) aos 70 anos, que trabalha em um hospital público de Fortaleza. Em um dia de folga, ele precisa levar a amiga Daniela (Denise Weinberg) que está em estado terminal de câncer para ser internada. Por falta de leito no hospital, o enfermeiro decide ajudar o assassino Jean (Demick Lopes), que deu entrada ferido, após matar um desafeto com 40 facadas. No lugar de Jean, Pedro consegue internar Daniela na esperança de que a amiga siga com um tratamento. O enfermeiroleva Jean para casa e os dois vão desenvolver uma relação, enquanto o protagonista enfrenta o drama da morte iminente de Daniela.  

O filme de Praça é melodrama com personagens fortíssimos. Pedro é um homem que deseja amar e ser amado. O personagem de Nanini transborda em tela a dor da solidão, da perda e também da esperança. Na cena de abertura, o enfermeiro aparece entrando em uma ambulância retirando a maquiagem dos olhos e passando as mãos nos cabelos brancos, em uma mensagem clara do diretor que devemos esquecer Lineu, personagem que Nanini viveu por tantos anos na televisão em “A Grande Família”. Na trama, vamos lidar com o ser humano cru, com pouquíssima ética no trabalho, relações amorosas, violência, uso quase abusivo de álcool.

É impossível não ser empático com a história de Pedro e de como ele se envolve com pacientes do trabalho, homens em uma boate por pura solidão. A cena em que ele chora após um orgasmo é emblemática em expor o quão vazio é a vida daquele homem. Praça filma o sexo de maneira limpa, intimista, como artificio narrativo para apresentar o mundo em que Pedro vive. Poderia até dizer que com certo exagero, mas vejo a necessidade que Praça tinha em mostrar aquela história sem censura ou floreios.  

A interpretação de Marco Nanini é arrebatadora. O ator tem um bom roteiro em mãos, mas o que ele faz em “Greta” é belíssimo! Sua total entrega ao personagem, seus olhares vazios, arrependido, apaixonado. Sua dedicação à amiga Daniela e a dependência em cuidar das pessoas. Pedro consegue mostrar seu amor servindo, suturando e observando as relações sexuais e até amorais dentro do hospital em que trabalha. A construção de seu personagem é impecável, desde as cenas de nu frontal, até a sua despedida da amiga de longa data. Vemos um Marco Nanini completamente pouco visto pelo grande público: frágil, tímido, cansado, melancólico.

‘AMOR QUE A GENTE TEM PARA DAR’

A câmera em ponto fixo, poucos cortes e uma fotografia em tons de amarelo e roxo só reforçam a maneira intimista, humana em que os personagens são retratados. Desde os primeiros minutos o espectador sente que observa escondido a vida daquele enfermeiro, seja no hospital com visual gótico ou no pequeno e humilde apartamento de Pedro.

É somente no terceiro ato que o diretor se alonga demais, adicionando cenas com pouco sentido e que não contribuem para o desfecho, esse por sua vez inesperado, mas bonito. A impressão que fica é que Armando Praça sabe a joia que tem nas mãos e não quer finalizar. Um conflito final é mais estruturado e mal desenvolvido dentro da trama, mas não consegue apagar o brilho de sua mensagem.

“Greta” é um filme sobre os excluídos, os marginalizados. Tão significativo ver esse filme em uma sessão tarde da noite no Centro de Manaus. Difícil não deixar a sessão refletindo sobre quantos Pedro(s) e Daniela(s) temos ali, ou quantos Jeans existem no mundo. A verdade é que o diretor usa todo seu olhar humanizado e melancólico em seu primeiro longa-metragem, ao nos apresentar personagens tão complexos e genuínos. Se a sua pretensão era desenvolver uma trama tocante, poderosa, Praça consegue isso com maestria.

Não é possível assistir “Greta” e não se incomodar, e não ser tocado por aquela história. Ao final da sessão, saímos com o olhar triste de Pedro e da beleza que é a sua esperança em finalmente viver um amor. E como diz Daniela durante sua última canção: “O que se leva dessa vida coração é o amor que a gente tem para dar”.

Enfim, que bom que existem filmes como Greta no mundo.

‘Spencer’: Kristen Stewart luta em vão contra filme maçante

Em "Spencer", Kristen Stewart se junta ao clube de atrizes - que inclui Naomi Watts (“Diana”) e Emma Corrin (“The Crown”) - que se lançaram ao desafio de retratar a Princesa Diana. A atriz traz uma energia caótica à personagem e a coloca no caminho de uma quase certa...

‘O Garoto Mais Bonito do Mundo’ e o dilema da beleza

Morte em Veneza, o filme do diretor italiano Luchino Visconti lançado em 1971 e baseado no livro de Thoman Mann, é sobre um homem tão apaixonado, tão obcecado pela beleza que presencia diariamente, que acaba destruindo a si próprio por causa disso. E essa beleza, no...

‘Venom: Tempo de Carnificina’: grande mérito é ser curto

Se alguém me dissesse que existe um filme com Tom Hardy, Michelle Williams, Naomie Harris e Woody Harrelson, eu logo diria que tinha tudo para ser um filmaço, porém, estamos falando de “Venom: Tempo de Carnificina” e isso, infelizmente, é autoexplicativo. A...

‘A Casa Sombria’: ótimo suspense de desfecho duvidoso

Um dos grandes destaques do Festival de Sundance do ano passado, "A Casa Sombria", chegou aos cinemas brasileiros após mais de um ano de seu lançamento. Sob a direção de David Bruckner (responsável por dirigir o futuro reboot de "Hellraiser"), o longa é um bom exemplo...

‘Free Guy’: aventura mostra bom caminho para adaptação de games

Adaptar o mundo dos jogos para as telonas é quase uma receita fadada ao fracasso. Inúmeros são os exemplos: "Super Mario Bros", "Street Fighter", "Tomb Raider: A Origem" e até o mais recente "Mortal Kombat" não escapou de ser uma péssima adaptação. Porém, quando a...

‘A Taça Quebrada’: a angustiante jornada de um fracassado

Não está fácil a vida de Rodrigo: músico sem grande sucesso, ele não aceita a separação da esposa ocorrida há dois anos (sim, 2 anos!) muito menos o novo relacionamento dela, além de sofrer com a distância do filho e de ver o trio morar na casa que precisou deixar. E...

‘Halloween Kills: O Terror Continua’: fanservice não segura filme sem avanços

Assim como ocorreu com Halloween (2018), a sensação que se tem ao final da sua sequência, Halloween Kills: O Terror Continua, é de... decepção. O filme dirigido por David Gordon Green que reviveu a icônica franquia de terror no aniversário de 40 anos do clássico...

‘Flee’: a resiliência de um refugiado afegão em animação brilhante

A vida de um refugiado é o foco de "Flee", filme exibido no Festival de Londres deste ano depois de premiadas passagens nos festivais de Sundance (onde estreou) e Annecy. A produção norueguesa é uma tocante história de sobrevivência que transforma um passado...

‘Batman: O Cavaleiro das Trevas’, o filme que mudou Hollywood

Em 2008, dois filmes mudaram os rumos de Hollywood. Foi o ano em que o cinema de super-heróis passou para o próximo nível e espectadores pelo mundo todo sentiram esse abalo sísmico. O Marvel Studios surgiu com Homem de Ferro, um espetáculo divertido, ancorado por...

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...