O Oficial e o Espião é um drama baseado no famoso “caso Dreyfus”. Em 1894, oficiais do exército francês descobriram que informações confidenciais sobre seus armamentos estavam sendo repassadas para os alemães e o capitão Alfred Dreyfus foi acusado de ser o espião, o autor dos vazamentos. As evidências contra Dreyfus eram frágeis, mas ele foi condenado à prisão perpétua e mandado para a Ilha do Diabo. No fim das contas, ele não era espião e alguns anos depois, foi comprovada a sua inocência.

Foi um dos mais vergonhosos incidentes da história francesa e gerou comoção nacional, principalmente pela forma como os militares acusaram Dreyfus – basicamente, por ser judeu, o nome dele pulou para o topo da lista dos suspeitos – e mais tarde, quando a acusação começou a ser questionada, os militares tentaram encobrir o embaraço fazendo um linchamento público. O caso Dreyfus já foi dramatizado nas telas algumas vezes antes, mais notadamente no ótimo drama A Vida de Emile Zola (1937), no qual Paul Muni ganhou o Oscar de Melhor Ator ao viver o advogado humanista que lutou, junto a outras pessoas, para libertar Dreyfus.

O Oficial e o Espião… bem, é dirigido por Roman Polanski. É fácil pensar num paralelo dentro da obra entre o polêmico Polanski e Dreyfus. Autor de alguns grandes filmes da história do cinema – “Chinatown”, “O Bebê de Rosemary”, “O Inquilino”, “O Pianista” – e de, ao menos, um ato comprovado e completamente desprezível – leia-se, o abuso sexual da menor Samantha Geimer na década de 1970, pelo qual escapou praticamente impune – podia-se esperar que o cineasta, que também é judeu, iria de algum modo se apropriar da injustiça cometida contra Dreyfus para comentar, ou até mesmo relativizar a sua culpa, comparando-se a um homem injustamente acusado DE VERDADE.

E de fato, essa visão sobre o filme realmente prevaleceu, como se viu na cerimônia do César, grande prêmio do cinema francês, na qual O Oficial e o Espião foi premiado. Viralizou a cena da atriz Adèle Haenel, de Retrato de Uma Jovem em Chamas (2019), abandonando a cerimônia quando Polanski foi anunciado como vencedor de Melhor Diretor pelo filme.

Mas de fato… Polanski faz esse paralelo no seu filme? É difícil argumentar que sim, e é aí que O Oficial e o Espião comprova realmente a sua qualidade e a inteligência da visão do seu realizador. No filme, na verdade, acompanhamos os esforços do Coronel Picquart, vivido por Jean Dujardin. Ele é o oficial que assume as operações de inteligência e sobe de cargo após Dreyfus ser preso, mas, aos poucos, descobre evidências da acusação fajuta contra o ex-oficial e passa a questionar seus superiores, trazendo à tona o escândalo que abalaria a nação.

CLIMA PARANÓICO TÍPICO DE POLANSKI

Polanski e o co-roteirista Robert Harris – autor de um livro sobre o caso, no qual o filme se baseia – estabelecem desde o começo o contexto antissemita forte da época: o próprio Picquart relembra, num flashback, seu encontro com o jovem Dreyfus, que foi seu aluno, no qual confessa que não tem amores pelos judeus, mas que o trataria com justiça. Sem estragar nada realmente, é necessário ressaltar que esse momento faz uma bela rima visual e narrativa com o desfecho de “O Oficial e o Espião”. Mas o elemento antissemita não é martelado na cabeça do espectador, nem exageradamente enfatizado pelo roteiro. Na verdade, o filme evita fazer julgamentos e deixa que os fatos falem por si.

E tematicamente, O Oficial e o Espião se encaixa perfeitamente na obra de Polanski. O protagonista Picquart é mais um que encara um sistema, um grupo organizado, uma conspiração, dedicada a acabar com ele, e aos poucos se torna paranoico, tal e qual outros protagonistas de filmes do diretor. Polanski conduz o longa com rigor e um olhar quase clínico, sem enfeites e numa abordagem clássica e discreta, limitando-se a seguir seus personagens dentro do enquadramento; e a fotografia de Pawel Edelman, colaborador regular do diretor, filma tudo com uma iluminação natural e cria um clima delicado, de tensões sob a superfície.

Contribuindo para esse clima, temos as ótimas atuações dos atores: Dujardin nunca esteve melhor, com um desempenho sólido, comedido e cheio de nuances; e Louis Garrell, Hervé Pierre, Mathieu Almaric e Emmanuelle Seigner, esposa do diretor, conseguem se destacar e criar figuras interessantes mesmo com pouco tempo de tela. 

É um filme maduro, feito por um cineasta no domínio dos seus poderes, e que à parte um final corrido demais – mas com uma boa cena de desfecho – não pode realmente ter a sua qualidade muito questionada. Infelizmente, conciliar a pessoa Roman Polanski com seus filmes é algo que todo cinéfilo precisa fazer por si só. Mas é difícil refutar o fato de que, atrás das câmeras, Polanski muitas vezes demonstrou ser genial. É difícil encontrar um cineasta já na casa dos 80 anos que continue fazendo filmes com uma visão tão arguta – apesar, verdade seja dita, do tropeço do seu filme anterior, o fraco Baseado em Fatos Reais (2017). O debate sobre Roman Polanski continua, e a sua dramatização de uma das mais infames injustiças do final do século XIX, que ainda permanece atual, não o resolve. Pelo contrário, só adiciona lenha na fogueira…

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...

‘Em um Bairro de Nova York’: sobre ‘suañitos’ e fazer a diferença

É preciso dizer que Jon M. Chu e Lin-Manuel Miranda são os artistas atuais mais populares no quesito representatividade em Hollywood. Chu é responsável por trazer o primeiro filme norte-americano em 25 anos com um elenco totalmente asiático e asiático-americano –...

‘Noites de Alface’: riqueza da rotina duela contra mistérios vazios

Apesar de “Noites de Alface” estar envolto em situações misteriosas, elas não têm tanta importância quando o mais interessante são as reflexões sobre envelhecer e das trivialidades da rotina cotidiana.  O grande trunfo do filme é ouvir os protagonistas dessa trama...