O Oficial e o Espião é um drama baseado no famoso “caso Dreyfus”. Em 1894, oficiais do exército francês descobriram que informações confidenciais sobre seus armamentos estavam sendo repassadas para os alemães e o capitão Alfred Dreyfus foi acusado de ser o espião, o autor dos vazamentos. As evidências contra Dreyfus eram frágeis, mas ele foi condenado à prisão perpétua e mandado para a Ilha do Diabo. No fim das contas, ele não era espião e alguns anos depois, foi comprovada a sua inocência.

Foi um dos mais vergonhosos incidentes da história francesa e gerou comoção nacional, principalmente pela forma como os militares acusaram Dreyfus – basicamente, por ser judeu, o nome dele pulou para o topo da lista dos suspeitos – e mais tarde, quando a acusação começou a ser questionada, os militares tentaram encobrir o embaraço fazendo um linchamento público. O caso Dreyfus já foi dramatizado nas telas algumas vezes antes, mais notadamente no ótimo drama A Vida de Emile Zola (1937), no qual Paul Muni ganhou o Oscar de Melhor Ator ao viver o advogado humanista que lutou, junto a outras pessoas, para libertar Dreyfus.

O Oficial e o Espião… bem, é dirigido por Roman Polanski. É fácil pensar num paralelo dentro da obra entre o polêmico Polanski e Dreyfus. Autor de alguns grandes filmes da história do cinema – “Chinatown”, “O Bebê de Rosemary”, “O Inquilino”, “O Pianista” – e de, ao menos, um ato comprovado e completamente desprezível – leia-se, o abuso sexual da menor Samantha Geimer na década de 1970, pelo qual escapou praticamente impune – podia-se esperar que o cineasta, que também é judeu, iria de algum modo se apropriar da injustiça cometida contra Dreyfus para comentar, ou até mesmo relativizar a sua culpa, comparando-se a um homem injustamente acusado DE VERDADE.

E de fato, essa visão sobre o filme realmente prevaleceu, como se viu na cerimônia do César, grande prêmio do cinema francês, na qual O Oficial e o Espião foi premiado. Viralizou a cena da atriz Adèle Haenel, de Retrato de Uma Jovem em Chamas (2019), abandonando a cerimônia quando Polanski foi anunciado como vencedor de Melhor Diretor pelo filme.

Mas de fato… Polanski faz esse paralelo no seu filme? É difícil argumentar que sim, e é aí que O Oficial e o Espião comprova realmente a sua qualidade e a inteligência da visão do seu realizador. No filme, na verdade, acompanhamos os esforços do Coronel Picquart, vivido por Jean Dujardin. Ele é o oficial que assume as operações de inteligência e sobe de cargo após Dreyfus ser preso, mas, aos poucos, descobre evidências da acusação fajuta contra o ex-oficial e passa a questionar seus superiores, trazendo à tona o escândalo que abalaria a nação.

CLIMA PARANÓICO TÍPICO DE POLANSKI

Polanski e o co-roteirista Robert Harris – autor de um livro sobre o caso, no qual o filme se baseia – estabelecem desde o começo o contexto antissemita forte da época: o próprio Picquart relembra, num flashback, seu encontro com o jovem Dreyfus, que foi seu aluno, no qual confessa que não tem amores pelos judeus, mas que o trataria com justiça. Sem estragar nada realmente, é necessário ressaltar que esse momento faz uma bela rima visual e narrativa com o desfecho de “O Oficial e o Espião”. Mas o elemento antissemita não é martelado na cabeça do espectador, nem exageradamente enfatizado pelo roteiro. Na verdade, o filme evita fazer julgamentos e deixa que os fatos falem por si.

E tematicamente, O Oficial e o Espião se encaixa perfeitamente na obra de Polanski. O protagonista Picquart é mais um que encara um sistema, um grupo organizado, uma conspiração, dedicada a acabar com ele, e aos poucos se torna paranoico, tal e qual outros protagonistas de filmes do diretor. Polanski conduz o longa com rigor e um olhar quase clínico, sem enfeites e numa abordagem clássica e discreta, limitando-se a seguir seus personagens dentro do enquadramento; e a fotografia de Pawel Edelman, colaborador regular do diretor, filma tudo com uma iluminação natural e cria um clima delicado, de tensões sob a superfície.

Contribuindo para esse clima, temos as ótimas atuações dos atores: Dujardin nunca esteve melhor, com um desempenho sólido, comedido e cheio de nuances; e Louis Garrell, Hervé Pierre, Mathieu Almaric e Emmanuelle Seigner, esposa do diretor, conseguem se destacar e criar figuras interessantes mesmo com pouco tempo de tela. 

É um filme maduro, feito por um cineasta no domínio dos seus poderes, e que à parte um final corrido demais – mas com uma boa cena de desfecho – não pode realmente ter a sua qualidade muito questionada. Infelizmente, conciliar a pessoa Roman Polanski com seus filmes é algo que todo cinéfilo precisa fazer por si só. Mas é difícil refutar o fato de que, atrás das câmeras, Polanski muitas vezes demonstrou ser genial. É difícil encontrar um cineasta já na casa dos 80 anos que continue fazendo filmes com uma visão tão arguta – apesar, verdade seja dita, do tropeço do seu filme anterior, o fraco Baseado em Fatos Reais (2017). O debate sobre Roman Polanski continua, e a sua dramatização de uma das mais infames injustiças do final do século XIX, que ainda permanece atual, não o resolve. Pelo contrário, só adiciona lenha na fogueira…

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...

‘Saudosa Maloca’: divertida crônica social sobre um artista boêmio

Não deixa de ser interessante que neste início da sua carreira como diretor, Pedro Serrano tenha estabelecido um forte laço afetivo com o icônico sambista paulista, Adoniram Barbosa. Afinal, o sambista deixou a sua marca no samba nacional dos anos 1950 e 1960 ao...

‘Godzilla e Kong – O Novo Império’: clima de fim de feira em filme nada inspirado

No momento em que escrevo esta crítica, caro leitor, ainda não consegui ver Godzilla Minus One, a produção japonesa recente com o monstro mais icônico do cinema, que foi aclamada e até ganhou o Oscar de efeitos visuais. Mas assisti a este Godzilla e Kong: O Novo...

‘Uma Família Feliz’: suspense à procura de ideias firmes

José Eduardo Belmonte ataca novamente. Depois do detetivesco – e fraco – "As Verdades", ele segue se enveredando pelas artimanhas do cinema de gênero – desta vez, o thriller domiciliar.  A trama de "Uma Família Feliz" – dolorosamente óbvio na ironia do seu título –...

‘Donzela’: mitologia rasa sabota boas ideias de conto de fadas

Se a Netflix fosse um canal de televisão brasileira, Millie Bobby Brown seria o que Maisa Silva e Larissa Manoela foram para o SBT durante a infância de ambas. A atriz, que alcançou o estrelato por seu papel em “Stranger Things”, emendou ainda outros universos...