E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema… A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas, carros tunados e tramas sobre crime nos primeiros exemplares evoluiu para alta espionagem, heróis precisando salvar o mundo e cenas de ação e melodrama exagerados em iguais proporções. E o sucesso nas bilheterias globais aumentou de acordo com essa evolução. Mas nenhum carro anda macio para sempre, todo veículo tem sua vida útil, e a julgar por este Velozes e Furiosos 9, parece que a gasolina no tanque da franquia está finalmente começando a acabar.

Velozes e Furiosos 9, apesar de toda a agitação, é pura rotina. A trama é a mesma de sempre ou, pelo menos, a mesma dos capítulos mais recentes: tudo está em paz com Dom Toretto (Vin Diesel) e sua família até aparecer do nada um novo vilão com uma tecnologia super ultra mega power que pode acabar com o mundo. Eles, então, voltam à ação e aos veículos para enfrentá-lo.

De novo temos o tema da família revisitado à exaustão – o vilão é o irmão de Dom, Jakob (John Cena), alguém que nunca tinha sido mencionado antes, claro. De novo temos participações especiais de atores dos filmes anteriores que se tornaram parte da trupe: Helen Mirren! Lucas Black, astro do terceiro filme! – quem? Olha lá a Charlize Theron ganhando uma grana para aparecer por alguns minutos e ficar olhando para uma tela!

Até as surpresas que este nono filme traz são requentadas: o Han (Sung Kang) morreu, mas passa bem. O filme arranja uma desculpa fajuta para o seu retorno. Tenho certeza que se a Gal Gadot passasse um e-mail para o Vin Diesel, sua antiga personagem também seria ressuscitada. Outro que volta é o diretor Justin Lin, o cineasta que foi o responsável pela virada na franquia. Neste Velozes e Furiosos 9, Lin colabora no roteiro, pois o roteirista arquiteto da saga até aqui, Chris Morgan, optou por não participar desta vez. E nota-se: talvez por isso o filme tenha esse jeito de um trabalho feito na zona de conforto. Dwayne Johnson também ficou de fora desta vez – não há lugar para ele, pelo visto, na família de Vin Diesel…

AO INFINITO E ALÉM

Enfim, esse nono capítulo parece representar a encruzilhada de Velozes e Furiosos. Além do tema da família, o outro aspecto que sustentou a cinessérie até hoje foi o apego ao absurdo e ao exagero, tanto no drama novelesco quanto na ação bombástica. No passado, a franquia de James Bond, por exemplo, ensinou que é possível se sustentar no absurdo e no exagero, mas isso cobra um preço. Por mais criatividade que se tenha, há um limite para eles.

Neste Velozes e Furiosos 9, o ápice do absurdo é a viagem de Tej (Ludacris) e Roman (Tyrese Gibson) ao espaço num carro com foguetes. Porém, até isso parece uma ideia preguiçosa, tirada de memes e piadas de internet. Ora, mesmo os filmes de Bond da era Roger Moore eventualmente tiveram de recolocar, ao menos, um dos pés no chão.

Se a trama não importa – e nunca importou – como é a ação, pelo menos? Bem, neste quesito Lin não decepciona como sempre. Embora desta vez alguns momentos em computação gráfica pareçam mais falsos que o usual, Velozes e Furiosos 9 até diverte um pouquinho quando as coisas estão explodindo e os carros acelerando.

Claro, nada significa nada: nunca temos a sensação de que qualquer um dos heróis está em perigo e, quando Dom usa um cabo de aço para fazer seu carro atravessar um abismo igual um Tarzan em quatro rodas, percebemos que nada ali terá qualquer consequência e os protagonistas já viraram praticamente super-heróis. Essas cenas, ao menos, são bem melhores do que aquelas em que os personagens param e começam a conversar, fingindo que estão contando uma história.

 REPRESENTATIVADE EM ALTA

Um ponto positivo da ação neste nono filme é a maior participação das mulheres do elenco. Jordana Brewster, neste, enfim participa mais da ação e se sai bem – enquanto que nos anteriores sua personagem era relegada a namoradinha/esposa do herói de Paul Walker – e alguns dos poucos momentos realmente divertidos vêm de Nathalie Emmanuel e sua tentativa de dirigir por Londres. São legais também alguns dos flashbacks com as versões jovens de Dom e Jakob, especialmente o racha entre eles que retoma o estilo visual do filme original da franquia.

Mas essas pequenas qualidades salpicadas aqui e ali não conseguem evitar a sensação de cansaço que a experiência transmite. É um tipo muito cínico de cinema: um blockbuster de 2h20 em que não importa história, desenvolvimento de personagem, temática, em suma, nada. Nem a experiência do espectador importa tanto, já que algumas das poucas surpresas do filme já foram divulgadas logo cedo nos trailers.

Velozes e Furiosos, no entanto, costumava ter ao menos uns lampejos de criatividade, de energia, para empilhar absurdo em cima de absurdo e assim fazer o espectador rir um pouco e esquecer os problemas. Neste nono exemplar, até essa criatividade já começa a minguar.

Vinte anos depois, a cinessérie de maior sucesso do cinema de ação moderno tinha razões para comemorar… Mas, depois deste aqui, talvez fosse melhor repensar algumas concepções para os próximos. Pois num momento de comemoração, Velozes e Furiosos acabou entregando um dos seus piores filmes.

‘Seguindo todos os protocolos’: inventivo olhar das redes sociais na pandemia

Há um universo nas redes sociais brasileiras ainda mal explorado na recente produção audiovisual do país. Embora sirva de pano de fundo para várias produções, o que vemos sempre resvala em pequenas sacadas óbvias, humor questionável ou críticas sociais com a...

‘A Pior Pessoa do Mundo’: dramédia romântica fora dos padrões

O que define um sujeito como “pior pessoa do mundo”? No mundo socialmente determinado, temos a clara noção do que é bom e ruim, dentro do que é aceito. Histórias são diversas, múltiplas e instigantes. Pense em uma pessoa ruim, por exemplo, certamente merece esse...

‘892’: John Boyega se agiganta em filme repleto de tensão

Há alguns anos, considero que John Boyega passou do ponto com as reclamações sobre sua participação na última trilogia Star Wars. Seu argumento tinha era bastante válido (a ausência de personagens não-brancos com maior destaque), mas também ecoava certo ataque de...

‘Uma Escola no Marajó’: um dia na vida de uma escola ribeirinha

Selecionado para a Mostra Panorama, “Uma Escola no Marajó” começa com uma viagem de barco pela ilha do título do filme, no interior do Pará. A embarcação é uma condução que leva as crianças que vivem em casas mais isoladas para a escola. O sol ainda não nasceu...

‘Marte Um’: a esperança que se recusa a morrer

Marte Um, de Gabriel Martins, começa literalmente na noite em que Jair Bolsonaro foi eleito presidente em 2018. Um garotinho negro olha para o céu enquanto os fogos de artificio pipocam à distância, em comemoração. É um filme que não tem um enfoque abertamente...

‘Rabiola’: um verdadeiro suco de Brasil

Na história do cinema, não faltam casos de filmes que se utilizam de pontos de partidas comuns ou nada extraordinários para gradualmente representarem o panorama de uma sociedade e suas graves desigualdades. São casos de obras-primas como “Ladrões de Bicicleta”, ponto...

‘Meu Coração é um Pouco Mais Vazio na Cheia’: remix nas águas

Alguns elementos das raízes da cultura rave encontram um inusitado espaço de debate do curta “Meu coração é um pouco mais vazio na cheia”, da tocantinense Sabrina Trentim. O mais gritante deles é, óbvio, a presença da música eletrônica, mas o apreço por cenários...

‘Utopia’: o florescer da memória a partir da ausência

Com “Utopia”, a diretora amapaense Rayane Penha mostra ao público como a noção de ritmo é importante à narrativa documental no audiovisual. Dentre offs relembrando um sonho fantástico da diretora com o pai, depoimentos de conhecidos, a releitura de cartas paternas e...

‘Nazaré: Do Verde ao Barro’: poética ribeirinha através da aquarela

Não é raro no curta-metragem vermos a experimentação técnica ou narrativa do realizador e equipe se sobrepor à necessidade real para o filme em si daquele recurso escolhido. Isso está longe de ser um crime, afinal, o curta traz esta liberdade maior, sendo, inclusive,...

‘Meus Santos Saúdam Teus Santos’: um abraço em forma de filme

Ao pensarmos na figura do Pajé, o senso comum aponta diretamente à representação massificada nas narrativas do festival folclórico de Parintins; se muito, imaginamos a figura de um indígena em idade avançada, envolto em trajes tidos como tradicionais. E para expandir...