E lá se vão vinte anos de Velozes e Furiosos no cinema… A metamorfose pela qual passou essa cinessérie, desde o primeiro – e visto hoje, até humilde – filme de 2001, é uma das mais curiosas trajetórias de sucesso da Hollywood moderna. O que começou com rachas, carros tunados e tramas sobre crime nos primeiros exemplares evoluiu para alta espionagem, heróis precisando salvar o mundo e cenas de ação e melodrama exagerados em iguais proporções. E o sucesso nas bilheterias globais aumentou de acordo com essa evolução. Mas nenhum carro anda macio para sempre, todo veículo tem sua vida útil, e a julgar por este Velozes e Furiosos 9, parece que a gasolina no tanque da franquia está finalmente começando a acabar.

Velozes e Furiosos 9, apesar de toda a agitação, é pura rotina. A trama é a mesma de sempre ou, pelo menos, a mesma dos capítulos mais recentes: tudo está em paz com Dom Toretto (Vin Diesel) e sua família até aparecer do nada um novo vilão com uma tecnologia super ultra mega power que pode acabar com o mundo. Eles, então, voltam à ação e aos veículos para enfrentá-lo.

De novo temos o tema da família revisitado à exaustão – o vilão é o irmão de Dom, Jakob (John Cena), alguém que nunca tinha sido mencionado antes, claro. De novo temos participações especiais de atores dos filmes anteriores que se tornaram parte da trupe: Helen Mirren! Lucas Black, astro do terceiro filme! – quem? Olha lá a Charlize Theron ganhando uma grana para aparecer por alguns minutos e ficar olhando para uma tela!

Até as surpresas que este nono filme traz são requentadas: o Han (Sung Kang) morreu, mas passa bem. O filme arranja uma desculpa fajuta para o seu retorno. Tenho certeza que se a Gal Gadot passasse um e-mail para o Vin Diesel, sua antiga personagem também seria ressuscitada. Outro que volta é o diretor Justin Lin, o cineasta que foi o responsável pela virada na franquia. Neste Velozes e Furiosos 9, Lin colabora no roteiro, pois o roteirista arquiteto da saga até aqui, Chris Morgan, optou por não participar desta vez. E nota-se: talvez por isso o filme tenha esse jeito de um trabalho feito na zona de conforto. Dwayne Johnson também ficou de fora desta vez – não há lugar para ele, pelo visto, na família de Vin Diesel…

AO INFINITO E ALÉM

Enfim, esse nono capítulo parece representar a encruzilhada de Velozes e Furiosos. Além do tema da família, o outro aspecto que sustentou a cinessérie até hoje foi o apego ao absurdo e ao exagero, tanto no drama novelesco quanto na ação bombástica. No passado, a franquia de James Bond, por exemplo, ensinou que é possível se sustentar no absurdo e no exagero, mas isso cobra um preço. Por mais criatividade que se tenha, há um limite para eles.

Neste Velozes e Furiosos 9, o ápice do absurdo é a viagem de Tej (Ludacris) e Roman (Tyrese Gibson) ao espaço num carro com foguetes. Porém, até isso parece uma ideia preguiçosa, tirada de memes e piadas de internet. Ora, mesmo os filmes de Bond da era Roger Moore eventualmente tiveram de recolocar, ao menos, um dos pés no chão.

Se a trama não importa – e nunca importou – como é a ação, pelo menos? Bem, neste quesito Lin não decepciona como sempre. Embora desta vez alguns momentos em computação gráfica pareçam mais falsos que o usual, Velozes e Furiosos 9 até diverte um pouquinho quando as coisas estão explodindo e os carros acelerando.

Claro, nada significa nada: nunca temos a sensação de que qualquer um dos heróis está em perigo e, quando Dom usa um cabo de aço para fazer seu carro atravessar um abismo igual um Tarzan em quatro rodas, percebemos que nada ali terá qualquer consequência e os protagonistas já viraram praticamente super-heróis. Essas cenas, ao menos, são bem melhores do que aquelas em que os personagens param e começam a conversar, fingindo que estão contando uma história.

 REPRESENTATIVADE EM ALTA

Um ponto positivo da ação neste nono filme é a maior participação das mulheres do elenco. Jordana Brewster, neste, enfim participa mais da ação e se sai bem – enquanto que nos anteriores sua personagem era relegada a namoradinha/esposa do herói de Paul Walker – e alguns dos poucos momentos realmente divertidos vêm de Nathalie Emmanuel e sua tentativa de dirigir por Londres. São legais também alguns dos flashbacks com as versões jovens de Dom e Jakob, especialmente o racha entre eles que retoma o estilo visual do filme original da franquia.

Mas essas pequenas qualidades salpicadas aqui e ali não conseguem evitar a sensação de cansaço que a experiência transmite. É um tipo muito cínico de cinema: um blockbuster de 2h20 em que não importa história, desenvolvimento de personagem, temática, em suma, nada. Nem a experiência do espectador importa tanto, já que algumas das poucas surpresas do filme já foram divulgadas logo cedo nos trailers.

Velozes e Furiosos, no entanto, costumava ter ao menos uns lampejos de criatividade, de energia, para empilhar absurdo em cima de absurdo e assim fazer o espectador rir um pouco e esquecer os problemas. Neste nono exemplar, até essa criatividade já começa a minguar.

Vinte anos depois, a cinessérie de maior sucesso do cinema de ação moderno tinha razões para comemorar… Mas, depois deste aqui, talvez fosse melhor repensar algumas concepções para os próximos. Pois num momento de comemoração, Velozes e Furiosos acabou entregando um dos seus piores filmes.

‘Late Night With the Devil’: preso nas engrenagens do found footage

A mais recente adição ao filão do found footage é este "Late Night With the Devil". Claramente inspirado pelo clássico britânico do gênero, "Ghostwatch", o filme dos irmãos Cameron e Colin Cairnes, dupla australiana trabalhando no horror independente desde a última...

‘Rebel Moon – Parte 2’: desastre com assinatura de Zack Snyder

A pior coisa que pode acontecer com qualquer artista – e isso inclui diretores de cinema – é acreditar no próprio hype que criam ao seu redor – isso, claro, na minha opinião. Com o perdão da expressão, quando o artista começa a gostar do cheiro dos próprios peidos, aí...

‘Meu nome era Eileen’: atrizes brilham em filme que não decola

Enquanto assistia “Meu nome era Eileen”, tentava fazer várias conexões sobre o que o filme de William Oldroyd (“Lady Macbeth”) se tratava. Entre enigmas, suspense, desejo e obsessão, a verdade é que o grande trunfo da trama se concentra na dupla formada por Thomasin...

‘Love Lies Bleeding’: estilo A24 sacrifica boas premissas

Algo cheira mal em “Love Lies Bleeding” e é difícil articular o quê. Não é o cheiro das privadas entupidas que Lou (Kristen Stewart) precisa consertar, nem da atmosfera maciça de suor acre que toma conta da academia que gerencia. É, antes, o cheiro de um estúdio (e...

‘Ghostbusters: Apocalipse de Gelo’: apelo a nostalgia produz aventura burocrática

O primeiro “Os Caça-Fantasmas” é até hoje visto como uma referência na cultura pop. Na minha concepção a reputação de fenômeno cultural que marcou gerações (a qual incluo a minha) se dá mais pelos personagens carismáticos compostos por um dos melhores trio de comédia...

‘Guerra Civil’: um filme sem saber o que dizer  

Todos nós gostamos do Wagner Moura (e seu novo bigode); todos nós gostamos de Kirsten Dunst; e todos nós adoraríamos testemunhar a derrocada dos EUA. Por que então “Guerra Civil” é um saco?  A culpa, claro, é do diretor. Agora, é importante esclarecer que Alex Garland...

‘Matador de Aluguel’: Jake Gyllenhaal salva filme do nocaute técnico

Para uma parte da cinefilia, os remakes são considerados o suprassumo do que existe de pior no mundo cinematográfico. Pessoalmente não sou contra e até compreendo que servem para os estúdios reduzirem os riscos financeiros. Por outro lado, eles deixam o capital...

‘Origin’: narrativa forte em contraste com conceitos acadêmicos

“Origin” toca em dois pontos que me tangenciam: pesquisa acadêmica e a questão de raça. Ava Duvernay, que assina direção e o roteiro, é uma cineasta ambiciosa, rigorosa e que não deixa de ser didática em seus projetos. Entendo que ela toma esse caminho porque discutir...

‘Instinto Materno”: thriller sem brilho joga no seguro

Enquanto a projeção de “Instinto Materno” se desenrolava na sessão de 21h25 de uma segunda-feira na Tijuca, a mente se esforçava para lembrar da trama de “Uma Família Feliz”, visto há menos de sete dias. Os detalhes das reviravoltas rocambolescas já ficaram para trás....

‘Caminhos Tortos’: o cinema pós-Podres de Ricos

Cravar que momento x ou y foi divisor de águas na história do cinema parece um convite à hipérbole. Quando esse acontecimento tem menos de uma década, soa precoce demais. Mas talvez não seja um exagero dizer que Podres de Ricos (2018), de Jon M. Chu, mudou alguma...