Em um primeiro momento, confesso que “Waves” me tapeou. Uma Flórida ensolarada, jovens sorrindo, cores e amor no ar, a câmera girando. O novo filme de Trey Edward Shults (“Ao Cair da Noite”), porém, se transforma de uma hora pra outra em um drama competente com efeito dominó que culmina em uma tragédia. Fala sobre erros da juventude, masculinidade tóxica, pressões familiares e o que a falta de confiança e do diálogo pode trazer de pior.

Nesta construção, o diretor ainda se permite realizar experimentações com cores e trilha sonora, onde se propaga um mergulho mais aprofundado nos sentimentos de seus personagens. Se a superfície aparenta tudo bem, no fundo, os alicerces desta realidade estão prestes a ruir.

“Waves” acompanha a família de Ronald (Sterling K. Brown). Com disciplina e responsabilidade, ele cuida dos filhos Tyler (Kelvin Harrison Jr.) e Emily (Taylor Russell McKenzie), tendo a ajuda da esposa Catherine (Renée Elise Goldsberry). Com a educação dos filhos bem encaminhada e, em breve, ambos indo para a faculdade, ele ainda se mantém alerta principalmente com o filho, com certa severidade desmedida.

Sempre fazendo questão de reforçar seus pontos, principalmente por serem negros, se tornam naturais no decorrer da história colocações como “não podemos nos dar ao luxo de ser medianos” ou “temos que ralar dez vezes mais!”. Tyler ainda sente a pressão aumentar a partir do momento que sua namorada engravida. Em um ponto de virada mergulhamos na história de Emily, que sentindo um impacto de uma tragédia, ainda inicia um namoro com o jovem Luke (Lucas Hedges).

 MUITO ALÉM DE UM NOVO ‘MOONLIGHT’

Fazendo um paralelo entre a história dos dois irmãos, é interessante notar como Shults utiliza as mesmas cores e até movimentos de câmera, mas em situações diferentes. Ambos carregam uma certa carga de melancolia, mas, por diferentes razões. Se Tyler participa de festas e encontra namorada para fugir da sombra da cobrança do pai, Emily sofre com o luto, buscando manter a família unida e aplicar as lições aprendidas com os problemas do irmão.

E ainda acrescentando na construção dos sentimentos e como reflexão das situações, o diretor introduz canções que organicamente se incorporam à narrativa, aumentando sua profundidade. Mesmo sendo um pouco excessivas, elas colaboram bastante no desenvolvimento dos personagens. Além das músicas, a trilha sonora, composta por Trent Reznor e Atticus Ross (“A Rede Social”), complementam a atmosfera reflexiva.

Falar um pouco mais sobre a história do filme, seria entregar muitos spoilers cruciais para a experiência de quem assiste. “Waves” ganha ainda mais força com o elenco excelente. Sterling K. Brown (“Predador” e “This is Us”) transborda emoção ao descobrir uma tragédia e em uma conversa com a filha.  

Apesar de até lembrar visualmente com “Moonlight”, de Barry Jenkins, a semelhança fica apenas nisso. Pode vir a ser considerado excessivo, pois, o diretor não resiste e mantém um corte que acredito se estender um pouco mais do que o necessário. Alguns minutos a menos com certeza contribuiriam para uma melhor fluidez.     

Por fim, não poderia deixar de elogiar a A24 por revelar e encorajar uma nova safra de diretores. Com um cinema repleto de blockbusters e filmes cada vez mais abraçando o lado comerciais, é um alívio ver produções preocupadas em contar boas histórias. “Waves” é visualmente bonito, mas, no fim, não deixa também de partir corações.  

‘After the Winter’: drama imperfeito sobre amizades e os novos rumos de um país

"After the Winter", longa de estreia do cineasta Ivan Bakrač, é uma ode à amizade e ao amadurecimento. A co-produção Montenegro-Sérvia-Croácia, que teve sua première mundial na seção Leste do Oeste do Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano, retrata...

‘Batman Begins’ e o renascimento do Homem-Morcego

“Por que caímos? Para aprender a nos levantar”. Essa frase é dita algumas vezes pelos personagens de Batman Begins, inclusive pelo pai de Bruce Wayne. Ela se aplica dentro da história, mas também é possível enxergar aí um comentário sutil a respeito da franquia Batman...

‘O Marinheiro das Montanhas’: Ainouz em viagem intimista e modesta

"O Marinheiro das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz, é uma mistura de diário de viagem e tributo familiar que leva o espectador para o coração da Argélia - e do diretor também. O documentário, exibido na seção Horizontes do Festival Internacional de Cinema de...

‘O Espião Inglês’: cumpre missão mesmo sem inovar

Filmes de espionagem quase sempre ostentam um ar noir, como uma ode aos filmes antigos da Era de Ouro de Hollywood. Com clima denso, a tensão toma conta, as intrigas são o plot principal nesses enredos frios e sem espaço para o humor e, via de regra, quase sempre...

‘Mirrors in the Dark’: drama de demasiados passos em falso

Uma dançarina à beira do abismo é o foco de "Mirrors in the Dark", filme tcheco que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. O longa de estreia de Šimon Holý, exibido na mostra Leste do Oeste do evento, capricha no visual...

‘The Card Counter’: Oscar Isaac simboliza a paranoia de um país

“The Card Counter”, novo filme do diretor Paul Schrader (roteirista de clássicos como “Taxi Driver” e “Touro Indomável”), possui certas semelhanças com seu último filme, “No coração da escuridão”. Ambos partem do estudo sobre um personagem masculino que se percebe...

‘Nö’: anticomédia romântica dos dilemas da geração millenium

O medo do fracasso, as pressões contemporâneas e as estruturas sociais colocam uma parede no meio de um casal em "Nö", nova produção alemã que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Karlovy Vary deste ano. Premiado com o Globo de Cristal de...

‘O Culpado’: Jake Gyllenhaal caricato em remake desnecessário

O cinema é uma arte que permite constante reinvenção. E isso facilita a compreensão da prática comum de Hollywood que perdura até os dias de hoje. É natural vermos a indústria norte-americana reexplorar a ideia de uma produção audiovisual de outros países, seja ela...

‘Mother Schmuckers’: anarquia niilista repleta de deboche

"Mother Schmuckers" é um filme que desafia palavras, que dirá críticas. A produção dos irmãos Harpo e Lenny Guit é uma comédia de erros que envolve drogas, violência e todo o tipo de perversão sexual. Exibido nas mostras de meia-noite de Sundance, onde estreou, e do...

’007 – Sem Tempo para Morrer’: fim da era Craig volta a abalar estruturas da série

A franquia de filmes do agente secreto James Bond, o 007, já quase sessentona, virou uma instituição cinematográfica. E quando algo vira uma instituição não se pode mexer muito nela. Não é possível adentrá-la e começar a mudar as coisas de lugar ou fazer diferente do...