Chiron, o protagonista de “Moonlight”, fala pouco. Mas, no pouco que fala, ele diz muito ao espectador. Em determinado momento do filme, ele questiona se outro personagem chora. Ao ouvir a resposta, ele afirma que às vezes “chora tanto que acha que vai secar por dentro”. Curiosamente, não vemos Chiron derramar lágrimas. A angústia desse menino que não sabe lidar com o bullying, com o vício da mãe e com a atração que sente por outros meninos são externadas pelo, bem, externo (com o perdão à redundância). “Moonlight” é um drama sobre um garoto que cresce em um ambiente nada favorável e como ele sobrevive a episódios de extrema violência física e psicológica. O filme de Barry Jenkins é cru, um estudo de personagem que vai além da definição de “romance de formação”.

Somos introduzidos ao universo que cerca Chiron antes de conhecermos o garoto. O filme é dividido em três atos, que funcionam como uma colcha de retalhos para uma história maior. O primeiro personagem que aparece é o carismático Juan (Mahershala Ali). Estiloso e cool com seu carro vintage (azul, mas sobre a cor eu falo mais para a frente), ele é apresentado como uma luz no fim do túnel para um garoto inserido em condições nada favoráveis. O primeiro contato dele com Chiron, após um episódio de bullying sofrido pelo protagonista, mostra a aura do personagem: longe de ser o traficante ameaçador, ele literalmente abre uma janela de luz para o menino.

A contrapartida que o roteiro cria entre a relação familiar de Juan, Teresa e o garoto e o caos que ele vive em casa com a mãe dependente química (Naomie Harris) é fortalecida pelo trabalho do elenco. Mahershala faz de Juan um homem que coloca Chiron sob a sua asa e isso se prova no momento em que ele confronta a mãe do protagonista.. Favorito ao Oscar de coadjuvante, ele transborda sensibilidade. Mais conhecida por um ingrato papel nos últimos filmes de James Bond, a britânica Harris tem um trabalho impressionante, ainda mais se considerarmos que ela teve menos de uma semana para filmar toda uma vida, com três atores e três contextos diferentes. Já Monae mostra o bom momento após o belo desempenho em “Estrelas Além do Tempo” (que também tem Mahershala Ali no elenco) e faz de sua Teresa a figura materna que poderia ter transformado a trajetória de Chiron.

Mas o filme é mesmo dos atores jovens. O trio que interpreta Chiron se complementa de forma impressionante. Enquanto Alex Hibbert fala pouco e traduz todo o medo e a confusão no olhar, Ashton Sanders “herda” um personagem já machucado e sem a ‘luz do fim do túnel’ do primeiro ato. Fruto do meio, ele vai se tornando agressivo até que a última elipse nos entrega um Chiron que é uma versão turbinada do traficante Juan, agora na pele de Trevante Rhodes. Esse último tem a performance mais interessante do longa, como o ‘produto final’ de uma juventude regada a agressões físicas e verbais em um ambiente nada favorável a negros e pobres. No entanto, não há como mencionar Rhodes sem falar de Andre Holland, que vive um jovem oposto a Chiron, mas que escancara os demônios do protagonista de forma crua.


Todo azul do mar

Dirigido por Barry Jenkins, o filme é baseado na peça “In Moonlight, black boys look blue” (‘sob a luz do luar, garotos negros parecem azuis’, em uma tradução livre). Na língua inglesa, a palavra “blue” é mais do que a cor azul. Ela também significa “triste”, “melancólico”. Essa dualidade permitiu a “Moonlight” um interessante exercício estilístico. O ‘blue’ aparece em quase todas as cenas, seja no design de produção, no figurino ou na bela fotografia de James Laxton, que faz um retrato de uma Miami plural e sem estereótipos; uma Miami ensolarada, mas longe da imagem de sonho americano que geralmente é conferida ao lugar em filmes (ou em novelas da Gloria Perez).

O azul da tristeza interna de Chiron vai de encontro ao amarelo dos lampejos de esperança presentes na casa de sua mãe postiça Teresa e no encontro derradeiro no terceiro ato. Não à toa, vemos essas duas cores se misturarem em diversos momentos da trama, como que uma mensagem do por vezes monossilábico garoto. A confusão de sentimentos do garoto é ainda mais evidenciada por uma trilha sonora cheia de particularidades, que vai da música clássica pesada nos momentos de maior violência a inserções de Aretha Franklin e até Caetano Veloso, que pontuam a sensibilidade por vezes camuflada do protagonista.

Outro elemento que conduz a história é a praia. O lugar serve como cenário de catarse para o personagem em cada um dos três momentos da trama.  O mar, no contexto mais esotérico da coisa, significa mudança e/ou proteção. É lá que ele sintetiza suas relações mais importantes e onde ele é livre para ser quem é.

Todos esses aspectos são conduzidos com maestria pelo comandante do barco, Barry Jenkins, que também assina o roteiro.. Em seu segundo filme, ele faz do retrato de Chiron uma jornada pessoal não somente sua, mas de quem está assistindo, com uma câmera nervosa, falsas quebras de quarta parede e momentos de subjetividade. Ao mesmo tempo, a sutileza do trabalho de Jenkins nos torna espectadores voyeurs de uma situação que não nos pertence – o encontro distante de Chiron com a mãe, no terceiro ato, é uma prova disso.

Dividido em três atos, “Moonlight” é um filme que se comunica por cores, sons, olhares. É um romance de formação que trata de abandono, aceitação, drogas e homossexualidade na comunidade negra com sensibilidade e um pungente realismo, apoiado em ótimas atuações e em um doloroso azul carregado de ‘blues’.

Facebook Comments