Não me surpreendo caso muitos perguntem os motivos de “First Cow” ser tão badalado e elogiado pela crítica internacional. Muito menos de uma possível insatisfação generalizada caso o longa dirigido, roteirizado e montado por Kelly Reichardt (“Certas Mulheres”) chegue forte ao Oscar 2021. Para quem procura uma história linear, rápida e didática, sem dúvida, será uma produção decepcionante, especialmente, nos 30 minutos iniciais e no desfecho. Por outro lado, para quem se permite levar muito além disso, terá uma obra difícil de esquecer. 

Ambientado na época da expansão para o Oeste dos EUA, ainda no período de domínio britânico, o filme segue a trajetória de Cookie (John Magaro), um cozinheiro que participa de expedições de aventureiros em busca de ouro. Certo dia, encontra um imigrante chinês chamado King-Lu (Orion Lee) fugindo após ter assassinado um homem. Juntos, eles tentam sobreviver com bolinhos feitos por Cookie que conquistam a região. O problema é que os doces são feitos com o leite da única vaca do local, pertencente ao chefe do Entreposto comercial vivido pelo sempre ótimo Toby Jones e obtido de forma clandestina. 

Baseado no romance escrito por Jonathan Raymond (co-autor do roteiro ao lado de Reichadt), “First Cow” vai fundo naqueles paradigmas tão enraizados em nossa sociedade que se naturalizam diante do nosso cotidiano. Isso independente de quão cruéis e desumanos tais modelos possam ser. Diante da terra onde a História não chegou, como afirma King-Lu, e a promessa de oportunidades de riqueza brotarem em cada lugar, a barbárie dos homens explode em uma intensa disputa marcada por constante rivalidade, provocação, inveja e cobiça.  

Sujos, maltrapilhos, esfomeados e cansados, aquelas figuras podem até trazer o ideal capitalista do self-made man, mas, encontram um cenário medieval, sendo o design de produção de Anthony Gasparro e os figurinos April Napier fundamentais para inserir o espectador naquele cenário de desalento na brilhante sequência em que Cookie anda pela vila após comprar botas novas se tornando um alvo do desgosto de tantos ali por não conseguirem o mesmo. 

CONSTRUÇÃO SOCIAL DIANTE DE NÓS 

Cabe justamente a Cookie (observe que o nome pelo qual é chamado – biscoito, em uma tradução literal – faz referência àquilo que importa naquela realidade, ou seja, a profissão e não a pessoa) ser este contraponto à barbárie. Através de pequenos gestos como ter o mínimo de cuidado ao cobrir uma pessoa com frio, colocar um vaso de plantas em uma casa ou simplesmente de cuidar de um bêbe e conversar com a vaca ao ordenhá-la, o personagem demonstra a empatia e a solidariedade para com o outro, um contrassenso diante de um modelo de desenvolvimento individualista e que enxerga no pensamento coletivo uma ameaça aos seus interesses.  

Ainda assim, ele consegue, através de sua comida e igual faz artistas, despertar a humanidade esquecida ao trazer à tona memórias afetivas com seus biscoitos. A singeleza e ternura com que Magaro compõe o protagonista são comoventes em um trabalho moldado a partir de pequenos detalhes. 

A cadência de Kelly Reichardt adotada no tom da narrativa de “First Cow” consegue ampliar ainda mais esta dimensão de uma construção social sendo feita diante de nós. Os primeiros 40 minutos, por exemplo, servem para a ambientação deste tempo, espaço e dos relacionamentos daquela comunidade. Os planos escuros e sem muita intensidade nas cores propostos pelo diretor de fotografia Christopher Blauvelt combinados à elegância da movimentação da câmera, como na bela sequência em que Cookie e King-Lu chegam à casa do chefe britânico da região, são simbólicos ao clima soturno daquelas figuras dentro de uma civilidade falsa pregada naquele momento da história dos EUA. 

Em uma sociedade em que tudo se precifica, inclusive, a vida humana, e cada dia mais se mostra egocêntrica ao extremo, “First Cow” chega para nos lembrar da solidariedade, da amizade entre as pessoas como um ponto definitivo para a nossa sobrevivência. Talvez esteja enterrado lá no fundo de cada um de nós, mas, diante de todo o horror que vivemos, precisamos resgatá-lo urgentemente. 

‘A Última Carta de Amor’: Jojo Moyes em adaptação de altos e baixos

Lançamento da Netflix, “A última carta de amor” é um romance baseado no livro da escritora britânica Jojo Moyes, que já possui outro livro adaptado para os cinemas, “Como eu era antes de você", de 2016. A autora inclusive também é uma das produtoras do filme....

‘O Sétimo Dia’: policial com terror fica longe de combinar em filme fraco

Uma das belezas do cinema de gênero é perceber como, às vezes, roteiristas e cineastas espertos conseguem criar combinações que, à primeira vista, podem parecer impossíveis de funcionar em conjunto, mas funcionam. Ora, Todo Mundo Quase Morto (2004) é uma...

‘Caros Camaradas’: a desintegração do comunismo soviético

A primeira coisa que você deve saber acerca de “Caros Camaradas” é que estamos diante de um filme forte, necessário e que ainda se apropria de causas hoje presentes estruturados em uma sociedade desigual. Dito isso, vamos ao filme. “Caros Camaradas” narra um momento...

Trilogia ‘Rua do Medo’: diversão rasa, nostálgica e descartável

Séries de TV têm sido um dos pilares fundamentais na consolidação global da Netflix como o maior serviço de streaming do mundo. Boas, ótimas ou ruins, vindas de diversas partes do mundo, não importa: sempre podemos contar com a produção serializada de TV como parte...

‘Viúva Negra’: o pior filme da Marvel em muitos anos

Durante muito tempo, os fãs das produções da Marvel Studios pediam por um filme solo da heroína Viúva Negra. A estrela Scarlett Johansson também queria fazer. Para quem deseja entender um pouco dos meandros de Hollywood e esclarecer porque o filme da Viúva não saiu,...

‘Nem Um Passo em Falso’: Soderbergh perdido no próprio estilo

Steven Soderbergh é um cineasta, no mínimo, curioso. Seu primeiro filme, Sexo, Mentiras e Videotape (1989) mudou os rumos do cinema independente norte-americano quando saiu – e é, de fato, um grande filme. Ao longo dos anos, ele ganhou Oscar de direção por Traffic...

‘Um Lugar Silencioso 2’: ponte com dias atuais mirando futuro da franquia

“Um Lugar Silencioso” foi um dos meus filmes favoritos de 2018. A ambientação, o uso de recursos sonoros e a narrativa capaz de gerar tantas leituras e interpretações foram aspectos determinantes para a catarse causada e suscitar indagações quanto a necessidade de uma...

‘A Guerra do Amanhã’: estupidez eleva à potência máxima

A certa altura de A Guerra do Amanhã, o herói do filme se vê segurando pela mão outra personagem que está prestes a cair num abismo em chamas. Ela cai, ele grita “Nãããoo!” em câmera lenta, e aí eu dei risada e joguei minhas mãos para o ar. Tem certas coisas que não...

‘Four Good Days’: Glenn Close em novelão sobre recomeços

Glenn Close é uma das maiores atrizes de todos os tempos. Um fato indiscutível. Mas também é uma das mais injustiçadas se pensarmos em premiações. E o Oscar é o maior deles. Bem verdade que, ao longo dos anos, a Academia perdeu grande parte de sua relevância, mas...

‘Shiva Baby’: crônica do amadurecimento na era do excesso de informações

“Shiva Baby” é o trabalho de estreia da diretora canadense Emma Seligman e retrata um dia na vida de Danielle (Rachel Sennott), jovem universitária que encontra seu sugar daddy (pessoa mais velha que banca financeiramente alguém, em troca de companhia ou de favores...