“Bela Vingança” (péssimo tradução e até com spoilers de “Promising Young Woman”) consegue embrulhar o estômago do espectador muito mais do que 99% dos filmes de terror com tripas voando ou o sadismo de um Eli Roth. Esta mistura de comédia, drama e terror dirigida e roteirizada por Emerald Fennell (a Camilla Parker Bowles da quarta temporada de “The Crown”) apresenta um olhar clínico sobre as nojentas estruturas machistas da sociedade e os efeitos devastadores para as suas vítimas. 

O filme acompanha a história de Cassandra Thomas (Carey Mulligan), ex-estudante de medicina e funcionária de uma cafeteria. Assombrada por um acontecimento da época da faculdade ocorrido com uma amiga, todas as noites, após o trabalho, ela costuma ir a boates e, fingindo estar bêbada, se deixa levar pelo primeiro idiota que aparece para ‘salvá-la’. Sempre com segundas intenções, os rapazes se veem surpreendidos e assustados ao descobrirem a ‘pegadinha’. A situação muda quando Cassandra reencontra Ryan (Bo Burnham), um ex-colega da faculdade que tem um antigo crush por ela. 

Roteirista com passagem pela excelente “Killing Eve”, Emerald Fennell se utiliza da estrutura clássica dos filmes de vingança para reconstituir o caldeirão misógino capaz de perpetuar a cultura do estupro, quase como algo tragicamente natural. De início, “Bela Vingança” reúne o arsenal de atrocidades ditas por homens mundo afora somente nos seus três primeiros minutos quando um trio de babacas observa Cassandra aparentemente fora de si – “essas garotas se põem em perigo desse jeito”, “se ela não se cuidar, alguém vai tirar vantagem”, “isso é pedir para levar”. Isso se repete ao longo de todo filme, porém, de forma mais ácida e sutil, incluindo, as pretensas demonstrações de gentileza e supostos atos de bondade que, no fundo, escondem a torta visão de sexualização feminina constante. 

CATARSE E A DESFORRA 

O cenário ganha contornos ainda mais profundos ao abordar como o machismo e a cultura do estupro ganham apoio de lugares onde ela menos poderia e deveria se proliferar, no caso, as próprias mulheres e as grandes instituições. A falta de sororidade de uma ex-colega de Cassandra e a forma como a diretora da universidade descredibiliza as graves denúncias e evidências presentes – algo semelhante ao visto no ótimo “A Assistente” – desencorajam a vítima, levam ao desamparo completo, a não-punição dos culpados e à perpetuação destes atos.  

Pelo menos, aqui no cinema, Fennell, neste espaço/tempo em que pode comandar as ações e ditar rumos, oferece, sem qualquer tipo de moralismo ou lições de moral politicamente corretas, a catarse e a desforra, ainda que não totalmente completa e por vezes menos transgressora do que poderia, em “Bela Vingança”. 

Depois de um início promissor em “Educação” e “Desejo e Reparação” seguidos de trabalhos em que sempre acabou em segundo plano – “Drive”, “Inside Llewyn Davis” e “Shame”, Carey Mulligan confirma, após o ótimo “Vida Selvagem”, a excepcional fase com o melhor desempenho da carreira. Em “Bela Vingança”, ela carrega as diferentes nuances pretendidas pela trama ao dosar o drama do trauma e das marcas de um passado que ainda mexe muito com Cassandra com o romântico, mas, inseguro da divertida sequência ao som de Paris Hilton até o sarcástico e ameaçador da mulher caçadora de cretinos. A trilha, aliás, também é outro destaque, incluindo, a versão de “Toxic”, hit de Britney Spears, em acordes agudos próximos ao de um filme de terror. 

As feridas escancaradas por Fennell e Mulligan em “Bela Vingança” são daquelas incômodas por estarem nas entranhas de um modo de agir e pensar ultrapassado pela sua ofensividade e desrespeito extremo para com suas vítimas. Com certeza, haverá os chiliques da turma de sempre vendo seus privilégios e comportamentos cada vez mais censurados, mas, serve também para cada um de nós lutarmos contra si, especialmente, os homens para tentarmos ser ‘menos piores’ do que somos. 

Crítica | ‘Furiosa: Uma Saga Mad Max’: a espetacular construção de uma lenda

Que curiosa carreira tem George Miller: o australiano era médico, depois migrou para o cinema fazendo curtas na incipiente indústria de cinema do país e há 45 anos lançou Mad Max (1979), um filme de ação e vingança de baixo orçamento marcando a estreia em longas. A...

CRÍTICA | ‘Club Zero’: tudo dá errado em péssimo filme

Dirigido por Jessica Hausner, "Club Zero" se passa em uma escola de elite que recebe uma nova professora de nutrição. Ela ensina a um pequeno grupo de adolescentes um novo método de alimentação que promete melhorar não só o desempenho nos estudos e nos esportes dos...

CRÍTICA | ‘Back to Black’: desserviço à imagem de Amy Winehouse

Já na época em que foi anunciada a morte da cantora britânica Amy Winehouse (1983-2011), se falava em um filme sobre ela, tamanho o frenesi midiático que essa artista despertou no mundo neste começo do século XXI. Agora o filme finalmente chegou às telas e... bem, Amy...

CRÍTICA | ‘Fúria Primitiva’: um inevitável sub-John Wick

Independente se você gosta ou não da John Wick, hoje qualquer filme de ação contemporâneo que se preze tem como principal parâmetro a saga estrelada por Keanu Reeves. Mais da metade dos trabalhos lançados nos últimos anos no gênero como um todo seguem a cartilha da...

Crítica | ‘Foram Os Sussurros que Me Mataram’: Tuoto mistura novela das 20h com Lynch em filme inusitado

"Os erros ou excessos na administração do mundo das imagens produzem consequências políticas imediatas". Esse é o tipo de tagarelice canastrona pretensiosa que talvez encontrássemos numa review de Arthur Tuoto – e que não surpreende, portanto, que dê as caras neste...

Crítica | ‘Planeta dos Macacos – O Reinado’: filme mantém marca pessimista da série

De certa forma, a franquia Planeta dos Macacos é perfeita para os nossos tempos: vivemos em um mundo com guerras, desastres climáticos e pandemias. Diante disso, imaginar que a raça humana seja extinta ou que perca o domínio sobre a Terra não parece assim tão distante...

Crítica | ‘Vermelho Monet’ – entre o fazer artístico e o desejo

Há uma plasticidade visual que conduz todo o trabalho de Halder Gomes (“Cine Holliúdy”) em “Vermelho Monet”. O filme protagonizado por Chico Diaz, Maria Fernanda Cândido e Samantha Müller nos conduz pelo submundo do mercado de artes plásticas apresentando um visual...

Crítica | ‘Transe’: o velho espetáculo da juventude progressista classe A

Pode ser tentador para o público, diante da repercussão memética negativa que o trailer de “Transe” recebeu, ir ao cinema com o intuito de chutar cachorro morto. Os que compram seus ingressos planejando tiradas mordazes para o final da sessão irão se decepcionar. Não...

Crítica | ‘Imaculada’: Sydney Sweeny sobra em terror indeciso

Na história do cinema, terror e religião sempre caminharam de mãos dadas por mais que isso pareça contraditório. O fato de termos a batalha do bem e do mal interligada pelo maior medo humano - a morte - permitiu que a religião com seus dogmas e valores fosse...

Crítica | ‘Abigail’: montanha-russa vampírica divertida e esquecível

Desde que chamaram a atenção com o divertido Casamento Sangrento em 2019, a dupla de diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett vem sedimentando uma carreira cinematográfica que mescla o terror sangrento do slasher movie com a sátira social cômica para...