“Bela Vingança” (péssimo tradução e até com spoilers de “Promising Young Woman”) consegue embrulhar o estômago do espectador muito mais do que 99% dos filmes de terror com tripas voando ou o sadismo de um Eli Roth. Esta mistura de comédia, drama e terror dirigida e roteirizada por Emerald Fennell (a Camilla Parker Bowles da quarta temporada de “The Crown”) apresenta um olhar clínico sobre as nojentas estruturas machistas da sociedade e os efeitos devastadores para as suas vítimas. 

O filme acompanha a história de Cassandra Thomas (Carey Mulligan), ex-estudante de medicina e funcionária de uma cafeteria. Assombrada por um acontecimento da época da faculdade ocorrido com uma amiga, todas as noites, após o trabalho, ela costuma ir a boates e, fingindo estar bêbada, se deixa levar pelo primeiro idiota que aparece para ‘salvá-la’. Sempre com segundas intenções, os rapazes se veem surpreendidos e assustados ao descobrirem a ‘pegadinha’. A situação muda quando Cassandra reencontra Ryan (Bo Burnham), um ex-colega da faculdade que tem um antigo crush por ela. 

Roteirista com passagem pela excelente “Killing Eve”, Emerald Fennell se utiliza da estrutura clássica dos filmes de vingança para reconstituir o caldeirão misógino capaz de perpetuar a cultura do estupro, quase como algo tragicamente natural. De início, “Bela Vingança” reúne o arsenal de atrocidades ditas por homens mundo afora somente nos seus três primeiros minutos quando um trio de babacas observa Cassandra aparentemente fora de si – “essas garotas se põem em perigo desse jeito”, “se ela não se cuidar, alguém vai tirar vantagem”, “isso é pedir para levar”. Isso se repete ao longo de todo filme, porém, de forma mais ácida e sutil, incluindo, as pretensas demonstrações de gentileza e supostos atos de bondade que, no fundo, escondem a torta visão de sexualização feminina constante. 

CATARSE E A DESFORRA 

O cenário ganha contornos ainda mais profundos ao abordar como o machismo e a cultura do estupro ganham apoio de lugares onde ela menos poderia e deveria se proliferar, no caso, as próprias mulheres e as grandes instituições. A falta de sororidade de uma ex-colega de Cassandra e a forma como a diretora da universidade descredibiliza as graves denúncias e evidências presentes – algo semelhante ao visto no ótimo “A Assistente” – desencorajam a vítima, levam ao desamparo completo, a não-punição dos culpados e à perpetuação destes atos.  

Pelo menos, aqui no cinema, Fennell, neste espaço/tempo em que pode comandar as ações e ditar rumos, oferece, sem qualquer tipo de moralismo ou lições de moral politicamente corretas, a catarse e a desforra, ainda que não totalmente completa e por vezes menos transgressora do que poderia, em “Bela Vingança”. 

Depois de um início promissor em “Educação” e “Desejo e Reparação” seguidos de trabalhos em que sempre acabou em segundo plano – “Drive”, “Inside Llewyn Davis” e “Shame”, Carey Mulligan confirma, após o ótimo “Vida Selvagem”, a excepcional fase com o melhor desempenho da carreira. Em “Bela Vingança”, ela carrega as diferentes nuances pretendidas pela trama ao dosar o drama do trauma e das marcas de um passado que ainda mexe muito com Cassandra com o romântico, mas, inseguro da divertida sequência ao som de Paris Hilton até o sarcástico e ameaçador da mulher caçadora de cretinos. A trilha, aliás, também é outro destaque, incluindo, a versão de “Toxic”, hit de Britney Spears, em acordes agudos próximos ao de um filme de terror. 

As feridas escancaradas por Fennell e Mulligan em “Bela Vingança” são daquelas incômodas por estarem nas entranhas de um modo de agir e pensar ultrapassado pela sua ofensividade e desrespeito extremo para com suas vítimas. Com certeza, haverá os chiliques da turma de sempre vendo seus privilégios e comportamentos cada vez mais censurados, mas, serve também para cada um de nós lutarmos contra si, especialmente, os homens para tentarmos ser ‘menos piores’ do que somos. 

‘Minari’: naturalismo e honestidade dão o tom de belo filme

Minari, do diretor Lee Isaac Chung, é uma obra delicada e que tem um carinho muito perceptível pelos seus personagens e a história que conta. É uma trama comum no cinema - imigrantes lutando para sobreviver e prosperar numa terra nova - e parcialmente baseada na...

‘Miss Juneteenth’: a busca pela construção do sonho americano negro

Durante uma conversa, o dono do bar em que Turquoise Jones (Nicole Beharie) trabalha afirma que o sonho americano existe, menos para os negros. Esse é um resumo do que aborda “Miss Juneteenth”, longa de Channing Godfrey Peoples. A diretora, que também assina o...

‘Judas e o Messias Negro’: um decepcionante bom filme

Digam o que quiserem do Judas Iscariotes, mas ele é o personagem mais interessante da Bíblia -  do ponto de vista dramático, claro. Porque drama é conflito, e Judas vivia em conflito, e isso faz dele a figura interessante já dramatizada e analisada várias vezes em...

‘Eu Me Importo’: o melhor trabalho de Rosamund Pike desde ‘Garota Exemplar’

Rosamund Pike é uma atriz interessante. Ela tem o talento, a competência como intérprete e a beleza, o pacote completo para virar mega-estrela. A inglesa fez papel de mocinha, esteve até em alguns filmes de ação, mas nunca chegou a dar aquele grande salto para o...

‘O Amor de Sylvie’: Tessa Thompson brilha em romance clichê

“A maioria das pessoas nunca encontra esse tipo de amor. Nem por um verão” Uma protagonista negra segura de si e disposta a lutar pelos seus interesses. Um amor que ultrapassa os anos e a distância. Por mais que isso soe piegas, tinha esperança que esse não fosse o...

‘Adú’: tramas demais prejudicam foco central de drama espanhol

Adú, produção espanhola da Netflix, é um tipo de obra audiovisual que o cinema sempre lançou, mas que vemos com certa frequência hoje em dia: o filme sobre um tópico social importante da atualidade, bem-produzido e bem fotografado, que visa, além de entreter, educar o...

‘A Escavação’: duas metades desequilibradas atrapalham drama

No drama A Escavação, da Netflix, tudo gira em torno de trazer coisas e emoções à superfície. A trama é baseada em fatos reais e reconstitui uma das mais importantes descobertas arqueológicas já feitas no Reino Unido, o “achado de Sutton Hoo”. Tudo começa quando a...

‘Palmer’: Justin Timberlake emociona em drama de fórmula infalível

Em Palmer, drama da Apple TV+ dirigido pelo ator e diretor Fisher Stevens, a proposta é lançar um olhar sensível sobre questões de gênero e de masculinidade. É a história de um homem endurecido de uma geração anterior confrontado pelo mundo moderno, e aprendendo a...

‘Wolfwalkers’: ótima animação sem medo de abordar a morte

Uma animação em 2D de um pequeno estúdio e com baixo orçamento. Essas não parecem ser as características de um filme premiado ou notório na temporada de premiações, mas ‘Wolfwalkers’ atende a todos esses requisitos com benefício de abordar temáticas mais adultas assim...

‘Malcolm & Marie’: egotrip de um diretor mimado dentro e fora das telas

Sam Levinson se empolgou. Após dois filmes pouco badalados - “Bastidores de um Casamento” (2011) e “País da Violência” (2018) - o filho de Barry Levinson (“Rain Man”) alcançou o sucesso de público e crítica com “Euphoria”, na HBO. Do auge da maturidade de seus 36...