Narciso Lobo é um dos pesquisadores essenciais para compreender o cinema no Amazonas. Versado em letras, literatura, poesia, música, cinema e política, sua contribuição é tão pertinente, que, mesmo após 10 anos de seu falecimento, ele permanece sendo imprescindível para a cultura audiovisual local.

Por isso, o Cine Set foi atrás de críticos, pesquisadores e diretores de cinema para saber qual o legado de Narciso Lobo ao nosso cinema.

“Narciso é um ser transdisciplinar. As intervenções feitas por ele tiveram essa marca da sala de aula à rua, nos espaços por onde andou, experimentou e protagonizou acontecimentos.

Precisamos colher as contribuições de Narciso Lobo nas várias áreas. No rádio, criou, em parceria com outros professores, o Programa Radiofônico Universidade Livre de Manaós, apresentado por mais de dez anos na Rio Mar e, mais tarde, transformado em projeto de extensão com participação direta dos estudantes de jornalismo da Ufam. No Encontro de Ideias, projeto realizado entre o final de 1989 até 1992, impulsionou grandes debates com foco em temas de relevância para a Amazônia e o Amazonas. Conectou esta região com o Brasil a partir dos diálogos entre universidades e múltiplas áreas do conhecimento. Nos jornais, onde atuou como articulista e repórter, qualificou a abordagem cultural; seguiu na problematização das séries para a televisão e o lugar da Amazônia nessas narrativas.

No cinema, havia uma luta local, para manter salas de cinemas abertas e ampliação desses espaços. É nesse ritmo de “Hoje tem Guarany”, livro produzido por ele e pela Profª Selda Vale, que noções de direitos humanos e do acesso a bens culturais são lançadas e ganham as ruas, as discussões nos botecos, nos encontros dos intelectuais e dos artistas, nas sala de aula. Esse rosto da luta travada naquele momento engloba questões pelas quais lutamos hoje e espalhou sementes de resistência; a outra face está na determinação do Prof. Narciso em conhecer a história do cinema local, produzir pesquisas, estimular o debate e os estudantes a se interessarem por essa temática.

Como árvore, Narciso Lobo tinha galhos longos e em cada um deles estava abrigada uma proposta cultural-acadêmica. Organizar os eixos de atuação de Narciso é uma tarefa que se coloca menos pela homenagem a ele e mais por necessidade nossa, a fim de, na memória, nos reencontrarmos e encontrarmos as razões para resistir ao tempo da selvageria de agora. O cinema, e o cinema na Amazônia, é um dos territórios da cidadania defendida por Narciso”.

“Acho que Narciso não tem apenas um legado, ele tem legados. Quanto mais leio e procuro saber sobre a trajetória dele mais me surpreendo. As atividades enquanto militante, as inquietações enquanto pesquisador, e sobretudo a dedicação ao ensino como professor da Ufam.

Certamente Narciso é uma referência para nós como Centro Popular do Audiovisual, por mostrar que o cinema vai além dos filmes, e se desdobra em atividades outras”.

“O professor Narciso Lobo foi alguém de uma influência tremenda em diversas áreas. Para o Cinema amazonense ele foi alguém que deu complexidade aos estudos do cinema, por um lado, pois discutiu cinema em relação a cultura, a política, a sociedade e etc. Por outro lado, ele aproximou o cinema de muitas gerações, inclusive gerações de jornalistas que foram formados por ele na Ufam e mais tarde, como no meu caso, formado pela Ufam, mas depois de sua ida.

Eu conheci a obra do Narciso pelo seu livro ” A tônica da descontinuidade: cinema e política em Manaus na década de 60″ uma obra riquíssima, fruto de um pesquisador maduro e dedicado, mas que por outro lado é prazeroso de ler e acompanhar. Foi um livro que me ajudou muito a abrir a mente para estudar o cinema em Parintins, no meu mestrado. Lembro também do livro “Hoje Tem Guarany” escrito junto a professora Selda Vale, onde além do intelectual, aparece de forma muito forte o militante, algo que ele fazia muito bem e da melhor forma possível, ser um intelectual denso, mas também um militante popular e presente”.

“O professor Narciso será sempre lembrado por sua contribuição para os estudos do cinema no Amazonas por ser basicamente um dos indivíduos que trouxeram à tona essa história. Simplesmente não há pesquisa séria sobre a temática que não o cite. O afinco e olhar crítico do professor também marcaram sua atuação como docente consciente, politizado e envolvido com a democratização da informação,  além de seus estudos na área de ficção seriada, usualmente menos lembrado.

Pensando estritamente em termos de cinema, a trajetória do professor Narciso é uma das razões da história do cinema amazonense continuar a ser contada hoje, pois além de sua produção própria, ele esteve diretamente envolvido na formação de vários diretores, pesquisadores, jornalistas e críticos de cinema no estado”.

 “O legado de Narciso para o cinema foi ser um dos precursores na pesquisa sobre a produção e exibição de filmes no Amazonas, além de refletir a importância do movimento cineclubista em Manaus a partir dos anos 1960.

Junto com a Selda, foi quem desenvolveu estudos e levantamentos acerca dessa historiografia do cinema na região, contribuindo para que o Amazonas ocupe um lugar histórico no cenário nacional, na identificação de um de seus pioneiros (Silvino Santos)”.

‘Os Novos Mutantes’, ‘Ned Kelly’ e ‘Sem Seu Sangue’ são atrações nos cinemas de Manaus

Filme: Os Novos Mutantes Direção: Josh Boone Elenco: Anya Taylor-Joy, Maisie Williams, Alice Braga, Rosario Dawson Sinopse: O enigmático Sr. Roarke transforma em realidade os sonhos secretos de seus convidados de sorte em um luxuoso e remoto resort tropica. Mas quando...

‘A Ratoeira’: percepções sensoriais do calor e da cultura manauara

São muito variantes as percepções que se tem de “A Ratoeira”, curta de Rômulo Sousa (“Personas” e “Vila Conde”) selecionado para o Festival Guarnicê 2020. Em seu terceiro projeto como diretor, ele entrega uma obra que experimenta várias construções cinematográficas e...

Prazos apertados levam desafios ao audiovisual do Amazonas em editais da Lei Aldir Blanc

Os editais do Governo do Amazonas e da Prefeitura de Manaus provenientes do repasse da Lei Aldir Blanc iniciam a fase de inscrição das propostas a partir desta semana. A Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), por exemplo, lançou 11 editais do...

Drama espacial com Eva Green é destaque dos cinemas de Manaus

Filme: A Jornada Direção: Alice Winocour Elenco: Eva Green, Matt Dillon, Lars Eidinger Sinopse: O dia a dia de esforço e superação da astronauta francesa Sarah, uma mãe solteira que se prepara para uma missão espacial. Ela luta para equilibrar o tempo que passa com...

Terror sul-coreano, Rogéria e Daniel Radcliffe são atrações nos cinemas de Manaus

Filme: As Faces do Demônio Direção: Jeff Wadlow Elenco: Michael Peña, Jimmy O. Yang, Lucy Hale, Maggie Q, Austin Stowell Sinopse: O enigmático Sr. Roarke transforma em realidade os sonhos secretos de seus convidados de sorte em um luxuoso e remoto resort tropica. Mas...

‘Guerra de Algodão’ é a estreia solitária nos cinemas de Manaus

Filme: Guerra de Algodão Direção: Cláudio Marques, Marília Hughes Elenco: Dora Goritzki, Thaila Lima, Thaia Perez Sinopse: Filme acompanha Dora, uma adolescente criada na Alemanha que volta ao Brasil contra sua vontade. Quando ela passa a morar com sua misteriosa avó...

‘Enterrado no Quintal’: sabor amargo de que dava para ser maior

Tinha tudo para dar certo: Diego Bauer, recém-saído do ótimo “Obeso Mórbido”, adaptando um conto de Diego Moraes, escritor amazonense cercado de polêmicas, mas, de uma habilidade ímpar para construção de narrativas altamente descritivas, sarcásticas, sem qualquer tipo...

Manuscrito histórico de Silvino Santos aguarda publicação na Ufam

A morte de Silvino Santos completou 50 anos no último dia 14 de maio. A trajetória rica do pioneiro do cinema na região amazônica aparece em detalhes no manuscrito “Romance da Minha Vida”, de autoria do próprio diretor dos clássicos “No Paiz das Amazonas” e “Amazonas,...

Vitória de ‘O Barco e o Rio’ em Gramado não é exceção, mas, pode vir a ser

Parte do que será colocado neste texto também foi abordado pelo João Fernandes, diretor-proprietário do Casarão de Ideias, em sua coluna no jornal A Crítica deste domingo (27) (clique aqui para ler).  --  Dirigido por Bernardo Ale Abinader, “O Barco e o Rio” escreveu...

Animação amazonense ‘Lupita’ vence prêmio no Festival de Gramado 2020

A festa do audiovisual amazonense foi completa na noite de premiação do Festival de Gramado 2020: além dos cinco Kikitos vencidos por “O Barco e o Rio” entre os curtas-metragens nacionais, “Lupita no Planeta de Gente Grande”, da manauara Petit Fabrik em parceria com a...