“O abraço da serpente”, do colombiano Ciro Guerra, e “Ixcanul”, do guatemalteco Jayro Bustamante, conseguiram nesta quinta-feira (26) oito indicações cada um na 3ª edição dos Prêmios Platino, na frente de “O clube”, do chileno Pablo Larraín, e “O clã”, do argentino Pablo Trapero, com seis.

A cerimônia de entrega do prêmio está marcada para 26 de julho no Centro de Convenções de Punta del Este, no Uruguai.

O prêmio principal, o de melhor filme ibero-americano, será disputado por “O Abraço da Serpente”, “O Clã”, “O Clube”, “Ixcanul” e “Truman”, do espanhol Cesc Gay, segundo o anúncio pelos organizadores em dois atos simultâneos realizados em Los Angeles e Buenos Aires.

Alfredo Castro (“O clube”), Damián Alcázar (“Magallanes”), Guillermo Francella (“O clã”), Javier Cámara (“Truman”) e Ricardo Darín (“Truman”) competirão pelo prêmio de melhor ator.

Entre as mulheres, as finalistas são Antonia Zegers (“O clube”), Dolores Fonzi (“Paulina”), Elena Anaya (“La memoria del agua”), Inma Cuesta (“La novia”) e Penélope Cruz (“Ma Ma”). “Paulina” é uma coprodução Brasil, Argentina e França.

Além disso, o troféu de melhor direção será disputado por Alonso Ruizpalacios (“Güeros”), Cesc Gay (“Truman”), Ciro Guerra (“O abraço da serpente”), Pablo Larraín (“O clube”) e Pablo Trapero (“O Clã”).

A entrega dos Prêmios Platino acontecerá no dia 24 de julho no Centro de Convenções de Punta del Este, no Uruguai. A cerimônia, retransmitida para mais de 50 países, será conduzida pelos artistas Natalia Oreiro, Santiago Segura e Adal Ramones.

Os Prêmios Platino do Cinema Ibero-Americano, uma iniciativa impulsionada pela Entidade Espanhola de Gestão de Direitos Audiovisuais (Egeda) em parceria com a Federação Ibero-Americana de Produtores (FIPCA), se é um evento de divulgação do cinema em espanhol e português.

Veja, abaixo, os indicados ao III Prêmios Platino de Cinema Ibero-Americano

Melhor filme
“O abraço da serpente” (Colômbina, Venezuela e Argentina)
“O clã” (Argentina e Espanha)
“El club” (Chile)
“Ixcanul” (Guatemala)
“Truman” (Espanha e Argentina)

Melhor diretor
Alongo Ruiplacios (“Güeros”)
Cesc Gay (“Truman”)
Ciro Guerra (“O abraço da serpente”)
Pablo Larraín (“El club”)
Pabro Trapero (“O clã”)

Melhor ator
Alfredo Castro (“El club”)
Damián Alcázar (“Magallanes”)
Guillermo Francella (“O clã”)
Javier Cámara (“Truman”)
Ricardo Darín (“Truman”)

Melhor atriz
Antonia Zegers (“El club”)
Dolores Fonzi (“Paulina”)
Elena Anaya (“La memoria del agua”)
“Inma Cuesta (“La novia”)
Penélope Cruz (“Ma Ma”)

Melhor roteiro
Cesc Gay e Tomás Aragay (“Truman”)
Ciro Guerra e Jacques Toulemonde (“O abraço da serpente”)
Jayro Bustamante (“Ixcanul”)
Pablo Larraín, Guillermo Calderón e Daniel Villalobos (“El club”)
Salvador del Solar (“Magallanes”)

Melhor animação
“Atrapa la bandera” (Espanha)
“Don Gato 2: El inicio de la pandilla” (México)
“El americano” (México)
“El secreto de Amila” (Espanha e Argentina)
“Un gallo con muchos huevos” (México)

Melhor documentário
“Allende mi abuelo Allende” (Chile e México)
“Chicas nuevas 24 horas” (Espanha, Argentina, Paraguai, Colômbia e Peru)
“El botón de nácar” (Chile e Espanha)
“La once” (Chile)
“The propaganda game” (Espanha)

Melhor edição
César Díaz (“Ixcanul”)
Eric Williams (“Magallanes”)
Etienne Boussac e Cristina Gallego (“O abraço da serpente”)
Jorge Coira (“El desconocido”)
Pablo Trapero e Alejandro Carrillo Penovi (“O clã”)

Melhor direção de arte
Angélica Perea (“O abraço da serpente”)
Bruno Duarte e Artur Pinheiro (“As mil e uma noites: Volume 2, o desolado”)
Jesús Bosqued Maté e Plar Quintana (“La novia”)
Sebástian Orgambide (“O clã”)

Melhor direção de fotografia
Carlos García e Marco Salavarria (“O abraço da serpente”)
David Machado, Jaime Fernández e Nacho Arenas (“El desconocido”)
Eduardo Cárceres e Julien Cloquet (“Ixcanul”)
Federico Esquerro, Santiago Fumagalli e Edson Secco (“Paulina”)
Vicente D’Elía e Leandro de Loredo (“O clã”)

Melhor música original
Alberto Iglesias (“Ma Ma”)
Federico Jusid (“Malgallanes”)
Lucas Vidal (“Nadie quiere la noche”)
Nascuy Linares (“O abraço da serpente”)
Pascual Reyes (Ixcanul”)

Prêmio Platino Camilo Vives a longa de estreia de seu diretor
“600 milhas” (México)
“El desconocido” (Espanha)
“El patrón: Radiografía de un crimen” (Argentina e Venezuela)
“Ixcanul” (Guatemala)
“Magallanes” (Peru, Colômbia, Argentina e Espanha)

Facebook Comments